Seguir o O MINHO

Região

Machados, Mercedes e mensagens sexuais. Homicídios que abalaram o Minho nos últimos três anos

Cronologia

em

Foto: Arquivo

O jovem menor de 16 anos suspeito de matar o pai com um machado, esta sexta-feira, dia 26 de julho, em Pereira, Barcelos, fica a aguardar julgamento em prisão domiciliária, decretou o juiz de instrução após primeiro inquérito judicial.

Este é apenas outro caso de homicídio com contornos horripilantes perpetrado na região minhota. O MINHO recorda alguns dos homicídios que fizeram manchetes um pouco por todo o país tendo como palco diversos concelhos da região minhota ao longo dos últimos três anos.

2017

Mata ex-mulher e suicida-se em dia de aniversário de casamento

A 16 de fevereiro de 2017, em Arnoso Sta. Eulália, Vila Nova de Famalicão, um homem de 56 anos matou a ex companheira a tiro, suicidando-se de seguida. O caso teve contornos ainda mais dramáticos por se tratar do dia em que a vítima completava 51 anos e ambos fariam anos de matrimónio. Manuel Braga, que habitualmente trabalhava como padeiro, encontrava-se desempregado e com um mandato judicial que impedia a sua aproximação da ex-mulher, Paula Forte. Naquela noite fatídica, aproximou-se da casa da vítima e, ao avistar a mesma, desferiu tiros fatais, alegadamente com uma caçadeira, suicidando-se de seguida. Quando os serviços de emergência chegaram ao local, encontraram ambos ainda com vida, mas não resistiram aos ferimentos.

Mata quatro vizinhos à facada em Barcelos

Foto: O MINHO / Arquivo

Cerca de um mês depois do anterior caso, a 23 de março de 2017, novo ato de terror acontece na região do baixo Minho, desta feita em Tamel S. Veríssimo, Barcelos, com um homem de 60 anos a matar quatro vizinhos com recurso a uma faca. Uma das vítimas estava grávida de sete meses. Adelino Briote, autor do massacre, acabou por se suicidar em dezembro do mesmo ano, na ala psiquiátrica do hospital prisional de Caxias, anulando assim o julgamento por quatro homicídios e um aborto. O homem, reformado, atravessava um processo de divórcio e terá, num ato psicótico, matado dois vizinhos idosos que não quiseram ser testemunhas abonatórias num processo que o mesmo estava acusado de agressões à filha e ex-sogra. Matou-os à facada. Assassinou ainda outra vizinha que tentou socorrer os idosos e uma grávida que vivia na casa em frente. Na altura, entregou-se à GNR confessando os crimes.

Mãe e filho acusados de matar empresário e simular sequestro em Vila Verde

Foto: O MINHO / Arquivo

A 25 de outubro de 2017, atos homicidas chegam ao concelho de Vila Verde. Um empresário foi encontrado sem vida dentro de uma carrinha Mercedes, junto ao aeródromo de Braga, em Palmeira. O homem estaria vendado e com as mãos atadas e foi vítima de disparo de arma de fogo na região do pescoço. A Polícia Judiciária desconfiou da família desde início acabando por deter, numa primeira instância, a viúva do suspeito, por ser “pessoa de interesse” na investigação, deixando-a no entanto em liberdade sujeita a apresentações periódicas na PSP. Deteve depois o filho da vítima, cerca de um ano depois do crime, a 21 de setembro de 2018, por o considerar o principal suspeito. O jovem de 21 anos estava em França, para onde tinha emigrado depois do homicídio do pai, e foi entregue à PJ pela polícia francesa. Encontra-se em prisão preventiva enquanto aguarda julgamento. Em abril de 2019, foi deduzida acusação de homicídio simples agravado por uso de arma de fogo ao jovem e à viúva, sua mãe. Segundo a acusação, o jovem terá disparado contra o pai depois de uma “violenta discussão”. A mãe e mulher da vítima nada terá feito para impedir o disparo fatal. A acusação refere que a mãe terá dado “sumiço” à arma e, juntamente com o filho, levado o corpo da vítima, dentro de uma Mercedes, deixando-o em Palmeira, Braga, de forma a simular uma execução procedente de rapto. O MP refere ainda que o que terá motivado este desfecho trágico na família foram “reiteradas agressões de que vinham sendo alvo por parte da vítima ao longo do tempo”.

2018

Esfaqueiam pescador pelas costas em Viana do Castelo após SMS de cariz sexual

10 de dezembro de 2018. Um jovem pescador de 22 anos foi mortalmente esfaqueado nas costas em Areosa, Viana do Castelo, alegadamente por o atual namorado de uma ex-companheira da vítima, de quem tinha dois filhos. Dois homens, de 29 e 33 anos, foram detidos e acusados da coautoria material e na forma consumada de um homicídio qualificado, dois dias depois do crime, estando um deles em prisão preventiva e outro em prisão domiciliária. A vítima foi esfaqueada numa rua daquela freguesia e acabou por morrer já no hospital de Viana do Castelo, após sofrer “um colapso e laceração pulmonar, perfuração de diafragma e fígado”, resultantes do esfaqueamento com recurso a uma faca de cozinha com 34 centímetros de comprimento e quatro de largura. De acordo com a acusação do Ministério Público, os dois arguidos pretendiam “dar um corretivo” à vítima, a quem acusavam de enviar mensagens de cariz sexual às respetivas namoradas. A vítima terá sido esfaqueada pelas costas.

2019

Estrangula a mulher em Vieira do Minho e comenta assassinato no Facebook

Foto: Facebook

A 6 de março de 2019, António Fidalgo terá estrangulado a mulher, Ana Paula, de quem se estaria a divorciar. O caso deu-se em Salamonde, Vieira do Minho, com o homicida a entregar-se de seguida no posto territorial da GNR de Braga. No entanto, segundo o advogado do arguido, este não chegou a confessar o crime. O casal estaria dentro de casa, por cima de um café do qual eram proprietários, quando António terá estrangulado Ana Paula até à morte, alegadamente por ciúmes. O homem chegou mesmo a comentar o ato bárbaro na caixa de comentários da página de Facebook de O MINHO, dando a entender que existiria uma terceira pessoa relacionada com a vítima, de quem teria ciúmes. O advogado do arguido, João Magalhães, em declarações ao jornal SOL, indicou que “houve de facto uma discussão antes da mulher ter sido encontrada morta”, e que “o amante” da vítima esteve com ela na altura em que a vítima foi alvo de tentativas de reanimação pelos serviços de emergência. Dois dias depois do crime, o homem de 44 anos viu ser-lhe aplicada a medida de prisão preventiva por um juiz do Tribunal de Guimarães, situação em que ainda se encontra enquanto aguarda julgamento.

Esfaqueia quatro pessoas em esplanada de Guimarães devido a ruído

A 22 de abril de 2019, Joaquim Ferreira, de 52 anos, cansado do ruído que provinha de uma esplanada de café em Fermentões, Guimarães, terá esfaqueado quatro pessoas, matando uma mulher de 46 anos. A vítima foi golpeada por diversas vezes no pescoço. O filho desta, de 26 anos, foi outra das vítimas, ficando em estado grave. Na altura, a esplanada do café encontrava-se bastante composta em termos de clientes, que não se aperceberam, numa primeira fase, do ataque de Joaquim Ferreira. O mesmo esfaqueou ainda duas outras vítimas, até que os gritos destas alertaram os restantes presentes, iniciando o homicida uma fuga. Acabou por se entregar no posto da PSP de Guimarães. Ainda tinha a faca do crime na mão. Foi detido pela PJ de Braga aguardando julgamento em prisão preventiva.

Anúncio

Braga

Casal ferido após despiste na variante em Braga

Variante Sul

em

Foto: O MINHO

Um homem e uma mulher sofreram ferimentos na sequência de um despiste rodoviário na variante Sul de Braga, na tarde deste sábado.

Ao que apurámos, a viatura terá entrado em despiste, colidindo com um dos separadores de cimento laterais.

Foto: O MINHO

Uma das vítimas terá perdido a consciência na sequência do embate, mas acabou por recuperar os sentidos.

No local estiveram dois operacionais dos Bombeiros Sapadores de Braga e a equipa médica da VMER de Braga.

Foto: O MINHO

GNR e Brisa (concessionária da via rápida) registaram a ocorrência.

Continuar a ler

Região

Prisão preventiva para cinco dos sete detidos por roubo a idosos em Braga e Viana

Atuaram em outros onze distritos do país

em

GNR / Tribunal de Famalicão. Foto: O MINHO (Arquivo)

Cinco das sete pessoas detidas, na quarta-feira, por suspeita da prática de 197 crimes de roubo e furto qualificado a idosos ficaram em prisão preventiva, segundo a Guarda Nacional Republicana (GNR). Atuaram em 13 distritos do país, entre os quais Braga e Viana do Castelo.

Em comunicado, a GNR explica que os detidos foram presentes ao Tribunal Judicial de Sintra na sexta-feira, tendo sido aplicada a medida de coação de prisão preventiva a cinco deles e apresentações semanais a um outro.

As sete pessoas foram detidas em Lisboa e em Évora por suspeitas da prática de 197 crimes de roubo e furto qualificado na sequência de uma operação realizada em 13 distritos do continente, segundo a GNR.

Os suspeitos, quatro mulheres e três homens com idades entre os 26 e os 63 anos, foram detidos pela Unidade de Intervenção, através da Secção de Informações e Investigação Criminal.

Na origem das detenções está uma investigação a vários crimes que ocorreram em 13 distritos de Portugal continental – Aveiro, Braga, Castelo Branco, Évora, Faro, Guarda, Lisboa, Portalegre, Santarém, Setúbal, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu.

“Os suspeitos estão indiciados em 197 crimes, designadamente 63 por roubo, 102 por furto qualificado, 23 por furto simples e nove por violência após subtração, em que as vítimas eram predominantemente pessoas idosas, em situação vulnerável, encontrando-se habitualmente sozinhas nas suas habitações”, adianta a GNR.

A GNR deu cumprimento a 12 mandados de busca domiciliária.

No âmbito desta investigação, os militares da guarda já tinham anteriormente detido 14 pessoas, das quais 10 estão em prisão preventiva e três com apresentações no posto policial da área de residência.

Na operação participaram elementos da Direção de Investigação Criminal da GNR, dos Comandos Territoriais da GNR de Lisboa, Setúbal, Santarém e Évora, bem como da Polícia de Segurança Pública nas áreas de responsabilidade onde decorreram as diligências (Lisboa e Évora).

Continuar a ler

Ave

Papa Francisco abençoou paróquias de Fafe

Vaticano

em

Foto: Divulgação / Paróquia de Fafe

Um grupo de dez padres do arciprestado de Fafe foi recebido, na passada quarta-feira, pelo Papa Francisco, no Vaticano, durante uma peregrinação daqueles sacerdotes a Roma.

De acordo com nota divulgada pela paróquia de Fafe, os párocos receberam uma bênção apostólica do Santo Padre para o ministério sacerdotal, sendo a mesma extensível às comunidades paroquiais que os padres representam. Em troca, o Papa Francisco recebeu algumas ofertas, entre elas uma Cruz da Misericórdia.

Nesses dias, os dez párocos ficaram alojados no Pontificio Colégio Português, onde residem os padres Pedro Daniel e José Miguel, que durante alguns anos trabalharam em Fafe.

A comitiva fafense foi ainda acompanhada pelo monsenhor Ferreira da Costa, sacerdote bracarense ao serviço da Santa Sé, conhecendo vários espaços mais reservados do Vaticano, como o túmulo de são Pedro, na cripta dos Papas.

Tiveram ainda oportunidade de celebrar uma missa junto ao túmlo de Paulo VI, primeiro Papa a visitar Portugal.

Continuar a ler

Populares