Seguir o O MINHO

Ponte de Lima

Julgamento do caso da morte de Dylan da Silva no curso de Comandos começa a 27 de setembro

em

Dylan da Silva. Foto: DR

O Tribunal Central Criminal de Lisboa marcou para 27 de setembro o início do julgamento dos 19 militares acusados no processo do 127.º curso de Comandos, no qual morreu o recruta Dylan da Silva, de Ponte de Lima, e o colega Hugo Abreu.

Segundo um despacho judicial deste tribunal, a que a agência Lusa teve acesso, a primeira sessão está agendada para as 10:00, com continuação às 14:00, no Juiz 2, no Campus da Justiça. Caso haja adiamento, o tribunal marcou o início do julgamento para a sessão de 01 de outubro, às 10:00.

O tribunal designou ainda as seguintes datas para continuação do julgamento, sempre com início às 10:00 e continuação às 14:00, exceto o dia 24 de outubro: 04, 10, 11, 15, 17, 18, 24 (14:00), 25 e 31 de outubro, 07, 08, 14, 15, 21, 22, 28, 29 de novembro, e 05, 12 e 19 de dezembro.

As sessões de 27 de setembro, 01 e 04 de outubro vão ser “para identificação dos arguidos e eventuais declarações destes”, refere o despacho judicial.

Dylan da Silva e Hugo Abreu, ambos com 20 anos à data dos factos, morreram enquanto vários outros instruendos sofreram lesões graves e tiveram de ser internados, na sequência de uma prova do 127.º curso de Comandos, que decorreu na região de Alcochete, distrito de Setúbal, a 04 de setembro de 2016.

Em junho do ano passado, o Ministério Público (MP) acusou 19 militares no processo relativo à morte de dois recrutas dos Comandos e internamento de outros, considerando que os arguidos atuaram com “manifesto desprezo pelas consequências gravosas que provocaram nos ofendidos”.

Da lista dos 19 acusados de abuso de autoridade e de ofensa à integridade física, no processo desencadeado pela morte dos recrutas Hugo Abreu e Dylan Silva e pelo internamento de outros, constam oito oficiais do Exército, oito sargentos e três praças, todos do Regimento de Comandos.

“Os princípios e valores pelos quais se regem os arguidos revelam desrespeito pela vida, dignidade e liberdade da pessoa humana, tratando os ofendidos como pessoas descartáveis”, indica a acusação assinada pela procuradora Cândida Vilar.

A acusação refere que, ao sujeitarem os ofendidos a essa “penosidade física e psicológica” durante a recruta efetuada em setembro de 2016, todos os arguidos sabiam que “excediam os limites” permitidos pela Constituição e pelo Estatuto dos Militares da Forças Armadas e “colocaram em risco a vida e a saúde dos ofendidos, o que aconteceu logo no primeiro dia de formação.

Alguns dos arguidos requereram a abertura de instrução – fase facultativa que visa decidir por um juiz se o processo segue para julgamento -, mas a juíza de instrução criminal, Isabel Sesifredo, decidiu levar a julgamento (proferiu despacho de pronúncia) todos os arguidos nos exatos termos da acusação do Ministério Público (MP).

“Nesta fase processual, os indícios são muito fortes para não pronunciar os arguidos (não levar a julgamento). Por isso pronuncio-os”, disse a juíza de instrução criminal Isabel Sesifredo, durante a leitura da decisão instrutória, que decorreu a 09 de março deste ano, no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa.

Em causa estão crimes de abuso de autoridade e ofensa à integridade física. Ao todo, os 19 militares e arguidos vão ser julgados por 489 destes crimes.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Ponte de Lima

TAC do Hospital de Ponte de Lima não funciona desde outubro. CDS quer saber porquê

Hospital Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima, está desde outubro de 2018 sem equipamento de Tomografia Axial Computorizada (TAC)

em

Numa pergunta enviada ao Ministério da Saúde, a deputada do CDS Ilda Araújo Novo questiona a Ministra da Saúde sobre por que motivo não foi ainda totalmente montado o equipamento de TAC do Hospital Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima.

Hospital Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima. Foto: DR

De acordo com notícias vindas a público, o Hospital Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima, que integra a Unidade Local de Saúde do Alto Minho E.P.E., está desde outubro de 2018 sem equipamento de Tomografia Axial Computorizada (TAC).

Assim, e de acordo com as mesmas notícias, os doentes urgentes estarão a ser encaminhados para o Hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo (que integra a mesma ULS).

A deputada quer também saber quais os tempos de espera atuais para a realização destes exames tanto no Hospital Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima, como no Hospital de Santa Luzia, em Viana do Castelo, que medidas pretende a ministra tomar, de imediato, para resolver este problema e, ainda, em que Hospitais do SNS, e há quanto tempo, os equipamentos de TAC estão avariados e/ou obsoletos e a precisar de reparação ou substituição.

O aparelho de TAC que em outubro estava avariado já terá sido substituído por outro, usado, mas que não resolveu o problema uma vez que, apesar de estar montado e tecnicamente pronto para funcionar, não pode ainda ser utilizado por faltar colocar placas de chumbo que visam impedir a passagem de radiação.

“Perante todos estes factos, o Grupo Parlamentar do CDS entende ser da maior pertinência obter um esclarecimento por parte da Ministra da Saúde, uma vez que entendemos ser insustentável e injustificável que os hospitais do SNS continuem com os seus equipamentos para a realização de MCDT avariados e continuem sem autorização das Finanças para os reparar e/ou substituir”, assinala o partido numa nota enviada a O MINHO.

Continuar a ler

Ponte de Lima

Ponte de Lima recorda ex-presidente do Brasil com exposição e palestra

Evocado centenário da morte de Francisco de Paula Rodrigues Alves de ascendência limiana

em

O Município de Ponte de Lima vai assinalar o centenário da morte de Francisco de Paula Rodrigues Alves (1919-2019) com uma exposição evocativa da vida e percurso político desta notável figura, de ascendência limiana, que foi duas vezes Presidente da República do Brasil.

Intitulada “Presidente Francisco de Paula Rodrigues Alves: Legado e memórias de um filho de limianos no Brasil”, a mostra de tributo – patente ao público na varanda interior da Biblioteca Municipal de Ponte de Lima de 16 de janeiro a 30 de abril de 2019 – possibilitará aos visitantes o contacto com informação, fotografias e documentação alusivas a este distinto advogado e notável político, que conseguiu alcançar nobres cargos e exercer funções como Vereador, Deputado, Conselheiro do Império, Ministro, Senador e Presidente da República do Brasil.

Associada à exposição dinamizar-se-á uma palestra intitulada “Brasileiros” de Ponte de Lima: histórias de afortunados no Brasil e de beneméritos em Portugal” orientada pela Professora Doutora Alexandra Esteves, a realizar no dia 16 de janeiro, pelas 18h30, no auditório da Biblioteca Municipal.

Continuar a ler

Ponte de Lima

Homem encontrado morto em casa em Ponte de Lima

em

Foto: Direitos Reservados

Um homem, de 45 anos, foi esta terça-feira à tarde encontrado morto, no interior da sua habitação, na freguesia de Brandara, em Ponte de Lima.

Segundo O MINHO apurou, a GNR recebeu um alerta a dar conta que Dinis Sales não era visto desde domingo, tendo-se deslocado à sua residência, na rua de São Tiago de Brandara, onde morava sozinho.

Os bombeiros de Ponte de Lima foram acionados, cerca das 15:06, para procederem ao arrombamento da porta, onde encontram o homem cadáver.

O corpo foi removido para o Instituto de Medicina Legal de Viana do Castelo, onde serão apuradas as causas da morte, sendo que, segundo fonte da GNR, não existem suspeitas de crime.

Continuar a ler

Populares