Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Lixo da Malásia entre os mais de 200 quilos recolhidos em praia de Viana

Projeto de monitorização.

em

Foto: Divulgação / CM Viana do Castelo

Lixo com origem na Malásia, Alemanha e Espanha está entre os 200 quilogramas recolhidos em 2017 na praia do Cabedelo, Viana do Castelo, no âmbito de um projeto de monitorização do lixo marinho, avançou hoje a Câmara local.

Contactada pela agência Lusa, fonte autárquica adiantou, com base em dados recolhidos pelo Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental (CMIA) de Viana do Castelo, que entre os 200 quilos de resíduos constam “vassouras, molas da roupa, peças de fogo de artifício, seringas, tampões auriculares, frasco para análises clínicas, cotonetes, fita de identificação do hospital, entre outros artigos”.

No total, “os 200 quilos de resíduos recolhidos naquela praia incluíam 6.100 materiais para catalogação”.

Desde maio de 2017, e de acordo com o levantamento do CMIA, entidade envolvida no projeto que tem a Câmara local como parceira e que é promovido pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), foram realizadas, na praia do Cabedelo, quatro campanhas de recolha de lixo marinho em que participaram 114 voluntários de agrupamentos de escuteiros, associações de pais, escolas privadas, empresas locais e público em geral.

No próximo sábado, às 11:30, no Centro de Alto Rendimento de Surf (CAR), na praia do Cabedelo, a Câmara de Viana do Castelo irá formalizar a sua participação no projeto de monitorização do lixo marinho através da assinatura do respetivo protocolo com a APA.

Segundo os dados do CMIA, “no ano de 2017, numa área de 100 metros, foram recolhidos 120 quilos de resíduos para caracterização, onde foram identificados 137 cotonetes, 127 beatas, 432 pedaços de plástico, entre outros materiais”.

O projeto de monitorização do lixo marinho foi lançado em 2013 pela APA, em colaboração com as Câmaras de Ílhavo, Póvoa do Varzim, Pombal, Torres Vedras, Lagos e Faro, e com as suas delegações regionais (Norte, Centro, Tejo e Oeste, Alentejo e Algarve).

O projeto arrancou em nove praias: Cabedelo, Barranha, Barra, Osso da Baleia, Amoeiras, Fonte da Telha, Monte Velho, Batata e Ilha de Faro.

Esta iniciativa “pretende dar resposta à diretiva Quadro da Estratégia Marinha e continuidade à colaboração com a Convenção para a Proteção do Meio Marinho do Atlântico Nordeste (OSPAR), criada em 1992.

Segundo a informação que consta da página na internet da Direção-Geral dos Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos, a Convenção OSPAR constitui-se como “um mecanismo legal, através do qual as partes contratantes que constituem a Comissão OSPAR cooperam para proteger o ambiente marinho do Atlântico Nordeste”.

Países como “a Bélgica, a Dinamarca, a Finlândia, a França, a Alemanha, a Islândia, a Irlanda, a Holanda, a Noruega, Portugal, a Espanha, a Suécia, o Reino Unido, o Luxemburgo, a Suíça e também a União Europeia, são partes contratantes da OSPAR”.

Dando cumprimento às orientações da Convenção de OSPAR, adiantou o CMIA, “todos os anos é realizada a monitorização quatro vezes (uma por cada estação do ano), abrangendo áreas com uma extensão entre os 100 metros e 1.000 metros). Os materiais recolhidos são identificados de acordo com o guia OSPAR que define as cerca de 140 categorias onde devem ser catalogados os resíduos”.

“A praia do Cabedelo é monitorizada desde 2002 pois integrou o grupo de praias que participou no projeto piloto sobre lixo marinho organizado pela Convenção OSPAR”, sustenta o CMIA.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Viana do Castelo

Anunciados os primeiros nomes para o Festival Neopop em Viana

em

Foto: Facebook de Neopop

A banda Underworld é um dos primeiros nomes confirmados para a edição 2019 do festival de música eletrónica Neopop, que vai realizar-se em Viana do Castelo, de 07 a 10 de agosto, anunciou hoje a organização.

“Vai ser uma oportunidade única. Viana do Castelo foi a cidade escolhida como um dos destinos da digressão mundial desta banda de referência mundial”, afirmou Raul Duro, hoje, durante a apresentação da 14.ª edição do festival.

O responsável, que falava em conferência de imprensa, no Serviço de Atendimento ao Munícipe (SAM) da Câmara de Viana do Castelo, apontou ainda os nomes dos portugueses 2Jack4U (live), Amelie Lens, Ben Klock, DVS1, John Digweed, Lokier, Maceo Plex, Rebekah (live), Richie Hawtin, Surgeon (live) e The Advent.

Raul Duro adiantou que “já foram vendidos mais de mil passes, [e] mais de 50% dos passes foram vendidos a público estrangeiro”.

“Nesta altura do ano é referência ótima”, sublinhou.

O festival de música eletrónica, que decorre junto ao Forte Santiago da Barra, vai contar com quatro palcos e dezenas de artistas para a sua 14.ª edição, sendo que a organização espera receber “cerca de dez mil pessoas, por dia”.

Já Paulo Amaral, um dos responsáveis pela organização, destacou que o festival está nomeado em quatro categorias nos Iberian Festival Awards que vão decorrer, em março, na cidade de Vigo, em Espanha.

Especificou que o Neopop está nomeado como Best Medium-Sized Festival, Best Line-Up Powered By Artcor Light, Best Communication, e Best Live Performance (Int.) (St. Germain).

Segundo Paulo Amaral “o impacto económico do festival atualizado, este ano, é de 3,72 milhões de euros”, referindo que o retorno “já não se faz sentir só no município de Viana do Castelo mas um pouco por todo o distrito”.

Paulo Amaral destacou que o festival “atingiu um excelente nível de relacionamento com a comunidade, com 92% de satisfação dos festivaleiros com as pessoas da cidade, em termos de acolhimento e simpatia”.

Presente no encontro com os jornalistas, o presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, avançou, quando questionado, que o apoio do município à edição 2019 do festival ronda os 70 mil euros.

O autarca socialista destacou a importância económica do festival, que “atrai milhares de festivaleiros de um número muito alargado de países”.

No final do encontro com os jornalistas, a organização do Neopop doou cerca de 3.300 euros à Associação de Paralisia Cerebral de Viana do Castelo e à Associação dos Amigos do Autismo, como resultado da receita da venda dos cinco quadros da campanha “The Art of Techno”, que foi promovida em 2018.

As duas associações foram escolhidas pela vereadora da Cultura da Câmara de Viana do Castelo. Também presente na conferencia de imprensa, Maria José Guerreiro referiu que a organização do festival “soube compreender a importância de Viana se sentir confortável com o festival”, relançado a aposta na “aproximação do festival à comunidade”.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Prisão preventiva para suspeito de traficar droga em Viana

Megaoperação da GNR, desencadeada no último sábado, envolveu mais de 50 militares

em

Um juiz de instrução criminal do tribunal de Viana do Castelo decretou hoje a prisão preventiva para um homem suspeito de traficar de droga, detido na sequência de uma operação da GNR desencadeada no sábado, informou aquela força policial.

O homem, de 29 anos, com antecedentes criminais pela prática de tráfico de droga, ficou “detido em cela”, até ser presente hoje ao tribunal, “por ter mais de 45 gramas de cocaína na sua posse”.

No decurso da operação policial, realizada no último sábado, que envolveu mais de 50 militares da GNR, foram ainda detidos outros dois homens, um de 29 anos por posse de droga e outro, de 57 anos, por posse de arma proibida, entretanto constituídos arguidos e sujeitos à medida de coação de termo de identidade e residência.

Anteriormente à Lusa, o oficial de Comunicação e Relações Públicas do Comando Territorial de Viana do Castelo, João Viana, explicou que aquela operação deu cumprimento a 16 mandados de busca, designadamente a nove habitações e sete automóveis.

Durante as buscas, a GNR apreendeu um total de 237 doses individuais de cocaína, 110 doses de haxixe, uma balança de precisão, duas facas utilizadas para cortar o produto estupefaciente, duas caçadeiras, duas carabinas, 45 munições de diversos calibres, três aerossóis de defesa (gás pimenta), uma besta, uma mira telescópica, dez telemóveis e um ‘tablet’ e 460 euros em numerário.

Na mesma operação policial foram ainda constituídos arguidos três outros indivíduos, com idades entre os 24 e 28 anos.

A operação, realizada no concelho de Viana do Castelo, mobilizou militares da investigação criminal, do destacamento de intervenção e ainda um pelotão do grupo de intervenção e ordem pública.

Esta ação, para além do Núcleo de Investigação Criminal de Viana do Castelo, contou ainda com o empenhamento da estrutura de Investigação Criminal dos Comandos Territoriais de Braga e Porto, do Destacamento de Intervenção de Viana do Castelo, do Grupo de Intervenção de Ordem Pública da Unidade de Intervenção e o apoio da PSP.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Fábrica de plásticos de Viana investe 4,5 milhões em nova nave industrial

Na zona industrial de Neiva

em

Foto: O MINHO (via Google Maps) - 2015

A empresa Vianaplásticos, que produz peças plásticas para a indústria automóvel e ferramentas, está a investir 4,5 milhões de euros na ampliação da unidade situada na zona Industrial de Neiva, em Viana do Castelo, informou hoje a câmara local.

Contactada pela Lusa, fonte autárquica afirmou que a ampliação, que estará concluída dentro de cinco meses, criará uma nave industrial, com dois mil metros quadrados de área, e cinco novos postos de trabalho.

Atualmente, a Vianaplásticos, tem 30 trabalhadores.

Segundo a Câmara de Viana do Castelo, a empresa “iniciou, em 2014, um plano de investimentos com a aquisição de novos equipamentos, aumentando assim o seu parque de máquinas e capacidade produtiva”.

Com aquele aumento, “surgiu a necessidade de ampliar as instalações existentes com a construção de uma nova nave de dois mil metros quadrados”.

O contrato de investimento foi assinado, entre o presidente José Maria Costa e os responsáveis da fábrica, ao abrigo do Regime de Incentivos ao Acolhimento Empresarial e Turístico e à Regeneração Urbana.

A Vianaplásticos foi fundada em 1992, como sucursal da empresa brasileira Ferplast. Atualmente, de acordo com informação que consta no sítio da empresa na Internet, “a principal área de negócio é a produção de peças plásticas técnicas para a indústria automóvel”.

O regime de incentivos para 2019 “prevê reduções e isenções de taxas para investidores de empreendimentos turísticos e acolhimento empresarial, atividades económicas relacionadas com as fileiras da agricultura e floresta de base regional e do mar, regeneração urbana, entre outros, em especial para o setor tecnológico, serviços partilhados e indústrias e atividades criativas, onde estão a ser criados 280 postos de trabalho altamente qualificados”.

Continuar a ler

Populares