Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Liga dos Amigos do hospital de Viana homenageia beneméritos que ajudaram a comprar mamógrafo

Liga dos Amigos do Hospital de Santa Luzia

em

Foto: DR / Arquivo

A Liga dos Amigos do Hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo vai homenagear publicamente, na quinta-feira, os beneméritos que contribuíram para a aquisição do mamógrafo digital com estereotaxia, informou hoje a direção.

Em comunicado, a direção da Liga dos Amigos do Hospital adianta ter angariado “o montante necessário para o pagamento integral” do novo equipamento.

A homenagem vai decorrer na quinta-feira, pelas 18:00, no auditório do Hospital de Santa Luzia e na ocasião serão também anunciadas as próximas iniciativas da Liga dos Amigos do Hospital de Viana do Castelo.

A campanha para angariação de fundos para recolher os 100 mil euros necessários para comprar o mamógrafo digital começou em abril e a 06 de junho o equipamento começou a funcionar, tendo sido realizados, no primeiro mês, 202 exames a mulheres do distrito de Viana do Castelo que não tiveram de ser deslocar ao Instituto Português de Oncologia (IPO), no Porto.

Anúncio

Viana do Castelo

Politécnico de Viana assina protocolo com a América Latina

A iniciativa tem como objetivo principal a partilha de experiências e conhecimento académico

em

Foto: ipvc.pt / DR

O Instituto Politécnico de Viana do Castelo promove durante três dias o I Encontro Internacional InterUniversitário: América Latina- Caracterização e Empreendedorismo Social que pretende dar a conhecer “as características e dinâmicas dos países latino-americanos, além da partilha de experiências, tendências e conhecimentos acadêmicos e/ou empíricos sobre empreendedorismo social”, anunciou, esta quarta-feira, o instituto em comunicado.

Este evento permitirá ainda proporcionar “uma maior colaboração e estreitar os laços da rede entre Portugal e a América Latina, em benefício da academia, universidades e dos países envolvidos”.

No decorrer da iniciativa, que vai reunir 24 universidades de oito países, o IPVC vai assinar o protocolo interinstitucional com o Conselho Superior Universitário Centroamericano. Um protocolo que tem como objeto “promover o intercâmbio de professores, investigadores e estudantes através de um programa de mobilidade académica que lhes permita melhorar a sua formação”, assim como fomentar uma “investigação orientada para o fortalecimento dos programas académicos de mútuo interesse”.

É ainda âmbito deste protocolo, que será assinado pelo presidente do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Carlos Rodrigues e Carlos Alvarado, Secretário Geral do CSUCA- Consejo Superior Universitário Centroamericano, a organização conjunta de “atividades académicas, científicas e culturais; o desenvolvimento de projetos de investigação em áreas de interesse assim como gerir, conjuntamente, do financiamento de projetos junto das respetivas entidades; o desenvolvimento de atividades académicas, cursos, conferências, seminários, cursos de curta duração, entre outros que fomentem o intercâmbio de experiências entre docentes e estudantes; o intercâmbio de material bibliográfico, didático e publicações de mútuo interesse”, entre outros aspetos.

A abertura oficial do Encontro Internacional está agendada para a próxima quinta-feira, pelas 09:00. A sessão terá a participação do Presidente do IPVC, do diretor da Escola Superior de Tecnologia e Gestão do IPVC e do Presidente da Câmara de Viana do Castelo.

Ao longo de três dias os dirigentes e docentes das diversas universidades vão, com docentes e técnicos do Politécnico de Viana do Castelo, preparar diversas candidaturas a projetos de cooperação e mobilidade conjunta, para além de promover e fomentar a discussão em torno de temas relacionados com o Empreendedorismo Social.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Porto de Viana com aumento de 9,3% no movimento de navios em 2019

Entre janeiro e novembro

em

Foto: Cedida a O MINHO / Arquivo

O porto comercial de Viana do Castelo registou um acréscimo, entre janeiro e novembro de 2019, de 9,3%, no que ao movimento de navios diz respeito, foi hoje anunciado pela AMT.

Foi, também, um dos portos nacionais a apresentar “um perfil de porto exportador”, registando um volume de carga embarcada superior ao da carga desembarcada, com um quociente entre carga embarcada e o total movimentado, no período em análise, de 63,8%.

A nível nacional, os portos comerciais do continente movimentaram, no mesmo período, um total de 80 milhões de toneladas, o que representa uma quebra de 5,8% relativamente ao mesmo período de 2018.

Relativamente ao movimento de navios a nível nacional, comparativamente ao período janeiro a novembro de 2018, os 11 primeiros meses de 2019 registaram um acréscimo de 0,7% no número de escalas (9.811 escalas) e uma diminuição no volume de arqueação bruta de 0,2% (para cerca de 188,9 milhões).

O porto de Lisboa foi o que mais influenciou este crescimento, ao registar um acréscimo homólogo de 157 escalas (+7%), seguido dos portos de Douro e Leixões com mais 25 escalas (1,1%), Viana do Castelo com mais 16 (9,3%) e Sines com mais 10 (0,5%).

De acordo com um relatório da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), entre janeiro e novembro do ano passado foram movimentadas nos portos de Portugal continental menos 4,96 milhões de toneladas, em comparação com o período homólogo.

Comparando apenas os valores do mês de novembro de 2018 e de 2019, registou-se uma ligeira subida de 0,2%.

Os portos de Viana do Castelo, Leixões e Setúbal apresentaram comportamentos positivos, com um crescimento conjunto de 550 mil toneladas.

O porto de Sines é um dos responsáveis pelo desempenho negativo, porque registou uma quebra global de 5,25 milhões de toneladas, mas continua a manter a liderança do segmento dos contentores, com uma quota correspondente a 52,2% do total.

Apesar da quebra nos movimentos de carga, o porto de Sines continua a liderar o volume de carga movimentada, com uma quota de 48,2%, seguido de Leixões (22,4%), Lisboa (13,1%), Setúbal (7,3%) e Aveiro (6,2%).

Dos restantes portos com comportamentos negativos, o relatório salienta o porto de Aveiro, que no período de janeiro a novembro de 2019 registou um recuo de 2,2%, em resultado de uma quebra homóloga de 32% no mês de novembro.

Segundo o relatório da AMT, as operações de embarque entre janeiro e novembro de 2019 “foram profundamente influenciadas pelos mercados de Carga Contentorizada de Sines, Leixões, Lisboa e Setúbal, os Produtos Petrolíferos de Sines e Leixões, os Outros Granéis Sólidos em Setúbal e Lisboa e a Carga Fracionada em Leixões, que representaram 80% do total de carga embarcada”.

Relativamente às operações de desembarque, o documento destaca a variação positiva dos Produtos Petrolíferos em Sines, com um acréscimo de 2,4 milhões de toneladas (mais 47,4%), representando 68,4% do total das variações positivas.

 

Continuar a ler

Viana do Castelo

Carlos Meira “em almoço” em Viana por acordo que vença João Almeida

Eleições no CDS

em

Candidatos debateram, ontem, na RTP3. Foto: Imagens RTP

Carlos Meira, militante de Viana do Castelo e candidato à liderança do CDS-PP, manifestou-se disponível para, durante o 28º congresso nacional, chegar a acordo com Filipe Lobo d’Ávila e Francisco Rodrigues dos Santos para ganhar a João Almeida.

“Posso confirmar que almoçamos, em Viana do Castelo, com o Francisco Rodrigues dos Santos e o Filipe Lobo d’Ávila. Fiz uma tentativa de nos unirmos os três para ganharmos ao João Almeida. Posso confirmar que poderemos, no congresso, tentar essa união para conseguirmos ganhar e lutarmos contra o sistema”, afirmou o empresário dos setores florestal e construção civil de 34 anos.

Em entrevista à agência Lusa, Carlos Meira, natural de Viana do Castelo e militante do CDS-PP desde os 19 anos, defendeu que a sua candidatura é a “única fora do círculo de Lisboa que quer lutar contra o sistema e a elite do partido.

“O partido não é só para servir Lisboa e o centralismo de Lisboa”, atirou.

Carlos Meira disse ser “um crítico” da candidatura de João Almeida por ser “de continuidade”.

“Fez parte da direção de Assunção Cristas e, imagine-se, foi seu porta-voz. É a renovação na continuidade. Não vai dar certo”, sustentou o empresário.

Questionado sobre como financiará a sua campanha à liderança do partido, Carlos Meira assegurou que está a ser suportada com “meios próprios”.

“Vivo do meu trabalho e, por isso, é tudo pago com o meu ordenado. Não tenho apoios financeiros”, disse, adiantando que “só em viagens a Lisboa” já gastou “400 euros”.

O ex-presidente da concelhia do CDS-PP de Viana do Castelo defendeu que para “reerguer e reestruturar” o partido é necessário, “em primeiro lugar”, realizar uma “auditoria externa”.

“É um ponto fulcral. Saber como foi feita a sede do Porto e quem andou a receber avenças dentro do partido. Só depois podemos reestruturar o partido e que podemos pensar no futuro”, sustentou.

Meira apontou o “deslumbramento” com os resultados na Câmara Municipal de Lisboa, nas últimas eleições autárquicas, como um dos “principais erros” da anterior liderança do CDS.

“Assunção Cristas esqueceu-se completamente das bases do partido. Entrou no partido a mando de Paulo Portas e que não tinha conhecimento de como funcionava o partido. Esqueceu-se completamente das concelhias, das distritais e com deslumbramento de Lisboa perdeu-se completamente do que deveria ser a governação e a gestão do próprio partido. Julgava que isto era uma gestão à moda da Revista Caras ou da VIP”, referiu.

Carlos Meira, que nas eleições autárquicas de 2013 foi candidato à câmara da capital do Alto Minho, admitiu que “muitos não apreciam o estilo e linguagem” que utiliza, mas defendeu que, “por vezes, é a única forma de conseguir transmitir a mensagem”.

“As críticas que faço são naturalmente políticas e nunca pessoais e não é com base em pressões, ameaças, que irei alterar a minha forma de intervir. Gostava inclusivamente que surgissem outros Carlos Meira noutras forças políticas”, desafiou.

Questionado sobre se com o aparecimento do Chega o CDS poderá radicalizar o seu discurso ou se poderá enveredar por eventual entendimento num cenário de maioria parlamentar ou de um Governo de centro-direita, o candidato defendeu que o partido “deve fazer um caminho próprio, procurando como reafirmar a sua matriz e identidade”.

“O CDS deve fazer o seu próprio caminho, de forma autónoma, ativa, serena, recompondo-se e reerguendo-se. Respeitamos igualmente todos os partidos do arco parlamentar e não parlamentar não socialistas. O CDS não deve ter cordões sanitários com partidos não socialistas, mas também não deixará de se bater pelas suas causas. Tudo tem o seu tempo, tudo se verá a seu tempo. O CDS agora precisa é de olhar por si e para si. O nosso vizinho não é preocupação nossa”, observou.

Já sobre um eventual apoio à recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa às eleições presidenciais, Carlos Meira disse que o atual chefe de Estado “inovou e instaurou uma presidência inédita em Portugal”, num “registo que não agrada a gregos e a troianos” e defendeu que o CDS deve assumir um “papel e uma posição de responsabilidade”.

“O CDS deve apoiar a candidatura que, no espaço à direita do PS, se venha a apresentar em melhores condições de vencer. É fundamental a eleição de um Presidente da República onde o centro, o centro-direita e a direita democrática se possam rever, mormente num momento em que a esquerda está a governar”, referiu.

Além de Carlos Meira são candidatos à liderança do CDS-PP Abel Matos Santos, João Almeida, Filipe Lobo d’Ávila e Francisco Rodrigues dos Santos.

O 28.º congresso nacional do CDS-PP, marcado para 25 e 26 de janeiro em Aveiro, vai eleger o sucessor de Assunção Cristas na liderança dos centristas.

Continuar a ler

Populares