Seguir o O MINHO

Alto Minho

Lítio: Serra d’Arga “fora da prospeção” mas ministro quer “saber o que lá está”

Entrevista à Rádio Vale do Minho

em

Tiago Brandão Rodrigues. Foto: Governo de Portugal

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, abordou a questão de prospeção de minerais na Serra d’Arga, na região do Alto Minho, garantindo que há muita “informação desconexa” sobre a matéria e que a prospeção de lítio não deverá avançar. Mas concorda com os estudos para se “saber o que lá está”.

Em entrevista à Rádio Vale do Minho, o governante defende que a área protegida da Serra d’Arga deve “estar fora de qualquer prospeção”. Todavia, Brandão Rodrigues considera que o país deve “estudar e entender muito bem” o que possui. “Saber o que lá está”, acrescenta.

Lamentando alguma informação sobre o assunto que não será a mais verosímil, o cabeça de lista por Viana às Eleições Legislativas de 06 de outubro, considera que se tem criado “alguns mitos, algumas falsas verdade e autênticas fake news relacionadas com o conhecimento científico sobre o que representa esta prospeção”.

Tiago Brandão Rodrigues afiança que a partir do momento em que se encontrar lítio ou algum mineral valioso, o Governo seguirá “exigência máxima nos passos” que der. .”Deixando obviamente de fora todas as áreas classificadas porque essas têm de ser preservadas”, garantiu.

A entrevista dada por Tiago Brandão Rodrigues à Rádio Vale do Minho irá para o ar na íntegra esta terça-feira, às 12:00 com repetição às 19:00. 

Anúncio

Viana do Castelo

Carlos Meira deixa sofá para ‘salvar’ o CDS: “Viva o Alto Minho, viva Viana do Castelo”

Congresso Nacional do CDS-PP

em

Foto: Twitter

O candidato à liderança do CDS-PP, o vianense Carlos Meira, afirmou este sábado que quer deixar “a comodidade do sofá” e ir para a rua combater o que considerou ser “a nova ditadura do gosto”, imposta e “financiada por uma certa esquerda”.

O final do discurso foi diferente dos restantes candidatos, que terminam a aclamar o CDS e Portugal: “Viva o Alto Minho, viva Viana do Castelo!”, gritou Carlos Meira quando saiu do palanque.

“Tal como entrei neste congresso, solto e livre, autêntico e combativo desafio-vos a todos, e cá estarei para dar o exemplo, a sairmos da comodidade do sofá, do conforto das nossas salas e voltarmos à rua, sim à rua, e sem tréguas”, disse o candidato à sucessão da atual líder, Assunção Cristas.

O antigo líder da concelhia de Viana do Castelo disse ao congresso que o seu objetivo passa por combater “a nova ditadura do gosto”.

“Uma ditadura do gosto apoiada, suportada e financiada por uma certa esquerda que nos quer impor limites à nossa forma de viver, barreiras à nossa forma de educar, leis e mais leis à nossa forma de estar”, vincou.

O centrista assegurou aos congressistas que, caso seja eleito o próximo presidente do CDS, podem contar consigo “para esse debate”.

O 28.º Congresso do CDS-PP arrancou hoje e termina no domingo, em Aveiro. Além de Carlos Meira são também candidatos à presidência do CDS João Almeida, Francisco Rodrigues dos Santos, Abel Matos Santos e Filipe Lobo d’Ávila.

Na intervenção de apresentação da sua moção, intitulada “Pelo futuro, por Portugal”, Carlos Meira considerou que “o CDS bateu no fundo, e com muito estrondo”, e apontou que “negar este facto e evidência não é querer bem ao CDS”.

“Negar o desperdício, as avenças, as subvenções, as negociatas ruinosas praticadas pelo CDS e no CDS é tapar o sol com a peneira, negar a realidade escura que hoje se vive e vivemos no CDS em nada ajuda e contribui para haver uma vida nova e nova vida do CDS”, criticou.

Por isso, o centrista assinalou que se apresenta a este congresso “também para ajudar a levantar, a novamente erguer o CDS”.

Porém, para o partido se erguer, “precisa de clarificar, de mudar, de mudar muito e de mudar a sério para recuperar o mais possível a sua credibilidade, de mudar muito para o CDS se reencontrar, de mudar muito para o CDS ter esperança na sua indispensável utilidade”, elencou.

Lá fora espera-nos “um povo que está desconfiado de nós”, advogou.

“Este congresso, num dos seus tempos mais difíceis, não é congresso para passar cheques em branco”, vincou Carlos Meira, desafiando os primeiros subscritores de todas as moções de estratégia global que vão a votos, a “dizer preto no branco aos congressistas quem são os primeiros vice-presidentes das suas listas e devem dizer quem são os secretários gerais que irão propor” antes da abertura das urnas de voto, “para que não haja hesitações, dúvidas ou equívocos”.

No final da apresentação, o candidato, de 34 anos, agradeceu aos militantes mais velhos, que trouxeram “mais oportunidades” à sua geração e deixou uma “palavra de certeza e de ânimo” aos mais jovens, e instou-os “lutarem pela liberdade e pela democracia”.

Continuar a ler

Alto Minho

Alto Minho e Galiza partilham custos para preservar pesqueiras do rio Minho

Investimento de cerca de 100 mil euros

em

Foto: DR / Arquivo

O Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial (AECT) Rio Minho disse este sábado à Lusa que os custos da candidatura das pesqueiras do rio Minho a património imaterial é partilhado pelo Norte de Portugal e pela Galiza, em Espanha.

Segundo o AECT Rio Minho, em Portugal, a CIM do Alto Minho suportará cerca de 50 mil euros, e a província de Pontevedra, em Espanha, 45 mil euros

A candidatura das pesqueiras a património imaterial integra-se na Estratégia de Cooperação Inteligente do Rio Minho Transfronteiriço”_Smart_Miño”, cofinanciado pelo Programa Interreg V A (POCTEP) e pretende preservar aquele que é considerado um “tesouro vivo” da pesca artesanal dos dois países.

Em Portugal, o processo “As Artes da Pesca nas Pesqueiras do Rio Minho” será registado, em fevereiro, no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial”, procedimento que será seguido por Espanha com a inscrição nas Listas Nacionais de Património Cultural.

As pesqueiras, estruturas antigas em pedra, são descritas como “habilidosos sistemas de muros construídos a partir das margens, que se assumem como barreiras à passagem do peixe, que se via assim obrigado a fugir pelas pequenas aberturas através das quais, coagido pela força da corrente das águas, acabando por ser apanhado em engenhosas armadilhas”.

“O AECT Rio Minho pretende reforçar a consciência de que o património associado às pesqueiras é um dos mais ricos representantes da herança patrimonial que relaciona a cultura material à cultura imaterial e natural do rio Minho”, sustenta aquele organismo numa nota enviada à agência Lusa.

Constituído em fevereiro de 2018 e com sede em Valença, o AECT Rio Minho abrange um total de 26 concelhos: os 10 municípios do distrito de Viana do Castelo que compõe a Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho e 16 concelhos galegos da província de Pontevedra.

Em Portugal, a intenção de candidatura das pesqueiras a património imaterial partiu da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho. A estrutura formada pelos 10z concelhos do distrito de Viana do Castelo lidera o processo que integra ainda o Aquamuseu do Rio Minho, em Vila Nova de Cerveira. Em Espanha, é a Província de Pontevedra que conduz o “processo similar” de classificação.

“As construções, umas milenares e outras centenárias, pressupõem um saber e compreensão da bacia do rio, das suas características biológicas, eco ambientais, físicas, orográficas, e as artes de pesca, testemunhas do conhecimento e vida das comunidades ribeirinhas e do seu sentimento de pertença a uma unidade cultural e identitária”, refere o organismo.

A associação transfronteiriça defende que “as práticas e saberes associados aos artefactos usados e técnicas de pesca demonstram um património imaterial complexo, resultante da interligação entre meio físico, saberes tradicionais nas artes de fazer e formas de apropriação dos recursos”.

“O AECT Rio Minho espera uma valorização deste património na comunidade nacional e internacional. Com a sua inventariação rigorosa pretende-se um conhecimento preciso dos riscos sociais, administrativos e ambientais, e das condições de manutenção deste património, da salvaguarda dos valores excecionais que revela, que permita a autoestima dos pescadores locais e das comunidades ribeirinhas, e que contribua para um desenvolvimento endógeno e sustentável”, sustenta.

Além do estudo que vai suportar a classificação, o projeto inclui uma exposição intitulada “Rio Minho – Memórias Transfronteiriças”, a inaugurar em março.

A mostra irá percorrer os municípios transfronteiriços do rio Minho para “espelhar quer as suas águas, quer as margens e quem nelas vive, as suas técnicas, a música, a gastronomia, a língua e os jogos”.

A exposição incluirá um mapa interativo, com a localização das pesqueiras, e permitirá aos visitantes conhecerem “as margens do rio, com quiosques multimédia, filmes e painéis interpretativos de “uma cultura plena de tesouros vivos, de pessoas com um profundo conhecimento e prática local”.

Na exposição, “o visitante poderá conhecer uma armadilha de pesca à lampreia e as espécies aquáticas mais icónicas” daquele curso internacional de água.

Continuar a ler

Alto Minho

Mulher em estado grave após acidente com trator em Monção

Em Sá

em

Foto: BV Monção

Uma mulher, de 65 anos, ficou com ferimentos graves na sequência de uma colisão entre um trator e uma viatura ligeira, ao início da tarde desta sexta-feira, em Monção, disse a O MINHO fonte dos bombeiros.

O acidente, com alerta dado cerca das 14h40, provocou ferimentos ligeiros numa outra vítima, um homem, com cerca de 70 anos.

No local, na antiga estrada nacional 202, no lugar do Cruzeiro, freguesia de Sá, estiveram os Bombeiros de Monção com duas ambulâncias e quatro operacionais, a SIV de Valença e a VMER do Alto Minho.

A vítima grave foi transportada para o Hospital de Braga. Já o homem foi conduzido para o Hospital de Viana do Castelo.

A GNR registou a ocorrência.

 

Continuar a ler

Populares