Seguir o O MINHO

Vila Verde

JSD nacional celebrou aniversário com “festival político” na praia do Faial em Prado

em

Foto: Facebook de Luís Carvalho

A Juventude Social Democrata (JSD) assinalou o seu 44.º aniversário com um “festival político”, ao qual chamou J Summer Fest, este sábado, na praia fluvial do Faial, junto ao rio Cávado, na Vila de Prado, concelho de Vila Verde.

Na iniciativa dos jotas estiveram presentes, entre outros, Rui Rio, líder do PSD, Margarida Balseiro Lopes, presidente da estrutura nacional da JSD, José Manuel Fernandes, eurodeputado e ex-presidente da Câmara Municipal de Vila Verde e os deputados Rui Silva, também de Vila Verde, Hugo Soares, de Braga, e Jorge Paulo Oliveira, de Vila Nova de Famalicão, todos eleitos pelo círculo de Braga.

A iniciativa, organizada pela primeira vez, contou com campismo gratuito, música, gastronomia regional, praia, desportos náuticos, jogos interativos e atividades políticas.

Rui Rio falou do Orçamento do Estado, de Saúde e de Justiça

Foto: DR

No discurso político, Rui Rio falou do Orçamento de Estado para 2019, sublinhando que só é a favor ou contra aquilo que conhece.

“Podem dizer o que quiserem, eu repito o que digo desde pequenino: não sou a favor nem contra aquilo que desconheço. Eu só sou a favor ou contra aquilo que conheço”, referiu em Vila Verde.

Rio acusou ainda o Governo de “irresponsabilidade total” com a redução para 35 horas semanais de trabalho no setor da saúde, sublinhando que quem sofre com a medida são os utentes do Serviço Nacional de Saúde.

Para Rui Rio, o Governo decidiu reduzir para as 35 horas apenas para ser “simpático” com o Bloco de Esquerda e o PCP, os partidos que viabilizam o atual Governo.

“Somos simpáticos para algumas pessoas e depois o Governo foi antipático para milhões de pessoas, que são os utentes do Serviço Nacional de Saúde”, referiu, acrescentando que esta é “a prova evidente de que esta solução governativa é algo pesada para os portugueses a diversos níveis”.

“O Governo vende a ideia de milagre económico e não há milagre nenhum. E ainda por cima há esta desorganização dos serviços e ainda por cima num setor essencial, como é o Serviço Nacional de Saúde. É muito mau”, defendeu.

Por fim, o líder dos sociais-democratas afirmou que o partido está a “desenhar” uma proposta de reforma da Justiça, para depois ser “trabalhada” por todos os outros partidos de forma a conseguir-se “o maior consenso possível”.

“Espero que todos os partidos estejam imbuídos deste espírito da necessidade de, de uma vez por todas, Portugal arrancar com uma reforma da Justiça”, afirmou.

Para já, o PSD, está a fazer um “diagnóstico” da Justiça, para apontar os objetivos que se pretende alcançar e concertar medidas com os restantes partidos.

“Todos falamos da reforma da Justiça, mas depois, às vezes, estamos todos a falar de coisas diferentes ou a falar de nada”, criticou.

Avisou que a reforma não será para se fazer “em 30 dias nem em 60”, mas sim “com tempo, uma coisa demorada”.

“A última coisa que pretendemos é ser polémicos, nem dentro do PSD nem fora dele. O que queremos é ser o mais consensuais possível, porque estamos a falar de uma reforma vital para Portugal e para o futuro da democracia”, rematou.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Vila Verde

Ataques de cães continuam sem fim à vista em Vila Verde

Mais uma mulher foi mordida esta semana

em

Foto: DR

Os ataques de cães continuam sem fim à vista em Vila Verde. São vários os populares que têm sido vítimas dos animais, nos últimos tempos. O JN de hoje volta a trazer o assunto depois de uma vilaverdense ter sido alvo de mais um ataque.

O problema dos cães “vadios” continua na ordem do dia em Vila Verde. O caso não é novo, há relatos com mais de cinco anos. Os ataques sucedem-se e há quem já não saia de casa com receio dos animais. Segundo apurou O MINHO, uma menina foi mordida numa perna, há dias, junto ao Centro de Saúde.

Na edição de hoje do JN é relatado o caso de uma senhora, que na ida para o trabalho, foi atacada por cães, em pleno dia.

Moradores no centro da vila confirmam que “durante a noite, ouvem-se os cães a ‘brigarem’ uns com os outros”. Outra moradora, habitual ‘cliente’ de caminhadas, revelou que “deixei de caminhar porque tenho receio de ser atacada”.

As entidades públicas alertam, em primeiro lugar, para a necessidade de responsabilização dos donos, a fim de evitar o abandono dos animais.

Os animais errantes vão vagueando por zonas com acesso de bastante pessoas, como o Centro de Saúde ou a Escola Secundária.

Segundo as fontes de O MINHO, ”há matilhas com seis e sete cães e há pessoas que lhes dão de comer”.

A câmara tem colocado armadilhas de alçapão em locais específicos onde há circulação e permanência de animais para tentar reduzir o número de animais errante e desfazer possíveis matilhas que se criem na rua.

Mas há quem garanta que alguns destes objectos têm sido destruídos. O canil não dá resposta para tanto animal.

Continuar a ler

Vila Verde

Motards regressam à Vila de Prado para uma das maiores concentrações do norte do país

Na Praia do Faial, em Prado

em

É uma das maiores concentrações motard do norte do país. No próximo fim-de-semana, 24 a 26 de maio, são esperados, na praia fluvial do Faial, na Vila de Prado, em Vila Verde cerca de três mil aficionados das motas, vindos de todo o país e da vizinha Espanha.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (2018)

Às portas de celebrar vinte anos, a concentração deste ano vai ter melhorias no espaço, nomeadamente, “ao nível de casas de banhos e de campismo”, revela a O MINHO, o presidente do Moto Clube de Prado, entidade organizadora, Rui Peixoto.

Se o dia forte é o sábado, 25 de maio, a verdade é que para sexta-feira já está programada alguma animação, como um show de strip e a atuação do Grupo Cicklone. Para além de espaço para campistas, a organização terá à disposição stands de comes e bebes, de tatuagens e de material ligado ao mundo das motas.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (2018)

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (2018)

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (2018)

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (2018)

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (2018)

No sábado, há animação durante todo o dia a começar com os Bomboémia. Doutor Assério, Paulo Baixinho e Companheiros D’Aventura ficam com a parte mais musical e lúdica.

Está ainda prevista uma demonstração de Freestyle com Humberto Ribeiro.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (2018)

“Não é muito fácil 19 anos depois continuar a organizar um evento desta dimensão mas quando começa a chegar a data surge a ‘pica’ toda’, refere Rui Peixoto que, no entanto, desabafa: “se não fosse o apoio de alguns patrocinadores e de alguns amigos, se calhar, a concentração já não existia”.

Recorde-se que a concentração tem entrada livre, é aberta a toda a gente “mesmo a quem não tem mota mas gosta do ambiente motard” e faz parte do calendário oficial da Federação Portuguesa de Motociclismo.

Continuar a ler

Vila Verde

CDS participa uso de carrinha de junta de Vila Verde para comício do PSD ao Ministério Público

CDS/Vila Verde

em

Foto: Imagens RTP

O CDS de Vila Verde participou ao Ministério Público e à Comissão Nacional de Eleições o caso da utilização de uma carrinha de uma junta de freguesia do concelho para transportar pessoas para um comício do PSD, em Esposende.

Segundo o líder do CDS de Vila Verde, Paulo Marques, em causa está uma carrinha da União de Freguesias de Marrancos e Arcozelo, que transportou apoiantes para a festa-comício da candidatura do PSD às europeias que teve lugar no domingo em Esposende e que contou com a presença de Rui Rio e Paulo Rangel.

Contactado pela Lusa, o presidente daquela União de Freguesias, Manuel Rodrigues (PSD), confirmou a utilização da carrinha a pedido de um particular, que pagou pelo “serviço” 150 euros.

“No fundo, foi um ‘donativo’ para a Junta, porque pagaram-nos 150 euros e nem sequer 40 euros gastámos”, referiu.

O autarca foi uma das nove pessoas que foram ao comício na carrinha, que foi conduzida pelo tesoureiro da Junta.

O CDS, na exposição que fez à Comissão Nacional de Eleições e ao Ministério Público, diz que se tratou de uma situação “absolutamente abusiva” e questiona se não estará em causa um crime, “agravado por se tratar de período de campanha eleitoral, prejudicando deliberadamente todas as outras forças partidárias nacionais”.

Por isso, solicita a “intervenção urgente” daquelas entidades, “a bem da legalidade, da liberdade e da veracidade”.

O presidente da Junta disse que cedeu a carrinha “de boa-fé”, a pensar “no bem” da freguesia, mas garantiu que “esta foi a primeira e última vez”.

“Sou novo nisto [primeiro mandato], nunca pensei que isto fosse dar esta polémica toda, mas agora admito que fui ingénuo. Não voltará a acontecer”, referiu.

A Lusa contactou também o diretor da campanha do PSD em Vila Verde, José Manuel Lopes, que disse que a candidatura “não tem rigorosamente nada a ver” com a questão.

“A campanha não teve qualquer intervenção no transporte. Por nós passou apenas a distribuição dos bilhetes, nada mais. Cada um tratou de se organizar para chegar até ao local da festa, acredito que entre 80 a 90% foram em viatura própria. Quanto a esse caso em concreto [carrinha da Junta], nada sabemos, porque nada passou por nós”, disse ainda.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Patrocinado

Reportagens da Semana

Populares