Seguir o O MINHO

País

Marcelo congratula-se com louvor e “justa homenagem” a militares portugueses na RCA

Forças armadas

em

Foto: ilustrativa / DR

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, congratulou-se hoje com o louvor atribuído à 8.ª Força Nacional Destacada na República Centro-Africana (RCA), considerando-a uma “justa homenagem” aos militares portugueses.

“O Presidente da República e Comandante Supremo das Forças Armadas congratula-se com o louvor atribuído à 8.ª Força Nacional Destacada na República Centro-Africana (RCA) pelo Comandante da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA)”, refere uma nota divulgada na página da Internet da Presidência.

Para o chefe de Estado, “presta-se, assim, justa homenagem à capacidade operacional dos militares portugueses que servem Portugal, no cumprimento da missão de proteger as populações daquele país”.

Os cerca de 180 militares portugueses da tropa especial Comandos mereceram na quinta-feira um louvor pela “coragem”, “bravura”, “excelente atitude” e “profissionalismo” em operações da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA).

A carta oficial de comenda do comandante da MINUSCA, o tenente-general Daniel Sidiki Traoré (Exército do Burkina Faso), distingue “louváveis atos de coragem e heroísmo” da “8ª Força de Reação Rápida portuguesa”, cujo objetivo foi “assegurar um ambiente de paz e segurança, liberdade de movimentos e proteção dos civis na região de Bossembélé”, divulgou na sexta-feira o Estado-Maior General das Forças Armadas portuguesas, em comunicado.

“Através da sua ação e inquebrantável dedicação pelo regresso da paz à RCA, honraram a MINUSCA, a missão e as Nações Unidas. O trabalho realizado deve dar grande satisfação e reconhecimento na esfera internacional à sua nação, Portugal. Pela sua excelente atitude e profissionalismo, este contingente é assim agraciado com o louvor do comandante da força”, lê-se na missiva.

Traoré referia-se à situação de crise de segurança em Bossembélé e em Bagui, entre 18 de dezembro de 2020 e 23 de janeiro de 2021, quando voltaram os confrontos entre os grupos armados e as forças armadas nacionais da RCA, entre constantes rumores de golpe de Estado e ameaça de boicote às eleições.

“Em 17 de dezembro de 2021 a Coligação dos Patriotas para a Mudança (CPC) atacou as forças armadas nacionais em Yaloke, forçando a sua retirada para Bossembélé, onde foram novamente alvo dos grupos armados. A MINUSCA lançou operações para restabelecer a segurança e manter a paz a sul de Bossembélé e retomar o controlo da via de comunicação MSR1”, que liga a capital da RCA, Bangui, ao porto de Douala, já nos Camarões, descreveu o comandante da força da ONU que junta cerca de 11.000 militares de diversos países, incluindo Portugal.

Traoré sublinha na carta de louvor que, “graças à intervenção resoluta da 8ª Força de Reação Rápida portuguesa, as operações foram um sucesso”.

“Esta unidade mostrou coragem e bravura excecionais dadas as circunstâncias. Sem hesitarem em colocar as suas vidas em perigo, estes elementos da MINUSCA demonstraram um altíssimo nível de profissionalismo. Pondo as suas capacidades ao serviço da missão e demonstrando grande estofo físico e mental, confirmaram de forma brilhante a sua habilidade para responder às ameaças colocadas pelo adversário”, elogiou.

A RCA caiu no caos e na violência em 2013, após o derrube do então presidente, François Bozizé, por grupos armados juntos na Séléka, o que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas na anti-Balaka.

Desde então, o território centro-africano tem sido palco de confrontos comunitários entre estes grupos, que obrigaram quase um quarto dos 4,7 milhões de habitantes da RCA a abandonarem as suas casas.

Portugal tem atualmente na RCA 243 militares, dos quais 188 integram a MINUSCA e 55 participam na missão de treino da União Europeia (EUTM), liderada pelo brigadeiro-general Neves de Abreu, até setembro de 2021.

Populares