Seguir o O MINHO

Futebol

Liga Europa: SC Braga, Vitória e mais portugueses apurados – Abel não

SC Braga, Vitória, FC Porto e Sporting são os clubes portugueses que vão estar no sorteio no Mónaco

em

Foto: DR

SC Braga e Vitória SC apuraram-se hoje para a fase de grupos da Liga Europa de futebol, juntando-se ao FC Porto e Sporting no sorteio de sexta-feira, no qual estarão mais portugueses.

Com vantagem 1-0 levada de Braga, os ‘arsenalistas’ voltaram a impor-se e novamente com golos de André Horta, que ‘bisou’ no triunfo por 2-1 que deixou o conjunto de Sá Pinto na fase que Abel Ferreira não conseguiu atingir na época passada.

Ricardo Horta, que já tinha decidido no Minho, marcou aos 42 minutos, num grande remate de fora da área, minutos antes (45+2) de ‘bisar’, em nova tentativa de meia distância, neste caso a tabelar no central Gigot e a enganar o guarda-redes.

Em Guimarães, e depois do empate 0-0 na Roménia, o Vitória foi bem superior ao FCSB (ex-Steaua de Bucareste), contundo foi muito perdulário e impôs-se por magro 1-0, com penálti convertido pelo central do Burkina Faso Tapsoba, aos 53 minutos.

Abel Ferreira voltou a falhar o acesso à fase de grupos, apesar de o seu PAOK ter vencido, por 3-2, aos eslovacos do Slovan Bratislava, que vinham com vantagem 1-0, prevalecendo os golos fora.

O treinador Nuno Espírito Santo conseguiu dois triunfos do seu Wolverhampton sobre os italianos do Torino e também seguiu em frente, tendo hoje utilizado Rui Patrício, João Moutinho e Diogo Jota no ‘onze’ inicial: Ruben Neves e Pedro Neto entraram nos derradeiros minutos.

O AEK, já sem o técnico Miguel Cardoso, rendido interinamente pelo grego Nikolaos Kostenoglou, até foi vencer por 2-0 ao recinto dos turcos do Trabzonspor, de João Pereira e Ivanildo, contudo, a derrota (3-1) em Atenas ditou o afastamento dos gregos, que tiveram Hélder Lopes, André Simões e Nélson Oliveira a jogar de início e Paulinho no banco.

O Eintracht Frankfurt, do avançado Gonçalo Paciência, afastou o Estrasbourgo com triunfo 3-0, após o desaire 1-0 em França, enquanto o Légia Varsóvia, de Luís Rocha, André Martins e Cafu, caiu com derrota 1-0 no terreno do Glasgow Rangers, já no tempo de compensação.

O Antuérpia, de Ivo Rodrigues, tinha conseguido moralizador 1-1 em casa do AZ Alkmaar, contudo, os holandeses repetiram o resultado e, no prolongamento, impuseram-se por 4-1: os belgas tiveram um atleta expulso aos 35 e outro aos 74, tendo sofrido o empate, que ditou o tempo extra, em cima do tempo regulamentar.

O Appolon, de João Pedro, foi novamente goleado pelo PSV Eindhoven, agora em casa por 4-0, depois do 3-0 fora, situação semelhante ao Hapoel Be’er Sheva, de Miguel Vítor, derrotado em casa pelo Feyenoord, de Edgar Ié, pelo mesmo 3-0 da primeira volta.

O Rijeka, do suplente João Escoval, foi eliminado pelo Gent, enquanto o Ararat Arménia, de Angelo, caiu no desempate por penáltis em casa do F91 Dudelange.

O sorteio da fase de grupos da prova, que vai contar ainda com o FC Porto e o Sporting, realiza-se na sesxta-feira, no Mónaco.

Anúncio

Futebol

Eduardo ainda sonha com regresso à Seleção: “É um objetivo até deixar de jogar”

Guarda-redes, de 37 anos, do SC Braga

em

Foto: Divulgação / SC Braga (Arquivo)

O guarda-redes do SC Braga Eduardo revelou hoje que tem o sonho de ser convocado para o próximo Campeonato da Europa de futebol e frisou a importância da vitória em Guimarães, na última jornada da I Liga.

Campeão europeu em 2016, ainda que sem sair do banco de suplentes, o guardião de 37 anos confessou o desejo de voltar à seleção nacional orientada por Fernando Santos.

“Claro que sim [tenho o sonho de ser convocado]. Sei que é difícil, mas que, jogando, estarei entre os disponíveis para o que o selecionador entender. Ele conhece-me, sabe do meu trabalho, eu estou disponível e ambiciono [voltar], é um objetivo da minha carreira até deixar de jogar”, disse à margem de uma visita de uma delegação do clube à escola EB1 de Santo António, em Padim da Graça (Braga).

Depois das vitórias com o Besiktas (3-1), que deixou os minhotos muito perto do apuramento para a fase seguinte da Liga Europa, e em Guimarães, diante do Vitória (2-0), para o campeonato, o Sporting de Braga parece ter colocado um fim à ‘mini’ crise após a derrota com o Boavista (2-0) e o empate caseiro com o Famalicão (2-2), para a I Liga.

“Nós só temos uma identidade, talvez na Liga Europa tenhamos melhores resultados, porque temos sido mais eficazes, [mas] no campeonato também temos feito boas exibições, temos tido alguma infelicidade em alguns jogos que nos podiam dar agora outra classificação, mas estamos a fazer um excelente trajeto e temos feito grandes jogos. Esperamos ser mais eficazes para ter outros resultados, para estarmos lá em cima, como merecemos”, disse.

Questionado sobre a importância do triunfo em casa do grande rival e das palavras críticas de António Salvador depois do empate com o Famalicão para ultrapassar essa fase menos boa, Eduardo considerou que foi “uma vitória importante e convincente”, num “jogo especial para os adeptos” e que os jogadores sabem da “ambição do presidente”.

“Sabemos da vontade que o presidente tem de ganhar, ele apenas transmitiu isso e nós respeitamos. Ele sabe que nós damos sempre o nosso melhor, que tentamos sempre os melhores resultados e também sabemos que ele está sempre do nosso lado”, disse.

Titular nos dois últimos jogos, Eduardo elogiou os colegas de posição, Matheus e Tiago Sá: “Temos um grupo de guarda-redes ambicioso e de grande qualidade, lutamos os três para jogar, eu quero jogar, como é óbvio, e estamos aqui para ajudar a equipa, seja qual for a decisão do treinador”, disse.

O SC Braga recebe, no sábado (18:30), o Gil Vicente, na quarta eliminatória da Taça de Portugal e, embora deixando elogios à equipa e treinador [Vítor Oliveira] da equipa de Barcelos, Eduardo frisou as ambições dos bracarenses na competição.

“Temos que ter atenção em todos os jogos, na Taça por vezes são diferentes, porque as equipas mais pequenas ambicionam conquistar algo. O Gil Vicente é uma boa equipa, organizada, tem um excelente treinador e de certeza que vem aqui com a ambição de seguir, mas nós também queremos, jogamos em casa e vamos querer passar. Temos um grande objetivo nas taças [de Portugal e da Liga]”, disse.

Continuar a ler

Futebol

Guarda-redes do GD Chaves quer voltar a jogar após superar cancro

Ricardo Nunes, natural da Póvoa de Varzim

em

Foto: Facebook de GD Chaves

O guarda-redes Ricardo Nunes, do Desportivo de Chaves, da II Liga de futebol, de regresso aos treinos sem limitações após ultrapassar um problema oncológico, disse hoje que voltar a competir será “importante após um momento tão difícil”.

“Voltar a jogar será sempre importante depois de passar um momento tão difícil. Esse jogo vai ser sempre especial e um troféu por conseguir ultrapassar uma coisa tão dolorosa como o cancro”, confessou em declarações aos jornalistas após a sessão de trabalhos que decorreu em Chaves, no distrito de Vila Real.

Três meses depois de ter interrompido a carreira para tratar um problema oncológico, Ricardo Nunes voltou aos treinos na terça-feira sem limitações ao serviço do clube do segundo escalão.

Visivelmente emocionado, o guarda-redes de 37 anos manifestou ainda a vontade de ajudar a equipa a “atingir o objetivo da subida de divisão”.

“Seria a cereja no topo do bolo para mim e para premiar os adeptos que sempre estiveram do meu lado com mensagens bonitas de apoio”, acrescentou Ricardo Nunes.

O futebolista natural da Póvoa do Varzim explicou que foi detetado um tumor no testículo, que obrigou à sua remoção e colocação de uma prótese e que agora tem de fazer exames de rotina de três em três meses durante um ano.

“Os riscos que tinha era que ao fazer quimioterapia podia ficar infértil. Felizmente tenho dois lindos filhos e não contava ter mais. Esteticamente está tudo igual ao que estava antigamente, não tenho qualquer pudor ou receio”, vincou.

O capitão do Desportivo de Chaves interrompeu a sua carreira de futebolista em 20 de agosto para tratar um “problema oncológico”.

Ricardo Nunes, de 37 anos, foi sujeito em 27 de agosto a uma intervenção cirúrgica, que decorreu no Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto.

O experiente guarda-redes quer ser “um rosto” para as outras pessoas que sofrem de doenças oncológicas e que estão “em situações mais complicadas”.

“Nunca pensei em desistir, mas pus de lado a carreira pois a prioridade é a minha vida e o foco foi lutar pela vida. Agarrei-me a isso, fui tratado como se estivesse em casa no IPO, a dra. Matilde foi o meu anjo da guarda, e desde as pessoas do parque de estacionamento a limpeza, todos são importantes para pessoas que passam por estas situações”, explicou.

Para Ricardo Nunes, a força da família e amigos foi importante para ultrapassar o problema, que foi tratado rapidamente por ter sido detetado numa fase inicial.

“Tive um pouco de sorte, o meu caso foi detetado numa fase inicial e isso foi importante para não fazer certos tipos de tratamentos e estar aqui o mais rapidamente possível”, acrescentou.

Ricardo Nunes aconselhou ainda que todas as pessoas que passam por um problema oncológico devem ser sempre acompanhadas por um psicólogo.

O experiente guarda-redes representa pela quarta temporada consecutiva o conjunto transmontano, agora na II Liga, após três épocas no escalão máximo, tendo realizado um total de 59 partidas.

No seu currículo conta com passagem por clubes como FC Porto, Académica, União de Leiria e Varzim, no qual fez a sua formação.

Continuar a ler

Futebol

“Benfica tem a obrigação de ganhar”

Taça de Portugal

em

Presidente do clube, treinador e presidente da SAD. Foto: Divulgação / Arquivo

Diogo Godinho, presidente do Vizela, considerou hoje que o Benfica “tem a obrigação de ganhar” o duelo entre as duas equipas, no sábado, da quarta eliminatória da Taça de Portugal de futebol.

O líder do emblema minhoto, que milita na Série A do Campeonato Portugal, frisou a diferença de argumentos entre as duas equipas, mas prometeu um Vizela que “vai desfrutar do jogo, com a responsabilidade de também tentar vencer”.

“Sei que o Benfica tem a obrigação de ganhar ao Vizela, até porque um jogador do Benfica paga várias épocas do nosso clube. Mas compete-nos fazer o melhor e também entrar para vencer”, disse à agência Lusa Diogo Godinho.

O dirigente notou que o desafio deste sábado será, também, “uma boa oportunidade para o FC Vizela dar visibilidade aos seus jogadores, adeptos e infraestruturas”, vincando que desde o dia sorteio fez força para que o jogo fosse na localidade.

“Tenho muito orgulho que o jogo seja em Vizela. Temos todas as condições para receber um evento desta dimensão. Será uma boa montra para nós”, frisou Diogo Godinho.

Apesar da ‘festa’ da Taça envolver, por estes dias, o clube e a cidade, o presidente do Vizela lembrou que os objetivos da equipa estão bem vincados no campeonato, com o desejo de regressar, a breve prazo, aos campeonatos profissionais.

“Nos últimos dois anos temos tentado, arduamente, alcançar a II Liga. Temos respeito por este campeonato [Portugal], mas acreditamos que este não é o nosso lugar. Vamos continuar a perseguir esse desejo, estamos em primeiro lugar, mas não nos iludimos. É uma prova muito complicada”, disse Diogo Godinho.

Segundo o dirigente, esse caminho de ascensão do emblema vizelense tem um seguidor muito especial, o internacional espanhol Gerard Piqué, defesa do Barcelona, que, em 2017, surgiu nas redes sociais do clube a assinar uma camisola do Vizela e a manifestar o seu apoio.

“Ele [Pique] é amigo do investidor do FC Vizela, e sei que segue regularmente os resultados do nosso clube”, partilhou Diogo Godinho.

O jogo entre o Vizela e o Benfica, da quarta eliminatória da Taça de Portugal, está agendado para este sábado, no recinto do clube minhoto, às 20:45.

Continuar a ler

Populares