Seguir o O MINHO

Região

Nova doença está a atacar os castanheiros

No Minho, “chegou mesmo a inviabilizar a venda de castanha”

em

Foto: DR / Arquivo

Um investigador da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) alertou hoje para a podridão da castanha, uma “nova doença” que está a atacar os castanheiros e que atingiu “especial evidência” este ano em Portugal.


Detetada há cerca de 10 anos em alguns países da Europa, como Itália e França, a podridão da castanha atingiu, segundo disse o especialista José Gomes Laranjo, “especial evidência em 2019” em Portugal.

“Foi muito forte o ataque na zona do Minho, mas este fungo está já um pouco espalhado por todo o país”, afirmou à agência Lusa o docente e investigador da UTAD, localizada em Vila Real.

Trata-se, explicou, de uma doença que é popularmente conhecida por “podridão da castanha” e que é provocada por um fungo com o nome científico de ‘Gnomoniopsis castanea’.

O especialista disse que “muito pouco ainda se sabe sobre a biologia do fungo que provoca a podridão da castanha, bem como as formas de tratamento”, no entanto sublinhou que, tomando como exemplo o que se passou em outros países, nomeadamente em Itália, “pode provocar quebras de produção na ordem dos 70 a 80%”. “É muito grave”, afirmou.

No Minho, segundo o especialista, a doença “chegou mesmo a inviabilizar a venda de castanha”.

José Gomes Laranjo referiu que se trata de “um fungo que vem da árvore, atinge a castanha e que, depois, no armazém, com as condições de temperaturas mais elevadas, se pode desenvolver ainda com mais força e provocar o apodrecimento quase imediato das castanhas”.

“Começa por umas manchas castanhas no interior do fruto, que dão mau gosto à castanha, e que depois passa para o exterior e provoca o apodrecimento daquela e das outras castanhas que estão à volta”, salientou.

Depois do cancro do castanheiro, da tinta e da vespa das galhas do castanheiro, este é mais um problema a afetar o setor.

“Este problema, que é novo, tem alguma ligação com a incidência, também, da vespa das galhas do castanheiro. As galhas podem ser, elas próprias, onde o fungo se instala e a partir daí se espalha pela árvore”, referiu.

Ou seja, acrescentou, “a contaminação acontece nas flores, nas folhas e nos ramos dos castanheiros, notando-se um acréscimo desta nos soutos mais infestados pela vespa das galhas do castanheiro (Dryocosmus kuriphilus), o que se deve ao facto de as galhas provocadas pela vespa funcionarem como depósitos de inoculação do fungo”.

As galhas são, segundo explicou num comunicado enviado pela UTAD, “uma espécie de tumores gerados pelos tecidos da planta como reação à postura de ovos por este inseto nos gomos durante o verão, de onde se formarão larvas na primavera seguinte provocando o aparecimento de tais tumores”.

O investigador realçou que “os verões quentes e húmidos parecem favorecer a doença”.

“Não estão ainda testados produtos químicos para o tratamento, no entanto julga-se que a limpeza dos ouriços, castanhas de refugo e folhagem no outono dos soutos possa limitar os ataques do próximo ano, sabendo-se também que os tratamentos em armazém com ozono têm dado resultados positivos”, adiantou José Gomes Laranjo.

O especialista disse que os investigadores estão à procura de soluções” para combater esta doença, nomeadamente ao “nível do melhoramento das variedades e conhecimento das condições do souto que possam minimizar este problema, bem como a sua limitação ao nível das condições de armazenamento”.

“Está aqui, por isso, mais um importante desafio para a ciência”, frisou.

Anúncio

Braga

IPMA sobe para ‘laranja’ aviso sobre o calor em Braga

IPMA

em

Foto: Ilustrativa / DR

O Instituto do Mar e da Atmosfera (IPMA) subiu, este sábado, o aviso meteorológico face ao calor para o concelho de Braga de ‘amarelo’ para ‘laranja’, anunciou aquele instituto.

Em comunicado, o IPMA dá conta da alteração que se dará a partir das 09:00 horas do próximo domingo, depois de um período de 24 horas em que o aviso será amarelo (e que entrou em vigor às 09:00 deste sábado).

O aviso laranja é o segundo mais gravoso numa escala de quatro e representa risco muito elevado, devendo a população manter-se ao corrente da evolução das condições meteorológicas e seguir as orientações da Autoridade Nacional da Proteção Civil ao longo dos próximos dias.

De acordo com a direção-geral da Saúde, esta onde de calor, que poderá durar desde hoje até ao longo da próxima semana, constitui “uma agressão para o organismo, podendo conduzir à desidratação, ao agravamento de doenças crónicas, a um esgotamento ou a um golpe de calor, situação muito grave e que pode provocar danos irreversíveis na saúde, ou inclusive levar à morte”.

Conselhos da DGS face à onda de calor

 Aumentar a ingestão de água, ou sumos de fruta natural sem adição de açúcar, mesmo sem ter sede.
As pessoas que sofram de doença crónica, ou que estejam a fazer uma dieta com pouco sal, ou com restrição de líquidos, devem aconselhar-se com o seu médico, ou contactar a Linha Saúde 24: 808 24 24 24.
Evitar bebidas alcoólicas e bebidas com elevados teores de açúcar.
Os recém-nascidos, as crianças, as pessoas idosas e as pessoas doentes, podem não sentir, ou não manifestar sede, pelo que são particularmente vulneráveis – ofereça-lhes água e esteja atento e vigilante.
Devem fazer-se refeições leves e mais frequentes. São de evitar as refeições pesadas e muito condimentadas.
Permanecer duas a três horas por dia num ambiente fresco, ou com ar condicionado, pode evitar as consequências nefastas do calor, particularmente no caso de crianças, pessoas idosas ou pessoas com doenças crónicas. Se não dispõe de ar condicionado, visite centros comerciais, cinemas, museus ou outros locais de ambiente fresco. Evite as mudanças bruscas de temperatura. Informe-se sobre a existência de locais de “abrigo climatizados” perto de si.
No período de maior calor tome um duche de água tépida ou fria. Evite, no entanto, mudanças bruscas de temperatura (um duche gelado, imediatamente depois de se ter apanhado muito calor, pode causar hipotermia, principalmente em pessoas idosas ou em crianças).
Evitar a exposição directa ao sol, em especial entre as 11 e as 17 horas. Sempre que se expuser ao sol, ou andar ao ar livre, use um protector solar com um índice de protecção elevado (igual ou superior a 30) e renove a sua aplicação sempre que estiver exposto ao sol (de 2 em 2 horas) e se estiver molhado ou se transpirou bastante. Quando regressar da praia ou piscina volte a aplicar protector solar, principalmente nas horas de calor intenso e radiação ultravioleta elevada.
Ao andar ao ar livre, usar roupas que evitem a exposição directa da pele ao sol, particularmente nas horas de maior incidência solar. Usar chapéu, de preferência, de abas largas e óculos que ofereçam protecção contra a radiação UVA e UVB.
Evitar a permanência em viaturas expostas ao sol, principalmente nos períodos de maior calor, sobretudo em filas de trânsito e parques de estacionamento. Se o carro não tiver ar condicionado, não feche completamente as janelas. Levar água suficiente ou sumos de fruta naturais sem adição de açúcar, para a viagem e, parar para os beber. Sempre que possível viajar de noite.
Nunca deixar crianças, doentes ou pessoas idosas dentro de veículos expostos ao sol.
Sempre que possível, diminuir os esforços físicos e repousar frequentemente em locais à sombra, frescos e arejados. Evitar actividades que exijam esforço físico.
Usar roupa larga, leve e fresca, de preferência de algodão e em conformidade com a Circular Informativa n.º 23/DA de 02/07/2009.
Usar menos roupa na cama, sobretudo quando se tratar de bebés e de doentes acamados.
Evitar que o calor entre dentro das habitações. Correr as persianas, ou portadas e manter o ar circulante dentro de casa. Ao entardecer, quando a temperatura no exterior for inferior àquela que se verifica no interior do edifício, provocar correntes de ar, tendo em atenção os efeitos prejudiciais desta situação.
Não hesitar em pedir ajuda a um familiar ou a um vizinho no caso de se sentir mal com o calor.
Informar-se periodicamente sobre o estado de saúde das pessoas isoladas, idosas, frágeis ou com dependência que vivam perto de si e ajudá-as a protegerem-se do calor.
As pessoas idosas não devem ir à praia nos dias de grande calor. As crianças com menos de seis meses não devem ser sujeitas a exposição solar e deve evitar-se a exposição directa de crianças com menos de três anos. As radiações solares podem provocar queimaduras da pele, mesmo debaixo de um chapéu-de-sol; a água do mar e a areia da praia também reflectem os raios solares e estar dentro de água não evita as queimaduras solares das zonas expostas. As queimaduras solares diminuem a capacidade da pele para arrefecer.
Efeitos graves do calor intenso sobre a saúde – sintomas e medidas de prevenção

O nosso corpo esforça-se por manter uma temperatura corporal interna constante de 37ºC ao longo do tempo. Durante os períodos de calor intenso, o corpo produz suor, sendo esta a principal forma que permite o arrefecimento do corpo à medida que o suor produzido se evapora. Quando os níveis de humidade do ar aumentam, o suor não consegue evaporar tão depressa como seria aconselhável. A evaporação do suor pára completamente quando a humidade relativa atinge os 90%. Nestas circunstâncias, a temperatura do corpo aumenta e o consequente aumento da produção do suor pode levar à desidratação excessiva, podendo provocar danos irreversíveis no cérebro ou em outros órgãos, ou até mesmo à morte.

Em situações extremas de exposição ao calor intenso, particularmente durante vários dias consecutivos, podem surgir doenças relacionadas com o calor, como as cãibras por calor, esgotamento devido ao calor e golpes de calor, situações que pela sua gravidade podem obrigar a cuidados médicos de emergência.

Golpe de Calor

Esta situação ocorre quando o sistema de controlo da temperatura do corpo do indivíduo deixa de trabalhar deixando de produzir suor para proporcionar o arrefecimento do corpo. A temperatura corporal pode, em 10-15 minutos, atingir os 39ºC provocando deficiências cerebrais ou até mesmo a morte se o indivíduo não for socorrido de forma rápida.

Sintomas
Os sintomas incluem febre alta, pele vermelha, quente, seca e sem produção de suor, pulso rápido e forte, dor de cabeça, náuseas, tonturas, confusão e perda parcial ou total de consciência.

O que fazer?
Chamar de imediato um médico ou ligar para o número de emergência 112, seguindo os seguintes procedimentos até à sua chegada.

Mover o indivíduo para um local fresco ou para uma sala com ar condicionado;
Refrescar o indivíduo aplicando toalhas húmidas ou pulverizando com água fria o seu corpo;
Arejar o indivíduo agitando o ar vigorosamente ou com um ventilador;
Se não estiver consciente, não dar líquidos.
O golpe de calor requer ajuda médica imediata uma vez que o tratamento demorado pode resultar em complicações a nível do cérebro, rins e coração.
Esgotamento devido ao calor

Resulta da alteração do metabolismo hidro-electrolítico provocada pela perda excessiva de água e de electrólitos pela sudação. Esta situação pode ser especialmente grave nas pessoas idosas e nas pessoas com hipertensão arterial.

Sintomas
Os sintomas incluem sede intensa, grande sudação, palidez, cãibras musculares, cansaço e fraqueza, dor de cabeça, náuseas e vómitos e desmaio. A temperatura do corpo pode estar normal, abaixo do normal ou ligeiramente acima do normal. O pulso fica filiforme alterando entre fraco e rápido e a respiração torna-se rápida e superficial.

O que fazer?
Chamar de imediato o médico ou ligar para o número de emergência 112, seguindo os seguintes procedimentos até à sua chegada.

Mover o indivíduo para um local fresco ou para uma sala com ar condicionado;
Refrescar o indivíduo aplicando toalhas húmidas ou pulverizando com água fria o seu corpo;
Deitar o indivíduo e levantar-lhe as pernas;
Dar a beber sumos de fruta natural sem açúcar e/ou bebidas contendo electrólitos (bebidas para desportistas), se estiver consciente.
Cãibras por calor

As cãibras podem resultar da simples exposição a calor intenso, quando se transpira muito após períodos de exercício físico intenso e de uma hidratação inadequada só com água sem substituição dos electrólitos perdidos na transpiração. Embora menos grave que as anteriores, esta situação pode também necessitar de tratamento médico. As cãibras são especialmente perigosas em pessoas com problemas cardíacos ou com dietas hipossalinas (pobres em sal).

Sintomas
Manifestam-se por espasmos musculares dolorosos do abdómen e das extremidades do corpo (pernas e braços), provocados pela perda de sais e electrólitos.

O que fazer?

Parar o exercício, se for o caso, e descansar num local fresco e calmo;
Esticar os músculos e massajar suavemente;
Beber sumos de fruta natural sem adição de açúcar e/ou bebidas contendo electrólitos (bebidas para desportistas);
Procurar ajuda médica se as cãibras persistirem.
Para evitar todas estas situações provocadas pela exposição ao calor intenso proteja-se da exposição solar e procure locais frescos, ou com ar condicionado, durante o período de maior calor, em especial se estiver acompanhado de crianças pequenas, pessoas idosas ou pessoas com doenças crónicas.

Para mais informações:

E-mail: [email protected]
Linha Saúde 24: 808 24 24 24

Continuar a ler

Braga

Trio elétrico da TVI vai andar sem rumo em Vila Verde. Vereador propõe boicote

Polémica

em

Foto: Divulgacao

Estalou (nova) polémica na classe política em Vila Verde, desta vez impulsionada pela presença de um trio elétrico de um programa da TVI no próximo domingo pelas ruas do concelho. A oposição política defende um boicote da população para evitar aglomerados. A Câmara, de executivo PSD, garante que a viatura será escoltada pela GNR e que o itinerário não será divulgado para evitar ajuntamento popular.

Em causa está o programa Somos Portugal, emitido a partir de Lisboa mas que terá uma apresentadora (Rita Pereira) a percorrer as ruas do concelho minhoto com três artistas que darão música ao povo.

O anúncio foi feito ao final da manhã desta sexta-feira através das redes sociais da autarquia. No domingo, o programa regressa a Vila Verde num formato diferente do habitual, face à pandemia de covid-19.

Em Lisboa, promotores do concelho vão mostrar “o melhor do território”, diz a autarquia, enquanto Rita Pereira liderará a viatura em circulação pelo concelho, de forma a mostrar as “magníficas paisagens” de Vila Verde.

Na mesma publicação, a autarquia pede à população que cumpra as normas e evite aglomerados nas ruas, pedindo ainda a utilização de máscara.

 José Morais, vereador sem pelouro do Partido Socialista, veio apelar a um boicote da população, assumindo-se contra o evento por dois motivos: por causa de uma “frágil situação sanitária que pode explodir a qualquer momento” e porque “é difícil controlar o número de presentes dando um sinal errado à sociedade”.

“Não se juntem na rua, não deixemos que o bom nome da nossa terra seja enxovalhado por se verem ajuntamentos. Quem gosta do programa, sugiro que desta vez o acompanhe pela televisão, pela nossa saúde e pelo bom nome da nossa terra”, diz o socialista num vídeo publicado no YouTube.

Na resposta, o chefe de gabinete do presidente da Câmara explica que o itinerário não será divulgado e que duas patrulhas da GNR vão acompanhar o trio elétrico para evitar ajuntamento de pessoas.

Através das redes sociais, Carlos Tiago Alves, ex-líder da JSD de Vila Verde, assegura que não existirá nenhum palco fixo no concelho para este programa que, diz o responsável, serve para “divulgar” as “belas paisagens” através do “programa líder dos domingos à tarde na TV portuguesa”.

Garante que o “camião palco” percorrerá “várias artérias do concelho de Vila Verde, [e que] em momento algum parará, sendo acompanhado por dois carros batedores da brigada de trânsito da GNR”.

Assegura ainda que o formato do programa foi autorizado pela Direção-Geral da Saúde e garante que os vila-verdenses estarão “à altura” do desafio de receber este programa, por sempre terem demonstrado bom desempenho nas fases mais críticas da pandemia.

Continuar a ler

Alto Minho

GNR de Monção alegadamente filmado a importunar sexualmente uma mulher no posto

Abuso sexual

em

Foto: DR

O comandante da GNR de Monção está a ser alvo de um processo interno, na sequência de uma denúncia de alegada “importunação sexual” a uma mulher no interior do posto, disse hoje à Lusa o Comando Geral daquela força.

Em resposta escrita enviada à Lusa, o Comando Geral da GNR acrescentou que a situação também já foi comunicada ao Ministério Público.

“Decorre processo interno para apurar as circunstâncias do ocorrido, tendo o militar em apreço sido transferido preventivamente para a sede do Destacamento Territorial de Valença, nos termos do Regulamento de Disciplina da GNR”, diz o Comando Geral da GNR.

A situação terá sido gravada por uma câmara oculta.

A Lusa contactou também o comando distrital da GNR de Viana do Castelo, que se escusou a qualquer comentário.

Continuar a ler

Populares