Seguir o O MINHO

Braga

Já abriu a Mercadona de Braga

1.900 metros quadrados e 165 lugares de estacionamento

em

Foto

Abriu esta quinta-feira a nova loja da Mercadona em Braga, a segundo do distrito. Com 1.900 metros quadrados e 165 lugares de estacionamento, o novo espaço foi inaugurado com a presença do presidente da câmara, Ricardo Rio, e com a presidente da junta de Nogueira, Fraião e Lamaçães, Goreti Machado.

Edifício da Mercadona, em Lamaçães. Foto: Divulgação

Situada na Avenida Doutor António Palha, em Lamaçães, esta loja conta com 85 trabalhadores e é a última abertura da cadeia de lojas espanhola para este ano.

Em comunicado, a empresa refere que “2019 fica marcado na história da Mercadona pela concretização da sua internacionalização em Portugal, a primeira da empresa”, com dez supermercados nos distritos de Porto, Aveiro e Braga, além do Bloco Logístico na Póvoa de Varzim, o Centro de Coinovação em Matosinhos e os escritórios no Porto e em Lisboa.

“Em 2020, a empresa dará continuidade ao seu projeto de expansão mantendo-se na zona Norte do país e com a previsão de abertura de mais dez novas lojas ao longo do ano.

Executivo da Câmara Municipal de Braga e da Junta de Freguesia de Nogueira, Fraião e Lamaçães, junto da equipa da Mercadona. Foto: Divulgação

Ricardo Rio, edil de Braga, salienta o “investimento estratégico” que permite criação de emprego no concelho: “É um projeto que prezamos e que recebemos de braços abertos”.

“Esta é mais uma prova do dinamismo e do enorme potencial de crescimento que Braga apresenta, ao afirmar-se como uma cidade estratégica para novos investimentos também neste setor. Nesse sentido, acolher esta unidade de referência nacional e internacional é também um tributo a Braga”, acrescentou.

Executivo da Câmara Municipal de Braga e da Junta de Freguesia de Nogueira, Fraião e Lamaçães, junto da equipa da Mercadona. Foto: Divulgação

Inês Santos, diretora regional de Relações Externas da Mercadona Portugal, deixou elogios à cidade: “Braga é uma cidade dinâmica e em crescimento, onde a Mercadona quis estar desde o princípio. Esta loja, em Lamaçães, torna-se também especial por ser a décima que abrimos em Portugal”.

De acordo com a marca espanhola, são já mais de 1.100 trabalhadores portugueses a laborar para a Mercadona.

Sobre a loja de Braga

Este supermercado responde ao Modelo de Loja Eficiente que a empresa está a implementar em toda a rede e conta com uma superfície de vendas de 1.900 metros quadrados e 165 lugares de estacionamento, com um horário de funcionamento das 9:00 às 21:30, de segunda-feira a domingo.

Clientes na secção da peixaria da Mercadona de Lamaçães, Braga. Foto: Divulgação

Este modelo de loja destaca-se também pelo seu Pronto a Comer, que em Portugal apresenta 35 opções de pratos recém-cozinhados que os clientes podem levar para casa ou comer na própria loja, numa zona de refeições exclusiva para o efeito. Além destes 35 pratos, a Mercadona oferece 205 pratos preparados como a tortilha de batata, as asinhas de frango, o risoto de cogumelos, etc.

Características da loja e suas secções

A nova loja caracteriza-se por ter corredores amplos e confortáveis, dispõe de uma entrada de vidro duplo que evita correntes de ar, lineares específicos de leite fresco e sumos refrigerados, mural de sushi, um ponto de corte final da carne onde os chefes (como internamente a empresa chama aos seus clientes), podem solicitar um corte específico, uma charcutaria com presunto ibérico cortado à faca, uma ilha central na perfumaria para maquilhagem e uma máquina de sumo de laranja espremido na hora.

Existem ainda dois corredores amplos de frutas e legumes, e dois modelos de carrinhos, ergonómicos e leves, que não precisam de moeda.

Anúncio

Braga

Covid-19: Mulher de 80 anos é a primeira vítima mortal em Vieira do Minho

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Uma mulher perdeu a vida, esta terça-feira, na sequência da infeção de Covid-19, tornando-se na primeira vítima mortal do novo coronavírus no concelho de Vieira do Minho.

A notícia está a ser avançada pelo jornal Rio Longo Notícias e foi confirmada por O MINHO junto de António Cardoso, presidente da Câmara.

A vítima mortal é uma mulher e tem 80 anos. Desconhece-se, para já, mais pormenores, apenas que era um dos três casos já confirmados naquele concelho.

Há 565 casos confirmados no Minho

O boletim epidemiológico da Direção-Geral de Saúde desta terça-feira vem com os números aproximados daquilo que são os casos fidedignos de infeções por Covid-19 discriminados por concelho.

Os números correspondem aos dados recolhidos até as 00:00 de terça-feira e podem comportar apenas cerca de 78% dos casos reais.

Braga, com 220 casos confirmados, Famalicão com 93 e Guimarães com 81 são os concelhos da região do Minho mais atingidos pela pandemia.

Fonte: DGS

Segue-se o concelho de Barcelos com 39, Viana do Castelo com 33, Vila Verde com 25, Póvoa de Lanhoso com 14, Amares com 11, Esposende com 10, Arcos de Valdevez com 9, Vizela com 8, Fafe com 7, Monção com 5, Melgaço com 4 e Vieira do Minho e Caminha  com 3 casos confirmados.

Os restantes concelhos minhotos registam menos de 3 casos, alguns ainda sem infetados, e não constam no relatório por “motivos de confidencialidade”.

160 mortos e 7.443 infetados no país

Portugal regista hoje 160 mortes associadas à covid-19, mais 20 do que na segunda-feira, e 7.443 infetados (mais 1.035), segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

O relatório da situação epidemiológica em Portugal, com dados atualizados até às 24:00 de segunda-feira, indica que a região Norte é a que regista o maior número de mortes (83), seguida da região Centro (40), da região de Lisboa e Vale do Tejo (35) e do Algarve, que hoje regista dois mortos.

Relativamente a segunda-feira, em que se registavam 140 mortes, hoje observou-se um aumento de 14,1% (mais 20).

De acordo com dados da DGS, há 7.443 casos confirmados, mais 1.035 (um aumento de 16,1%) face a segunda-feira.

Continuar a ler

Braga

Gabinetes no Hospital de Braga “sem distância de segurança”. Administração desconhece

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Alguns profissionais do Hospital de Braga estão insatisfeitos com as condições de gabinetes situados no hall principal daquela unidade, alegadamente por não ser possível trabalhar com as devidas distâncias de segurança.

Numa denúncia chegada a O MINHO, é dito que os gabinetes de marcação de exames para o exterior, primeiras consultas, taxas moderadoras e UHGIC não têm as devidas condições para evitar contágios de Covid-19.

Um dos três gabinetes ali situados, o de apoio ao utente, terá sido encerrado aquando da entrada em vigor do Estado de Emergência, proclamado pelo Presidente da República, mas os outros dois permaneceram abertos.

O MINHO sabe que os funcionários pediram às chefias que os dois gabinetes fossem encerrados, alegando que é possível fazer o mesmo serviço através de teletrabalho. Mas apenas o gabinete de apoio ao utente terá sido fechado.

Os profissionais apontam que, nestas salas exíguas, “não é possível manter distâncias de segurança por limitação de espaço”, indicando que trabalham cinco pessoas nos mesmos.

Dizem também que “não foi instalada qualquer proteção, contrariamente aos vinis colocados nos gabinetes de consultas”.

Os funcionários temem pela sua saúde e pela da sua família, uma vez que se consideram “expostos desnecessariamente”.

O MINHO contactou a administração do Hospital de Braga, E.P.E., via e-mail, tendo já obtido resposta.

Segundo o conselho de administração, esta situação “não era do conhecimento dos mesmos, nem terá existido qualquer solicitação por parte dos profissionais de saúde, como veiculado”, garante.

Referem ainda que o Hospital de Braga tem em vigor um Plano de Contingência para o Covid-19 que prevê a adoção de medidas, de acordo com as orientações da Direção-Geral da Saúde.

“A proteção dos profissionais de saúde e dos utentes é o objetivo máximo do Hospital de Braga, que tem vindo a implementar medidas de contingência, de acordo com a evolução da atual pandemia”, salienta a administração, não revelando, no entanto, se irá encerrar aqueles gabinetes.

*Com Paulo Jorge Magalhães

Continuar a ler

Braga

Assaltam fornecedor de peixe na rua em Braga e escondem-se em casa

No Fujacal

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Dois homens foram identificados por agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP) de Braga, ao final da manhã desta terça-feira, por suspeitas de furto de peixe a um comerciante, apurou O MINHO no local.

O furto terá ocorrido na Rua Monsenhor Airosa, entre o Altice Forum Braga e o bairro do Fujacal, cerca das 11:00 horas, mobilizando no imediato vários elementos das forças de segurança.

Os suspeitos, já referenciados por outros comerciantes por furtarem sacos de batatas, tomates e cebolas, foram rapidamente detetados pelos agentes, já dentro de casa, num apartamento do Fujacal, à face da Praça dos Arsenalistas.

Praça dos Arsenalistas. Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O aparto foi grande, com os agentes policiais a deslocaram patrulhas e uma carrinha da Equipa de Intervenção Rápida, acabando por recuperar o peixe roubado, que terá sido devolvido ao proprietário.

Pelo que apuramos, o peixe em questão era para abastecer a Peixaria Airosa, situada naquela rua da cidade de Braga.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Fonte da PSP de Braga confirmou o furto mas adiantou que não há detidos.

Os factos foram participados ao Ministério Público.

*Com Paulo Jorge Magalhães

Continuar a ler

Populares