Redes Sociais

Braga

Manuel Monteiro diz “estar de bem com o CDS”, só não sabe se CDS está de bem consigo

Candidato da Nova Democracia em Braga nas eleições legislativas de 2009, Monteiro obteve apenas 0,7% dos votos e a sucessão de desaires ditou o fim do partido que disputava o espaço da direita ao CDS.

 a

Foto: abnoxio.com / Ademar Matos

O antigo líder do CDS-PP Manuel Monteiro, natural de Vieira do Minho, admitiu hoje ter dúvidas quanto a uma eventual refiliação no partido, dizendo estar “de bem com o CDS”, mas ainda não saber se o contrário se verifica.

“Eu quero estar de bem com o CDS, eu ainda não percebi se o CDS está de bem comigo”, afirmou Manuel Monteiro, numa conferência organizada pela Tendência Esperança e Movimento (TEM) do CDS-PP.

Desafiado por um militante democrata-cristão da Batalha a dizer quando voltará a filiar-se no partido que liderou entre 1992 e 1998, Manuel Monteiro admitiu ainda ter “imensas dúvidas” a esse respeito.

“Mas também não tenho nenhum comboio à espera nem horários a cumprir (…) Eu estou de bem com o CDS-PP e, portanto, se isso tiver de acontecer acontecerá com naturalidade. Se não tiver de acontecer, não será por isso que, se me convidarem, deixarei de fazer campanha pelo CDS”, assegurou.

Dizendo concordar com a maioria das ideias do partido, Monteiro salientou ter “o maior respeito pela presidente do CDS-PP”, Assunção Cristas, – cuja presença foi anunciada no encerramento da iniciativa pela TEM, mas acabou por não constar da sua agenda oficial – com quem esteve na quinta-feira, depois de a ter convidado para dar uma aula na cadeira que leciona na Universidade Lusíada, no Porto.

Monteiro, que saiu do CDS-PP para fundar um partido, a Nova Democracia, revelou que, na rua, as pessoas continuaram sempre a associá-lo aos democratas-cristãos.

“Eu não preciso de ser militante do CDS para, sempre que o CDS queira, eu esteja disponível para ajudar no que eu puder e desde que isso não cause nem ciúmes, nem engulhos, nem perturbações que não fazem sentido”, disse.

Na sua intervenção, subordinada ao tema “Portugal e o Mundo: Como nos reafirmamos?”, o antigo presidente centrista defendeu que se vive “um momento ímpar na vida política portuguesa”.

“Pode permitir que o CDS se catapulte em termos eleitorais, mas desde que seja para fazer diferença e não apenas para eleger mais umas quantas pessoas”, alertou.

Manuel Monteiro apontou um enviesamento ao sistema político português, salientando que “um regime que começa à esquerda e termina ao centro é um regime que lhe falta algo”.

“Houve uma época em que o CDS se afirmou claramente precisamente na ideia de que nenhum regime pode ser um regime estável se é coxo”, disse.

Afirmando-se como “uma pessoa de direita”, o antigo deputado referiu que hoje “há jovens que têm vergonha, receio, medo” de se assumirem como tal, o que considerou “profundamente grave e preocupante”.

Apontando a “crise de valores” como o principal problema do país, Monteiro considerou que esta deriva de um problema mais vasto no mundo ocidental e manifestou-se contra o que chamou uma “Europa de portas escancaradas”.

“Não tenho nada contra a emigração, mas atenção à ideia de que quem entra tem liberdade de ser exatamente como é. Amanhã serão a maioria na Europa e nós não teremos liberdade de sermos como somos”, alertou, lembrando que, no passado, os cristãos sempre tiveram como objetivo converter os que não partilhavam da sua religião.

Para o antigo líder do CDS-PP, atualmente os partidos, mesmo quando acreditam nestes princípios, “têm medo de os afirmar, convencidos que perdem voto”.

“Não perdem”, defendeu.

No encontro organizado pela TEM, liderada por Abel Matos Santos, que defende abertamente o regresso de Monteiro ao CDS, participaram várias personalidades, entre elas os economistas João Ferreira do Amaral, os professores universitários Nuno Garoupa e Paulo Otero, além de Francisco Rodrigues dos Santos, presidente da Juventude Popular.

Líder dos centristas entre 1992 e 1998, Manuel Monteiro saiu do CDS em rutura com Paulo Portas, para fundar o Partido da Nova Democracia, em 2003, extinto em 2010 pelo Tribunal Constitucional.

Candidato da Nova Democracia em Braga nas eleições legislativas de 2009, Monteiro obteve apenas 0,7% dos votos e a sucessão de desaires ditou o fim do partido que disputava o espaço da direita ao CDS.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Braga

Armas apreendidas a suspeito de 60 anos que terá ameaçado familiares

Publicado

 a

Foto: Divulgação / GNR

A GNR de Amares apreendeu diversas armas a um homem com 60 anos, que ameaçou os familiares, no concelho de Amares.

O Comando Territorial de Braga da GNR, através do seu Posto Territorial de Amares, na sexta-feira, apreendeu várias armas, em Amares, no âmbito de uma investigação em que supostamente, um homem de 60 anos, ameaçou familiares, com recurso a uma arma de fogo, os militares deram cumprimento a um mandado de busca domiciliária, do qual resultou na apreensão de uma arma de fogo de calibre 12, três armas transformadas, uma arma de alarme, 175 munições diversos calibres e um bastão artesanal, segundo revelou.

Ao suspeito foi aplicada pelo Tribunal Judicial de Amares a medida de coação mínima e obrigatória, que é o termo de identidade e residência, segundo informou a O MINHO o comandante do Destacamento Territorial da GNR da Povoa de Lanhoso, capitão Orlando Mendes.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Braga

Braga: Paraquedista galega cai devido à força do vento

Publicado

 a

O momento em que a jovem paraquedista entrava no Hospital de Braga. Foto: O MINHO

Uma jovem paraquedista galega caiu ao final da tarde de hoje, fora da área de descida do Aeródromo Municipal de Palmeira, em Braga, alegadamente devido à força do vento.

A paraquedista, de 25 anos, sofreu traumatismos nos membros inferiores e no tornozelo esquerdo, tendo caído num terreno de agricultura, logo atrás do campo de futebol do clube Movimento Juventude da Póvoa, na freguesia de Palmeira, nos arredores de Braga, depois de ter embatido ligeiramente num cabo de alta tensão.

A vítima foi assistida pelo pessoal da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do INEM do Hospital de Braga e pelos Bombeiros Voluntários de Braga, que a conduziram para o Serviço de Emergência do Hospital de Braga, onde está fora de perigo.

 

Notícia atualizada às 21h56.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Braga

Jovem bailarina de Braga em destaque em concurso da RTP

A imagem do curioso e “supreendente” momento foi partilhada por Ricardo Costa, conhecido empresário da cidade e orgulhoso pai da promessa bracarense.

Publicado

 a

Foto: Imagens da RTP

A jovem bailarina Carolina Costa, que completou 12 anos no passado dia 21 de outubro, esteve esta sexta-feira em destaque num concurso televisivo transmitido em prime time, ao ser incluída numa das perguntas colocadas a um concorrente. Foi no programa “Joker”, da RTP, transmitido esta sexta-feira à noite.

Na pergunta escolhida pela produção, a concorrente foi questionada acerca do número de medalhas conquistadas pela jovem no último Dance World Cup, que decorreu em junho passado.

Lara Machado e Carolina Costa. Foto: Arquivo

A pequena bailarina, na altura com onze anos, conquistou quatro medalhas de ouro e uma de prata, nas finais mundiais, que tiveram lugar em Barcelona, ao longo de uma semana, e onde a colega Lara Machado, de 14 anos, natural e residente em Carreiras São Miguel, Vila Verde, terminou com cinco medalhas de ouro, três de prata e uma de bronze.

MAIS NOTÍCIAS: Sobre Carolina Costa | Sobre Lara Machado

Segundo a organização, Carolina Costa “teve uma participação histórica”, uma vez que nas suas seis coreografias conquistou as cinco referidas medalhas, naquele que é o maior concurso mundial e que já no próximo ano se realizará em Braga.

A bailarina bracarense, agora aluna do Conservatório Internacional de Dança Annarella Sanchez, em Leiria, disse, a O MINHO, à chegada de Barcelona, que “o resultado foi fantástico, apesar do pouco tempo que tive para aprender e ensaiar as coreografias que dancei, porque foram só seis dias para eu aprender seis coreografias, mas valeu bem a pena este esforço”.

“Para isso muito contribuiu a forma como fui recebida por todos os meus colegas de conservatório, a quem agradeço do fundo do coração todo o trabalho desenvolvido pelos professores, que é sem dúvida de excelência”, salientou.

O programa “Joker”, que já foi para o ar quarenta vezes, é apresentado pelo popular apresentador Vasco Palmeirim, que também é conhecido por participar no programa das manhãs da Rádio Comercial, e está disponível online no site da RTP, durante os próximos sete dias.

Sinopse do Programa

Vasco Palmeirim, apresentador de “Joker”. Foto: Divulgação / RTP

“Cada pergunta tem quatro hipóteses de resposta. Por cada resposta correta, o concorrente sobe um patamar na árvore do dinheiro, até atingir o sétimo e último patamar da árvore, no valor de 50 mil euros. Quando lá chegar, deve tentar manter-se no topo, respondendo acertadamente às perguntas, de modo a assegurar o prémio máximo.

O concorrente tem um trunfo na manga: o seu acompanhante, que o vai auxiliar nas rondas especiais: Ronda Bónus e Super Joker. Ao fim de quatro perguntas, o concorrente tem a hipótese de ganhar 1 ou 2

Jokers extra na Ronda Bónus. Seguem-se mais quatro perguntas e terá de novo a oportunidade de ganhar mais dois Jokers extra, numa segunda Ronda Bónus, para enfrentar as quatro derradeiras perguntas. O acompanhante desempenha ainda um papel fundamental no Super Joker, onde dá o seu contributo numa única pergunta do jogo”.RTP.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Populares