Marcelo assume contacto a José Ornelas para lhe dizer que envio de denúncia “não foi pessoal”

Escândalos sexuais na igreja portuguesa

O Presidente da República assumiu hoje que teve a iniciativa de contactar o bispo José Ornelas para lhe dizer que “não foi pessoal” a denúncia contra ele que encaminhou para o Ministério Público.

Em resposta a perguntas dos jornalistas, à saída de uma iniciativa na sede da União das Misericórdias Portuguesas, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa frisou que o seu contacto com o bispo da diocese de Leiria-Fátima, em 24 de setembro, foi posterior ao envio da denúncia para a Procuradoria-Geral da República (PGR), feito em 06 de setembro.

Segundo o chefe de Estado, quando ocorreu esse contacto entre os dois, José Ornelas já “sabia pela comunicação social há semanas que havia a investigação” do Ministério Público, embora ainda não tivessem saído notícias sobre este caso de alegado encobrimento de abusos sexuais.

Marcelo Rebelo de Sousa rejeitou que o seu contacto com o bispo que preside à Conferência Episcopal Portuguesa possa ter colocado em causa a investigação em curso: “Não, pois a Presidência comunicou para investigação, soube pela comunicação social que estava a ser investigado, que o Ministério Público estava investigar. Não tinha nenhum problema”.

O Presidente da Repúbica assumiu a iniciativa do contacto ao bispo José Ornelas, declarando: “Tomei eu a iniciativa”.

E justificou desta forma o contacto com o bispo José Ornelas: “Eu senti-me na obrigação porque entretanto me chegou uma versão apresentada pela comunicação social de que teria sido uma iniciativa por ser A, B ou C. E eu disse: olhe, senhor D. José, é muito simples, isto é a regra geral que se aplica e, portanto, a comunicação social diz que foi uma coisa pessoal, não foi pessoal”.

Sobre o processo de denúncia, relatou que quando lhe chegou às mãos no Palácio de Belém “despachou para o chefe da Casa Civil, sem olhar sequer para o teor da suspeita, sem ler o teor da suspeita”, e mandou encaminhar para o Ministério Público, “dizendo: é uma suspeita de matéria criminal, faça-se como sempre”.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Nem um golaço de Trincão aos 50 segundos evitou pesada derrota do Sporting em Marselha

Próximo Artigo

PAN critica “rumo de desvalorização salarial” da função pública

Artigos Relacionados
x