Seguir o O MINHO

Alto Minho

Ministro alerta em Caminha que este ano é de “maior risco” para incêndios florestais

Duarte Cordeiro apelou a “maiores cuidados”

em

Foto: DR / Arquivo

O ministro do Ambiente, Duarte Cordeiro, admitiu hoje que este ano é de “maior risco” para a ocorrência de fogos florestais e apelou a “maiores cuidados”.

“É muito importante todo o país ter consciência dos riscos associados aos fenómenos climatéricos e este é um ano, pelas suas condições, de maior risco que se antecipa, que exige de todos maiores cuidados”, alertou o governante à margem do encontro nacional de sapadores florestais realizado em Caminha, a propósito do dia nacional daqueles profissionais que se assinala no sábado.

Depois de ter sido divulgado que naquele distrito do Norte do país já ardeu nos primeiros meses de 2022 o mesmo que em todo o ano de 2021, Duarte Cordeiro disse ser esta uma fase onde é necessário “ter muito cuidado com as ações que acarretam riscos do ponto de vista de incêndio”, uma mensagem que, destacou, “tem de ser transmitida a todos os portugueses”.

Considerando haver um “risco evidente”, que motiva uma particular “atenção e cuidado”, o ministro do Ambiente destacou também o trabalho que está a ser feito pelos sapadores.

“Não é visível, mas é importante valorizar o seu trabalho e o empenho do Governo em dar cada vez mais condições às equipas e mais meios para realizarem melhor o seu trabalho”, afirmou.

O governante respondia também assim ao apelo lançado momentos antes pelo presidente da Comissão Distrital de Proteção Civil, Miguel Alves, para a criação da carreira e estatuto dos Sapadores Florestais.

“É um trabalho que está a ser feito, quer ao nível do enquadramento profissional quer dos meios para o seu trabalho. É uma das várias questões que temos neste mandato. Não tenho nenhum calendário definido, mas tenho bem presente é um dos assuntos que nos interessa. Queremos equipas motivadas, com condições para desempenhar o melhor trabalho possível”, afirmou.

Duarte Cordeiro disse que as equipas de Sapadores criadas em 1999 são “um dos projetos mais bem-sucedidos da área governativa das florestas”, adiantando que, atualmente estão operacionais 411 com área de intervenção em 158 municípios.

“O Governo tenciona em 2022 lançar concurso para a constituição de mais equipas de sapadores”, disse, sublinhado que o investimento do Governo nestas brigadas “passou, em 2015, de 7,5 milhões de euros, para quase 17 milhões de euros em 2021, representando um crescimento de 55%”.

Populares