Seguir o O MINHO

Futebol

Jogador do Braga B regressa aos treinos após luta contra o cancro: “Estive quatro dias em coma”

Diogo Casimiro conta como foi todo o processo de recuperação

em

Diogo Casimiro, que no início de 2020 teve que interromper a carreira por causa de um linfoma, já regressou aos treinos do SC Braga B. Em entrevista aos meios do clube, o jovem defesa, de 23 anos, conta como foi todo o processo desde que lhe foi diagnosticado o cancro, até à recuperação, dando a saber que esteve quatro dias em coma.

Estávamos em dezembro de 2020, quando, à noite, depois de um dia de treino, Diogo Casimiro descansava no sofá enquanto assistia televisão e notou que tinha um talo na zona do pescoço. Na manhã seguinte, antes de mais um treino da equipa B, falou com um médico do clube sobre o que tinha reparado e no mesmo dia realizou uma série de exames para perceber do que se tratava. O resultado chegou a 31 de dezembro, véspera de ano novo.

“Aquele momento, aquela notícia são uma coisa má que nunca me vou esquecer. Receber a notícia que se tem um cancro é como nos tirarem o tapete dos pés. É horrível! Começamos a pensar que temos o Mmundo contra nós. Nunca se está à espera de uma notícia dessas”, afirma o lateral-direito, em declarações aos meios do clube.

Diogo Casimiro foi diagnosticado com um linfoma de Hodgkin. Do dia a dia no relvado, passou para um ambiente hospitalar a lutar pela vida. “Na minha primeira sessão de quimioterapia vi uma senhora, provavelmente da idade da minha avó, a chorar ao meu lado e a dizer que já não aguentava mais”, recorda. “Mas lidei sempre de uma forma positiva com os tratamentos. Sinceramente, no início as pessoas nem notavam que estava a fazê-los porque não estavam a ter grandes consequências visíveis. Cheguei a ir fazer tratamentos e no mesmo dia ir ver o jogo da minha equipa, mas com o passar do tempo as pessoas aperceberam-se”.

Foto: SC Braga

Quatro dias em coma 

“Quando iniciei os tratamentos falava-se que seriam quatro sessões de quimioterapia, depois tive uma recaída e passou a mais quatro. Mais tarde estive nos cuidados intensivos. Tive uma infeção e foi o irmão da minha namorada que deu comigo em casa desmaiado num estado crítico. Chamou os bombeiros, tive que ser operado de urgência e colocaram-me em coma induzido. Foram quatro dias. Não me lembro de nada e quando estive nos Cuidados Intensivos pouca gente soube”, conta o jogador natural de Oliveira de Azeméis.

E acrescenta: “Foi uma situação muito complicada que felizmente acabou por correr bem. Os momentos em que tinha que ir fazer quimioterapia sozinho, porque por causa da covid não podia ter acompanhante, custavam muito. Aquelas duas horas de espera faziam-nos pensar em tudo. Em alguns momentos pensei que estava farto de estar constantemente no hospital, mas nunca deixei que isso fosse superior à minha vontade de ficar curado. Tive recaídas e tive que repetir os tratamentos várias vezes, mas no fundo pensava sempre que ia vencer. Sou uma pessoa positiva e tentei sempre levar o tratamento como um treino. Tive esse exemplo, na altura, quando falei com o Tengarrinha e com o Nuno Pinto, que me disseram para encarar a situação como se fosse um treino ou um jogo”.

Autotransplante fundamental

Diogo Casimiro passou para a fase seguinte da recuperação, o autotransplante: “Foi complicado, mas sabia que era como se fosse o finalizar da etapa desta luta. Foram três semanas no hospital em que na primeira estive a fazer tratamentos muito agressivos de quimioterapia. Na semana a seguir as minhas defesas baixaram e os valores foram para zero. Depois começaram as transfusões de plaquetas e de sangue. Essa é uma parte mais chata porque já estamos há duas semanas no hospital e queremos ir embora. Contudo, é algo que não depende de nós, mas sim da reação do nosso corpo e da velocidade com que ele volta a ganhar defesas”.

Foto: SC Braga

É como se fosse uma espécie de segunda vida para o jogador: “Comecei agora a tomar a primeira vacina da covid e vou ter que tomar as vacinas que normalmente tomámos em crianças. Faz parte do processo. Na brincadeira costumo dizer que agora tenho duas datas de nascimento: a minha e a do autotransplante. É uma forma de levar as coisas de uma forma mais leve”.

Diogo Casimiro está de volta. Integrado na equipa B do SC Braga, foi no estágio de pré-temporada, a 12 de julho, que ouviu o que esperava. “Recebi a notícia de que podia voltar a treinar normalmente. Partilhei essa felicidade com a minha equipa e todos os meus companheiros mostraram grande felicidade pelo meu regresso. Gostei muito da forma como partilharam a minha alegria e estou-lhes agradecido porque senti mesmo que foi genuíno”, sublinha.

Renovação até 2023

“As pessoas estão admiradas pela forma como estou a encarar os treinos e como estou fisicamente. Estão a gostar muito de mim e espero continuar a melhorar. Claro que estou a treinar ao meu ritmo, não ao dos meus companheiros, e agora aos poucos espero melhorar e conseguir jogar”, declara, destacando o “apoio excecional” do SC Braga.

“As pessoas deram-me tudo e a única preocupação foi sempre a de eu ficar bem e concentrar-me na minha saúde. O facto de ter renovado duas vezes o meu contrato é um exemplo disso. No ano passado, no momento em que tive uma recaída, o clube renovou contrato comigo. Agora voltou a fazê-lo e estou pronto para a luta. Hoje voltei a fazer parte da equipa, a estar no balneário e estou feliz”, sublinha.

“Só tenho a agradecer do fundo do coração o apoio que senti de toda a estrutura do clube. E ter uma boa estrutura familiar também foi muito importante. A minha namorada foi incansável. Deixou de trabalhar para me levar e trazer dos tratamentos, esteve todos os dias comigo e, tal como o SC Braga, nunca deixou que me faltasse nada. Ela, a família dela e os meus pais tiveram uma importância imensa em todo este processo. Pensei sempre que tinha de ganhar esta batalha por mim e pelas pessoas que estiveram sempre a meu lado e que sofreram com a situação. Agora é o momento de agradecer-lhes tudo o que fizeram por mim”, remata.

EM FOCO

Populares