Seguir o O MINHO

Alto Minho

Monção inspira-se em concurso da sardinha e desafia imaginação com dragão Coca

Candidaturas até 30 de agosto

em

Foto: DR

A Câmara de Monção inspirou-se no concurso da Sardinha de Lisboa e lançou hoje um desafio à imaginação e criatividade do público para reforçar o ícone do concelho, um dragão chamado Coca, que simboliza o mal.

Em comunicado, a autarquia explicou que a primeira edição do concurso Coca Monção decorre até 30 de agosto e está aberto a propostas apresentadas “individualmente ou em coautoria, tendo como base a silhueta da forma da Coca”.

O mítico dragão é uma das figuras centrais da festividade do Corpo de Deus, celebração secular com caraterísticas muito próprias, onde o sagrado e o profano se cruzam.

Nesta festividade, um dos momentos altos no é tradicional “combate” entre São Jorge e o “dragão” Coca. Nesta luta, o “bem” é personificado por São Jorge, um cavaleiro da terra montado num cavalo branco, sendo o “mal” representado pelo dragão, uma estrutura empurrada por cerca de meia dúzia de funcionários da autarquia.

Pintado de verde e com fumo a sair pelas orelhas, o dragão tem a cabeça móvel e “goelas bem abertas”, fazendo uma figura que por vezes assusta o cavalo e torna a vida difícil ao cavaleiro.

O “bem” só é declarado vencedor se conseguir desferir golpes certeiros na língua e nas orelhas do dragão, mas por vezes o combate dura poucos minutos, dificultado precisamente pelo medo do cavalo.

A população de Monção torce sempre pela vitória de São Jorge, por representar, reza a tradição, boas sementeiras e boas colheitas.

A primeira edição do concurso Coca de Monção está aberta a propostas “executadas em qualquer técnica digital ou manual sobre papel/cartolina, colagem, fotografia ou objetos tridimensionais, devendo, neste último caso, ser fotografadas e/ou digitalizadas”.

“Os principais requisitos prendem-se com a originalidade e criatividade, bem como com a sua adaptabilidade a diferentes materiais de comunicação”, sublinha a nota da autarquia.

Organizado pela Câmara de Monção, com o apoio de um banco, o concurso tem como “padrinho” o artista plástico Bordalo II.

Em abril, foi inaugurada na abertura do Museu Monção & Memórias uma escultura de Bordalo II, inspirada na Coca, com oito metros de altura e feita de lixo.

A obra “colorida” é feita de “plástico de alta densidade, partes de ecopontos, partes de para-choques de carros”, entre outro tipo de “lixo, desperdício, e resíduos que causa contaminação e poluição”.

Além de Bordalo II, o júri do concurso integra ainda o músico Noiserv, o escritor e artista multidisciplinar Afonso Cruz, Acácio Viegas (artista visual contemporâneo), Chelo Matesanz (artista e professora) e a ilustradora Sónia Borges.

Nesta primeira edição do Coca Monção, serão selecionadas 30 propostas que, a partir de 02 de outubro, estarão em exposição no Museu Monção & Memórias.

Nesse dia, serão anunciados três vencedores, sendo que terão direito a prémio pecuniário cujo valor oscila entre os mil e os 300 euros.

Caso “o júri assim o entenda, poderão ser atribuídas menções honrosas”.

O concurso Sardinhas Festas de Lisboa desafia portugueses ou estrangeiros, dos 8 aos 80 anos, a desenhar as sardinhas mais criativas. Este ano realizou-se a décima edição que recebeu mais de 2.600 ilustrações, oriundas de 42 países.

Na terça-feira, a organização, a cargo da EGEAC Cultura em Lisboa, anunciou os sete trabalhos vencedores de autores portugueses, um brasileiro, um bielorrusso e um francês, sendo cada um receberá um prémio no valor de mil euros.

A pandemia, as vacinas, os migrantes, a cultura, o ambiente ou o Santo António, serviram de inspiração para a criação de novas sardinhas.

Populares