Seguir o O MINHO

Região

Mais 55 infetados na UMinho durante a última semana

Covid-19

em

Foto: DR

A comunidade académica da Universidade do Minho, onde se incluem estudantes, docentes e não-docentes, registou mais 55 casos de infeção pelo novo coronavírus desde o passado dia 23.

Numa circular interna a que O MINHO teve acesso, o reitor Rui Vieira de Castro informa que o total acumulado desde o início do mês de outubro é de 112, mais um do que ontem.

Este anúncio faz parte da política de transparência daquela faculdade, embora não anuncie o número de casos que estão ativos nem os recuperados.

Braga e Guimarães, onde a UMinho tem pólos, são dos concelhos mais fustigados do Minho, também por serem os mais habitados.

Guimarães, nos últimos dois dias, registou 280 novos casos de covid-19, o maior aumento de sempre em dois dias.

O concelho de Braga regista 694 casos ativos de infeção, acumulando agora 2.703 desde o início da pandemia, mais 87 desde a passada quarta-feira.

Braga

Concelho de Braga com 1.700 casos ativos e 1.734 em isolamento

Covid-19

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O concelho de Braga registou 434 novos casos de covid-19 entre terça e quinta-feira. Desde o início da pandemia soma 13.949 infeções.

Casos ativos são atualmente 1.700 1.476, mais 224 dos registados na passada terça-feria.

Estes números foram apurados por O MINHO junto de fonte local da saúde e atualizados às 18:00 desta quinta-feira.

O número de óbitos mantém-se nos 168.

Há ainda um total de 11.871 recuperados, mais 210 em dois dias

Há 1.734 pessoas em vigilância ativa.

Continuar a ler

Guimarães

Freguesia de Guimarães aproveita poda para aquecer casa dos mais desfavorecidos

Solidariedade

Foto: Divulgação / JF Ponte

Os mais desfavorecidos da vila de Ponte, em Guimarães, têm agora oportunidade de recolher sobrantes da poda das árvores localizadas em espaços públicos para aquecer as casas e também para cozinhar no fogão a lenha.

De acordo com uma nota daquela Junta de Freguesia, os resíduos, não só da poda mas também da desmatação de caminhos, estão disponíveis na Loja Social através do apoio da Brigada Verde, que procedeu ao corte dos sobrantes.

Segundo a mesma nota, esta iniciativa não visa apenas ajudar os mais desfavorecidos, mas também promover uma estratégia de economia circular e de sustentabilidade ambiental, rentabilizando-se ao máximo os recursos disponíveis, protegendo-se o meio ambiente.

Continuar a ler

Alto Minho

“Hortense” derruba poste de eletricidade em Ponte de Lima e corta estrada em Valença

Depressão Hortense

Foto: DR / Arquivo

Um poste de eletricidade tombou e uma árvore provocou o corte de uma estrada muncipal em Valença e condicionou o trânsito numa estrada nacional em Melgaço, apurou O MINHO junto do CDOS.

Pelo que foi possível apurar, a queda de um poste de eletricidade em Refóios do Lima, que terá tombado na via pública, não provocou danos de maior no fornecimento de energia naquela freguesia. O acidente ocorreu no lugar de Vacariça, com alerta a ser dado 23:38, segundo o CDOS. No local está a proteção civil e os bombeiros para remover o poste da via.

Situação mais complicada em Valença, na freguesia de Cerdal, onde uma árvore cortou por completo uma estrada camarária no lugar de Alderete. No local estão os bombeiros a proceder ao corte e remoção da árvore para desimpedir a via. O alerta foi dado às 23.16.

Também em Melgaço, a queda de uma árvore provocou condicionamento do trânsito na Estrada Nacional 202, na freguesia de Prado. Os bombeiros deslocaram-se imediatamente para o local e já resolveram a situação, com a estrada a estar novamente aberta na totalidade. Este alerta foi dado às 23:12.

Segundo fonte do CDOS, esta noite, face ao aviso amarelo, são esperadas mais ocorrências deste género, mas, até agora, não há registo de danos materiais nem de feridos.

Quedas de árvores em poucos minutos no distrito de Braga

Entre as 22:39 e as 23:01, foram registadas cinco quedas de árvore que impediram circulação em cinco concelhos distintos do distrito de Braga: Vila Verde, Braga, Guimarães, Esposende e Terras de Bouro. Ao que apurou O MINHO junto do CDOS, não há registo de feridos nem de danos materiais.

De acordo com a página da Proteção Civil, pelas 22:39 uma árvore caiu em Moreira de Cónegos, no concelho de Guimarães. Seguiu-se, pelas 22:46, nova queda de uma árvore na freguesia de Celeirós, no concelho de Braga.

Pelas 22:56, novo registo, desta vez em Vila Chã, no concelho de Esposende. Pelas 22:59, uma árvore caiu em Lanhas, no concelho de Vila Verde.

Finalmente, pelas 23:01, uma árvore caiu em Chamoim, no concelho de Terras de Bouro.

Já às 23:17, caiu uma árvore no Sameiro, em Braga.

Para todas estas cinco quedas foi necessária a intervenção de bombeiros e proteção civil, uma vez que as mesmas caíram em locais de mobilidade, impendindo assim a possível circulação na via pública.

Rajadas até 130 km/h

A depressão Hortense, centrada no Golfo da Biscaia, com epicentro a cerca de 450 quilómetros a nordeste de Viana do Castelo, vai agravar os seus efeitos no território minhoto a partir das 00:00 horas desta sexta-feira, com a previsão de rajadas de vento que podem chegar aos 130 km/h.

O anúncio foi feito ao final da tarde pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), dando conta que o sistema frontal associado à tempestade é um sistema de forte atividade e o ramo frio deste sistema irá atravessar o território a partir desta noite e a madrugada do dia 22.

Refere o IPMA que a passagem desta superfície frontal fria irá afetar com maior intensidade as regiões do Norte e Centro onde se prevê ocorrência de precipitação forte e persistente e vento de oeste forte, com rajadas muito fortes.

“Nas terras altas acima dos 1.200 metros, a precipitação será de neve, que no extremo Norte e na Serra da Estrela poderá, temporariamente, interditar ou condicionar as estradas”, refere o relatório do IPMA, enviado a O MINHO.

“No período mais gravoso, que será esta noite e até ao início da manhã de dia 22, podem ocorrer rajadas até 95 km/h nas regiões Norte e Centro e até 120 km/h a 130 km/h nas terras altas”, acresce a mesma nota.

“À passagem da superfície frontal fria, é provável que em alguns locais possam ocorrer situações de rajadas de vento muito intenso, que podem estar associadas a fenómenos extremos de vento”, alerta o IPMA.

Esta situação de corrente forte de oeste está a originar agitação marítima forte, prevendo-se na Costa Ocidental ondas de altura significativa de 5 a 6 metros, podendo atingir 10 a 12 metros de altura máxima.

Prevê-se que as ondas diminuam para 4 a 5 metros no final de dia 22.

Para acompanhamento da situação meteorológica recomenda-se a consulta da previsão e dos avisos meteorológicos através da página do IPMA.

Continuar a ler

Populares