Montenegro avisa que reivindicações dos polícias não podem pôr em causa interesse coletivo

Primeiro-ministro defende “maior justiça e equilíbrio nas remunerações”
Foto: Lusa

As reivindicações das forças de segurança nomeadamente ao nível de vencimentos, por muito justas que sejam, não podem pôr em causa o interesse coletivo do país, avisou hoje o primeiro-ministro Luís Montenegro.

Discursando na Figueira da Foz, distrito de Coimbra, perante 271 guardas provisórios da GNR que hoje completaram o 54º curso de formação de guardas, Luís Montenegro defendeu “maior justiça e equilíbrio nas remunerações das mulheres e homens que servem nas forças de segurança”.

“A nossa única limitação é apenas fazer coincidir este esforço com um outro que está acima de tudo: quem tem, como nós temos, a missão de cuidar pelo bem-estar de todo um país, tem de ter o sentido de responsabilidade de não fazer nenhum interesse particular, por mais legítimo e justo que seja, fazer claudicar o interesse coletivo de todo um povo e de toda uma nação”, frisou o primeiro-ministro.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Turistas não residentes crescem 19,2% em 2023 e superam níveis de 2019

Próximo Artigo

Viana e Braga são os distritos com mais área ardida no primeiro semestre

Artigos Relacionados
x