Seguir o O MINHO

País

Marcelo avisa Costa que será difícil a sua substituição a meio da legislatura

Política

em

Foto: Twitter / António Costa

O Presidente da República avisou hoje o primeiro-ministro, António Costa, que será difícil a sua substituição a meio da legislatura, defendendo que os portugueses “deram a maioria absoluta a um partido, mas também a um homem”.

“É o preço das grandes vitórias, inevitavelmente pessoais e intencionalmente personalizadas. E é sobretudo o respeito da vontade inequivocamente expressa pelos portugueses para uma legislatura”, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, na cerimónia de posse do XXIII Governo Constitucional, no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa.

O chefe de Estado considerou que a maioria absoluta do PS nas eleições legislativas de 30 de janeiro proporciona ao novo executivo “condições excecionais para, sem desculpas ou álibis, poder fazer o que tem de ser feito”, mas realçou que em democracia não há lugar para “poder absoluto nem ditadura de maioria”.

Dirigindo-se diretamente a António Costa, o Presidente da República disse-lhe: “Deram a maioria absoluta a um partido, mas também a um homem, vossa excelência, senhor primeiro-ministro, um homem que, aliás, fez questão de personalizar o voto, ao falar de duas pessoas para a chefia do Governo”.

“Agora que ganhou, e ganhou por quatro anos e meio, tenho a certeza de que vossa excelência sabe que não será politicamente fácil que esse rosto, essa cara que venceu de forma incontestável e notável as eleições possa ser substituída por outra a meio do caminho. Já não era fácil no dia 30 de janeiro, tornou-se ainda mais difícil depois do dia 24 de fevereiro”, acrescentou, referindo-se à invasão russa da Ucrânia.

O XXII Governo Constitucional, que tem como “número dois” a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, inicia funções com um horizonte mais longo do que o habitual, uma legisaltura até setembro ou outubro de 2026, por resultar de eleições legislativas antecipadas.

EM FOCO

Populares