Seguir o O MINHO

Alto Minho

Miguel Alves recandidata-se à liderança da federação socialista de Viana do Castelo

em

Foto: DR/Arquivo

O atual presidente da federação distrital do PS de Viana do Castelo, Miguel Alves, anunciou esta segunda-feira a recandidatura ao cargo nas eleições para aquele órgão partidário, marcadas para 09 de março. 

Em comunicado enviado à agência Lusa, a recandidatura de Miguel Alves apontou o apoio de Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação, dos presidentes das Câmaras de Paredes de Coura e Melgaço, de nove presidentes de concelhias do distrito de Viana do Castelo, dos dois deputados socialistas eleitos pelo Alto Minho à Assembleia da República, da presidente do departamento de Mulheres Socialistas e da Federação da Juventude Socialista de Viana do Castelo.

Na nota, Miguel Alves, que é também presidente da Câmara de Caminha, apontou como objetivos da candidatura “o regresso, em força, do PS no ciclo autárquico de 2021, o fomento da militância e da formação, a presença forte nas eleições europeias de 2019 e o aumento do número de deputados eleitos nas próximas legislativas”.

O socialista, que concorre a um segundo mandato na liderança daquele órgão partidário destacou a modernização da Linha do Minho, a abertura da Unidade de Cuidados Continuados em Melgaço, os compromissos da ligação de Paredes de Coura à autoestrada A3 e a reabilitação das escolas secundárias por todo o distrito como “bons momentos” dos últimos dois anos.

Já a perda, nas últimas eleições autárquicas, das Câmaras de Monção e Ponte da Barca para o PSD, são, para Miguel Alves, “os momentos menos bons do mandato, assumindo as suas responsabilidades, na convicção de que existem condições e protagonistas para recuperar cada uma das autarquias e apontar para vencer outras que há muito não são do PS”.

O prazo para apresentar candidaturas à presidência da federação socialista termina no dia 22 de fevereiro, sendo a de Miguel Alves a única formalizada até ao momento.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Viana do Castelo

Líderes do PSD de Viana “advertidos” no caso das duas listas às autárquicas

Eleições autárquicas de 2017

em

Carlos Morais Vieira, à esquerda, e Eduardo Teixeira, à direita, com o antigo secretário-geral do PSD. Foto: DR / Arquivo

O conselho de jurisdição nacional do PSD aplicou a sanção disciplinar de advertência aos líderes da distrital e da concelhia do partido, em Viana do Castelo, na sequência do caso das duas listas apresentadas à Assembleia Municipal nas últimas autárquicas.

De acordo com o acórdão 272018, a agência Lusa teve ontem acesso, o presidente da comissão política distrital, Carlos Morais Vieira, foi advertido por não ter enviado as listas a candidatar, em Viana do Castelo, às eleições autárquicas de 2017 ao plenário da secção local do PSD.

“Foram solicitados por diversas formas e com diversas insistências que os responsáveis distritais indicassem os nomes que integrariam as listas candidatas bem como o Programa Eleitoral com o objetivo de permitir que essa Assembleia se pronunciasse sobre os mesmos. Não foi indicado por qualquer forma, nenhum nome nem nenhum elemento do Programa Eleitoral, nem sequer apresentada qualquer justificação para tal”, lê-se no documento datado de 19 de dezembro.

Contactado pela agência Lusa, Carlos Morais Vieira disse ter sido notificado da decisão do conselho de jurisdição nacional, na quarta-feira, mas escusou-se a falar sobre o assunto.

Já o presidente da comissão política concelhia, Eduardo Teixeira, foi sancionado por ter entregado, no tribunal, uma lista concorrente aquele ato eleitoral sem poderes para o efeito e sem aprovação da distrital do partido.

“Tal lista não foi entregue pelo Mandatário com poderes para o ato, nem obteve aprovação distrital (…) O mandatário com poderes para o ato, não só entregou lista diferente como impugnou a anteriormente entregue”, adianta o acórdão.

À Lusa, Eduardo Teixeira disse não ter sido notificado da decisão e por esse motivo não quis prestar declarações.

Para eleições autárquicas de 2017, o PSD de Viana do Castelo apresentou duas listas de candidatos à Assembleia Municipal daquele concelho.

Uma das listas, apresentada pelo candidato do partido à Câmara de Viana do Castelo, homologada pelos órgãos nacionais e aprovada pela comissão política distrital, era encabeçada por Eduardo Viana, ex-secretário de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade do anterior governo PSD/CDS-PP e atual deputado municipal.

A outra lista era liderada pelo presidente da comissão política concelhia, ex-vereador na Câmara de Viana do Castelo e ex-deputado na Assembleia da República, Eduardo Teixeira.

O Tribunal de Viana do Castelo rejeitou a lista à Assembleia Municipal apresentada e liderada por Eduardo Teixeira, por “irregularidade insuprível”. Também o Tribunal Constitucional “negou provimento” ao recurso.

Com aquela decisão ficou validada a lista à Assembleia Municipal encabeçada por Eduardo Viana.

No acórdão do conselho jurisdição nacional assinado pelo presidente do conselho de jurisdição nacional, Nunes Liberato e pelo relator, João Paulo Meireles, foi ainda aplicada a mesma sanção, a mais leve do regulamento de disciplina do partido, ao candidato às eleições autárquicas de 2017 e atual vereador do PSD na Câmara de Viana do Castelo, Hermenegildo Costa (também já notificado da decisão), e ao empresário Luís Sanches, na altura secretário-geral da concelhia.

De acordo com o documento, com 19 páginas, os quatro responsáveis foram sancionados pela “manifesta falta de zelo no desempenho de funções” e por “pôr em causa o bom nome do partido ou a confiança que está depositada no infrator”.

Àquelas infrações, Carlos Morais Vieira e Hermenegildo Costa juntam o “manifesto desrespeito pelas deliberações emitidas pelos órgãos competentes do partido”.

Já Eduardo Teixeira e Luís Sanches foram ainda sancionados por se terem “candidatado a qualquer lugar eletivo do Estado ou de autarquias locais, sem autorização do competente órgão do partido”.

No acórdão, o conselho de jurisdição justificou a sanção menos gravosa pelo facto de os “arguidos serem militantes ativamente empenhados, com exercício abnegado de funções e cargos no partido, com um historial de dedicação a servir as populações designadamente decorrente do exercício de cargos autárquicos” e, por “nenhum ter antecedentes disciplinares”.

Ao mandatário concelhio, Sandro Durães, não foram aplicadas sanções por “não se vislumbrar qualquer censura que lhe deva ser dirigida”.

“Agiu com poderes para o ato que lhe foram legalmente conferidos e reiterados. Seguiu as instruções de quem lhe conferiu tal instrumento de representação, entregou listas completas, com a documentação completa e sem irregularidades”, sustenta o acórdão.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Pastelaria assaltada em Viana do Castelo

Roubada caixa registadora

em

Ainda está em processo de averiguações, o assalto à mão armada de uma pastelaria na Freguesia de Chafé, em Viana do Castelo.

O crime ocorreu, ontem ao final da tarde, por um indivíduo sob ameaça de arma de fogo.

Segundo fonte do Comando Territorial da GNR de Viana do Castelo, ao JN, o assaltante “roubou caixa registadora e pôs-se em fuga”, desconhecendo-se o valor do roubo no estabelecimento comercial, situado na rua de Estrada Velha.

Continuar a ler

Valença

Já há lampreia em Valença

Até Abril é possível provar o prato típico

em

Foto: CM Valença

Lampreia é rainha à mesa, em Valença, até meados de abril, em 23 restaurantes. A considerada melhor lampreia do mundo, apresenta-se como um prato de excelência, desta temporada mais friorenta.

A tradição apresenta a lampreia, em Valença, à bordalesa, em arroz de lampreia, recheada, assada no forno ou na brasa.

Por esta época saborear a lampreia é uma verdadeira romaria, no mínimo uma vez por ano, assim manda a tradição. Os segredos da preparação, confeção e apresentação tem passado de geração para geração pelas mãos sábias das cozinhas das aldeias que a restauração local recria.

As primeiras lampreias da época já estão a sair nas redadas dos pescadores das comunidades de São Pedro da Torre e Cristelo Côvo e segundo os mesmos “é de excelente qualidade”.

A lampreia é um prato de época e é entre janeiro e abril que se apresenta na plenitude dos seus sabores.

Continuar a ler

Populares