Seguir o O MINHO

País

Jerónimo apontou ao PS em campanha que apostou nos bastiões comunistas

Eleições autárquicas

em

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

A campanha autárquica da CDU esteve centrada nos “bastiões” comunistas e nos municípios onde o PCP aposta em reconquistar câmaras perdidas para o PS em 2017, numa jornada marcada por constantes críticas ao PS e ao Governo.

Há quatro anos a CDU perdeu nove câmaras para o PS. Resistiram 24 municípios, entre eles nove bastiões: Avis (Portalegre), Montemor-o-Novo, Mora e Arraiolos (Évora), Serpa (Beja), Santiago do Cacém, Palmela, Seixal e Moita (Setúbal).

A principal aposta foi na manutenção destes concelhos na esfera da CDU e foi nos bastiões que Jerónimo de Sousa desferiu as críticas mais duras contra o PS, o Governo socialista e o primeiro-ministro, António Costa.

A CDU começou o período oficial de campanha em Moura, antigo bastião, perdido em 2017 para o PS e que a coligação pretende recuperar, este ano com um adversário complementar em André Ventura, presidente do Chega e candidato à assembleia municipal.

No entanto, o dirigente comunista não desviou as atenções do adversário principal e criticou a utilização do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) como “uma cenoura” para ludibriar os eleitores e transferir competências que são da responsabilidade do Estado.

O PRR foi tópico recorrente durante a campanha e no bastião de Santiago do Cacém o secretário-geral chegou a exigir ao primeiro-ministro decoro na utilização dos fundos comunitários como propaganda eleitoral.

Neste município que é presidido pela CDU desde 1976, o membro do Comité Central comunista também fez pairar uma suspeita sobre candidatos do PS que desempenham cargos públicos e que poderão estar a utilizar a “bazuca europeia” para fazer promessas ao eleitorado.

O diagrama da campanha autárquica foi quase sempre o mesmo. Não houve arruadas e o contacto com a população foi reduzido. Jerónimo apareceu nas sessões públicas e comícios e discursou sempre depois do candidato ao município em questão, ou como descreveu Gertrudes Pardão, mandatária da candidatura a Benavente, o secretário-geral foi a “cerejinha em cima do bolo”.

Quando estava a ‘jogar em casa’, como aconteceu, em Benavente (Santarém), Moita (Setúbal) ou Mora (Évora), Jerónimo enalteceu a obra da CDU e a falta de programa dos adversários para a substituir. Por isso, só pediu a continuidade daquilo que, na opinião do dirigente do PCP, vai no bom caminho e só não está melhor por culpa do Governo.

Já nos municípios presididos pelos socialistas, o dirigente comunista ‘carregou sobre o PS’ a partir de freguesias onde a CDU resiste, como, por exemplo, Carnide (concelho de Lisboa) ou Vialonga (Vila Franca de Xira), e apontou o caminho para a convergência entre o PCP e o PS.

O primeiro-ministro, sustentou Jerónimo, não pode “carpir mágoas” pelos trabalhadores abrangidos por despedimentos coletivos, enquanto o Governo “não toca” no “bife do lombo dos interesses do capital”. Por isso, se o executivo “passar das palavras aos atos” talvez seja possível “emendar a mão”.

A exceção à regra foi Almada, uma das ‘joias da coroa’ da CDU que foi conquistada em 2017 pelo PS e onde a coligação apostou Maria das Dores Meira, autarca de Setúbal, para fazer frente a Inês de Medeiros.

Aqui os papeis inverteram-se e foi a candidata a criticar António Costa por trazer “às costas o saco do dinheiro a que chamaram ‘bazuca europeia’ e que vai esmolando por onde passa no apoio aos seus candidatos”.

Já Jerónimo de Sousa disse que “a candidatura do PS já se assume como oposição à CDU” em Almada e o objetivo é que passe a sê-lo no domingo.

A campanha esteve maioritariamente concentrada no distrito de Setúbal e no Alentejo, onde a presença da CDU é mais forte e onde a disputa é com o PS pela presidência dos municípios.

No Norte os objetivos são menores: recuperar (Guimarães) ou preservar (Porto) vereadores, por isso, bastou reservar um dia da campanha. A passagem por Viana do Castelo, Braga, Porto, Gondomar e Guimarães foi “tão bonita” que Jerónimo ficou rouco, mas considerou que “valeu a pena”.

A batalha nestas autárquicas era com o PS e a promessa foi cumprida. Mas vencer a guerra só “reforçando a CDU”, disse Jerónimo de Sousa, “milho a milho”, porque cada voto conta.

“Há um bom ambiente em torno da CDU, confirmei isso andando por este país fora, mas só os bons ambientes não chegam para ganhar eleições”, sustentou.

Populares