Seguir o O MINHO

Vitória SC

Luís Castro perto de sair. Pepa e Ivo Vieira são os alvos do Vitória

Possíveis mudanças

em

Foto: DR/Arquivo

O Shakhtar Donetsk, atual tricampeão ucraniano, terá escolhido Luís Castro, do Vitória SC, para ser o sucessor de Paulo Fonseca, ex-treinador do SC Braga que vai para a Roma. Pepa, que treinou o Tondela na última época, e Ivo Vieira, ex-Moreirense, serão os alvos dos vimaranenses.

O Vitória SC só aceita liberar Luís Castro pela cláusula rescisória de um milhão de euros, e o Shaktar Donetsk já terá apresentado uma proposta formal, que estão a ser ultimados pelo empresário do treinador, António Teixeira, segundo avança o jornal O Jogo.

Luís Castro assinou contrato com o Vitória SC na última época e levou a equipa ao quinto lugar, que garantiu uma vaga nas rodadas de qualificação da Liga Europa.

Recorde-se que o Vitória SC também se prepara para eleger um novo presidente, depois da renúncia de Júlio Mendes. As eleições estão marcadas para o dia 20 de julho.

Caso a saída de Luís Castro seja concretizada, o Vitória SC terá dois nomes para o seu lugar, ambos no mercado. Pepa, que treinou o Tondela na última época, e Ivo Vieira, que estava no Moreirense.

Anúncio

Futebol

Vice-presidente do Vitória vai apresentar queixa ao Ministério Público contra candidato às eleições

Daniel Rodrigues – Um Vitória à Vitória (lista C) alegou que Armando Marques, além de “controlar o futebol”, está também preocupado em “controlar o processo eleitoral”, com uma “estrutura a ir ao encontro dos sócios” para supostamente favorecer o Movimento “Todos Vitória” – Miguel Pinto Lisboa (lista B)

em

Foto: Divulgação

Armando Marques, um dos atuais vice-presidentes do Vitória SC, da I Liga portuguesa de futebol, revelou hoje que vai apresentar queixa no Ministério Público (MP) contra Daniel Rodrigues, um dos candidatos às eleições do clube.

Num debate a propósito do ato eleitoral do próximo sábado, transmitido pelas duas rádios locais de Guimarães, Fundação e Santiago, o ‘rosto’ da lista C alegou que o vice-presidente, além de “controlar o futebol”, está também preocupado em “controlar o processo eleitoral”, com uma “estrutura a ir ao encontro dos sócios” para supostamente favorecer a lista B, encabeçada por Miguel Pinto Lisboa.

Num comunicado hoje enviado à imprensa, Armando Marques disse “repudiar, de forma veemente as afirmações” de Daniel Rodrigues e confirmou a apresentação de uma queixa junto do MP.

“Nessa medida, o signatário dará entrada nos serviços do Ministério Público do procedimento criminal com vista ao apuramento da verdade”, lê-se na nota.

O ainda vice-presidente dos minhotos considerou que o “teor” das palavras do candidato é “revestido de especial gravidade”, face ao “momento eleitoral que o clube vive”, cabendo-lhe o “ónus da sua prova em sede própria”.

Armando Marques salientou ainda que a decisão foi tomada após o comunicado hoje divulgado pela Mesa da Assembleia-Geral do clube, a dizer que “não tem conhecimento de que as listagens de sócios tenham sido fornecidas a quem quer que seja”.

A nota, assinada pelo ainda presidente desse órgão, Isidro Lobo, frisou ainda que o “processo eleitoral tem decorrido com escrupuloso respeito pelo que preveem os estatutos do Vitória” e pediu a todos que possam aceder às listagens de sócios, “por força das suas funções profissionais”, que avisem a Mesa da Assembleia-Geral de algo “suscetível de afetar a validade do ato eleitoral”.

Além das candidaturas de Daniel Rodrigues e de Miguel Pinto Lisboa, as próximas eleições do Vitória de Guimarães contam ainda com a lista A, encabeçada por António Miguel Cardoso.

O ato eleitoral vai decorrer na sequência da demissão em bloco da direção liderada por Júlio Mendes, anunciada em 27 de maio. Armando Marques é vice-presidente do clube desde 2012, ano em que Júlio Mendes foi eleito presidente pela primeira vez.

Continuar a ler

Futebol

Vitória vende Tyler Boyd aos turcos do Besiktas por 2,4 milhões

Valor pode aumentar, dependendo de certos objetivos, e clube fica com 20% do passe

em

Foto: Divulgação

O extremo Tyler Boyd deixou o Vitória SC, da I Liga portuguesa de futebol, e reforçou o Besiktas, da Turquia, num negócio realizado por 2,4 milhões de euros, confirmou hoje o emblema vimaranense no sítio oficial.

O clube minhoto acrescentou, na mesma nota, que a transferência pode ainda incluir “verbas dependentes do cumprimento de objetivos individuais e coletivos” e que 20% dos direitos económicos do jogador de 24 anos estão ainda na sua posse.

Transferido numa fase em que só tinha contrato com os vitorianos por mais um ano, Tyler Boyd assinou pelo terceiro classificado da mais recente edição da Liga turca e vai prosseguir a carreira num país que já conhece – esteve emprestado ao Ankaragucu, na segunda metade da época passada, e marcou seis golos em 14 jogos.

O extremo nem sequer integrou a pré-época vitoriana, depois de ter ajudado a sua seleção, os Estados Unidos, a chegar à final da Gold Cup da CONCACAF – marcou dois golos em quatro jogos na prova, que decorreu entre 16 de junho e 08 de julho, conquistada pelo México.

Tyler Boyd chegou a Guimarães no início da época 2015/16, oriundo do Wellington Pheonix, da Nova Zelândia (o seu país de origem), e estreou-se na I Liga nessa primeira temporada, mas, até ao final da temporada 2016/17, jogou sobretudo pela equipa B, do segundo escalão – marcou 13 golos em 73 jogos.

Após ter sobressaído no Tondela, versão 2017/18, com cinco golos em 29 jogos, o ala regressou ao Vitória na época seguinte e até a começou como titular, mas perdeu espaço e acabou cedido ao Ankaragucu em janeiro de 2019, depois de ter apontado um golo em 13 jogos.

Continuar a ler

I Liga

Acionista maioritário do Vitória indisponível para vender ações da SAD

Mário Ferreira é detentor de 57% (capital de 4,5 milhões)

em

Foto: DR / Arquivo

O acionista maioritário da SAD do Vitória SC, Mário Ferreira, disse hoje estar indisponível para vender, neste momento, a sua parte na sociedade responsável pela equipa que compete na I Liga portuguesa de futebol.

Na antecâmara das eleições para o clube, agendadas para sábado, o detentor de 57% da SAD (capital de 4,5 milhões de euros) afirmou ter-se reunido duas vezes com o candidato da lista B, Miguel Pinto Lisboa, e uma com os da lista A, António Miguel Cardoso, e da lista C, Daniel Rodrigues, mas a nenhum deles se mostrou disponível para vender.

“Não estamos disponíveis para vender as nossas ações nesta fase, nem tal tema foi abordado nessas reuniões”, reiterou, num comunicado enviado hoje à imprensa, assinado por si.

Tal como nas eleições anteriores, que, em março de 2018, opuseram Júlio Mendes, o presidente eleito, a Júlio Vieira de Castro, o empresário luso, radicado na África do Sul, assegura que vai manter-se “equidistante de todas as candidaturas”.

O acionista maioritário frisou também que, nessas reuniões, as listas candidatas aos órgãos sociais do clube não apresentaram “as suas ideias e projetos para a Vitória SAD”, nem manifestaram “desacordo com o projeto” por si apresentado.

Disponível, aliás, para “assumir a sua posição acionista no próximo Conselho de Administração da SAD”, que vai ser eleito em 30 de julho, Mário Ferreira confirmou ter apresentado as suas “ideias quanto à sua constituição” – desde a criação da SAD, em 2013, o Conselho de Administração tem tido um elemento indicado por si e quatro pela direção do clube.

O empresário defendeu ainda que “qualquer alteração aos estatutos da SAD do Vitória” deve ser realizada após a posição do clube, detentor de 40% das ações, ser “ratificada numa Assembleia Geral” de sócios.

A indisponibilidade dos sócios para, na Assembleia Geral de 08 de setembro de 2018, viabilizarem uma mudança dos estatutos do clube e poderem abrir as portas a maior investimento externo na SAD foi uma das razões alegadas para o ainda presidente, Júlio Mendes, se ter demitido, em 27 de maio.

O acionista maioritário da SAD vitoriana elogiou ainda a “grandeza e vitalidade do clube”, provadas pelo número de candidaturas às eleições, e a “elevação da campanha” até ao momento, tendo pedido que todos os adeptos se unam em torno do Vitória no “dia seguinte ao ato eleitoral”.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares