Seguir o O MINHO

Futebol

“Jogadores treinavam em casa e passavam a bola da sala para a varanda”

25.ª jornada da I Liga

em

Foto: DR / Arquivo

Declarações dos treinadores após o jogo Vitória SC – Sporting (2-2), da 25.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, disputado em Guimarães:


Ivo Vieira (treinador do Vitória SC): “Não foi o que eu estava à espera, mas estava preparado para momentos em que não houvesse tanta qualidade, após uma paragem de quase 90 dias. Gostei de ambas as equipas na intensidade de jogo, principalmente do Vitória. Estava preparado para que, a partir dos 65 ou 70 minutos, o ritmo pudesse quebrar. Quebrou um pouco. Acabou por ser um jogo com quatro golos. Os jogadores tiveram um comportamento muito bom. Julgo que, ao terceiro ou ao quarto jogo [após o regresso do campeonato], podemos presenciar espetáculos de mais qualidade.

Estou convicto de que temos todas as condições para atingirmos esse objetivo [um dos cinco primeiros lugares]. Temos de ter em conta os que estão à frente na luta, mas estamos aqui a falar de três ou quatro pontos. O Famalicão somou três pontos, num jogo extremamente difícil, contra o primeiro classificado [FC Porto]. Nós jogamos contra o Sporting, com um novo treinador e um novo sistema [de jogo]. Estávamos preparados para um momento de dificuldade. O Rúben [Amorim] vinha a fazer um trabalho excecional no clube anterior e quer implementar essas ideias no Sporting. Hoje, cometeram-se alguns erros mais suscetíveis a acontecer numa pré-época. Isso é normal, porque tivemos pouco tempo de trabalho de grupo. Vamos melhorando com o tempo, até a nível de tomada de decisão.

[Os erros cometidos pelos guarda-redes] têm a ver com o momento. Houve muitos erros de passe e de tomadas de decisão. Obviamente, quando os jogadores treinavam em casa e passavam a bola da sala para a varanda, com o risco de ela sair do prédio, não era fácil. Eles precisam de tempo e de rotinas. Estamos a falar de 15 dias em que começámos a trabalhar em grupo. Tivemos quase uma paragem de três meses. As rotinas falham de forma natural. Mas acredito muito neste processo de jogo. Do outro lado, temos um treinador com as mesmas ideias. Tivemos um jogo muito positivo, com duas equipas a quererem ganhar o jogo.

Eu fico muito satisfeito [com o rendimento do João Carlos Teixeira e do Marcus Edwards, os autores dos golos], mas quem tem de ter orgulho são os jogadores. O resultado do jogo vem do desempenho dos jogadores no treino”.

Deixo um reparo, porque, na ‘flash interview’, disse que queria dedicar a vitória aos nossos adeptos, mas o jogo acabou com um empate. Não é a mesma coisa [jogos de futebol sem público]. Independentemente do resultado, a minha opinião não iria ser alterada. Não pudemos proporcionar um espetáculo àqueles que são a essência do jogo, os adeptos. Poderíamos ter tido um grande jogo, com adeptos. Poderíamos ter tido um 4-4 ou um 4-3″.

 

Rúben Amorim (treinador do Sporting): “Foi um bom jogo, um pouco estranho. O Sporting chegou à vantagem, quando não merecia, mas isso ajudou-nos a assentar o jogo. A partir daí, os jogadores começaram a ficar com a bola e a empurrar o [Vitória de] Guimarães para a zona defensiva deles. Depois, sofremos um golo que aconteceu quando se arrisca na construção [de jogo]. Depois, voltamos a marcar numa boa jogada. Um remate que ia para fora, sobrou para um jogador do Vitória e deu o 2-2. Estamos longe do nosso melhor e o Vitória longe do melhor deles.

O jogo teve muitas oportunidades, porque foi partido. Os jogadores tiveram dificuldades em recuperar. Apostámos nisso e tivemos oportunidades, mas decidimos mal em muitas ocasiões. Gostei da minha equipa e do Vitória de Guimarães. A nossa ideia começa a estar lá.

[O Eduardo Quaresma e o Matheus Nunes] estiveram muito bem [na estreia absoluta pelo Sporting]. O Matheus sentiu um pouco mais [a estreia], porque enfrentou três jogadores no meio. O Quaresma sentiu-se mais tranquilo, porque já jogou a central e a lateral-direito. Todos os jogadores deram o máximo e agora é continuar.

Pensei colocar o Cris [Borja], porque senti que o Acuña estava bastante cansado. O Vitória tinha menos um jogador. Pus o Pedro Mendes a aquecer, mas senti que os centrais [do Vitória] estavam a tremer mais com as arrancadas do Jovane e do Plata. Pensei que entraríamos melhor na área no ‘um para um’ pelas alas, porque os laterais estavam cansados, do que com cruzamentos para a área, quando os centrais são fortes no confronto direto e sofrem na velocidade.

Houve lesões que, se calhar, não contávamos [para este jogo]. O Mattheus Oliveira [que voltou ao banco] tem estado bem nos treinos. É uma mensagem para todos acreditarem que, com trabalho, é sempre possível. O Mattheus Oliveira também conhecia a casa [jogou no Vitória de Guimarães]. Escolhi os melhores.

Ainda vamos a tempo [de ter adeptos no estádio nesta época]. O Governo tem adaptado as decisões consoante os resultados [da pandemia] ao longo do tempo. Os adeptos têm de voltar.

Na semana antes de terminar o campeonato [24.ª jornada], o Porto empatou, o Benfica empatou e nós ganhámos. Isto é uma prova que as outras equipas, mesmo as pequenas, preparam bem os jogos. Todas as equipas vão melhorar. Vamos ter alguns jogos assim. Daqui a cinco jornadas, vamos estar no ponto”.

Anúncio

Futebol

FC Porto vence Olympiacos e soma os primeiros três pontos na Liga dos Campeões

Liga dos Campeões

em

Foto: Twitter / FC Porto

O FC Porto venceu hoje os gregos do Olympiacos, treinados pelo português Pedro Martins, por 2-0, em jogo da segunda jornada do grupo C da Liga dos Campeões de futebol, garantindo os primeiros três pontos na competição

O jovem Fábio Vieira marcou o primeiro golo da partida, aos 11 minutos, com Sérgio Oliveira, aos 85, a ampliar a vantagem do FC Porto sobre o Olympiacos, que contou com os portugueses José Sá, Rúben Semedo, Rúben Vinagre, Bruma e Pêpê Rodrigues.

Com esta vitória, o FC Porto está em segundo lugar no grupo, com três pontos, os mesmos do Olympiacos, com o Manchester City, de Rúben Dias, João Cancelo e Bernardo Silva, a liderar com seis, depois da vitória de hoje frente ao Marselha, de André Villas-Boas, por 3-0, com os franceses ainda sem pontuar.

Continuar a ler

Futebol

Acionistas da SAD do Braga aprovam por unanimidade exercício recorde

SC Braga

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

Os acionistas da sociedade anónima desportiva (SAD) do Braga aprovaram hoje por unanimidade o relatório e contas da época 2019/20, que registou o resultado histórico de 22 milhões de euros (ME).

Reunidos em assembleia-geral, os acionistas da SAD ‘arsenalista’ aprovaram ainda por unanimidade o orçamento para a presente temporada, assim como os restantes pontos da ordem de trabalhos.

Na época 2019/20, a SAD do Braga apresentou um resultado líquido positivo de 22 ME, o maior de sempre da sociedade, registando um EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) de 30,2 ME.

O ativo cresceu cerca de 39%, para valores que chegam quase aos 100 ME (99,4 ME), e o passivo também subiu, cerca de 11%, situando-se agora nos 58 ME.

Foi ainda aprovado por unanimidade, por proposta do órgão de fiscalização e revisor oficial de contas e de um acionista, um voto de louvor à gestão da SAD.

Participaram na AG acionistas que representam 62,6% do capital social da sociedade.

Continuar a ler

Futebol

“Gil Vicente tem a vantagem de jogar num esquema tático idêntico ao do Sporting”

Rúben Amorim

em

Foto: Twitter / Sporting

O treinador do Sporting, Rúben Amorim, afirmou hoje que pretende conquistar os três pontos na receção de quarta-feira ao Gil Vicente, em jogo em atraso da primeira jornada da I Liga de futebol.

Rúben Amorim, que falava em conferência de imprensa de antevisão ao encontro com os gilistas, considera que o adversário tem uma equipa “com coragem” e que é muito forte no corredor central para sair em transição.

“O Gil Vicente tem a vantagem de jogar num esquema tático idêntico ao do Sporting. Espero igualar isso e espero que o valor individual dos jogadores do Sporting faça a diferença. É uma equipa muito pressionante no corredor central e que vem jogar aqui sem muita responsabilidade. Vamos impor o nosso ritmo e o nosso jogo”, afirmou.

Nos quatro jogos realizados esta temporada na I Liga, o Sporting soma três vitórias e um empate, motivo pelo qual Rúben Amorim olha para este jogo com a possibilidade de descolar do FC Porto, com quem tem igualdade pontual (10) e um jogo a menos. Em caso de vitória, o Sporting somará 13 pontos e ficará sozinho no segundo lugar, relegando os ‘dragões’ para terceiro, e a dois pontos do líder Benfica.

“Temos de encarar esta partida como temos feito: sempre a pensar jogo a jogo. Não podemos pensar tanto na classificação, principalmente porque estamos ainda no início do campeonato. Espero uma equipa do Sporting igual ao que tem sido, sabendo que podemos melhorar a nossa classificação. Temos de ter essa ambição. Se podemos melhorar a nossa classificação, é isso que temos de fazer. Vamos fazer tudo para vencer o jogo”, garantiu.

Em relação à renovação de Matheus Nunes, que prolongou o vínculo com o Sporting até 2025 e ficou com uma cláusula de rescisão de 60 milhões de euros, Rúben Amorim mostrou-se satisfeito, mas distribuiu os louros em relação à evolução do jovem jogador.

“É sinal que os jogadores da formação do Sporting corresponderam à confiança que depositamos neles. Fico feliz por isso, mas este trabalho não é só desta equipa técnica, mas também das anteriores, porque nós estamos aqui há pouco tempo”, disse.

Diante do Gil Vicente, o treinador não levantou a ‘ponta do véu’ sobre quem irá jogar no meio-campo ou no ataque. Matheus Nunes continua a ser uma opção, à qual se junta agora, além de João Palhinha, o internacional português João Mário.

“João Mário está preparado para jogar no meio-campo ou na frente. É um jogador muito inteligente. Depende do jogo. Tem de haver vários jogadores para a mesma posição. Podem jogar os dois, mas o Palhinha tem características difíceis de encontrar. Matheus Nunes tem jogado sempre até hoje e o João Mário traz coisas que não há na equipa. Vamos ver daqui para frente quem vai jogar”, concluiu.

O Sporting, segundo classificado, com 10 pontos, em igualdade com o campeão FC Porto, recebe esta quarta-feira o Gil Vicente, 12.º, com cinco, os mesmos que Tondela, Paços de Ferreira e Belenenses SAD, em jogo em atraso da primeira jornada da I Liga, que será arbitrado pelo setubalense André Narciso.

Continuar a ler

Populares