Seguir o O MINHO

Ponte de Lima

Fazer o Caminho de Santiago ao som do forró

Vindos de vários cantos do Mundo, percorrem o caminho de sanfona, ferrinhos e pandeiro

em

Foto; Pedro Antunes Pereira / O MINHO

Sete jovens vindos de vários pontos do país e de vários países estão a percorrer, em doze etapas, o caminho de Santiago. A uni-los o forró. De sanfona, ferrinhos e pandeiro vão dando a conhecer, por onde passam, aquele estilo de música brasileira. Peregrinos e populares têm-se juntado a uma forma diferente de encarar o Caminho.


Foto: Pedro Antunes Pereira / O MINHO

O MINHO encontrou-os no albergue de Ponte de Lima, quando as primeiras mazelas físicas começavam a fazer efeito. Paulo é português, Wander e Caio são brasileiros, Natália veio da Ucrânia e Federica de Itália. Há ainda a polaca Alexandra e o libanês Adeeb. São do Porto, Lisboa e Ponte de Lima mas são, sobretudo, amigos. A paixão é o forró e “queríamos fazer coisas diferentes para levar o forró ao maior número de pessoas”, diz, sentado na esplanada em frente ao albergue, Paulo Domingues.

A ideia, que “até poderia ser considerada idiota”, de percorrer ao Caminho de Santiago com forró começou a ganhar corpo e em Mafamude instalaram o seu quartel-general. Durante 25 encontros semanais, às segundas-feiras, começaram a ensaiar, a dançar, a cantar “para fazer boa figura. O espaço era aberto a todos e foi isso que tornou tudo ainda mais interessante”.

Às quintas começaram a tocar nas Galerias de Paris, no Porto e a percorrer algumas ruas como aquecimento para a jornada do Caminho. Cinco etapas depois o balanço era “muito positivo. A receptividade tem sido muito boa. Já há que nos deixe comida e há gente à nossa espera para tocar e dançar o forró connosco”, revela Paulo.

Foto: Pedro Antunes Pereira / O MINHO

Forró do Santo

A chegada a Santiago irá reservar uma comemoração especial. “Criamos um forró original, da autoria do Ildebrando Coelho, que iremos tocar em Santiago”. Até lá, a caminhada “é feita devagar, sem pressas” e com muita música e dança à mistura. Em frente ao albergue, franceses, italianos, alemães e portugueses juntam-se para dar uma perninha de dança e mesmo os mais desajeitados conseguem ondular o corpo. “É isto que nós pretendemos, celebrar a amizade através do forró”. Aliás o lema dos sete é bem elucidativo: “pode balançar que o forró é por nossa conta”.

Mudar vidas

Paulo revela que o forró mudou a sua vida: “melhorou o meu contacto com as pessoas, permitiu-me conhecer pessoas fantásticas numa altura complicada”. Foi através de uma amiga que conheceu este estilo de música “e desde o primeiro momento, fiquei cativado”. Para além de dançar, Paulo é o responsável pela sanfona, ou se se quiser, acordeão.

Planos para o futuro não faltam. Para além da experiência do Caminho ser para repetir, há ideias para o S. Martinho e outras datas importantes. “O forró é uma dança respeitada. A sociedade, ainda, não está desperta para ela mas quando sentem o encanto, percebem que muda de vida”.

A prova é que dos sete amigos iniciais, mais pessoas se foram juntando com eles e ao som do forró minimizam as dores físicas de um Caminho exigente, contemplativo mas que pode ser alegre e de partilha.

Anúncio

Alto Minho

PJ de Braga analisa carro do homem que mutilou genitais de rival em Ponte de Lima

Investigação prossegue apesar de homicida se ter suicidado

em

Foto: O MINHO

A polícia espanhola entregou o carro do homem que matou o namorado da ex-companheira, em Ponte de Lima, à Polícia Judiciária (PJ) de Braga, que esteve, esta quinta-feira, a fazer perícias.

A Brigada de Homicídios da PJ de Braga está a concluir a investigação que, como O MINHO noticiou, continuou pese embora o homicida, Carlos Sande Fidalgo, de Vigo, se tenha suicidado após cometer o crime.

Foto: O MINHO

Foto: O MINHO

O BMW 730 Preto, pertencente ao autor do crime, entregue pela Guardia Civil à PJ, tinha sido encontrado na ponte de Rande, de onde o empresário se atirou.

Homem assassinado em Ponte de Lima foi mutilado nos genitais. Suspeito a monte

Como O MINHO noticiou na altura, na madrugada de 19 de agosto, um homem com cerca de 50 anos foi assassinado, em Gondufe, Ponte de Lima, tendo sido mutilado nos genitais.

Havia ainda outra vítima, uma mulher de 40 anos, com ferimentos ligeiros.

Ponte de Lima: Mulher que viu companheiro ser mutilado nos genitais ouvida pela PJ

O casal foi encontrado dentro de casa. A mulher estava com as mãos amarradas e o homem caído no chão já sem vida.

Todos os envolvidos eram espanhóis.

“O homem foi mutilado nos genitais. É a vítima mortal. A mulher foi encontrada amarrada, com cabos elétricos, com as mãos atrás das costas. À chegada dos meios de socorro, a mulher indicou como suspeito o ex-marido, também de nacionalidade espanhola, residente em Vigo. O caso está a ser investigado pela PJ”, referiu na altura fonte do Comando Territorial da GNR de Viana do Castelo.

No mesmo dia, o homicida foi encontrado sem vida pelas autoridades espanholas na ria de Vigo, depois de se ter atirado da ponte de Rande, em Pontevedra, na Galiza.

Suspeito de homicídio em Ponte de Lima atirou-se de uma ponte em Espanha

O corpo do homem foi encontrado por elementos da Guarda Civil e Salvamento Marítimo, após buscas realizadas com ajuda de um helicóptero. O carro do morto estaria estacionado junto à ponte.

A Polícia Judiciária continuou a investigar as circunstâncias crime, apesar de o suspeito se ter suicidado no mesmo dia.

Continuar a ler

Alto Minho

Ponte de Lima: Casal de idosos com covid-19 morre “à mesma hora” no hospital

Sobe para três número de mortos em lar da Casa da Caridade

em

Foto: DR / Arquivo

A morte de um casal do lar de Nossa Senhora da Conceição, da Caridade de Ponte de Lima, infetado com o novo coronavírus, fez subir para três os óbitos provocados pelo surto de covid-19, disse hoje o diretor.

Contactado hoje pela agência Lusa, o diretor da instituição daquele concelho, Agostinho Freitas, explicou que o casal, “marido e mulher, de 89 e 90 anos, morreram, na quinta-feira, à mesma hora, no hospital de Santa Luzia”, em Viana do Castelo.

Na semana passada, a instituição registou a primeira morte de um utente associada ao surto de covid-19.

Na Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (ERPI) de Nossa Senhora da Conceição, de um universo de “63 utentes, 61 estão infetados pelo novo coronavírus, sendo que daqueles, dois estão internados”.

A instituição tem dois utentes que não estão infetados com SARS-CoV-2, que provoca a doença covid-19.

Dos 40 funcionários desta resposta, 16 estão infetados pelo novo coronavírus.

Já na ERPI do Centro Comunitário de Refoios, dos 34 utentes, um está infetado e isolado na instituição, bem como um dos 20 funcionários, que está a recuperar em casa.

Agostinho Freitas adiantou que hoje foram testados novamente todos os utentes e funcionários da ERPI do Centro Comunitário de Refoios.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.285.160 mortos em mais de 52,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.181 pessoas dos 198.011 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continuar a ler

Alto Minho

Trinta e dois infetados em segundo lar da Misericórdia de Ponte de Lima

Covid-19

em

Vinte e quatro utentes e oito funcionários do lar Cónego Correia, da Misericórdia de Ponte de Lima, testaram positivo para o novo coronavírus, informou hoje a Santa Casa.

Em comunicado publicado na rede social Facebook, o provedor Alípio de Matos explica que, de “um universo de 91 idosos, foram efetuados testes a 90 idosos, tendo em conta que um utente está hospitalizado, pelo agravamento da sua situação clínica, sem qualquer relação com o vírus SARS-CoV-2”.

Dos 90 testes efetuados, na terça-feira, aos utentes da Estrutura Residencial Para Idosos (ERPI) Cónego Correia, 24 viram confirmada a infeção por SARS-CoV-2, que provoca a doença covid-19.

No comunicado, Alípio de Matos acrescenta que “os idosos se encontram bem, sendo que alguns apresentam sintomas ligeiros”.

Já dos 57 funcionários da instituição testados, oito estão infetados.

“Aguarda-se o resultado dos testes de dois colaboradores que estão em isolamento profilático e são acompanhados pelo Centro de Saúde de Ponte de Lima e/ou Saúde 24”, refere a nota do provedor.

O responsável acrescenta que “os utentes estão isolados e está a ser realizada a individualização dos cuidados e a vigilância ativa de sintomas”.

“Tendo em conta a existência de quatro alas distintas com quartos individuais, duplos e triplos, os quais têm casa de banho privativa, neste momento está a ser possível a manutenção de todos os utentes na valência, com a criação de três alas com doentes não-covid e uma ala com doentes covid”, acrescenta.

A Lusa contactou Alípio de Matos para o questionar sobre a situação da outra ERPI do Centro Comunitário de Arcozelo afetada com um surto de covid-19, mas ainda sem sucesso.

Na terça-feira, o provedor disse à Lusa que, do total de 45 utentes daquela estrutura, 32 estavam infetados. Dos 38 trabalhadores, seis contraíram o vírus.

Na segunda-feira, Alípio de Matos confirmou a morte de uma utente de 92 anos, infetada por SARS-CoV-2.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.285.160 mortos em mais de 52,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.181 pessoas dos 198.011 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Populares