Seguir o O MINHO

Região

Investigação da Universidade do Minho entre 75 projetos que receberam apoio de banco espanhol

O investigador principal deste projeto é Agostinho Carvalho.

em

Foto: Divulgação

Uma investigação científica desenvolvida na Universidade do Minho (UMinho) faz parte de um conjunto dos 75 projetos que receberam apoio do banco espanhol “la Caixa”, através da sua fundação, anunciou hoje fonte do promotor. O prémio foi entregue pelo Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, e pelo presidente da Fundação la Caixa”, Isidro Fainé, na passada segunda-feira, em Barcelona.

O projeto de investigação da UMinho, que tem como investigador principal Agostinho Carvalho, visa evitar e melhorar o tratamento das complicações pulmonares por reações alérgicas.

“As pessoas com doença pulmonar obstrutiva crónica (EPOC) têm um elevado risco de desenvolver aspergilose crónica pulmonar, uma reação alérgica ao fungo aspergillus, que se encontra no ar que respiramos. As pessoas sãs não são afetadas, mas a população com patologias prévias está em risco”, é explicado numa nota enviada pela Fundação” la Caixa” a O MINHO.

“Anualmente são diagnosticados em Espanha quatro mil novos casos de aspergilose crónica pulmonar, uma doença com consequências devastadoras para os pulmões. A redução da qualidade vida e a mortalidade é muito elevada”, é ainda dito.

O projeto desenvolvido na UMinho investiga, através de técnicas de sequenciação genética, os mecanismos patogénicos da doença e como varia a resposta do sistema imunitário dos pacientes a esta infeção. O objetivo é identificar novos biomarcadores que indiquem a suscetibilidade a esta infeção dos pacientes com doenças pulmonares anteriores para melhorar a prevenção e o diagnóstico, e o desenvolvimento de terapias personalizadas.

Este ano, a Fundação la Caixa” canalizou 70 milhões de euros para projetos de investigação, mais 40 que em 2016. Foto: DR

A Fundação ”la Caixa”, uma das mais relevantes a nível internacional, é a quarta entidade filantrópica do mundo, e a segunda da Europa, que mais dinheiro canaliza para investigação biomédica, atrás da Fundação Bill e Melinda Gates (EUA), Instituto Médico Howard Hugues (EUA) e Wellcome Trust (Reino Unido).

O banco espanhol “la Caixa”, recorde-se, iniciou este ano a sua implantação em Portugal, na sequência da entrada do BPI no Grupo CaixaBank.

Anúncio

Alto Minho

Família pede ajuda para encontrar septuagenária desaparecida em Valença

Localidade de Santa Luzia

em

Foto: Facebook de Clinica Dr. Vitor Oliveira / DR

As buscas por Fernanda Cruz, a mulher de 78 anos desaparecida, na última segunda-feira, em Valença, foram retomadas, esta quarta-feira de manhã, pela GNR, adiantou a Radio Vale do Minho.

Fernanda terá sido vista, pela última vez, à porta da sua casa, em Santa Luzia, ao final da tarde de segunda-feira e segundo fontes próximas da septuagenária toda a zona circundante à sua habitação terá sido vasculhada pela GNR, até agora, sem indícios que apontem para o seu  paradeiro.

A Cruz Vermelha tem prestado apoio à idosa, ultimamente, já que esta vive sozinha, não tem filhos e sofre de diabetes, assim como de uma doença do foro neurológico.

Familiares e amigos de Fernanda Cruz apelam nas redes sociais para que qualquer informação sobre o seu paradeiro seja comunicado à GNR de Valença.

 

Continuar a ler

Braga

Dois feridos em acidente em Braga

EN 14

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Duas pessoas ficaram feridas, esta terça-feira à noite, após colisão entre dois veículos, na Estrada Nacional (EN) 14, em Vimieiro, Braga.

Ao que O MINHO apurou junto de fonte dos bombeiros, “as vítimas sofreram ferimentos ligeiros”.

No local, estiveram os Bombeiros Sapadores de Braga, com desencarceramento para retirar uma vítima, e o INEM.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

A GNR Braga tomou conta da ocorrência.

Continuar a ler

Braga

Joaquim Barreto e Ricardo Costa na corrida à Federação de Braga do PS

Política

em

Foto: DR/Arquivo

O deputado Joaquim Barreto e o vereador na Câmara de Guimarães Ricardo Costa já anunciaram a sua candidatura à liderança da Federação Distrital de Braga do PS, nas eleições marcadas para 14 de março.

Joaquim Barreto preside à Federação do PS desde 2014 e candidata-se a um novo mandato, com o slogan “Primeiro o distrito. Primeiro o partido”.

Já Ricardo Costa, na primeira vez que concorre à Federação, escolheu o slogan “Todos como um. Todos um”.

Em relação ao mandato que agora está a terminar, Barreto destaca a vitória do PS em Braga nas eleições Europeias e nas Legislativas.

Neste último caso, refere que, a seguir ao Porto, Braga foi o distrito em que o PS mais cresceu em número de votos, elegeu mais um deputado do que em 2015.

Já Ricardo Costa coloca o foco nas autarquias, sublinhando que o PS “apenas” governa 4 dos 14 concelhos do distrito de Braga.

Diz ainda que, nas Autárquicas de 2017, em seis concelhos do distrito houve listas independentes protagonizadas por dissidentes do Partido Socialista, designadamente em Barcelos, Cabeceiras de Basto, Celorico de Basto, Póvoa de Lanhoso, Vizela e Fafe.

Ricardo Costa lembra ainda que, dos 4 atuais presidentes de Câmara do PS, dois foram escolha da Direção Nacional do partido, “contra a vontade da Federação”.

A esta leitura, Joaquim Barreto responde com a mensagem de apoio de Ricardo Costa quando, em 2018, se candidatou a um novo mandato à frente da Federação.

“Se as Autárquicas foram em 2017 e se o cenário foi assim tão negro, como se compreende o testemunho de apoio que [Ricardo Costa] publicou em 2018?”, refere Barreto.

Ricardo Costa alude ainda à avocação, pela Direção Nacional do PS, da lista de deputados pelo círculo de Braga, considerando que é reveladora dos “erros e da falha da estratégia” da Federação na coordenação do processo.

Para as eleições de 14 de março, Barreto diz que conta com o apoio dos presidentes de 11 das 14 concelhias, sendo as exceções Barcelos, Vila Verde e Famalicão.

Ricardo contrapõe que a sua candidatura é “das bases”, de cada militante do PS, e lembra que “o voto do militante mais prestigiado vale tanto como o voto do militante mais anónimo e desconhecido”.

Continuar a ler

Populares