Seguir o O MINHO

Ponte de Lima

Moradores da Lapa, em Ponte de Lima, não descartam providência cautelar para parar obras

Plano de mobilidade encurta passeios e aumenta estacionamento. “Pode estar a violar a lei 123/2006”

em

Os moradores do Largo da Lapa, em Ponte de Lima, não descartam a hipótese de avançar com uma providência cautelar para parar as obras que estão na decorrer naquele espaço no centro histórico da vila.

Em causa, a alteração do plano de mobilidade que encurta passeios e aumenta o espaço de estacionamento. “Pode estar a violar a lei 123/2006”, referem os moradores.

O presidente da Câmara contactado por O MINHO reconhece que “já foram feitas pequenas alterações no projeto para irem ao encontro das pretensões dos moradores” e espera que a providência cautelar não avance: “seria lamentável que tal acontecesse”.

Os moradores com o andamento da obra perceberam as deficiências do projeto e vieram a público denunciar o que está a ser feito: “com as guias do passeio postas, tornou-se ainda mais gritante o absurdo”, começam por dizer, acrescentando que “além dos desníveis entre as casas, o passeio tem, em vários locais, uma pendente acentuada para a rua, devido ao desnível entre as casas e a rua que está quase sempre numa cota inferior às casas.

Iniciadas há cerca de dois meses, os moradores e transeuntes continuam sem ter um “passeio” em condições, tendo, pelo contrário, “de caminhar pela terra, o que se agravou com as chuvadas de há uma semana, em que uma pessoa ficou com a perna enterrada na lama até ao joelho”. Mas há mais questões levantadas pelos moradores a começar pela primazia do automóvel em detrimento dos peões, “em contraciclo com o que se está a fazer pelo país fora”. Os passeios de 1,5 metros para os peões, “além de pequenos, serão ainda obstruídos pelas frentes dos carros estacionados, por caixas de corte da EDP e por candeeiros de iluminação pública”.

O resultado final, também, não agrada: “será um espaço todo em pedra, que absorverá e irradiará o calor do sol. Vai-se tornar impossível circular a pé ou bicicleta por esta zona, sem uma sombra”.

Associação de Cidadãos Automobilizados

O caso já chegou à Associação de Cidadãos Automobilizados. A O MINHO, o presidente Mário Alves, confirma ter tido acesso ao caso: “já pedimos o projeto de execução à câmara porque estamos em crer que não cumpre o decreto de lei 123/06”.

Foto: O MINHO

Mário Alves lamenta que “os moradores e a população em geral não tenham tido acesso ao projeto de execução porque legalmente tem que estar disponível”. Sem querer tecer muitos comentários sem “ver o projeto”, Mário Alves diz que “à primeira vista, os passeios parecem ser muito estreitos” mas “no decreto lei já tudo detalhado e espero que o Município tenha levado isso em conta”.

Na teoria, se o projeto não cumprir os requisitos legais terá que ser reformulado pela autarquia, em diálogo com as entidades interessadas no projeto e ”de forma pedagógica”. Caso persistam os erros recorrer ao tribunal é uma hipótese.

Victor Mendes

O presidente da Câmara de Ponte de Lima em declarações a O MINHO começa por esclarecer que as “reivindicações prendem-se com questões relacionadas com o acesso para cidadãos com mobilidade reduzida” e não com o corte de árvores.

Para o autarca, numa primeira análise, a Câmara tem que cumprir com a legislação em vigor e “se um dos grandes objetivos desta intervenção numa área que faz parte do centro histórico é melhorar as acessibilidades, nomeadamente, para cidadãos com mobilidade reduzida, o município terá que cumprir com a legislação em vigor”.

Por isso, “o meu compromisso era verificar, uma vez mais, se o projeto de uma forma global cumpria com a lei das acessibilidades e a conclusão era que cumpria mas apesar disso fizemos alguns ajustamentos que, no fundo, vão ao encontro das reivindicações das pessoas que ali vivem e cumprem também aquilo que são os nossos objetivos”.

Providência cautelar não é oportuna

Ora uma vez que o projeto foi alterado levando em conta as pretensões dos moradores, para Victor Mendes, “não me parece que seja oportuno a apresentação de uma providência cautelar de um projeto que foi aprovado na câmara, teve o visto do tribunal de contas, que cumpre as leis das acessibilidades, que é equilibrado, que vai dinamizar aquele espaço, que vai ordenar o estacionamento e vai ter um novo mobiliário urbano”.

Foto: O MINHO

A providência irá “prejudicar quem ali vive e atrasar as obras e isso sim é que nos preocupa porque queremos que as obras decorram o mais rapidamente possível, reduzindo o impacto que estas obras costumam ter. Estou convicto que irá imperar o bom senso e estamos disponíveis para dialogar com quem quer que seja”.

Anúncio

Ponte de Lima

Homem de 77 anos encontrado morto em casa em Ponte de Lima

Moreira do Lima

em

Um homem, de 77 anos, foi encontrado morto em casa, esta sexta-feira, na freguesia de Moreira do Lima, em Ponte de Lima, disse a O MINHO fonte dos bombeiros.

A vítima estaria incontactável há dois dias, o que motivou um alerta dado por familiares para as autoridades. Ao local deslocaram-se militares da Guarda Nacional Republicana (GNR) de Ponte de Lima, apoiados pelos Bombeiros de Ponte de Lima.

Foi necessária a abertura de porta da habitação do septuagenário, tendo este sido encontrado, já sem vida, numa das divisões.

Os bombeiros de Ponte de Lima efetuaram transporte da vítima para o Instituto de Medicina Legal de Viana do Castelo.

Fonte das autoridades explicou a O MINHO que, regularmente, se deparam com situações de pessoas que, vivendo sozinhas, acabam por sofrer uma súbita, entrando em paragem cardiorrespiratória, não se sabendo, no entanto, se foi isso que sucedeu nesta ocorrência.

Continuar a ler

Ponte de Lima

Morreu Carlos Anjos, colecionador de mais de 30 mil brinquedos em Ponte de Lima

Impulsionador do Museu do Brinquedo Português

em

Carlos Anjos em entrevista. Foto: RTP

Carlos Anjos, antigo proprietário de um espólio com cerca de 30 mil brinquedos de fabrico português, residente em Ponte de Lima, morreu esta quarta-feira, anunciou fonte próxima da família.

Era conhecido por percorrer o país em busca de brinquedos antigos, algo que, segundo o próprio, se tornou um vício. Terá começado pelo colecionismo de apitos de barro, passando depois para peças em madeira.

Deixou, recentemente, todo o seu espólio ao Museu do Brinquedo Português, situado na vila limiana, depois de estabelecer um protocolo com a autarquia local e com a Associação Concelhia das Feiras Novas.

Natural de Chaves, onde viveu até aos cinco anos, morou ainda em Angola, no Porto, até se instalar em Ponte de Lima. Exercia a profissão de oficial de justiça.

Em entrevista dada à RTP, em dezembro de 2018, o colecionador explica que o primeiro brinquedo que colecionou foi um carro de bombeiros, datado de 1940, que encontrou “num caixote do lixo de um fabricante de brinquedos”.

Em 2009, recebeu um convite da Câmara de Ponte de Lima, já depois de ter participado em várias feiras e mercados com os brinquedos repetidos que possuía.

“Perguntou-me se estava interessado em abrir um museu em Ponte de Lima e eu disse-lhe para vir ter comigo, assim falávamos e ele conhecia os meus brinquedos”, contou à RTP.

O museu foi inaugurado a 08 de junho de 2012.

O corpo de Carlos Anjos encontra-se em câmara ardente na Igreja da Misericórdia, em Ponte de Lima, indo a sepultar no cemitério municipal, esta quinta-feira, a partir das 15:00 horas.

Continuar a ler

Ponte de Lima

Camionista de Ponte de Lima bloqueado há 6 dias numa estrada em Itália. Terá sido enganado pelo GPS

Com uma carga de rolos de papel

em

Foto: DR

Um camião de uma empresa de transportes de Ponte de Lima está bloqueado numa estrada municipal da comuna de Manta, em Itália, desde sexta-feira da semana passada.

De acordo com ecos da imprensa local, o veículo da J.A. Cunha, de Sandiães, terá ficado atolado com uma carga de rolos de papel, depois de o motorista ter seguido por uma estrada errada – provavelmente devido a indicações incorretas do navegador de GPS, segundo é sugerido – terminando na parte montanhosa da cidade.

Fotos: DR

“Ele tentou fazer a manobra num campo, mas a estrada é estreita e devido às primeiras chuvas, o veículo ficou preso transversalmente, com as rodas motrizes imóveis na lama”, é relatado.

O pouco espaço para manobrar a viatura, associado às suas dimensões e peso, está a dificultar as operações para a retirar do local, onde permanece há seis dias.

O motorista foi recebido de forma hospitaleira pelas gentes locais, refere o jornal da província de Cuneo TargatoCN, mas recusou ajuda “porque o camião está preparado para longas distâncias e, portanto, para dormir e comer”.

A autarquia daquela localidade italiana está ao corrente da situação.

Contactada por O MINHO, a empresa não quis prestar declarações.

Continuar a ler

Populares