Seguir o O MINHO

Braga

Lídia Dias, vereadora em Braga, na nova direção do CDS. Bessa e Mota na comissão política

Rui Barreira, de Guimarães, também integra lista nacional

em

Foto: Divulgação

Lídia Brás Dias, vereadora com os pelouros da Educação e Cultura na Câmara de Braga, foi eleita para a comissão executiva do CDS, encabeçada pelo novo presidente, Francisco Santos.


A bracarense é um dos 17 elementos integrantes da nova direção executiva do partido, anunciada este domingo, durante o 38.º congresso nacional.

Recorde-se que, publicamente, a vereadora nunca apoiou nenhum dos candidatos, ao contrário de Altino Bessa e Francisco Mota, também eles com cargos eleitos na nova vida do CDS.

Altino Bessa, vereador com os pelouros da Proteção Civil, do Turismo ou do Ambiente, em Braga, ocupará funções como vogal na Comissão Política Nacional (CPN) do CDS. Apoiante de Filipe Lobo d’Ávila, o celoricense radicado em Braga aproxima-se do partido, depois de uma zanga de quatro anos, por não concordar com as escolhas dos nomes de deputados a serem eleitos pelo distrito.

Outro dos eleitos para vogal na CPN é Francisco Mota, líder da Juventude Popular de Braga e fervoroso apoiante do novo líder do CDS, seu homólogo a nível nacional.

Recorde-se que Mota era assessor de Altino Bessa na Câmara de Braga, mas escolhas diferentes sobre quem apoiar levaram ao afastamento do jovem político.

Também Rui Barreira, de Guimarães, foi eleito para as mesmas funções de vogal na CPN.

CPN eleita com 65,7%

A CPN do CDS, de Francisco Rodrigues dos Santos, foi hoje eleita com 65,7% dos votos dos delegados ao 28.º congresso nacional do partido em Aveiro.

Os resultados foram anunciados pelo presidente cessante da mesa do congresso, Luís Queiró, na abertura da sessão de encerramento.

A lista do novo líder recebeu 865 votos, o que corresponde a 65,7%, e 451 votos em branco.

A lista ao conselho nacional, órgão mais importante entre congressos, liderada por Francisco Rodrigues dos Santos, obteve 51,9% (678 votos) e a de João Almeida, o candidato derrotado, obteve 581 (44,5%) e 45 brancos.

O conselho de jurisdição, a que concorreram duas listas, a lista A, a do líder, recolheu 699 votos (53,9%) e a B, de João Almeida, 508 (39,2) e 89 brancos.

Para o conselho de fiscalização também concorreram dias listas, tendo a A recebido 714 votos (54,3%) e a B 490 votos (37,2%) e 111 brancos.

A mesa do congresso, presidida por Martim Borges de Freitas, foi eleita com 879 votos (66,8%) e 435 brancos.

A mesa do conselho nacional, que será presidida por Filipe Anacoreta Correia, obteve 880 votos (67%) e 432 brancos.

Francisco Rodrigues dos Santos entrou na sala do Congresso cerca das 15:16, sendo aplaudido por apoiantes, que gritaram “Portugal/Portugal”.

Acompanhado pelos que serão dois dos seus vice-presidentes, António Carlos Monteiro e Filipe Lobo d`Ávila, Francisco Rodrigues dos Santos cumprimentou pelo caminho os delegados e, no final, os convidados, representantes dos partidos, de confederações sindicais e do governo, entre outros.

Depois, aguardou a proclamação dos resultados das eleições para os órgãos dirigentes antes de subir, com a nova direção, ao palco do congresso para o discurso de encerramento.

Quando foi chamado ao palco, o vice-presidente António Carlos Monteiro, envolvido hoje numa polémica em torno do seu convite para a direção nacional, foi recebido com algumas assobios e poucas palmas, em comparação com outros membros da comissão política.

Lista completa dos órgãos nacionais eleitos no 28.º Congresso do CDS-PP, que decorreu no Parque de Exposições de Aveiro:

COMISSÃO EXECUTIVA

Presidente: Francisco Rodrigues dos Santos

Vice-presidentes: Filipe Lobo d’Ávila, Miguel Barbosa, Artur Lima, António Carlos Monteiro, Francisco Laplaine Guimarães, Paulo Jorge Duarte e Sílvio Cervan.

Secretário-geral: Francisco Carvalhão Tavares

Coordenador autárquico: Fernando Barbosa

Vogais: Abel Matos Santos, Maria Campos, Lídia Brás Dias, Raul Almeida, José Miguel Garcez, Artur Lima (inerente por ser presidente do CDS-PP Açores) e Rui Barreto (inerente por ser presidente do CDS-PP Madeira)

COMISSÃO POLÍTICA NACIONAL (além dos membros da Comissão Executiva)

Vogais: Ana Silva, Alonso Teixeira Miguel, Diogo Vasconcelos, Gonçalo Moita, Miguel Matos Chaves, Rosa Guerra, Nuno Baeta Correia, Hugo Nunes, Maria Tavares, João Forsado Gonçalves, Luís Marinho, Vítor Pimentel, Pedro Marques Pereira, Tiago Telo de Abreu, Tiago Carvalho de Sousa, Fernando Camelo Almeida, Francisco Pires Mota, Pedro Rebelo Tavares, João Leal de Moura, Hélder Rodrigues, Sara Gomes, José Caçorino, José Montenegro, Pedro Melo, João Medeiros, José Anacoreta Correia, José Dinis Carmo, Paulo Cunha de Almeida, Tiago Loureiro, João Castanheira, Maurício Rodrigues, João Freire de Andrade, Gabriel Fernandes, Francisco Kreye, Luís Miguel Graça, Altino Bessa, Rui Barreira, José Sampaio, Pedro Parada Monteiro, Nuno Correia da Silva, Ricardo Rossi e Pedro Pestana Bastos

MESA DO CONGRESSO

Presidente: Martim Borges de Freitas

Vice-presidentes: Sérgio Casado, Paulo Silva e Silva e André Levi.

Secretários: Conceição Pinto, Manuel Marques, Ana Paula Artur e Maria Céu Moleiro

MESA DO CONSELHO NACIONAL

Presidente: Filipe Anacoreta Correia

Vice-presidentes: João Diogo Moura e Silvino Malho Rodrigues

Secretários: Nelson Plácido, Joana Bento Rodrigues, Amélia Mestre, Vítor Pereira

CONSELHO NACIONAL DE FISCALIZAÇÃO

Presidente: Marco Rodrigues Dias

Vice-presidente: Artur Jorge Basto

Vogais: José Pires dos Reis, Linda Oliveira, Francisco Aguiar, Nuno Moreira e Frutuoso Tomé

CONSELHO NACIONAL DE JURISDIÇÃO

Presidente: Alberto Rodrigues Coelho

Vice-presidente: Miguel Alvim

Vogais: Marta Carvalho Esteves, Filipe Matias Santos, Diogo Feio, Otília Gomes e João Monge Gouveia

CONSELHO NACIONAL

Vogais: Ana Correia Pinto, Artur Viana, Margarida Penedo, Gonçalo Alves, Rui Martins, Isilda Guerreiro, Tiago Vasconcelos, Maria Freitas, Fernando Peres, João Pedro Dias, José Mendes Pinto, Ana Sanches, António Barbosa, Agostinho Guedes, Manuel Carvalho, Hugo Filipe, Maria Anacoreta Correia, João Oliveira, António da Silva Santos, Fábio Joaquim, Inês Palma Teixeira, Jorge Pereira, Eduarda Ferreira, Francisco Peixoto da Silva, Rui Mateus, Duarte Sardinha, Liliana Silva, Nuno Pereira de Magalhães, Lucinda Carpinteiro, António Pinto Moreira, Aires Patrício, Nuno Lobo, Raquel Carreira, Sara Sepúlveda da Fonseca, Rui Espírito Santo, José Marcelo Pinto, António Moreira, Luís Pedro Mateus, João Almeida, Rui Barreto, Catarina Araújo, Nuno Magalhães, José Pinheiro, Adolfo Mesquita Nunes, Maria Luísa Aldim, Hélder Amaral, Álvaro Castelo-Branco, Duarte Novo, Durval Ferreira, Nuno Gusmão, Ricardo Tavares da Silva, Paulo Sousa, Maria Roque, Pedro Moutinho, João Pedro Gomes, António José Batista, João Condeixa, Alexandre Teixeira, Ângelo Santos, Ricardo Mendes, Gonçalo Camacho, Beatriz Proença João, John Baker, Patrícia Fonseca, Manuel Gonçalves, Patrícia Ribeiro, Maria Inês Mineiro, Isabel Coelho, José Souto Pereira e Ana Maria Machado

Anúncio

Braga

Carro desgovernado anda 100 metros em despiste na principal via de Braga

Acidente

em

Foto: Paulo Jorge Magalhaes / O MINHO

Uma viatura entrou em despiste na Avenida Frei Bartolomeu dos Mártires, sentido Continente – Braga Parque, esta noite de sábado,

A viatura acabou por transpor o separador central e a imobilizar-se na via contrária, ao embater num poste suporte a um outdoor.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O carro terá andado mais de 100 metros em despiste, com os moradores da zona a sairem à rua após os barulhos fortes que ouviram.

O condutor saiu pelo próprio pé, não sendo solicitado até agora assistência pré-hospitalar.

A PSP está no local.

Continuar a ler

Braga

Paulo Cunha ganha distrital de Braga do PSD e quer Barcelos ‘laranja’ em 2021

Política

em

Foto: DR / Arquivo

As eleições autárquicas de 2021 são o “foco número um” da nova distrital de Braga do PSD, hoje eleita, numa lista única encabeçada por Paulo Cunha, presidente da Câmara de Famalicão.

Foram às urnas 1.254 militantes, dos quais 1.195 votaram na lista de Paulo Cunha.

Registaram-se ainda 51 votos brancos e oito nulos.

Em declarações à Lusa, Paulo Cunha disse que as autárquicas de 2021 constituem “o foco número um”, sendo o objetivo manter as atuais nove câmaras já detidas pelo PSD e tentar conquistar as restantes cinco.

Segundo o novo presidente da distrital social-democrata, a reconquista da Câmara de Barcelos, atualmente liderada pelo PS, será uma das grandes apostas.

“O atual presidente da Câmara de Barcelos [Miguel Costa Gomes] não se pode recandidatar, devido à lei de limitação de mandatos, e essa será uma oportunidade que o PSD saberá certamente aproveitar, estando à altura das suas responsabilidades”, referiu.

Paulo Cunha terá como “vices” José Novais, de Barcelos, e Carlos Cação, de Vila Verde.

O presidente da Câmara de Braga, Ricardo Rio, será o presidente da mesa da assembleia distrital.

Paulo Cunha já tinha liderado a distrital de Braga do PSD entre 2010 e 2014, ano em que deu lugar ao eurodeputado José Manuel Fernandes.

O PSD lidera as câmaras de Braga, Vieira do Minho, Amares, Famalicão, Terras de Bouro, Esposende, Póvoa de Lanhoso, Celorico de Basto e Vila Verde.

No caso de Braga, a câmara foi ganha por uma coligação que juntou o PSD, o CDS-PP e o PPM.

Em Vieira do Minho, Amares e Famalicão, também houve coligação, mas apenas entre o PSD e o CDS-PP.

O PS detém Barcelos, Cabeceiras de Basto, Fafe e Guimarães, enquanto a Câmara de Vizela foi conquistada por uma lista independente, liderada por Vítor Hugo Salgado.

(notícia atualizada às 01h58 com a inclusão da Póvoa de Lanhoso como uma das atuais Câmaras do PSD)

Continuar a ler

Braga

Cobras e ratos ameaçam moradores junto ao futuro ecoparque de Braga

Limpeza de terrenos

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Os moradores da rua Quinta dos Passos, em São Víctor, cidade de Braga, estão revoltados com a autarquia por esta fazer ‘vista grossa e ouvido mouco’ aos sucessivos apelos para a limpeza de um lote de terreno que acarreta animais que ameaçam a saúde pública.

Ariana Correia, porta-voz dos moradores daquela urbanização situada em Areal de Baixo, junto ao futuro ecoparque das Sete Fontes, disse a O MINHO que têm sido sucessivas as denúncias ao longo dos últimos anos mas que a autarquia “nada faz” para a limpeza.

Braga dá “passo decisivo” para criar um ecoparque na cidade

 

“O terreno pertence a um particular que não o limpa e está nestas condições há quatro anos, sem que ninguém faça nada”, lamenta a moradora, visivelmente irritada com o executivo liderado por Ricardo Rio (PSD).

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

“Antigamente tínhamos uma senhora que fazia a limpeza, nós pagávamos, mas houve uma denúncia e a senhora nunca mais foi lá limpar aquilo”, explica.

Nos últimos meses, a situação tende a agravar-se, depois de um morador ter detectado cobras naquele espaço, situado por cima de garagens e onde crianças costumam brincar.

“Têm aparecido cobras e ratos no local e isso é uma ameaça para as nossas crianças”, assegura, revelando que já falou com o presidente da junta de São Víctor, Ricardo Silva, e que este se mostrou bastante atencioso mas também não conseguiu resolver o problema.

“Enviámos um ofício aos serviços municipais há mais de um ano e até hoje não obtivemos resposta”, sublinha.

O MINHO falou com fonte da AGERE que remeteu o assunto para a Câmara. Enviado um email a questionar através do endereço de email de reclamações dos munícipes, o mesmo nunca foi respondido.

Recentemente, O MINHO contactou o presidente da autarquia a propósito deste tema. Apesar de nos ter assegurado que ia questionar os serviços, nunca mais obtivemos resposta por parte de Ricardo Rio.

O MINHO sabe que a Câmara estará há mais de dois anos a tentar contactar o proprietário do terreno, mas sem sucesso.

Após uma pesquisa junto do site Portal da Queixa, verificámos que este é um problema recorrente na cidade de Braga, com vários munícipes a solicitarem uma resposta da autarquia através daquele meio, uma vez que não obtêm resposta dos serviços.

Continuar a ler

Populares