Seguir o O MINHO

País

Infraestruturas de Portugal lança aplicação para reduzir morte de animais nas estradas

Entre 2005 e 2019, morreram 81.972 animais nas estradas portuguesas

em

Foto: Arquivo

A Infraestruturas de Portugal (IP) lançou hoje a aplicação Life Lines, que, através do registo do atropelamento de animais, vai permitir perceber onde é preciso agir e implementar medidas para diminuir as mortes e conservar a biodiversidade.

“A aplicação vai permitir saber onde existe maior atropelamento de animais para tomarmos medidas mais eficazes e conseguirmos reduzir as mortes”, explicou a bióloga da direção de engenharia da IP, Graça Garcia, numa apresentação na sede da empresa, em Almada, no distrito de Setúbal.

Com a ajuda dos cidadãos, a informação registada sobre a morte de um animal, em qualquer estrada do país, vai ser incluída numa base de dados já existente, uma vez que a IP dinamiza o projeto Life Lines desde 2014, com várias iniciativas de preservação da natureza.

A ferramenta digital foi desenvolvida em parceria com a Universidade de Évora e, segundo o coordenador do projeto na instituição, António Mira, além de mitigar efeitos negativos, pretende-se “sensibilizar as pessoas e envolvê-las”.

De acordo com o responsável, entre 2005 e 2019, morreram 81.972 animais nas estradas portuguesas, com maior incidência em anfíbios, aves e mamíferos.

“As mortes acontecem mais no outono e afetam sobretudo animais de pequena dimensão, como os anfíbios. Há uma mortalidade em massa, mas passam despercebidos por serem pequenos. As pessoas questionam porque andamos a gastar dinheiro a salvar rãs e sapos, mas estes animais são importantes, por exemplo, para evitar pragas”, frisou.

Ainda assim, como sublinhou Graça Garcia, “não é só a segurança dos animais que está em causa, mas também das pessoas, para evitar acidentes”.

O Life Lines tem vindo a ser testado no Alentejo Central e dinamizou várias medidas para “minimizar o efeito barreira que as estradas criam aos habitats” de corujas, anfíbios ou mamíferos, que podem posteriormente ser replicados onde for necessário, segundo a bióloga.

No caso das aves, foram colocadas barreiras de rede e vegetação arbustiva para que voem mais alto, assim como refletores que expandem a luz dos faróis na direção das áreas exteriores à via.

Já para os animais terrestres, foram implementadas passagens hidráulicas e vedações que os encaminham para as mesmas, além de um sinal de trânsito “inovador” em Portugal, que alerta os condutores de que estão num troço com grande risco de atropelamento de anfíbios.

A aplicação já está disponível para ‘download’ no Google Play, é gratuita e permite registar a mortalidade de um animal em qualquer estrada do país, a espécie, o sexo, a idade, as coordenadas GPS e fotografias, no entanto, se o condutor não souber nenhuma destas informações, existe a opção “não sei”.

Além da IP e da Universidade de Évora, também cooperaram neste projeto os municípios de Évora e Montemor-o-Novo e a ONG Marca – Associação de desenvolvimento Local.

Anúncio

País

Grupo Fosun traz da China um milhão de máscaras e 200 mil testes

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / DR

O grupo Fosun vai entregar no imediato 700 mil máscaras e 200 mil testes para despiste da covid-19 ao Serviço Nacional de Saúde (SNS), enviados diretamente da China num avião proveniente de Xangai, foi hoje anunciado.

“O grupo Fosun mandou diretamente da China cerca de 180 metros cúbicos de equipamentos, onde se incluem um milhão de máscaras para uso pelos profissionais de saúde, das quais 700 mil serão entregues de forma imediata ao SNS, que os adquiriu, bem como 200 mil testes desenvolvidos pelo departamento médico da Fosun, a Fosun Pharma, que têm certificação CE”, refere a companhia em comunicado.

Segundo adianta, este primeiro avião proveniente de Xangai “transporta também equipamentos de proteção individual para profissionais de saúde que serão doados ao Estado português pelo grupo Fosun, bem como testes de despiste da covid-19, com o apoio da Luz Saúde, do Millennium bcp e da Fidelidade”.

“Com este donativo a Fosun reafirma, assim, o seu compromisso estratégico com Portugal” e o empenho “em contribuir para prevenir e controlar esta epidemia no contexto internacional”, refere a empresa, salientando que, “perante a enorme escassez de equipamentos médicos, a logística tornou-se no mais complexo dos problemas que os Estados têm de ultrapassar para combater a propagação deste vírus”.

Segundo recorda, no âmbito da segunda fase das suas operações contra a pandemia de covid-19, desde 22 de março que a Fosun tem vindo a distribuir equipamentos de proteção médica “para ajudar na luta dos países com rápido surto epidémico, nomeadamente Itália, Japão, Coreia do Sul, Índia, Reino Unido, França e, agora, Portugal”.

“Como empresa global com raízes na China, esperamos poder fazer a nossa parte para ajudar o mundo a vencer a luta contra o novo coronavírus o mais rápido possível”, sustenta.

Citado no comunicado, o presidente da Fosun International recorda que “a Fosun desenvolve a sua presença há muitos anos em Portugal”, país que se tornou na sua “segunda cidade natal”.

“No momento da epidemia, a Fosun juntou-se às empresas do grupo em Portugal para manter uma estreita comunicação com o Governo português para fornecer um apoio total à luta local contra a epidemia”, refere Guo Guangchang.

Por sua vez, Jorge Magalhães Correia, ‘global partner’ do grupo Fosun, diz que “as participadas do grupo Fosun em Portugal têm trabalhado de forma muito próxima com as autoridades de saúde portuguesas e estarão sempre disponíveis para aprofundar esta colaboração em proveito de todos os portugueses”.

“Em nome do grupo Fosun quero agradecer ao Governo a forma eficiente como permitiu agilizar esta operação e agradeço também à Groundforce, à ANA Aeroportos e aos seus colaboradores as facilidades operacionais disponibilizadas”, refere, agradecendo ainda à TAP por “ter acautelado em tempo recorde todos os requisitos legais e regulamentares para a realização, em total segurança, desta operação via Xangai, um destino para o qual nunca voou”.

Cotada desde 2007 no índice principal da Bolsa de Valores de Hong Kong (00656:HK), a Fosun International Limited foi fundada em 1992 por cinco estudantes da Universidade de Fudan e opera em três linhas de negócio: saúde, felicidade e património.

Um novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 667.000 pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 31.000.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril. O decreto do governo do estado de emergência entrou em vigor às 00:00 do dia 21 de março.

O país regista 140 mortes associadas à covid-19 e 6.408 infetados, segundo o boletim epidemiológico de hoje da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Continuar a ler

País

Mais de 36.000 testes realizados até 25 de março, diz secretário de Estado

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Laboratórios públicos e privados já realizaram, até 25 de março, 36.677 testes à covid-19, anunciou hoje o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales.

“A capacidade laboratorial tem aumentado ao longo da epidemia” de covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus, com um “crescimento expressivo do número de testes” desde 15 de março, tendo no dia 25 de março sido analisadas 5.100 amostras, disse o secretário de Estado na conferência de imprensa diária para atualização de informação sobre a pandemia de covid-19, que já provocou 140 mortos em Portugal.

António Lacerda Sales ressalvou, no entanto, que os dados disponíveis são ainda provisórios.

O secretário de Estado adiantou ainda que no âmbito do reforço de capacidade vão chegar esta semana a Portugal mais, 200.000 testes, que se somam aos 66.000 recebidos na semana passada, incluídos em abastecimentos que incluem também equipamento de proteção individual destinado a profissionais.

Continuar a ler

País

PSP aguarda que PGR clarifique situações de crime de desobediência

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A PSP aguarda que a procuradora geral da República (PGR) clarifique as situações de crime de desobediência durante o estado de emergência devido à covid-19, devido aos diferentes entendimentos dos magistrados sobre a validação das detenções.

Num documento oficial da PSP, a que a agência Lusa teve hoje acesso, é referido que a polícia está em contacto com a PGR, que está a elaborar uma diretiva para o Ministério Público sobre as situações de desobediência, à luz dos artigos 3.º e 5º. do decreto lei 2-A-2020 do estado de emergência.

O artigo 3.º determina o confinamento obrigatório e o artigo 5.º refere-se ao dever geral de recolhimento domiciliário.

No mesmo documento é sustentado que a PSP considera que o crime de desobediência não se verifica apenas nas situações em que os cidadãos violam o artigo 3.º, no qual é obrigatório o confinamento a quem está infetado com o vírus da covid-19 e a todos a quem as autoridades de saúde tenham determinado a vigilância ativa.

A violação do artigo 5.º do decreto-lei, que determina que só é possível circular em espaços e vias públicas para comprar bens essenciais, para ir às farmácias, para trabalhar, por motivos de saúde, para fazer atividade física de curta duração (passeios higiénicos) e para passear animais de estimação, entre outras razões, também configura um crime de desobediência, no entendimento da PSP.

Os magistrados judiciais e os do Ministério Público têm entendimentos diferentes da lei e, na última semana, um juiz de instrução criminal de Santarém considerou ilegal a detenção de jovens que estavam na via pública e ordenou a sua libertação imediata.

No despacho judicial é referido que o Ministério Público, apesar de considerar que os jovens violaram o dever geral de recolhimento domiciliário, entendeu que a polícia devia conduzir as pessoas ao seu domicílio e não detê-las por desobediência.

“Nota-se pois que o legislador não incluiu a violação do artigo 5.º no âmbito das situações nas quais as forças de segurança podem cominar [impor uma pena] e participar por crimes de desobediência”, escreveu o juiz de instrução no despacho, a que a agência Lusa teve acesso.

“Deve entender-se que tal omissão foi intencional e que o legislador não quis que a violação desta norma fosse criminalmente punida”, acrescentou o magistrado.

Magistrados de outras comarcas têm validado as detenções por desobediência e condenado os arguidos.

As forças de segurança detiveram 70 pessoas por crime de desobediência na última semana, no âmbito do estado de emergência, informou no domingo o Ministério da Administração Interna.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril. O decreto do governo do estado de emergência entrou em vigor às 00:00 do dia 21 de março.

Um novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 667 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 31.000.

Portugal regista 140 mortes associadas à covid-19 e 6.408 infetados, segundo o boletim epidemiológico de hoje da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Continuar a ler

Populares