Seguir o O MINHO

Barcelos

Jovem detido confessa burla e furto em falso peditório em Barcelos

Detido na Maia

em

Foto: Divulgação / GNR

O Núcleo de Investigação Criminal de Barcelos deteve ontem um jovem de 26 anos, na Maia, por suspeitas de burlas e furtos, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a guarda explica que, após denúncias de que andariam indivíduos a pedir donativos de porta em porta para uma instituição de reinserção de toxicodependentes, os militares encetaram diligências no sentido de os identificar.

“Foi apurado que, para além da instituição ser uma farsa e das eventuais fraudes a ela associadas, os suspeitos furtavam as pessoas que abordavam”, refere.

A O MINHO, fonte da GNR explica que o homem terá confessado uma burla com furto numa freguesia do concelho de Barcelos, o que terá levado os militares a procederem à detenção, já na Maia, enquanto praticava o mesmo crime.

Uma das últimas vítimas terá ficado sem a carteira com dois mil euros, um anel em ouro, dois porta moedas, um conjunto de chaves e diversos documentos pessoais, furtados no interior de uma loja.

O suspeito, toxicodependente e com antecedentes criminais por furto, foi abordado e detido, junto da sede da instituição fictícia, na posse de 370 euros e um anel em ouro.

Confrontado pela GNR, o homem admitiu a autoria dos factos e ainda indicou o local onde guardara os restantes bens furtados, tendo sido recuperado uma bolsa de senhora, dois porta-moedas, um molho de chaves, três cheques, uma caderneta, quatro cartões bancários e documentos pessoais. Alguns destes artigos são provenientes do furto realizado em Barcelos.

Os factos foram remetidos ao Tribunal Judicial de Barcelos.

Anúncio

Barcelos

Aluno descarrega extintor em escola de Barcelos e atinge dez colegas

Utilização indevida

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

Um aluno do Centro Escolar de Arcozelo, em Barcelos, “descarregou” inadvertidamente um extintor sobre dez colegas, que tiveram necessidade de assistência hospitalar, disse fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Braga.

Segundo a fonte, são todos considerados feridos ligeiros.

“Foram atingidos pelo pó do extintor e levados ao hospital por mera precaução”, acrescentou.

O incidente foi registado cerca das 17:00, tendo sido mobilizados para o socorro sete operacionais apoiados por três veículos.

Posteriormente, fonte dos bombeiros indicou que o aluno que descarregou o extintor também foi assistido.

Os alunos foram transportados para o Hospital de Barcelos.

Continuar a ler

Barcelos

Pais fecham a cadeado escola em Barcelos e exigem obras há muito prometidas

Presença de amianto nas instalações assim como frio e chuva dentro dos edifícios são as principais preocupações dos pais.

em

Foto: DR

Os pais fecharam, esta quarta-feira, a cadeado os portões da escola do 1.º ciclo e jardim de infância da Pousa, em Barcelos, num protesto contra a “completa” falta de condições das instalações e o sucessivo adiamento das obras prometidas.

O presidente da Associação de Pais, Cristiano Coelho, disse à Lusa que a degradação das instalações leva a que o frio “entre por todos os lados”, o que “obriga” os alunos a levarem “mantinhas” para se aquecerem.

“É o frio que entra por todos os lados, são coberturas em amianto, são salas em que são precisos baldes para aparar a chuva, são casas de banho que metem medo, é todo um conjunto de problemas que estão há muito identificados mas que não há meio de serem resolvidos. E os pais perderam a paciência, até porque, além do mais, é a saúde dos nossos filhos que está em causa”, referiu.

Segundo explicou, a escola aguarda há mais de 15 anos por obras de fundo.

Esta quarta-feira, pais e alunos concentraram-se no exterior, com cartazes com frases como “Pais de luto”, “Projeto adiado, protesto marcado”, “Cansados de esperar”, “Salas de aula = doença” e “Amianto fora”.

Segundo Cristiano Coelho, o presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes (PS), foi na terça-feira a Pousa garantir que as obras serão realizadas ainda no decorrer do atual mandato.

Mas os pais querem ver para crer e já equacionam manifestar-se na próxima sessão da Assembleia Municipal de Barcelos, que terá lugar em fevereiro.

A Escola da Pousa conta com 40 crianças no jardim de infância e 80 alunos no 1.º ciclo.

Funciona em dois edifícios, um com mais de 50 anos, para o 1.º ciclo, e o outro com cerca de 40.

Segundo Cristiano Coelho, a caixilharia, em madeira, está podre, permitindo correntes de ar que “põem em causa a saúde” das crianças.

O responsável contou que em novembro, numa altura de muito frio, 32 alunos ficaram em casa, com sintomas de febre e constipação.

Disse que houve mesmo uma criança que “quase entrou em hipotermia”.

Na manifestação desta quarta-feira, marcou também presença o Movimento Escolas sem Amianto (MESA), para “dar apoio” à luta dos pais pela remoção das coberturas em fibrocimento do edifício do jardim de infância.

“Estamos perante uma situação muito grave em termos de saúde pública, porque a degradação é tanta que o amianto está em libertação”, disse Mariana Pereira, do MESA.

Lembrou que os próprios alunos do 1.º ciclo também acabam por ser diretamente afetados, porque vão almoçar no edifício do jardim de infância.

O Bloco de Esquerda também se associou ao protesto, tendo o deputado José Maria Cardoso anunciado que irá fazer chegar o caso à Assembleia da República.

“Sendo certo que é uma escola tutelada pelo município, também é certo que o Governo não pode pura e simplesmente assobiar para o lado, como se não tivesse nada a ver com o assunto. As crianças têm direito a uma escola decente e o Estado tem a obrigação de lhes dar essa escola”, referiu.

Contactada pela Lusa, a Câmara de Barcelos disse que as obras na escola avançarão “logo que exista disponibilidade financeira por parte do município”.

Disse ainda que o projeto para a empreitada de requalificação “está pronto” e tem um valor base de 967 mil euros, acrescido de IVA.

Continuar a ler

Barcelos

ChemiTek abre unidade de produção em Esposende para crescer no mercado internacional

Empresa de Barcelos produz revestimentos inovadores para limpeza e proteção de painéis solares

em

Foto: Divulgação

A ChemiTek, empresa de Barcelos que faz parte da comunidade da Startup Braga, acaba de abrir a sua nova unidade de produção em Esposende. Tem  500 m2 e uma capacidade de produção de 10 toneladas/dia.

Com esta nova infraestrutura, a ChemiTeK aumenta a sua capacidade de produção reforçando a sua resposta ao aumento da procura e preparando a empresa para o crescimento no mercado dos painéis solares na Europa e Ásia. Ao mesmo tempo, prevê o reforço da equipa de colaboradores.

Esta startup desenvolve “soluções revolucionárias” para a remoção de detritos e proteção contra a sujidade de painéis solares e vidros. Através da aplicação dos seus produtos nas superfícies, a ChemiTek garante a limpeza durante mais tempo.

Com 70 mil painéis solares a serem instalados a cada hora em todo o mundo, César Martins, diretor executivo da ChemiTek, acredita que a proposta de valor da ChemiTek “será uma grande aliada na hora de garantir a salubridade destas superfícies produtoras de energia,  reduzindo as perdas de energia provocadas pela sujidade no parque solar”.

Atualmente, a empresa tem no “Solar Wash Protect” (produto concentrado que dilui em água para lavar e proteger os painéis solares) e no industrial “Glass Protect” (produto para aplicação no vidro solar, que oferece uma hidrofobicidade a todos os tipos de detritos e diminui a reflexão da luz), os seus grandes ativos.

Recorde-se que a ChemiTek fechou em julho passado uma ronda de investimento, que permitiu a captação de 800 mil euros de investimento – liderado pela Portugal Ventures, com o fundo de investimentos SBS – Investimentos em Startups, a BrainCapital e Nelp Five. A ChemiTek prepara-se agora para marcar presença na WebSummit para apresentar os seus produtos e reforçar a sua rede de parceiros.

Continuar a ler

Populares