Seguir o O MINHO

Futebol

Mais do que derrotar o Marítimo, treinador do Vitória quer “ganhar bem”

I Liga

em

O treinador do Vitória SC, Pepa, afirmou hoje que a sua equipa quer “ganhar bem” ao Marítimo, realizando uma exibição competente no jogo de abertura da nona jornada da I Liga portuguesa de futebol, na sexta-feira.

Apesar de a formação minhota ter vencido os dois últimos jogos, perante o Famalicão (2-1), para a oitava ronda do campeonato, e o Oliveira do Hospital (1-0), para a terceira eliminatória da Taça de Portugal, o técnico adiantou que os resultados, em si mesmos, não chegam para deixar o plantel “satisfeito” e assumiu o desejo de presenciar uma exibição com “volume ofensivo” e “energia”.

“Nesta casa, neste balneário, nesta equipa técnica, vimos de duas vitórias, mas ninguém está satisfeito. Queremos ganhar, mas queremos ganhar bem. É bom estarmos no sorteio da Taça [de Portugal], [hoje], mas isso não chega. Queremos mais e melhor. Queremos os três pontos, mas também queremos mostrar concentração e rigor. Queremos jogar bem”, disse, na antevisão ao duelo marcado para as 20:15, em Guimarães.

O Vitória, sétimo classificado, com 10 pontos, recebe um adversário que ocupa o 13.º posto, com sete pontos, e que, no último fim de semana, ‘caiu’ na ‘prova rainha’ frente ao Varzim, da II Liga – 3-2 nos penáltis, depois de um 2-2 após 120 minutos.

Pepa realçou, ainda assim, que o conjunto madeirense tem “bons executantes” e um treinador, Julio Velázquez, que “conhece muito bem” o futebol português, sendo, por isso, um adversário “competente”.

Confrontado com a tendência da equipa se ‘perder’ em campo após boas entradas, como se verificou frente ao Arouca – 2-2, após estar a vencer por 2-0 – e frente ao Oliveira do Hospital, Pepa frisou que a “concentração cansa”, mas é necessária ao longo dos 90 minutos para se vencer.

“A concentração requer algo muito específico. A concentração cansa. Um jogador de xadrez tem todas as condições para não se cansar, pois está sentado, mas acaba um jogo exausto. Mesmo quando a bola está longe, é preciso manter os equilíbrios. Se a bola estiver fora do campo, pode ser um momento de ‘esfregar’ o olho, mas não dá. O foco tem de estar sempre no limite”, disse.

O treinador comentou também a possibilidade de o Estádio D. Afonso Henriques acolher pela primeira vez um jogo sem restrições de lotação desde o aparecimento do novo coronavírus, algo que, a seu ver, deve ser aproveitado pelos jogadores.

Questionado ainda sobre o ciclo que se segue, com partidas frente a Benfica, para a Taça da Liga, na quarta-feira, e com o Sporting, em 30 de outubro, para o campeonato, Pepa disse recear mais a “frequência de jogos” do que os “nomes dos adversários”, mas afirmou-se convencido de que tem opções para “apresentar o melhor ‘onze’ em cada jogo”.

Com o extremo Rúben Lameiras apto, após ter sido infetado com o novo coronavírus, os defesas Jorge Fernandes e Sílvio, o médio Gui e o avançado Herculano são os atletas vitorianos indisponíveis por lesão.

O Vitória de Guimarães, sétimo classificado da I Liga, com 10 pontos, recebe o Marítimo, 13.º, com sete, em jogo da nona jornada da I Liga, agendado para as 20:15 de sexta-feira, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, com arbitragem de André Narciso, da Associação de Futebol de Setúbal.

Populares