Seguir o O MINHO

Futebol

“Jogo prenderia os espetadores se houvesse público nas bancadas”

em

Declarações dos treinadores após o Moreirense – Famalicão (1-1), jogo da 28.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, disputado no Estádio Comendador Joaquim de Almeida Freitas, em Moreira de Cónegos:


 

Ricardo Soares (treinador do Moreirense): “Foi um excelente jogo, que prenderia os espetadores se houvesse público nas bancadas. Houve grande emoção e perigo nas balizas. O resultado é justo.

 

Fomos muito competentes na primeira parte, à exceção de cinco minutos em que nos desequilibrámos. Na segunda parte, entrámos bem, mas, a partir dos 60 minutos, o Famalicão equilibrou o jogo e ficou depois por cima. A nossa pressão alta não funcionou tão bem, fruto do desgaste energético dos meus jogadores e da qualidade do Famalicão. Os últimos 25 minutos foram do Famalicão.

 

O Fábio [Abreu] tem feito um trabalho fantástico, mas eu coloco sempre os melhores. Tenho vindo a trocar [de jogadores], em função da estratégia para cada jogo. Fiz as substituições [em que entrou Fábio Abreu, autor do golo] quando senti que a minha equipa estava a fraquejar. Depois, fizemos golo e houve a reação natural de uma grande equipa. O Famalicão atirou-nos para trás. É a primeira vez nos últimos nove jogos que sofremos [golo] sem ser numa bola parada.

 

(Sobre a rotatividade no ‘onze’ da equipa) Os meus jogadores fazem todos parte do meu processo. Todos trabalham muito e treinam as mesmas coisas. Todos sabem o que lhes peço para darem ao jogo. Havendo qualidade individual, é fácil trocar três ou quatro [jogadores no ‘onze’]. Depois de uma paragem de três meses, é extremamente difícil ter um ritmo competitivo desta envergadura”.

Anúncio

Futebol

Paços de Ferreira preparado para jogar com Moreirense (que tem 30 infetados)

I Liga

em

Foto: Paços de Ferreira

O Paços de Ferreira está preparado para defrontar o Moreirense, na sétima jornada da I Liga de futebol, disse hoje o treinador adjunto Samuel Correia, assegurando não haver indicações sobre o adiamento do jogo marcado para sábado. A formação de Moreira de Cónegos tem um total de 30 infetados, entre os quais 21 jogadores e toda a equipa ténica.

Numa semana dominada pelas notícias de um foco de infeção por pelo novo coronavírus no Moreirense envolvendo a maioria dos elementos do plantel, mas também da equipa técnica e estrutura, sobravam as dúvidas sobre a realização do jogo em Moreira de Cónegos, no sábado, e Samuel Correia, que substituiu na conferência de antevisão o técnico principal do Paços, Pepa, que cumpre castigo, adiantou a informação disponível.

“Somos sensíveis a esta situação, que a todos pode tocar, mas não temos indicação de que não há jogo. Vamos sabendo das coisas pelo que vamos lendo. O grupo está focado e preparado para o jogo, como sempre”, disse Samuel Correia.

O treinador adjunto do Paços de Ferreira deu conta de “uma semana normal de trabalho” e confirmou os preparativos para um fim de semana com competição, incluindo a realização dos habituais testes de despistagem, cujos resultados deram negativos.

Moreirense tem 21 jogadores infetados

“Fizemos a observação ao Moreirense, como é habitual com os adversários que defrontámos, embora olhando sempre mais para nós, procurando capitalizar esses bons momentos (da vitória diante do FC Porto, por 3-2, na última jornada)”, acrescentou o técnico.

Samuel Correia frisou que “o grupo atravessa um momento bom”, com sete pontos somados nos últimos três encontros, e assegurou que o Paços prefere sempre jogar 11 contra 11 a ganhar eventualmente jogos na secretaria.

Douglas Tanque continua com problemas físicos e volta a falhar o jogo, numa lista de indisponíveis extensiva aos também lesionados Simão Bertelli, Jorge Silva e David Suahele.

Paços de Ferreira e Moreirense repartem o oitavo lugar, com oito pontos, e, de acordo com a calendarização de jogos da sétima jornada, devem defrontar-se no Parque Desportivo Comendador Joaquim de Almeida Freitas, em Moreira de Cónegos, no sábado, a partir das 15:30.

Continuar a ler

Futebol

Ruben Amorim rejeita que seja o Sporting a praticar melhor futebol da I Liga

I Liga

em

Foto: DR / Arquivo

O treinador do Sporting, Ruben Amorim, rejeitou hoje que o Sporting seja a equipa que pratica o melhor futebol na I Liga e voltou a colocar um ‘travão’ na eventual euforia resultante da liderança do campeonato.

Na antevisão da partida de sábado, frente ao Vitória SC, o técnico dos ‘leões’ insistiu no discurso “jogo a jogo” e lembrou também que a equipa vai ter “altos e baixos” durante a época, que ainda só teve seis jornadas.

“Não concordo que o Sporting seja a melhor equipa a jogar em Portugal. Isso vê-se jornada a jornada, à segunda era o FC Porto, depois de uma vitória por 5-0, depois foi o Benfica que ia na frente, o SC Braga que já não perdia há vários jogos e agora [diz-se que] é o Sporting”, desvalorizou o treinador ‘leonino’ em conferência de imprensa na Academia de Alcochete.

Por isso, Ruben Amorim procurou, ao longo da semana, “desconstruir tudo em volta do primeiro lugar”, sublinhando que a única forma de manter a liderança é “vencendo o próximo jogo”, frente a um Vitória de Guimarães que é “uma excelente equipa”, que luta por “objetivos altos” e que tem individualidades como “Edwards e Quaresma, que podem fazer a diferença”.

Ainda assim, garantiu que “o Sporting está preparado para as dificuldades”, mas rejeitou que a partida no Estádio D. Afonso Henriques se torne menos complicada para a jovem equipa ‘leonina’ por decorrer à porta fechada, devido à pandemia de covid-19.

E sobre a eventual pressão que a equipa poderia sentir na presença do ‘exigente’ público de Alvalade, admitiu que é algo que só se saberá “quando os adeptos voltarem” às bancadas.

“O que interessa é que a equipa se adaptou às circunstâncias. Os nossos adeptos também estão a ter um sinal durante este período, a ver o que a equipa precisa. Os adeptos do Sporting são inteligentes e estão em casa a preparar-se para isso”, elogiou Ruben Amorim.

Desafiado a comentar o momento de forma de Pedro Gonçalves e Nuno Santos, jogadores que têm tido papel de relevo na ‘manobra’ da equipa, o treinador preferiu reforçar a “união” do grupo e que a equipa “está preparada” para lutar nos maus momentos.

“Gosto de realçar também o trabalho do TT [Tiago Tomás], a forma como o Feddal se entrega e joga, por vezes, até lesionado, como o [Luís] Neto apoia os colegas, como o Adán comanda a equipa. Há muito talento, mas a força desta equipa está na união. Sei que está preparada para maus momentos, mas é continuar a adiá-los, de preferência até à próxima época”, comentou.

O Sporting visita o Vitória SC, no sábado, em partida da sétima jornada a I Liga portuguesa de futebol, marcada para as 20:30, no Estádio D. Afonso Henriques.

Os ‘leões’ procuram manter a liderança isolada do campeonato, conquistada na última jornada após um triunfo por 4-0 sobre o Tondela, em Alvalade, e a derrota do Benfica (3-0) no terreno do Boavista.

Continuar a ler

Futebol

Treinador do Vitória SC lembra Sporting que “campeonato é uma maratona”

I Liga

em

Foto: DR / Arquivo

O treinador do Vitória SC, João Henriques, disse hoje que o Sporting está a “ganhar a prova de 100 metros”, mas a I Liga de futebol “é uma maratona” e mostrou ambição de bater os ‘leões’.

“Não estamos só preocupados com travar o Sporting, mas com o crescimento do Vitória, temos vindo a crescer e com pontos. Essa é nossa preocupação, sermos uma equipa mais consistente durante os 90 minutos, se o formos será mais difícil ao Sporting continuar a fazer o seu percurso”, disse na antevisão da receção ao Sporting, no sábado.

O técnico deixou elogios ao homólogo do Sporting, Rúben Amorim, e à equipa ‘leonina’, que lidera isolada o campeonato.

“Não tenho dúvidas nenhumas do trabalho do treinador, já é algo que está bem identificado, dois clubes diferentes, dinâmicas e ideias muito próprias. Não há dúvidas sobre as individualidades no Sporting, com os reforços que vieram. É uma equipa forte, não sei se o Sporting mais forte dos últimos anos, vamos ver no fim. É um coletivo que está a funcionar, vamos ver é que consistência tem numa maratona como é o campeonato. Na prova de 100 metros está a ganhar, está à frente”, disse.

O treinador frisou que “ainda é muito cedo, os campeões nacionais nas últimas épocas tiveram atrasos significativos” e depois recuperaram.

Questionado sobre se o facto de Rúben Amorim não abdicar do esquema tático que implementou (3x4x3) em nenhuma circunstância poder tornar mais previsível o jogo ‘leonino’ e, por isso, mais fácil de contrariar, João Henriques notou que, apesar de todas as equipas até agora o saberem, nenhuma o conseguiu “e só o FC Porto conseguiu empatar”.

“Hoje, há um conhecimento muito grande de todas as equipas, o Sporting tem sempre a mesma estrutura, o 3x4x3, mas há dinâmicas e ‘nuances’ que são importantes e que são exploradas durante o jogo, todos os treinadores fazem isso, e depois há as individualidades, que têm características diferentes. É diferente jogar o João Mário ou o Matheus Nunes, o Jovane ou o Sporar”, disse.

O treinador afirmou ainda querer a equipa vitoriana a reforçar a sua “solidez” durante os 90 minutos.

“Faz parte da mudança de ideias da nova equipa técnica, há uma assimilação das ideias e um espaço de tempo que temos que perceber que, por muita vontade dos jogadores, na aprendizagem há uma evolução e ligeiros retrocessos, é o que tem acontecido durante o jogo”, disse.

O treinador vincou a ideia de que o Vitória SC terá de ser uma equipa que, “em qualquer campo e contra qualquer adversário, disputa os três pontos, é uma premissa de que não abdicará nunca”.

João Henriques frisou que o Vitória tem “um plano B” e que quer que a sua equipa seja uma espécie de “camaleão”: ir “olhando para o jogo e para o adversário e, sem deixar de ser um camaleão, poder ter várias cores”.

Ricardo Quaresma fez a sua formação no Sporting, clube onde também começou como profissional e se sagrou campeão nacional em 2001/02, e para João Henriques este será, apesar da grande experiência do internacional português, “um jogo especial”.

“É um jogo especial, é o clube onde ele iniciou a sua carreira profissional e fez a sua formação, mas tirando isso, com 37 anos e a sua experiência, é mais um jogo na carreira dele. Ele está comprometido com o projeto e tem sido muito importante na integração dos jovens para eles crescerem. Desde que aqui cheguei, tem sido um exemplo a liderar, jogar, ajudar”, disse.

Vitória SC, sexto classificado, com 10 pontos, e Sporting, primeiro, com 16, defrontam-se a partir das 20:30 de sábado, no Estádio D. Afonso Henriques, num jogo que será arbitrado por Hugo Miguel, da associação de Lisboa.

Continuar a ler

Populares