Seguir o O MINHO

Desporto

Jogos de SC Braga e Vitória SC na Liga Europa têm árbitros definidos

em

Foto: Divulgação

O jogo Ludogorets-SC Braga será arbitrado pelo russo Vladislav Bezborodov, e o Vitória SC-Marselha pelo húngaro Tamás Bognar, ambos na quinta-feira, a contar para a quarta jornada da Liga Europa.


As escolhas foram esta segunda-feira comunicadas pela UEFA, que nomeou o português Jorge Sousa para a receção dos gregos do AEK Atenas aos italianos do AC Milan, de André Silva.

No Grupo C, o SC Braga visita o Ludogorets (18:00), num momento em que os búlgaros lideram, com sete pontos, seguidos pela equipa portuguesa, a um ponto, enquanto os alemães do Hoffenheim são terceiros, com três.

O Vitória SC recebe no Grupo I o Marselha (20:05), com a equipa de Pedro Martins na quarta e última posição, com um ponto, enquanto os franceses são segundos, com seis, menos um do que o líder Salzburgo.

Anúncio

Futebol

Portimonense quer “mudar imagem negativa” frente ao Gil Vicente

I Liga

em

Paulo Sérgio. Foto: Portimonense / Facebook

O treinador do Portimonense assegurou hoje que a equipa se preparou “no máximo das suas possibilidades” para reiniciar a competição na I Liga portuguesa de futebol, na receção ao Gil Vicente, na quarta-feira, “e mudar a sua imagem”.


“Sinto um grupo motivado, que se tem preparado no máximo das suas possibilidades para agarrar esta oportunidade, a de mudar a imagem negativa que temos neste momento, devido à posição classificativa”, disse o técnico dos algarvios.

Devido às restrições impostas para evitar a propagação da covid-19, a conferência de imprensa de antevisão ao jogo que marca o reinício da competição, decorreu apenas com a presença de um jornalista, tendo o clube cedido as declarações do treinador.

O Portimonense, 17.º classificado, com 16 pontos, recebe o Gil Vicente, nono, com 30, na quarta-feira, às 19:00, no estádio municipal de Portimão, três meses após a suspensão das competições desportivas.

Paulo Sérgio disse sentir no grupo uma grande motivação para sair da penúltima posição da classificação, e foi nesse sentido que se tem preparado “afincadamente ao longo de quatro semanas”.

“O grupo está ávido e ansioso para que o jogo venha e, sinceramente, acredito numa boa resposta do grupo”, sublinhou.

Para o treinador, “não adianta falar do que foi bem ou mal feito, isso não faz qualquer sentido neste momento, porque agora é olhar para o jogo, para a competição”.

“É aproveitar esta oportunidade para nos superarmos, para sermos melhores do que fomos até aqui, para sermos mais capazes, mais solidários, mais guerreiros”, alertou.

Paulo Sérgio revelou que, face às recomendações das autoridades de saúde, durante duas semanas os treinos de preparação decorreram em grupos de seis, o que motivou que houvesse criatividade na concretização de exercícios que refletissem a forma de jogar da equipa.

“Acredito que o trabalho foi bem feito, tal como acredito numa boa resposta dos atletas, independentemente do sistema que venha a ser utilizado”, referiu.

O treinador admitiu que “todos os jogadores possam não estar no ideal da sua forma física, embora, salvo algumas exceções, todos tivessem começado a treinar ao mesmo tempo, sendo a questão física igual para todos”.

“Acredito que todos possamos não estar no ideal, mas não queremos olhar para isso como desculpa ou para arranjar conforto para algo de menos bom que possa acontecer”, alertou.

Paulo Sérgio sublinhou que o importante “é pensar positivo, o grupo focar-se no trabalho, naquilo que está a ser desenvolvido, acreditar que a união faz a força e atingir os resultados que permitam sonhar com a permanência” na I Liga.

“Não queremos terminar a época com esta imagem, de um clube que perde, que está nas últimas posições. Queremos mudar, porque temos carreiras para construir, objetivos para alcançar e queremos acima de tudo, que a cidade de Portimão tenha futebol na I Liga na próxima temporada”, destacou.

O técnico acrescentou que as ausências dos médios Pedro Sá e de Bruno Costa, habituais titulares, não vão influenciar a forma de jogar da equipa, porque “são tão fundamentais como todos os outros que vão jogar na posição deles”.

“Não estamos aqui para arranjar desculpas”, concluiu.

Nas restantes jornadas, os algarvios vão defrontar Benfica (em casa), Santa Clara (fora), Marítimo (casa), Famalicão (fora), Vitória de Guimarães (casa), Rio Ave (fora), Boavista (casa), Paços de Ferreira (fora) e Desportivo das Aves (casa).

O Governo autorizou a realização à porta fechada dos 90 jogos do campeonato, que é liderado pelo FC Porto, com um ponto de vantagem sobre o campeão Benfica, e da final da Taça de Portugal, entre ‘dragões’ e ‘águias’, tendo excluído a continuidade da II Liga.

Continuar a ler

Desporto

Clube de Darque “desconhece” agressão a campeão do mundo de canoagem em Viana

Canoagem em pé de guerra

em

Sérgio Maciel. Foto: DR

O Darque Kayak Clube (DKC) afirma desconhecer “a existência de qualquer agressão” por parte do pai de um seu atleta a Sérgio Maciel, campeão mundial de maratonas C1 sub-23, em canoagem, em Viana do Castelo.


Em comunicado, a DKC diz que “injuriaram” o seu atleta, uma criança de nove anos e, “neste contexto, poderá, por mera hipótese académica, o pai da criança, ter ido pedir satisfações aos que alegadamente injuriaram o seu filho”.

A polémica estalou no fim-de-semana, quando o Viana Garças Clube (VGC) denunciou que o pai de um atleta do DKC agrediu Sérgio Maciel e que já apresentara queixa junto das autoridades policiais.

Segundo a nota do VGC, durante o treino de sábado, esteve em iminência uma colisão entre canoístas do DKC, ocorrência que terá sido imputada a Sérgio Maciel e ao pai, após se terem cruzado com esses atletas de formação no rio Lima.

“Os nossos atletas tentaram explicar a situação, em que o aparecimento súbito da margem direita do canal, de jovens e um treinador do DKC, potenciou uma colisão entre todos, mas que foi evitada pela destreza de Sérgio Maciel e pai”, argumenta o clube.

Campeão do mundo agredido após evitar colisão entre canoas em Viana

Na resposta, a DKC emitiu um comunicado em que começa por dizer que “condena sempre a violência” e que, “relativamente a um hipotético incidente de um pai de atleta nosso a um antigo campeão de canoagem e seu pai, a DKC desconhece a existência de qualquer agressão”.

O clube de Darque alega que, “quase após colidirem com ele(s), no treino, vociferaram à(s) criança (s), expressões do tipo “Sai da frente Puto”!!!! Estás aqui a estorvar”!!! e “PUTA QUE PARIU”!!!!”.

Segundo o clube, o pai do atleta de nove anos terá registado na PSP essas altercações “com intenção de participar da conduta desses senhores que se colocam muitas vezes no meio dos atletas da DKC”.

A DKC acrescenta que “sempre primou pela defesa de valores de respeito, boa formação e ética no desporto” e que os seus técnicos e atletas resistem “às repetidas provocações” de que são alvo.

“Acontece que DKC não costuma fazer alarde e vitimizar-se na comunicação social”, refere o clube, salientando “os seus dirigentes e treinadores, infelizmente já foram duas vezes agredidos, injuriados e vitimas de crime de dano”, mas os casos foram tratados na justiça para não “distorcer a imagem da modalidade”.

Continuar a ler

I Liga

DGS apela para responsabilidade dos adeptos de futebol

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A diretora-geral da Saúde apelou hoje aos adeptos de futebol para que respeitem as regras, avançando que não podem existir ajuntamentos junto aos estádios e concentrações de pessoas em cafés ou em outros locais.


Na conferência de imprensa diária de atualização dos dados referentes à covid-19, Graça Freitas foi questionada sobre o regresso na quarta-feira do campeonato de futebol sem adeptos nas bancadas e apelou para a responsabilidade individual.

“O grande apelo é ver os jogos sim, ficar contente com os resultados da equipa sim, mas respeitando as regras, quer nas imediações dos estádios, quer em cafés ou em sociedades recreativas ou onde se possa ver os jogos”, disse a diretora-geral da Saúde (DGS).

Graça Freitas recordou que não devem existir ajuntamentos nas imediações dos estádios, e o mesmo acontece com sítios onde seja comum que se juntem pessoas a assistir aos jogos de futebol, como é o caso dos cafés.

“O vírus está a circular e ele não desapareceu. Se lhe dermos condições para que ele continue a passar de uma pessoa para a outra ele vai fazer o seu percurso, isso não esconde o facto se é uma pessoa urbana ou rural, se é rica ou é pobre, basta que nos juntemos, que haja grandes aglomerados de pessoas e ele encontra forma de passar por uma pessoa para a outra”, precisou.

Graça Freitas considerou “muito importante” e que “foi uma luta e uma conquista começar o campeonato de futebol”, ressalvando que é necessário garantir que “a época acaba em segurança” e que “nem adeptos, nem jogadores nem equipas técnicas se infetam por causa dos jogos de futebol”.

“Apelo aos adeptos para que assistam aos jogos e comemorem, mas de acordo com as regras que estão legalmente nas orientações das autoridades de saúde”, insistiu.

Questionada sobre a possibilidade de os jogos de futebol voltarem a ter adeptos nas bancadas, Graça Freitas não excluiu essa hipótese, afirmando que terá de ser avaliada a cada momento.

“Não lhe sei responder se os estádios vão ter ou não pessoas, porque isso vai depender muito de uma avaliação rigorosa e de medir os pró e os contra”, disse, frisando que a prática da DGS tem sido, nos últimos meses, de se adaptar ao risco que existe e também àquilo que se imagina que serão os dias seguintes.

A DGS disse ainda que a lotação nos estádios não tem a ver com o número de pessoas, mas sim com outros fenómenos, nomeadamente com as comemorações dos golos e das entradas e saídas de adeptos.

“É uma situação complexa e muitas outras ligas em outros países optaram pela mesma solução que Portugal tem”, precisou.

Portugal regista hoje 1.424 mortes relacionadas com a covid-19, mais 14 do que no domingo, e 32.700 infetados, mais 200, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

Em comparação com os dados de domingo, em que se registavam 1.410 mortos, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 1%. Já os casos e infeção subiram 0,6%.

Na Região de Lisboa e Vale do Tejo, onde se tem registado maior número de surtos, há mais 193 casos de infeção (+1,7%).

Continuar a ler

Populares