Seguir o O MINHO

Desporto

Joaquim Rodrigues em 11.º da geral no Dakar

Piloto de Barcelos

em

Foto: Hero Moto Sports / Facebook

O britânico Sam Sunderland (KTM) venceu hoje a 11.ª e penúltima etapa da 43.ª edição do rali Dakar de todo-o-terreno, mas a classificação geral das motas continua a ser liderada pelo argentino Kevin Benavides (Honda). Joaquim Rdorigues terminou a etapa em 26.º e caiu, na geral, de 10.º para 11.º.

Na etapa com a mais longa especial da prova, com 511 quilómetros cronometrados, Sunderland gastou 4:35.12 horas, deixando o chileno Pablo Quintanilla (Husqvarna) em segundo lugar, a 2.40 minutos e Benavides em terceiro, a 6.24 minutos.

O espanhol Joan Barreda (Honda), um dos favoritos à vitória, falhou a paragem no primeiro ponto de abastecimento, ao quilómetro 174, e acabou por ficar sem combustível ao quilómetro 267.

O reabastecimento é obrigatório e implica uma paragem regulamentar de 20 minutos, de forma a que os pilotos possam descansar, sob pena de uma penalização de dois minutos por cada período de 30 segundos a menos que não seja respeitado. A ausência de paragem implica a penalização de mais de uma hora.

Barreda acabou mesmo por solicitar assistência médica e foi transportado no helicóptero médico da organização para o acampamento.

O luso-germânico Sebastian Bühler (Hero) foi o melhor das cores nacionais, na 12.ª posição, com Rui Gonçalves (Sherco) no 14.º lugar, enquanto Joaquim Rodrigues Jr. (Hero) foi 18.º.

Na geral, que continua a ser liderada por Kevin Benavides, da equipa Honda, gerida por Ruben Faria, os três primeiros estão separados por pouco mais de sete minutos.

Com a vitória de hoje, Sunderland é, agora, segundo, a 4.12 de Benavides, enquanto o norte-americano Ricky Brabec (Honda), vencedor em 2020, está a 7.13.

Joaquim Rodrigues Jr. perdeu um lugar nos 10 primeiros por apenas quatro minutos, estando em 11.º, a 2:18.58 horas do líder. Bühler é 15.º e Rui Gonçalves é 19.º.

Na sexta-feira disputa-se a 12.ª e última etapa, entre Yanbu e Jeddah, com 452 quilómetros, 225 deles cronometrados, com algumas dunas no percurso.

Futebol

Rúben Amorim espera que “estrelinha da sorte” permita derrotar SC Braga

Taça da Liga

O treinador de futebol do Sporting, Rúben Amorim, disse hoje esperar um grande jogo na final da Taça da Liga com o SC Braga, no sábado, puxando pela “estrelinha da sorte” que o tem acompanhado na carreira.

Rúben Amorim, que falava na conferência de imprensa de antevisão ao encontro marcado para Leiria, acredita que não haverá grandes diferenças em relação ao jogo em Alvalade, na 12.ª jornada da I Liga (vitória ‘leonina’ por 2-0).

“Podem mudar alguns jogadores, mas as ideias de jogo não mudam. Vai ser um jogo muito competitivo. Um golo no início do jogo pode tornar o jogo completamente diferente”, afirmou, insistindo na ideia de que “as incidências do jogo podem mudar tudo”.

Para este encontro, Rúben Amorim, que venceu a final do ano passado ao comando dos bracarenses [1-0 ao FC Porto, com um golo de Ricardo Horta, aos 90+5 minutos], está longe de esperar facilidades, contudo, mostra não ter esquecido as características dos jogadores que treinou na época passada.

“Espero um SC Braga muito igual ao que tem vindo a ser. Conheço bem o plantel e é uma equipa muito forte, e que entende os momentos do jogo. Vamos tentar desequilibrar e criar espaços. Acho que vamos fazer um grande jogo”, disse.

Diante do FC Porto, no encontro da meia-final [vitória por 2-1], os golos dos ‘leões’ foram apontados nos últimos minutos, já depois dos ‘azuis e brancos’ terem inaugurado o marcador. Uma situação que tem acompanhado o Sporting esta temporada e que o treinador acredita tratar-se, por um lado, da forte vontade dos jogadores, mas por outro de sorte.

“O mérito tem de ser dado aos jogadores. Eles acreditam até ao último momento. Não depende da equipa técnica. Se dependesse da equipa técnica, marcávamos logo nos primeiros minutos. E falo em estrelinha porque muitas vezes a sorte tem um papel importante na nossa vida. Quanto mais falo, mais tenho. Por isso aproveito para falar aqui”, afirmou.

Diante dos ‘arsenalistas’, Amorim garantiu a presença de Tiago Tomás no ‘onze’ e levantou a ‘ponta do véu’ em relação à eventual utilização de Nuno Mendes e Sporar, jogadores que não tiveram autorização por parte da DGS para defrontar o FC Porto, depois de ‘falsos positivos’ ao novo coronavírus.

“Só quando eles estiverem perfilados para entrar é que podemos ter certezas. Os factos comprovam que estávamos certo. Isso é o mais importante para nós. Estávamos a defender os nossos jogadores. O facto de poderem jogar agora, prova que estávamos certo”, afiançou.

Por sua vez, o jovem avançado Tiago Tomás garantiu que a equipa está motivada para defrontar e vencer o SC Braga.

“Será uma final, por isso ainda mais confiantes. Sabemos da nossa qualidade e queremos ganhar o jogo. Estamos a disputar uma final e, como em todos os jogos, temos de ganhar. Não vai ser diferente. Vamos dar o nosso melhor”, garantiu.

Desde que chegou à equipa principal do Sporting, o jovem, de 18 anos, já fez o gosto ao pé em todas as competições, exceto na Taça da Liga, situação que quer inverter, mesmo estando a viver um sonho.

“Quando entrei no Sporting, há sete anos, isto era só um sonho. Agora, é uma realidade e não há tempo para deslumbramentos. Espero que amanhã [sábado] possa marcar um golo para ter golos em todas as competições”, desejou.

O Sporting defronta no sábado o SC Braga, na final da Taça da Liga, em partida que se realiza no Estádio Dr. Magalhães Pessoa, em Leiria, a partir das 19:45, e que será arbitrada por Tiago Martins, da AF Lisboa.

Continuar a ler

Futebol

Treinador garante que Famalicão “vai atingir objetivos propostos no início da época”

João Pedro Sousa

O treinador do Famalicão admitiu hoje que está “confiante que vai ser possível atingir os objetivos propostos no início da época”, na antevéspera do encontro com o Vitória SC, da 15.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

João Pedro Sousa revelou-se um homem “sereno”, mas sobretudo confiante no futuro.

“Continuo confiante e sossegado. Mas, principalmente, confiante nos jogadores, na equipa, muito confiante no clube e confiante na qualidade do nosso trabalho do dia-a-dia. E confiante que vamos atingir os objetivos a que nos propusemos no início da época”, revelou em conferência de imprensa de antevisão da partida com os vimaranenses.

O técnico da equipa famalicense não acredita no desgaste do adversário e defendeu estar à espera de um jogo difícil.

“Desgaste, não creio. As equipas profissionais estão preparadas para jogar num curto espaço de tempo. De três em três, de quatro em quatro dias. Penso que o Vitória vai ser forte como tem sido até esta jornada”, afirmou.

O treinador teceu ainda grandes elogios a Ricardo Quaresma, mas também ao coletivo da equipa de Guimarães.

“Se o Quaresma me encanta? Como adepto, é uma delícia ver o Quaresma a jogar. Como treinador adversário do Quaresma, é um problema. Mas o problema não é só o Quaresma. É um coletivo muito forte. É uma equipa forte, está a fazer um excelente campeonato. Alia as exibições aos resultados. Vamos ter uma tarefa difícil, no entanto não fugimos às nossas responsabilidades e à vontade de querer ganhar o jogo”, concluiu.

João Pedro Sousa salientou que esta foi uma semana “mais alegre” depois da vitória nos Açores, frente ao Santa Clara.

“Temos que ser honestos e dizer que trabalhar sobre vitórias é muito mais agradável do que trabalhar sobre resultados negativos. Foi isso que aconteceu, felizmente. A semana foi boa, foi mais motivadora, mais alegre do que tem sido. Mas a atitude e entrega foi rigorosamente a mesma. Satisfaz-nos perceber que tivemos êxito fruto do trabalho que fizemos na semana anterior”, frisou.

Sobre a possível entrada de mais reforços, o treinador do Famalicão deixou a hipótese no ar: “Estamos sempre no mercado. Não necessariamente à procura de alguma aquisição, mas temos que estar atentos. É nossa obrigação. Se surgir algum negócio, muito bem, se não surgir, ficamos com os que temos”.

O Famalicão, no 13.º lugar, com 14 pontos, recebe este domingo, às 20:15 horas, o Vitória SC, na sexta posição, com 23, numa partida da 15.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

Continuar a ler

SC Braga

“O Braga estará sempre a morder os calcanhares aos grandes”

Taça da Liga

Carlos Carvalhal. Foto: DR / Arquivo

Vencedor em título da Taça da Liga, o SC Braga defronta este sábado em Leiria o Sporting, que venceu a prova nas duas épocas anteriores. O treinador bracarense falou sobre o atual estatuto do clube, cada vez mais habituado a estar perto do pódio, ou mesmo alcançar um lugar entre as três primeiras posições da I Liga.

“O presidente [António Salvador] foi muito claro em recentes entrevistas sobre o posicionamento do Braga: foi, é e será sempre ‘outsider’ dos ‘três grandes’, pela sua grandeza social, pelo investimento, pela proteção que têm a nível geral. O Braga estará sempre a morder os calcanhares de um deles, que se possa distrair numa época, ou dois, ou três, que é mais raro, mas já aconteceu, aí o Braga pode ter uma palavra a dizer”, disse.

Nos últimos anos, o SC Braga conseguiu a sua maior pontuação de sempre em 2017/18, quando conquistou 75 pontos, mas mesmo assim, ficou na quarta posição.

Na última temporada, fez 60, mas foi o terceiro classificado da I Liga, num ano que conquistou a Taça da Liga em casa, na final frente ao FC Porto, e alcançou o máximo nacional de jogos sem perder na Europa.

Contudo, vincou, Benfica, FC Porto e Sporting “são e serão sempre os principais candidatos”. “O Braga luta por diminuir essa diferença e tem escalado uns degraus [nessa luta], sendo que isso não invalida, como no último jogo com o Benfica, em que provou que foi melhor, que, no campo, jogue olhos nos olhos perante qualquer adversário, em qualquer estádio”, completou.

O técnico desvalorizou o embate do Braga com os ‘leões’ para o campeonato, que os minhotos perderam por 2-0, tal como o tinha feito em relação à partida com o Benfica, que venceram por 3-2, em pleno Estádio da Luz.

“A história e o passado não contam para nada, não têm nada a ver com este jogo. Há um foco muito grande das duas equipas, que vão querer ganhar, o Sporting é um adversário difícil, que joga bem, com um bom treinador, temos respeito máximo, mas queremos a taça para nós”, disse na antevisão da partida, em Leiria.

Sporting e SC Braga disputam no sábado a inédita final da 14.ª edição da Taça da Liga, ambos em busca de um terceiro troféu, em encontro marcado para o Estádio Dr. Magalhães Pessoa, em Leiria, a partir das 19:45. E se os adeptos dos dois clubes estão impacientes para ver as suas equipas defenderem as suas cores, para ver quem levanta novamente o troféu, também fazem questão de saber quem é o grande favorito nesta final.

Para uma opinião objetiva é simples. Basta ver o que acham os sites de apostas e nada mais fácil que recorrer ao comparador de cotas, Sportytrader. Nesse portal, vemos que a hierarquia prevalece, certamente justificada pelas memórias do primeiro confronto da época, ganho pelo Leões. O Sporting tem uma cota de 2.50, contra os 3.35 oferecidos pela vitória minhota.

Apesar de tudo, como todos sabem, num jogo tudo pode acontecer, quanto mais numa final. Caso os Guerreiros do Minho consigam contrariar as probabilidades, isso significaria felicidade dupla para o apostador bracarense, que comemoraria mais um troféu e uma mais-valia significativa. O melhor seria dar uma vista à avaliação das casas de apostas legais do Sportytrader, para poder escolher a melhor opção. A única certeza, é que essa final promete golos e um grande espetáculo de futebol.

Continuar a ler

Populares