Seguir o O MINHO

Braga

Marcelo afirma em Braga que guerra na Ucrânia é “injusta, ilegítima e intolerável”

XV Encontro COTEC Europa

em

Presidente da República em Braga. Foto: O MINHO

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, classificou hoje a guerra na Ucrânia como “injusta, ilegítima e intolerável” e destacou o papel da Cultura como fator de inclusão, integração e paz.

Em Braga, no encerramento do XV Encontro COTEC Europa, em que também marcaram presença o rei de Espanha e o presidente da Itália, Marcelo afirmou ainda que “nada travará” aquilo que une os três países.

“Não travou a pandemia, não travará a guerra”, disse.

Num encontro que decorreu sob o lema “A cultura ao encontro da inovação”, o Presidente da República afirmou que “vale a pena celebrar” a cultura mesmo em tempos de guerra.

Até porque, sublinhou, a cultura “é também integração e inclusão”. “Aqui, estamos a construir paz”, referiu.

Marcelo destacou Portugal, Espanha e Itália como “exemplos” de integração e inclusão de migrantes e refugiados. “Nos nossos países, não há xenofobia”, vincou.

Para o Presidente da República, este encontro da COTEC assume-se, desde logo, como “um sinal de vida”, já que se realiza apesar da guerra “injusta, ilegítima e intolerável que devasta” a Ucrânia.

“Um sinal de vida contra a morte, de paz contra a guerra, de esperança contra a desesperança, de futuro contra o medo e paralisia no presente. Vale a pena sempre regressar à cultura, é como regressar a casa”, referiu.

Fortes medidas de segurança em Braga para receber Rei de Espanha e Presidente de Itália

Lembrou que a cultura é transversal a todos os setores, desde a educação à saúde, passando pela solidariedade social, política ou diplomacia.

“A cultura atravessa tudo, tem um valor económico”, enfatizou.

Disse que Portugal, Espanha e Itália têm registado um crescendo de “investimentos uns nos outros” e defendeu que esse tem de continuar a ser o caminho, com o reforço da cooperação entre os três países.

“A COTEC nasceu para afirmar ainda mais as três economias”, rematou.

Populares