Seguir o O MINHO

Braga

José Manuel Fernandes reage às acusações de não querer apoiar refugiados

em

Quatro eurodeputados – que entretanto passaram a três-, estão a ser alvo de críticas nas redes sociais por alegadamente terem votado contra uma moção apresentada na quinta-feira sobre busca e salvamento de refugiados no Mediterrâneo. Dois deles são do Minho. Mas, na realidade, apenas um deles votou contra. Tudo começou com um artigo de opinião de Marisa Matias (Bloco de Esquerda).


José Manuel Fernandes (Vila Verde) e Nuno Melo (Famalicão) não foram diretamente apontados pela eurodeputada Marisa Matias, que, através de um texto de opinião no site de propaganda do BE, apontou “uma votação” que seria “contra uma moção para o plano de busca e resgate de refugiados no Mediterrâneo”.

“Aconteceu o impensável na minha cabeça. A proposta de salvar vidas foi chumbada por dois votos, 290 contra 288. Um murro no estômago, um nó na garganta. Pensei para comigo: há mesmo uma maioria de representantes que quer que continuem a morrer pessoas no Mediterrâneo?”, questionou a eurodeputada de esquerda.

Mas as redes sociais foram buscar quatro exemplos de eurodeputados portugueses que terão votado contra esta proposta chumbada com a diferença de apenas dois votos no hemiciclo europeu. Uma das publicações mais partilhadas é da autoria de António Costa Santos, radialista da Antena 2, conhecido por defender o apoio aos migrantes em solo europeu.

Nas redes sociais, os quatro nomes apontados passaram depressa a três, já que Maria da Graça Carvalho (PSD) veio a público dizer que o voto contra se tratou de um lapso “técnico”, tendo depois sido reposto como a favor. Nuno Melo (CDS) e Álvaro Almado (PSD) votaram efetivamente contra a moção apresentada.

José Manuel Fernandes fala em “vergonha”

José Manuel Fernandes (PSD) absteve-se na votação. Mas não nas redes sociais. O eurodeputado, antigo presidente da Câmara de Vila Verde e presidente da distrital de Braga do PSD, escreveu na sua página de Facebook um feroz ataque à “esquerda portuguesa, sobretudo a radical”, a quem apelida de “campeã da demagogia e das meias verdades”.

JMF relembra que se absteve na moção mencionada por se tratar de “um texto mau”, e que “entre um texto mau ou nenhum”, prefere “nenhum”. Diz também que uma outra moção referente a este tema foi apresentada pelo Partido Popular Europeu [ao qual pertence], e que a esquerda votou contra. “Se eu também fosse demagogo diria que eles são contra o salvamento dos refugiados”, escreve JMF.

A proposta em questão, que diverge em alguns aspectos da apresentada pela esquerda europeísta, instava os Estados-Membros e a Frontex [Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira], a intensificarem os seus esforços de apoio às operações de busca e salvamento no Mediterrâneo, não sendo verdade que os eurodeputados “votaram contra a busca e salvamento dos refugiados”, como se lê em vários comentários nas redes sociais.

Sobre o projeto de busca e resgate, José Manuel Fernandes dá conta da falta de consenso entre as diferentes bancadas do Parlamento Europeu. Diz mesmo ser o seu “maior lamento” em toda esta novela e aponta essa falta de entendimento como “uma vergonha”.

O eurodeputado recorda a declaração de voto aquando se absteve sobre esta matéria, apontando que “a União Europeia é um projeto humanista, universal, que não deixa ninguém para trás” e que “é também um condomínio sólido, seguro, que devemos preservar”.

“Assim, o fortalecimento da resposta europeia aos naufrágios no Mediterrâneo é, sem dúvida, premente. Em particular, as operações de busca e salvamento são essenciais para salvar vidas humanas, mas também para lutar contra entidades criminosas que hoje traficam seres humanos nesta região”, relembra JMF.

No entanto, a abstenção deveu-se à falta “da promoção do equilíbrio necessário para tornar as fronteiras da União num lugar mais seguro e humano”, indicando que a moção “favorece a criação de negócios privados, à conta de um drama que nos toca a todos”.

Nuno Melo diz ser “falso” votar contra salvamento de refugiados

Nuno Melo, também visado nas críticas, já reagiu através das redes sociais, indicando que a afirmação de que terá votado contra salvamento de refugiados é “falsa, insidiosa e revela o carácter de quem a profere”.

O centrista, à semelhança de José Manuel Fernandes, relembra a proposta apresentada anteriormente que foi rejeitada por vários eurodeputados afetos à esquerda.

“Só por absurdo se poderia imaginar que uma maioria dos deputados no Parlamento Europeu desejasse a morte de quem seja. Causa perplexidade esta conclusão tão óbvia não ocorrer a quem coloca essa possibilidade”, acrescenta.

Nuno Melo explica que “foram várias as propostas sujeitas a votação e não apenas uma, com o mesmo objetivo”, sendo que o PPE, grupo a que pertence, “apresentou uma proposta com o mesmíssimo fim – entre outras coisas, cuidar do resgate e salvamento de pessoas em risco no Mediterrâneo -, proposta esta que foi chumbada”.

“Ou seja, significa isto que não foi apenas a proposta do relator socialista (B9-0154/2019) que foi chumbada com votos da direita. Foram todas propostas, nomeadamente as referidas, com votos da esquerda”, acrescenta.

Terminando, Nuno Melo explica que votou contra esta última proposta por não existir uma diferenciação entre “migrantes e refugiados” e porque esta proposta daria mais poder às ONG.

Notícia atualizada com reação de Nuno Melo

Anúncio

Braga

Faz hoje um ano que o Bom Jesus de Braga foi classificado Património Mundial da UNESCO

Efeméride

em

Foto: DR / Arquivo

Neste dia, 7 de julho, no ano passado, o Santuário do Bom Jesus, em Braga, era classificado como Património Cultural Mundial da UNESCO.

A decisão foi tomada na 43.ª Sessão do Comité do Património, Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), que decorreu em Baku, no Azerbaijão.

Na mesma data, também o conjunto composto pelo Palácio, Basílica, Convento, Jardim do Cerco e Tapada de Mafra também receberam igual classificação.

Santuário do Bom Jesus classificado Património Mundial da UNESCO

A Confraria do Bom Jesus vai assinalar, esta terça-feira, a celebração do primeiro aniversário do Santuário do Bom Jesus como Património Mundial da UNESCO.

Assim, pelas 11:00 horas, dá-se a inauguração do Espaço Museológico do Coro Alto e Torre Sineira, com a presença do arcebispo D. Jorge Ortiga e do presidente da Câmara de Braga. Ricardo Rio.

Foto: O MINHO

Foto: O MINHO

Foto: O MINHO

Foto: DR

Foto: DR

Pelas 12:00 horas, será realizado o toque dos Sinos da Basílica do Bom Jesus. Pelas 18:00 horas, uma sessão de parabéns ao Bom Jesus pelo Coro Académico da Universidade do Minho, com transmissão online.

Santuário do Bom Jesus classificado Património Mundial da UNESCO

Para finalizar as cerimónias, a partir das 18:15 horas, inicia o webinar “Bom Jesus Património Mundial: onde estamos e para onde vamos?”, também com transmissão online.

Continuar a ler

Braga

Juventude Popular de Braga reeleita melhor Concelhia do país

Política

em

Foto: DR / Arquivo

A Juventude Popular de Braga foi distinguida, no último Conselho Nacional, em Ponte de Lima, como a Melhor Concelhia do país, tendo-lhe sido atribuído, pelo segundo ano consecutivo, o Prémio Adelino Amaro da Costa.

Em comunicado, a Juventude Popular de Braga considera que “este prémio é o reconhecimento interno que culmina de um ano de trabalho, espírito de equipa e responsabilidade”.

“A Juventude Popular de Braga agradece a todos os dirigentes, militantes e simpatizantes, que cada dia dão o melhor de si em prol da estrutura, do Partido, da cidade e do país”, refere o comunicado na sua página de Facebook, citando o fundador do CDS, que dá nome ao prémio, Adelino Amaro da Costa: “A Juventude não é instalada”.

Continuar a ler

Braga

Mulher deixa cães do ex-companheiro a passar fome e sede em Vila Verde

Acusada de maus-tratos a animais

em

Foto: Ilustrativa

Tinha cinco cães no quintal de casa, em Vila Verde, mas só tratava de um. Os outros quatro deixava-os sem comida e bebida, nem cuidava da sua saúde e higiene, porque eram do ex-companheiro, que estava no estrangeiro.

O Jornal de Notícias (JN) adianta na edição de hoje (acesso exclusivo para assinantes) que o Ministério Público de Vila Verde acusou a mulher, da freguesia de Cervães, de quatro crimes de maus-tratos a animais de companhia.

O caso foi espoletado em 03 de março de 2019, após denúncia da Associação de Defesa dos Animais e do Ambiente de Vila Verde, tendo uma patrulha da GNR ido ao local onde vivia a mulher, de 30 anos, natural do Luxemburgo.

A GNR deparou-se com cinco cães, quatro deles “subnutridos, maltratados, com sinais de abandono, sem água nem comida, e a carecer urgentemente de tratamento veterinário”.

A mulher alegou que só um dos cães lhe pertencia, sendo os outros quatro de um seu ex-companheiro, que se encontrava no estrangeiro, desde janeiro, tendo ela ficado de os alimentar.

Segundo a acusação, citada pelo JN, foi esta a “versão espontânea” que apresentou à GNR. Para o Ministério Público, a mulher ter-se-á comprometido com o ex-companheiro, de quem tem um filho, a tratar dos animais, mas acabava por só alimentar o dela.

O companheiro acabou ilibado, porque o MP considera, “com base no senso comum e nas práticas do dia-a-dia”, que a mulher teria ficado encarregue de tratar dos animais.

A acusação diz que a arguida se alheou dos quatro animais e que eram os vizinhos que os alimentavam.

Ainda de acordo com o JN, a GNR, depois de interrogar a arguida, transportou os animais ao veterinário, tendo este constatado que estavam em grave estado de subnutrição, desidratação e com doenças várias de pele. Um deles tinha uma lesão num dente, que vai ficar para o resto da vida, por ter ficado com um osso preso a um pré-molar, sem que a dona tivesse tido o cuidado de o retirar.

Continuar a ler

Populares