Seguir o O MINHO

Braga

Livre quer maior intervenção da câmara na gestão da habitação em Braga

Eleições autárquicas 2021

em

Foto: DR

A cabeça de lista do Livre à câmara de Braga quer que “haja uma maior intervenção” da autarquia na gestão da Habitação e criar um parque habitacional municipal que “permita baixar” as rendas e preços das habitações.

Em declarações à Lusa, Teresa Mota defende que seja cobrada uma maior taxa de IMI sobre fogos habitacionais vazios “para que de alguma maneira se force o proprietário a colocá-los no mercado”.

Para o Livre, a autarquia deve “requalificar, reabilitar e pôr à disposição a valores controlados” fogos habitacionais próprios ou de “investimento privado mas com uma cota de habitação publica”, lembrando que isso já acontece em vários países da Europa.

“Nós no Livre defendemos é que haja uma maior intervenção da autarquia no sentido de gerir um conjunto de habitação pública que permita, através da aquisição ou da requalificação de edificado já existente, fazer baixar os valores da habitação”, defendeu Teresa Mota.

O Livre considera igualmente que é necessário “conhecer, identificar, cadastrar e classificar” o edificado existente para que “não se cometam erros, e às vezes erros deliberados, em que parte do edificado que poderia ser considerando como tendo interesse patrimonial acaba por ser negligenciado, ou até destruído”.

Por isso, salientou, “é muito importante fazer esse levantamento de património edificado urbano e não só que possa ser passível de ser classificado”.

Sobre a candidatura de Braga a Capital Europeia da Cultura em 2027, Teresa Mota considerou que é uma “candidatura complexa, demorada mas que “só o facto de ter havido esta vontade de fazer esta candidatura já está a ter frutos”.

“Nós esperamos que realmente Braga seja capital Europeia da Cultura, mas mesmo que não seja não é um trabalho em vão, porque o que se está a fazer é um trabalho de mobilizar uma diversidade de agentes culturais que não são aqueles do costume para em conjunto pensarem aquilo que se pode fazer e ao fim e ao cabo construir-se uma base que permita daqui para o futuro haver uma dinâmica cultural no município muito mais importante do que existe até agora”, disse.

Nas eleições de domingo, os cabeças de lista à Câmara de Braga são Ricardo Rio (PSD/CDS-PP/PPM/Aliança), Hugo Pires (PS), Bárbara Barros (CDU), Alexandra Vieira (Bloco de Esquerda), Teresa Mota (Livre), Olga Baptista (Iniciativa Liberal), Rafael Pinto (PAN) e Eugénia Santos (Chega).

Populares