Seguir o O MINHO
[the_ad id='438601']

Ponte de Lima

Investigadora de Ponte de Lima ganha prémio

em

Foto: Facebook

Sara Soares, investigadora limiana no Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP) e aluna do Programa Doutoral em Saúde Pública da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), foi galardoada com o Prémio Santander Universidades Idea Puzzle. A iniciativa oferece, todos os anos, dois prémios de mil euros, um em Portugal e outro no estrangeiro, ao melhor desenho de investigação de doutoramento criado com o software Idea Puzzle.

O desenho de investigação premiado pelo Santander Universidades, na edição deste ano, em Portugal, visa compreender o modo como determinadas situações de adversidade na infância condicionam a saúde durante os primeiros anos de vida.

“Atualmente, sabe-se que a exposição a situações de adversidade, como, por exemplo, a pobreza, violência (maus tratos e bullying) ou crescer em contextos de disfunção familiar estão associados a piores resultados em saúde. Esta adversidade pode afetar o crescimento e desenvolvimento das crianças, bem como determinados parâmetros biológicos, como os marcadores de inflamação e metabólicos que estão associados a maior probabilidade de doença na idade adulta”, explica Sara Soares, da freguesia de Arca e Ponte de Lima, em entrevista ao ISPUP.

“No entanto, não se percebe ainda se a exposição à adversidade tem um efeito cumulativo ao longo da vida ou se, por outro lado, os seus efeitos são incorporados biologicamente logo no período da infância. E este é precisamente o objetivo da minha investigação”, acrescenta.

Para explorar as consequências da adversidade social na saúde infantil, o projeto vai utilizar informação dos participantes da Geração XXI, um corte de nascimento que acompanha mais de 8 mil crianças e as suas respetivas famílias, desde 2005, fazendo uso dos dados recolhidos durante os momentos da gravidez, do nascimento das crianças, e das avaliações que ocorreram aos 4, 7 e 10 anos de idade.

O trabalho permitiu à investigadora obter uma visão holística do seu projeto de investigação e “também considerar inúmeras questões filosóficas e conceptuais que, nesta fase inicial de implementação do projeto, não tinham sido ainda alvo de reflexão”.

EM FOCO

Populares