Seguir o O MINHO

País

Militar acusado de matar outro com G-3 diz que vítima municiou a arma e se suicidou

Regimento de Comandos

em

Foto: DR

Um militar dos Comandos acusado de matar outro com uma espingarda G-3, no Quartel da Carregueira, em setembro de 2018, negou hoje o crime no Tribunal de Sintra, sustentando que a vítima municiou a arma e se suicidou.

No início do julgamento, Deisom Camará, de 22 anos e em prisão preventiva em Tomar desde 30 de novembro de 2018, contou ao coletivo de juízes, presidido por Paulo Almeida Cunha, que estava de sentinela na casa da guarda de apoio ao paiol, no Regimento de Comandos, em 21 de setembro de 2018, quando o soldado Luís Teles Lima apareceu no local.

O arguido contou que, após espreitar pela janela, o camarada entrou na casa da guarda, o que lhe provocou “confusão”, exclamando ‘Então?’, pois ficou surpreso com a visita. Deisom Camará, que estava sentado a jogar ao telemóvel, relatou que mantiveram depois um diálogo, de três, quatro minutos, no qual o soldado Lima “desabafou” que estava “desanimado” por estar colocado na companhia de formação e que tinha sido excluído de participar numa nova missão na República Centro Africana (RCA).

O arguido disse que perguntou ao soldado Lima, com quem nunca teve qualquer problema, mas assumindo manter apenas uma relação profissional e de respeito muito, e não de amizade, se se queria sentar, mas este ficou de pé.

O soldado Camará descreveu que, num primeiro momento, o soldado Lima se aproximou da mesa onde estava a G3, retirou o carregador, colocou-o em cima da mesa e levou a arma para o exterior da casa da guarda, sem que o arguido conseguisse visualizar a vítima.

Inicialmente, o arguido ficou “tranquilo e descansado”, pois pensou que o soldado Lima tinha ido realizar os procedimentos de segurança à espingarda. Depois, ouviu um tiro, dirigiu-se para o exterior e deparou-se com a vítima caída de barriga para baixo, com a arma ao lado do corpo e o cano virado para o lado dos pés.

“Quando saio e vejo-o no chão fiquei em choque, fiquei paralisado a ver aquilo. Começo a chamar por ele, não respondeu. Estava inconsciente, mas ainda respirava. A minha única reação foi ligar para toda a gente que estava no quartel a pedir ajuda, para virem ao paiol. Liguei para o oficial de dia”, indicou Deisom Camará.

O presidente do coletivo de juízes questionou então o arguido como é que foi possível o soldado Lima ter pegado na arma e disparado um tiro, se o carregador ficou em cima da mesa.

“O [soldado] Lima fazia parte do apoio ao tiro. Tinha livre acesso às munições. Municiou a munição diretamente na câmara e fez o disparo. Não havia munição na câmara. Ele introduziu manualmente na câmara a munição que já trazia com ele”, respondeu o arguido.

Na contagem que foi feita ainda nesse dia pelo arguido e por outro militar, na presença do comandante do Regimento de Comandos, Coronel Eduardo Pombo, no carregador que estava introduzido na G3, estavam todas as munições: uma de salva (que é a primeira a ser disparada, que serve de aviso) e as 16 munições reais.

“Estavam lá as munições todas, não faltava nenhuma: 16 munições reais e uma de salva”, sublinhou o arguido, reforçando que se a vítima se tivesse matado com as munições do carregador, teria de dar dois tiros, pois a primeira munição a disparar é a de salva.

Questionado pela procuradora do Ministério Público como é que explica que o exame pericial tenha comprovado a existência de resíduos de pólvora nas suas mãos, o arguido explicou que alertou o inspetor da Polícia Judiciária Militar nesse momento que tinha as mãos sujas, com sangue, pois tinha estado em contacto com o corpo da vítima e com a zona do peito afetada pelo disparo.

Em 28 de novembro de 2018, dia em que o arguido foi detido, as autoridades encontraram numa caixa num armário do seu quarto, em Agualva, no concelho de Sintra (distrito de Lisboa), “quatro munições reais de calibre 7.62 mm (milímetros), do mesmo lote da munição que vitimou o soldado Teles”, 10 munições de salva, uma munição real de outro calibre, uma granada de instrução ativa e não deflagrada, e um invólucro de um morteiro de 60 mm.

Hoje, em julgamento, Deisom Camará justificou ter estas munições como sendo “recordações” da sua vida de militar.

O julgamento prossegue em 12 de dezembro com as primeiras testemunhas.

Anúncio

País

Presidente da República diz que investimento angolano é bem vindo se respeitar a “legalidade”

Luanda Leaks

em

Foto: Presidência / Arquivo

O Presidente da República afirmou, esta terça-feira, que é bem-vindo a Portugal o investimento de todo o mundo desde que respeite a legalidade, a propósito do caso “Luanda Leaks”, que remeteu para o poder judiciário e reguladores.

Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado sobre esta investigação de um conjunto de órgãos de comunicação, em que foram detalhados esquemas financeiros da empresária angolana Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo, num hotel de Jerusalém, onde se encontra para participar no 5.º Fórum Mundial do Holocausto.

“Eu disse, em geral, que o investimento vindo desse país, como de outros países, como de cidadãos de todo o mundo, é bem-vindo, naturalmente no respeito da constitucionalidade e da legalidade. Continua a ser bem-vindo”, respondeu aos jornalistas.

O Presidente da República, que tinha sido confrontado com anteriores declarações suas sobre o investimento angolano em Portugal, acrescentou: “Aliás, ainda esta semana o primeiro-ministro falou disso, da importância do investimento externo e do crescimento em Portugal. Isso eu mantenho completamente”.

Quanto à atuação das autoridades portuguesas face ao caso “Luanda Leaks”, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que “aparentemente” esta é “uma matéria que envolve poderes do poder judiciário, das instituições judiciais de investigação e de decisão, e dos supervisores, e dos reguladores – que são independentes e devem ser independentes”, e não o poder político.

“Cabe agora, naturalmente, a esses poderes analisarem o que devem fazer, como devem fazer, se tiverem de o fazer. O Presidente da República não vai dizer o que é que pensa da intervenção do Ministério Público, o que é que pensa da intervenção de um tribunal num determinado caso, o que é que pensa da intervenção de uma entidade reguladora, que são muitas, que podem ter a ver com estas atividades”, defendeu.

Continuar a ler

País

Os números do Euromilhões

Sorte

em

Foto: O MINHO/Arquivo

É esta a chave do sorteio do Euromilhões desta terça-feira, 21 de janeiro: 10, 11, 24, 36 e 46 (números) e 3 e 5 (estrelas).

Em jogo para o primeiro prémio está um valor de 17 milhões de euros.

Continuar a ler

País

Marcelo Rebelo de Sousa e Presidente de Israel acertam troca de visitas de Estado

Presidente da República

em

Foto: Twitter

O Presidente da República acertou, esta terça-feira, uma troca de visitas de Estado com o seu homólogo israelita, Reuven Rivlin, e manifestou a vontade de regressar a Israel para a inauguração da futura praça Aristides de Sousa Mendes.

Em declarações aos jornalistas, num hotel de Jerusalém, depois de ter sido recebido por Reuven Rivlin na residência oficial do Presidente do Estado de Israel, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que este encontro “correu muito bem” e que se verificou “uma aproximação” de posições entre os dois sobre a situação regional.

O chefe de Estado, que chegou esta terça-feira a Jerusalém para participar no 5.º Fórum Mundial do Holocausto, na quinta-feira, assinalou que “não havia a vinda de um Presidente português a Israel desde o Presidente Mário Soares, há 25 anos”.

Marcelo Rebelo de Sousa disse que convidou o seu homólogo israelita “a visitar Portugal, se possível até ao fim do ano”, adiantando que, a concretizar-se essa visita, que depende do “calendário apertado” de Reuven Rivlin, ficou acertado que fará depois uma visita recíproca a Israel.

Questionado se voltará a Israel para inaugurar a futura praça com o nome de Aristides de Sousa Mendes em Jerusalém, o Presidente da República respondeu que o seu plano era “ter agora participado na inauguração da praça” ou, pelo menos, “na primeira pedra que fosse colocada”, lamentando: “Mas infelizmente ainda não há praça”.

“É evidente que, vindo a resolver-se esse problema em tempo ou de calhar coincidentemente com a minha visita a Israel ou de justificar uma presença noutra circunstância, eu terei muito prazer e muita honra”, acrescentou.

“Se for, quando for, melhor, se coincidir com esta troca de visitas de Estado, melhor ainda”, reforçou Marcelo Rebelo de Sousa, que termina este seu mandato em março de 2021.

Continuar a ler

Populares