Redes Sociais

Alto Minho

Miguel Alves recandidata-se à liderança da federação socialista de Viana do Castelo

 a

Foto: DR/Arquivo

O atual presidente da federação distrital do PS de Viana do Castelo, Miguel Alves, anunciou esta segunda-feira a recandidatura ao cargo nas eleições para aquele órgão partidário, marcadas para 09 de março. 

Em comunicado enviado à agência Lusa, a recandidatura de Miguel Alves apontou o apoio de Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação, dos presidentes das Câmaras de Paredes de Coura e Melgaço, de nove presidentes de concelhias do distrito de Viana do Castelo, dos dois deputados socialistas eleitos pelo Alto Minho à Assembleia da República, da presidente do departamento de Mulheres Socialistas e da Federação da Juventude Socialista de Viana do Castelo.

Na nota, Miguel Alves, que é também presidente da Câmara de Caminha, apontou como objetivos da candidatura “o regresso, em força, do PS no ciclo autárquico de 2021, o fomento da militância e da formação, a presença forte nas eleições europeias de 2019 e o aumento do número de deputados eleitos nas próximas legislativas”.

O socialista, que concorre a um segundo mandato na liderança daquele órgão partidário destacou a modernização da Linha do Minho, a abertura da Unidade de Cuidados Continuados em Melgaço, os compromissos da ligação de Paredes de Coura à autoestrada A3 e a reabilitação das escolas secundárias por todo o distrito como “bons momentos” dos últimos dois anos.

Já a perda, nas últimas eleições autárquicas, das Câmaras de Monção e Ponte da Barca para o PSD, são, para Miguel Alves, “os momentos menos bons do mandato, assumindo as suas responsabilidades, na convicção de que existem condições e protagonistas para recuperar cada uma das autarquias e apontar para vencer outras que há muito não são do PS”.

O prazo para apresentar candidaturas à presidência da federação socialista termina no dia 22 de fevereiro, sendo a de Miguel Alves a única formalizada até ao momento.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Alto Minho

Barco de pesca que estava à deriva em Caminha chega a Vigo dentro dois dias

Reboque está a decorrer a uma velocidade muito baixa.

Publicado

 a

Foto: DR

O barco de pesca que estava à deriva ao largo de Caminha desde quinta-feira e que começou a ser rebocado cerca das 08:00 de hoje demorará “dois dias a chegar ao porto de Vigo, Galiza, informou hoje a Marinha.

Em declarações à agência Lusa, o porta-voz da Marinha, comandante Fernando Fonseca, explicou que o “reboque está a decorrer a uma velocidade muito baixa, devendo demorar dois dias”.

“Muito dificilmente o barco chegará a Vigo antes de domingo”, referiu, adiantando que os dez tripulantes a bordo “estão bem, tranquilos e a colaborar com a corveta Jacinto Cândido, da Marinha”, que está a acompanhar a operação.

O barco “Vila do Infante”, de um armador de Vila Praia de Âncora, em Caminha, estava à deriva desde a manhã de quinta-feira sem energia, com dez tripulantes a bordo, a cerca de 160 quilómetros daquele concelho do Alto Minho.

Na quinta-feira, em comunicado, o Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo de Lisboa (MRCC Lisboa), adiantou que a tripulação é composta por cinco portugueses e cinco indonésios.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Viana do Castelo

BEI empresta 60 milhões para inédito parque eólico flutuante em Viana do Castelo

Investimento total de 125 milhões.

Publicado

 a

Foto: DR/Arquivo

O Banco Europeu de Investimento (BEI) concedeu hoje um empréstimo de 60 milhões de euros à Windplus, subsidiária da EDP, Repsol e Principle Power, para o funcionamento do primeiro parque eólico flutuante no mar, em Viana do Castelo.

Além do financiamento do banco da União Europeia, entram nesta fase, que prevê um investimento total de 125 milhões de euros, 29,9 milhões de euros do programa comunitário NER300, o “apoio direto de seis milhões de euros do Fundo de Carbono Português e o resto passará por investimento dos acionistas”, precisou o presidente executivo da EDP, António Mexia.

No início da cerimónia de assinatura do acordo de financiamento do Windfloat, Mexia notou que, no lançamento deste projeto, “muita gente acharia que o destino [do projeto] era flutuar, mas no fundo do mar”, tendo-se provado agora o contrário quando se entra na segunda fase do processo.

A primeira fase passou por verificar se a estrutura “iria sobreviver”, ao longo de cinco anos, aos mais de 15 metros de ondas da zona de Viana do Castelo. Nessa altura estavam envolvidas 210 pessoas, mais de 60 fornecedores, dois megawatts de potência instalada e um investimento de 23 milhões de euros.

Agora, o projeto por três anos, vai envolver mais de 450 pessoas qualificadas, um investimento de 125 milhões de euros e 25 megawatts de potência instalada.

As turbinas passam de dois megawatts para outras de 8,4 megawatts, que medem, desde o mar até à ponta da sua lâmina, 210 metros, ou seja, dois campos de futebol.

Mexia apresentou o WindFloat como um “projeto absolutamente pioneiro e inovador a nível mundial, no que diz respeito à energia renovável ‘offshore’ [no mar]”, já que em causa está a “tecnologia mais desenvolvida e mais competitiva da utilização do vento em mar e em sítios com profundidade, que impedem a utilização de estacas no fundo mar”.

Entre outras vantagens do projeto está o facto de “não deixar rasto”, ao serem utilizadas plataformas flutuantes.

Marcaram presença na cerimónia a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, e o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, que desde segunda-feira também assumiu a Transição Energética.

Esteve igualmente presente o novo secretário da Energia, João Galamba, empossado na quarta-feira, em substituição de Jorge Seguro Sanches, no âmbito de uma remodelação governamental.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Alto Minho

Caminha vai ser palco da corrida de São Silvestre

Em dezembro.

Publicado

 a

Foto: Divulgação

Caminha vai ser palco, no dia 08 de dezembro, da I São Silvestre naquele concelho. As inscrições já estão a decorrer e deverão ser efetuadas online.

As corridas de São Silvestre dominam o calendário atlético do mês de dezembro. Com concentração marcada junto à Torre do Relógio, pelas 19:00, a corrida terá uma duração máxima de uma hora e 45 minutos.

A I São Silvestre de Caminha é composta por uma corrida e uma caminhada.

A corrida, com um percurso de 10 km, dirige-se para atletas federados e não federados. A caminhada, com um percurso de 5 km, destina-se a todas as faixas etárias e não tem fins competitivos.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Populares