Seguir o O MINHO

Alto Minho

Internacionalização da WestSea deve começar por África

em

O presidente da West Sea anunciou hoje a aquisição, “ainda este ano”, de uma participação num estaleiro em África como forma de iniciar a estratégia de internacionalização da subconcessionária dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC).

“O ano da internacionalização será 2016. No entanto, pensamos que ainda este ano poderemos anunciar a entrada na gestão de um estaleiro num país do continente africano”, disse Carlos Martins.

O empresário falava durante a cerimónia que assinalou um ano desde que a West Sea, empresa do grupo Martifer, assumiu a subconcessão dos terrenos e infraestruturas dos ENVC.

“Os estaleiros de Viana do Castelo só poderão afirmar-se se estiverem ligados em rede a outros estaleiros, de forma a responderem a três fatores fundamentais: Proximidade, especialização e conhecimento. Julgo que estamos a dar os passos certos”, adiantou.

Adiantou que a empresa tem atualmente 520 trabalhadores, 200 dos quais funcionários da West Sea, e os restantes subcontratados.

Das duas centenas de trabalhadores que já contratou, 80% são antigos funcionários dos ENVC.

No último ano, Carlos Martins afirmou que os estaleiros procederam a 37 reparações e reconversões de navios oriundos de todo o mundo, estando atualmente “com a capacidade esgotada com seis navios e na próxima semana entram mais dois”.

“O mês de maio terá sido o melhor mês de reparação naval deste estaleiro em toda a sua vida que são 70 anos e o mês junho será ainda melhor, o que significa que nesta área estamos no bom caminho e que o tempo está a ser recuperado”, frisou.

Já na construção naval a empresa têm em carteira dois navios-hotel, uma encomendada pela Douro Azul, e a outra para a Scenic Cruises, ambas “em construção”.

O contrato para a construção do navio – hotel para a empresa de Mário Ferreira foi assinado em dezembro último e representa um investimento de 12 milhões de euros.

Carlos Martins adiantou que ainda este ano espera “assinar novos contratos que nos permitam preencher o currículo das áreas como definimos como estratégicas. Navios hotel de média dimensão, Navios Patrulha Oceânicos (NPO) e navios associados à produção de energia”.

O presidente da West Sea adiantou que no primeiro ano de subconcessão dos terrenos e infraestruturas dos ENVC foram “investidos três milhões de euros na melhoria das instalações e compra de equipamento”.

Anúncio

Viana do Castelo

Lobo ibérico fotografado em Viana

Um dos últimos 30 lobos do Alto Minho

em

Foto: Facebook de José Morais

Um exemplar de lobo ibérico foi fotografado na floresta do Outeiro, no concelho de Viana do Castelo, por um autarca, que divulgou as fotos nas redes sociais.

José Morais, presidente da Junta de Outeiro, explica que esta foi a primeira vez que um exemplar desta espécie ameaçada foi avistada naquela serra, já próxima de aglomerados habitacionais.

Lobo ibérico em Outeiro. Foto: Facebook de José Morais

Lobo ibérico em Outeiro. Foto: Facebook de José Morais

Lobo ibérico em Outeiro. Foto: Facebook de José Morais

De acordo com os números do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO) da Universidade do Porto, consultados por O MINHO, este poderá ser um dos últimos 30 elementos remanescentes das seis (ou sete) alcateias que ainda existem no distrito de Viana do Castelo, possivelmente vindo da Serra de Arga.

Em toda a zona Norte, existem cerca de 300 lobos, grande maioria concentrada na sub-região de Trás-Os-Montes, entre o rio Douro e Espanha (total de 54 alcateias).

Lobo ibérico em Outeiro. Foto: Facebook de José Morais

Lobo ibérico em Outeiro. Foto: Facebook de José Morais

Lobo ibérico em Outeiro. Foto: Facebook de José Morais

No distrito de Viana, e sob monitorização da CIBIO, são seis alcateias: Soajo, Vez, Peneda, Boulhosa, Cruz Vermelha [Paredes de Coura] e Serra de Arga.

As mais estáveis estão em Soajo e na Peneda, no concelho de Arcos de Valdevez, já dentro do coração do Parque Nacional Peneda-Gerês.

As que estão em maior risco são as de Paredes de Coura, que já chegaram a desaparecer durante 15 anos, regressando em 2010.

Habitualmente, algumas dessas alcateias são fotografadas no seu próprio habitat, sobretudo por alguns fotógrafos que passam vários dias à espera do momento perfeito para captar os canídeos, como é o caso de João Ferreira.

Desta vez, a fotografia foi captada já perto da civilização, o que pode representar perigo para o animal.

Em 2018, em Paredes de Coura, um exemplar destes lobos foi encontrado cadáver com um tiro na nuca.

Continuar a ler

Alto Minho

Provedoras de Cerveira e Tomiño (Galiza) distinguidas por “boa prática” de cidadania

A entrega do prémio teve lugar em Iztapalapa, México

em

Foto: Arquivo

O projeto da Provedoria Transfronteiriça Cerveira-Tomiño, criado em 2017 pela eurocidade constituída pelos dois municípios vizinhos recebeu hoje, no município de Iztapalapa, México, uma menção honrosa por “Boa Prática em Participação Cidadã 2019”.

Em comunicado feito, esta quarta-feira, a eurocidade constituída por Vila Nova de Cerveira, no distrito de Viana do Castelo, e Tomiño, na Galiza, adiantou que a distinção foi atribuída pelo Observatório Internacional da Democracia Participativa (OIDP), criado em 2001 e constituído por mais de 800 vilas, cidades e organizações de todo o mundo.

“A eurocidade Cerveira-Tomiño apresentou a experiência das provedoras transfronteiriças como um instrumento impulsionador da participação cidadã. Na fundamentação da candidatura destacou-se que apesar das fronteiras físicas terem sido banidas da União Europeia, ainda persistem muitas fronteiras burocráticas que impedem uma cooperação eficaz entre as comunidades locais”, explica a nota.

Para os dois concelhos vizinhos, “a existência de instituições pioneiras de carácter transfronteiriço como as provedoras ou o Orçamento Participativo Transfronteiriço facilitam o a cidadania com o objetivo de construir eurocidadania e zonas francas sociais com maior igualdade e melhor qualidade de vida”.

Continuar a ler

Alto Minho

PSD quer saber “qual o ponto da situação” da inspeção da ACT de Viana na Kyaia

Trabalhadores queixam-se de fazer 20 minutos extra para compensar pausas para lanche

em

Foto: Divulgação

O PSD questionou hoje o Governo sobre “qual o ponto” de situação da inspeção da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) de Viana do Castelo na Kyaia quanto ao “diferendo” sobre pausas para descanso.

Numa questão dirigida à ACT e ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, os deputados Emília Cerqueira, Jorge Mendes e Eduardo Teixeira explicam que a administração daquela empresa de calçado, sediada em Guimarães, mas com unidade de produção em Paredes de Coura há 31 anos, “introduziu unilateralmente”, em 08 de outubro, duas pausas de dez minutos.

Segundo os deputados, “a introdução de tais pausas é até desejável, dada a sua influência na melhoria das condições de prestação do trabalho,” mas “em consequência, a entidade patronal está a exigir aos trabalhadores a prestação de 20 minutos de trabalho suplementar com vista a compensar essas pausas”.

Os deputados referem ainda que lhes foi transmitido, numa reunião com os trabalhadores, que aqueles que “se recusam a prestar esses 20 minutos de trabalho têm visto esse tempo descontado na sua remuneração mensal” e que “desta situação foi dado conhecimento à ACT”.

Por isso, o PSD questionou a ACT e o ministério da tutela sobre qual o ponto de situação da ação inspetiva levada a cabo pelo ACT de Viana do Castelo relativamente ao diferendo que opõe “os trabalhadores da empresa e a administração”.

A empresa Kyaia emprega cerca de 350 pessoas, produzindo três marcas de calçado, sendo que o horário de trabalho na empresa sempre foi praticado em dois períodos, um de manhã das 8:30 às 12:30 e o período da tarde das 13:30 às 17:30, prestados de forma contínua.

Continuar a ler

Populares