Seguir o O MINHO

Braga

Jovens Ativos Ciganos de Braga editam seis vídeos contra preconceitos sobre a comunidade

No espaço Toca.

em

Seis vídeos, seis preconceitos sociais sobre os ciganos. O Grupo de Jovens Ativos Ciganos de Braga, no âmbito do projeto Geração Tecla, concebeu o projeto e vai divulgá-lo dia 30, no espaço Toca, em Braga.

“Fizemos um levantamento das frases e expressões que frequentemente se ouvem sobre o modo de vida dos ciganos. Depois de identificadas várias situações, que indicam preconceito e falta de informação por parte da sociedade maioritária, foram selecionados seis preconceitos que ocorrem com mais frequência”, diz Regina Sequeira. Este projeto, que contou com a parceria de Os Tais do Vídeo e o apoio da professora Maria José Casa-Nova, surge do trabalho desenvolvido pela equipa do GT.E6G, no âmbito da atividade Oficinas de Fotografia e Vídeo, com e concretizou-se de uma forma bastante participativa.

Num segundo momento, -acrescentou – “os jovens construíram pequenos guiões que demonstram as situações que vivem e representaram-nos. Paralelamente, fez-se um resumo de dados concretos e de informações sobre a história e cultura cigana com o objetivo de clarificar e ajudar a desconstruir os preconceitos existentes”.

Assim surgem seis vídeos de DesPreConceito que serão disponibilizados nas redes sociais e poderão ser utilizados como recursos em sessões formativas e informativas sobre História e Cultura Cigana.

E a concluir, afirma: “Sendo o preconceito uma ideia prévia sobre uma pessoa ou um grupo de pessoas construída com base na informação existente, e percebendo que há pouca informação disponível sobre história e cultura cigana, entendemos que é importante disponibilizar mais informação, para que os conceitos possam ser atualizados. Assim, DesPreConceito visa a reconstrução dos conceitos criados sobre as comunidades ciganas.”

Geração Tecla

Conforme O MINHO noticiou, o Plano Estrategico de Desenvolvimento Urbano (PEDU) de Braga inclui um Plano de Acão Integrado para as Comunidades Desfavorecidas (PAICD) que visa a reabilitação urbana no Bairro de Santa Tecla, no Bairro Social das Enguardas e no Complexo Habitacional do Picoto.

Nesse sentido, o Município – por ação do vice-presidente Firmino Marques – está a promover o Projeto “(Re)Escrever o nosso Bairro” com um conjunto de parceiros, a Bragahabit, a Associação Famílias, a Cruz Vermelha Portuguesa e a Fundação Bomfim. Tem como objetivo o de promover iniciativas de inclusão social naqueles bairros e tornar visível a identidade, cultura e modos de vida dos seus habitantes”.

Por seu lado, o Projeto Geração Tecla E6G – integrado no programa estatal Escolhas – realizado em parceria com a Cruz Vermelha Portuguesa, quer dar continuidade ao trabalho de inclusão social das crianças e jovens mais vulneráveis, residentes no Bairro Social de Santa Tecla. Promove a dinamização cultural e a formação profissional dos jovens e adultos.

Nesta área específica, o Plano de Atividades da autarquia desenvolve, ainda, o Projeto T3tris E6G – também do Programa Escolhas – em parceria com o Centro Cultural e Social de Santo Adrião, para “reforçar os objetivos previstos no Plano para a Inclusão das Comunidades Ciganas e no Plano para a Integração dos Imigrantes, dando especial ênfase às questões escolares, de empregabilidade, de empreendedorismo e de associativismo”.
Pretende-se “potenciar a comunicação entre as comunidades ciganas do Complexo Habitacional do Picoto, do Bairro Social de Ponte dos Falcões, e do Fujacal e proporcionar às crianças e jovens que vivem nesses bairros iguais oportunidades de ensino e emprego”.

Anúncio

Braga

Ministério Público pede 18 anos de cadeia para homem que estrangulou mulher até à morte em Vieira do Minho

Justiça

em

Foto: DR / Arquivo

O Ministério Público (MP) pediu 18 anos de cadeia por homicídio qualificado para o homem acusado de estrangular até à morte a mulher no restaurante de ambos em Salamonde, Vieira do Minho.

Nas alegações finais, que decorreram hoje no Tribunal de Braga, a defesa do arguido, Manuel Fidalgo, pediu a sua absolvição com base no princípio in dubio pro reu.

O advogado João Magalhães alegou que o inquérito criminal foi mal feito, porque da acusação não constaria o relatório da autópsia da vítima e porque faltariam imagens relevantes na documentação, como as que foram vistas a pedido da defesa mostrando um homem a entrar no local de crime e que a Polícia Judiciária não terá incluído no inquérito.

Posto isto, conclui o advogado, o inquérito e a fase de instrução violaram princípios constitucionais de defesa do arguido.

Por seu turno, a família, representada pela advogada Arminda Melo, pediu a pena máxima e uma indemnização de 500 mil euros.

Tanto o MP como a família pedem a indignidade sucessória do arguido, isto é, que Manuel Fidalgo não tenha direito a receber como herança os bens da mulher.

Sobre o crime

Manuel Fidalgo, de 45 anos, terá assassinado, em março de 2019, a mulher, Ana Paula, de 31 anos, por estrangulamento, no restaurante/residencial que ambos possuíam em Salamonde, Vieira do Minho.

Na última audiência do julgamento, o coletivo de juízes ouviu duas testemunhas, uma delas, uma antiga empregada, sazonal, do restaurante, a qual garantiu que nunca viu qualquer problema, e muito menos violência, entre o casal, mas sublinhando que alguns membros da família “apoucavam” Manuel Fidalgo, a quem apelidavam de “boneco”.

Foi, ainda, ouvida uma outra testemunha, um homem que apareceu nas imagens de videovigilância a entrar para a lavandaria, o local onde a vítima foi encontrada já sem vida, ou quase a falecer.

O homem contou que entrou no local porque era hóspede e dormia num quarto da zona, e revelou que foi a filha do casal que o alertou para a ocorrência, tendo até, uma vez que tem alguns conhecimentos de primeiros socorros, tentado prestar-lhe auxílio, antes da chegada do INEM.

Apertou-lhe o pescoço

A acusação diz que o arguido, António Manuel Fidalgo, de 45 anos, – em prisão preventiva – ,motorista de profissão, terá “apertado o pescoço” da mulher, Ana Paula, de 41 anos, “com o que lhe causou a morte por asfixia”. O alegado crime ocorreu, supostamente por razões amorosas, no dia 7 de março de 2019, pelas 21 horas, na lavandaria da pensão/restaurante que ambos exploravam no local.

A morte da mulher ocorreu um dia antes de o casal assinar escrituras sobre bens que possuíam em conjunto, um ato preparatório do divórcio.

O Ministério Público especifica que, ao fim da tarde, o arguido chegou ao restaurante e encontrou, atrás do balcão, um homem de nome Jorge, que pensava ser amante da mulher, e que é testemunha no processo. Pelas 20h00, numa discussão – na lavandaria – sobre as desavenças que mantinham por causa dele, o arguido, desagradado, e com ciúmes, “colocou-lhe as mãos no pescoço, e apertou-o com força, impedindo-a de respirar. Até lhe tirar a vida”.

O alegado homicida casou com a vítima em Agosto de 1998, e dela teve dois filhos.

Continuar a ler

Braga

Peregrino em estado grave ao ser atropelado no São Bento da Porta Aberta

Acidente

em

Foto: DR / Arquivo

Um peregrino, de 79 anos, foi atropelado ao final da manhã desta sexta-feira, no parque de estacionamento do Santuário de São Bento da Porta Aberta, em Terras de Bouro, disse a O MINHO fonte dos bombeiros.

A vítima estaria a caminhar quando terá sido atropelada por uma viatura com plataforma elevatória que fazia marcha-atrás, ficando com vários ferimentos.

Bombeiros de Terras de Bouro, com uma ambulância e três operacionais apoiados pela equipa médica da VMER de Braga, prestaram o primeiro auxílio.

A vítima foi transportada para o Hospital de Braga com ferimentos graves. O alerta foi dado cerca das 12:02.

A GNR de Terras de Bouro registou a ocorrência.

Continuar a ler

Braga

Árvore cai em cima de carro em Braga

Acidente

em

Foto: Rui Veloso no grupo Fórum Cidadania Braga

Uma árvore caiu em cima de um automóvel, ao início da manhã desta sexta-feira, na cidade de Braga.

Segundo disse a O MINHO fonte dos Bombeiros Sapadores de Braga, a queda ocorreu por volta das 07:30, mobilizando uma equipa para proceder à remoção e corte.

A mesma fonte indicou que não existe registo de feridos, apenas danos materiais na viatura que estava estacionada na Avenida Porfírio da Silva.

No local estiveram os Sapadores com três operacionais e uma viatura.

A PSP registou a ocorrência.

Continuar a ler

Populares