Seguir o O MINHO

Alto Minho

Ligação de Paredes de Coura à A3 concluída no início de dezembro de 2021

Acessibilidades

em

Foto: DR / Arquivo

A construção da ligação rodoviária do parque empresarial de Formariz, em Paredes de Coura, à autoestrada A3, hoje entregue ao empreiteiro, estará concluída no início de dezembro de 2021, num investimento de nove milhões de euros.

“Não é estrada da piedade, é uma estrada merecida. Não depende da nossa gordura política, porque até somos magrinhos, mas depende sobretudo do trabalho de captação de investimento que fizemos e o Estado português achou que devia premiar quem capta investimento, quem cria investimento e que muito se esforça para que este território tenha vida e futuro, que é o caso dos empresários e dos trabalhadores de Paredes de Coura”, afirmou o presidente da Câmara de Paredes de Coura.

O autarca socialista, que falava aos jornalistas no final da cerimónia de consignação da empreitada, presidida pelo ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, admitiu que o “sonho antigo” tardou em concretizar-se.

“Chega com muitos anos de atraso, mas mais vale seguir o adágio popular. Mais vale tarde do que nunca. Chega com muitos anos de atraso mas também chega com justiça”, afirmou o autarca.

Em causa está a criação de um acesso rodoviário, reclamado há mais de cinco décadas por autarcas e empresários, com cerca de 8,8 quilómetros de extensão, para ligar o parque empresarial de Formariz, em Paredes de Coura, à A3, (nó de Sapardos – Vila Nova de Cerveira), no distrito de Viana do Castelo.

Vítor Paulo Pereira disse que mesmo sem aquela ligação, “Paredes de Coura ganhou muito”, referindo-se às empresas que se instalaram no concelho, mas também perdeu “muitos investimentos” que foram para concelhos vizinhos, apontando o caso de Viana do Castelo.

Para o autarca socialista, a nova ligação será “uma porta para o futuro” do concelho, que “mesmo em tempos adversos, não se resignou e conseguiu captar empresas e criar emprego”.

“Em 2015 fomos notícia quando as nossas exportações cresceram 700%(…). Esta via é uma porta para o futuro numa altura que vão começar, em breve, obras de expansão e de requalificação da zona empresarial de Formariz, avaliadas em 1,5 milhões de euros. Dentro de seis anos queremos estar nos lugares primeiros das regiões mais exportadoras do Norte do país e isto com pouco mais de nove mil habitantes (…). Gostamos de desafios, não gostamos de nos sentar à sombra da bananeira”, referiu o autarca socialista.

O ministro das Infraestruturas sublinhou tratar-se de um “dia importante para Paredes de Coura, para o Alto Minho mas também para o país”.

“Fomo-nos habitando a ver o investimento ser feito nos mesmos sítios e fomos deixando para depois um conjunto muito amplo de concelhos, terras, territórios que foram ficando à espera do investimento, da justiça do país. Não ficaram à espera de se desenvolver. É o caso de Paredes de Coura, que ganhou direito à estrada. Mesmo com as adversidades que outros concelhos não têm, foi conseguindo, apesar de tudo, captar investimento. Podia ter sido mais e melhor e isso a estrada também permitirá. É a justiça que o país faz com Paredes de Coura, não é um favor que é feito a Paredes de Coura”, disse Pedro Nuno Santos.

Presente na sessão, o presidente da Infraestruturas de Portugal (IP), António Laranjo adiantou que a zona empresarial de Formariz emprega atualmente 1.400 trabalhadores em 35 empresas, que representam 198 milhões euros de volume de negócios, 151 milhões dos quais em exportações”.

O responsável sublinhou que a nova via permitirá o “escoamento rápido da Estrada Nacional (EN) 303, atualmente, com um tráfego diário de 2.761 veículos, 10% de pesados”.

“A obra vai permitir o escoamento rápido das mercadorias produzidos neste parque empresarial e a chegada de matérias primas e de pessoas”, reforçou.

A empreitada “visa a melhoria das condições de acessibilidade, circulação e segurança” naquele troço e envolve a execução de “quatro novas rotundas para beneficiação das condições de mobilidade na ligação à rede viária local, a construção de oito obras de arte e de uma ponte sobre o Ribeiro das Corredouras”.

A obra inclui a construção de “dois pontões, sobre a Ribeira de Sapardos e sobre a Ribeira de Borzendes, de duas passagens agrícolas, duas passagens inferiores e uma passagem superior para peões”.

A construção daquela ligação faz parte do Programa de Valorização das Áreas Empresariais lançado pelo Governo, em fevereiro de 2017.

Populares