Seguir o O MINHO

Alto Minho

Incêndios. Mais de 100 bombeiros combatem fogo no Alto Minho

em

Cerca de 60 homens, apoiados por 19 viaturas combatem um incêndio que deflagrou está quarta-feira, cerca das 14:34, em zona de mato, na freguesia de Dem, em Caminha.


Segundo o vice-presidente da Câmara de Caminha, Guilherme Lagido “o fogo tem uma frente ativa grande e o vento terrível que se faz sentir na zona está a dificultar o trabalho dos operacionais no terreno”.

De acordo com aquele responsável, “o incêndio deflagrou em Gondar e passou para a freguesia vizinha de Dem”.

Contactada pela agência Lusa cerca das 19:30, fonte do Comando Territorial da GNR de Viana do Castelo afirmou que se mantém o corte da Estrada Municipal 526, que une as duas localidades, iniciado cerca das 15:33.

No concelho de Viana do Castelo, segundo o comandante dos Bombeiros Municipais, António Cruz, cerca das 19:50 “25 bombeiros combatiam um incêndio, em zona de mato, na freguesia de Carvoeiro que teve origem em Poiares, no concelho vizinho de Ponte de Lima”.

António Cruz apontou “o vento forte como a principal dificuldade que os operacionais estão a enfrentar”.

À Lusa, fonte dos bombeiros de Ponte de Lima adiantou que as chamas deflagraram às 17.38, em Poiares. Cerca das 20:00 o fogo mobilizava 48 homens de várias corporações.

Anúncio

Alto Minho

Ponte de Lima cria pontos de aterragem de helicópteros para incêndios e resgates

Proteção Civil

em

Foto: Divulgação / CM Ponte de Lima

O concelho de Ponte de Lima passa a contar com dois pontos de aterragem para helicópteros em zonas junto ao Caminho de Santiago, de forma a evacuar peregrinos feridos ou em risco e para ajudar brigadas aéreas no combate a incêndios.

Em comunicado, a autarquia do Alto Minho dá conta de uma necessidade existente de “criar estratégias preventivas face às situações de perigo” que os peregrinos correm quando atravessam aquele concelho.

Os incêndios florestais que assolaram floresta limiana e o aumento de peregrinos ao longo dos últimos anos fez com que a Câmara  avançasse com estes novos pontos, situados na freguesia de Labruja.

“Estes locais poderão ser utilizados em caso de necessidade de evacuação ou socorro de peregrinos assim como para as brigadas helitransportadas, possibilitando desta forma uma primeira intervenção mais rápida [nos incêndios]”, explica o documento..

“Estas infraestruturas, não impedem que os peregrinos cumpram as normas de segurança adequadas à atividade, especialmente quando circulam sozinhos e que tenham especial atenção nos dias de risco de incêndio elevado”, alerta ainda a autarquia.

Continuar a ler

Alto Minho

Arcos de Valdevez decreta luto municipal pela morte do bispo de Viana

Óbito

em

Foto: Divulgação / Diocese de Viana do Castelo

A Câmara Municipal de Arcos de Valdevez expressou hoje publicamente “profundo pesar e consternação” pelo “trágico desaparecimento” de D. Anacleto Oliveira, na sexta-feira, vítima de acidente de viação.

Numa nota enviada à Lusa, a Câmara Municipal de Arcos de Valdevez sublinha que D. Anacleto Oliveira, bispo da Diocese de Viana do Castelo foi “uma personalidade marcante para a vida das populações de Arcos de Valdevez e do Alto Minho, pela sua capacidade intelectual e espiritual, simplicidade, humildade, dialogante e proximidade”.

A Câmara Municipal de Arcos de Valdevez refere ainda ter decretado luto municipal no dia do funeral.

O bispo de Viana do Castelo, Anacleto Oliveira, morreu na sexta-feira, aos 74 anos, na sequência do despiste do automóvel que conduzia na Autoestrada do Sul (A2) perto de Almodôvar, no distrito de Beja.

A Câmara Municipal de Viana do Castelo decretou dois dias de luto municipal pela morte do bispo Anacleto Oliveira.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, numa nota divulgada pela Presidência, lamentou a morte “repentina e trágica” do bispo Anacleto Oliveira e apresentou “sentidas condolências” à sua família e à Igreja Católica.

Continuar a ler

Alto Minho

Minhotos e galegos unidos contra o lítio na ponte de Cerveira

em

Foto: Facebook de SOS Serra d'Arga

O movimento SOS Serra d`Arga, no Alto Minho, e associações da Galiza instalaram, este sábado, faixas de protesto nas duas margens do rio Minho, em Vila Nova de Cerveira e Tomiño, contra a eventual exploração lítio naquela região portuguesa.

Foram instaladas duas lonas pretas e amarelas, com seis metros de comprimento e 1,6 metros de largura, onde ser podia ler a frase “Minho unido contra as Minas”, escrita em português e galego.

Uma das faixas ficou instalada do lado português do rio Minho, em Vila Nova de Cerveira, e a outra, no lado espanhol, em Tomiño.

Foto: Facebook de SOS Serra d’Arga

Foto: Facebook de SOS Serra d’Arga

Foto: Facebook de SOS Serra d’Arga

Foto: Facebook de SOS Serra d’Arga

A ação “simbólica” decorreu este sábado, a partir das 10:00, na ponte da Amizade, que liga Vila Nova de Cerveira a Tomiño, na província de Pontevedra, e pretendei “mostrar publicamente a união das duas regiões na defesa de um património comum, o rio Minho, que poderá estar em causa se o projeto de mineração que o Governo português pretende implementar fora para a frente”.

O “ato simbólico de união das populações e autarquias das margens do Rio Minho” pretende ainda mostrar “a consternação e rejeição que assola os portugueses perante um projeto de fomento mineiro altamente lesivo para as gerações presentes e futuras é comum a milhares – senão milhões – de cidadãos galegos, cuja vida económica, social e cultural é construída em torno deste eixo de conexão transfronteiriça”.

O movimento SOS Serra d`Arga tem vindo a promover, desde agosto, “contactos diretos com várias associações galegas, no sentido de delinear ações de sensibilização e apelo popular para o envolvimento numa causa que é comum”.

A iniciativa foi promovida pelo movimento SOS Serra d`Arga, em parceria com a Asociación Naturalista do Baixo Miño (ANABAM), Centro Social Fuscallo e a A Jalleira (Asociación Forestal e de Educación Ambiental), com o apoio das autarquias de Vila Nova de Cerveira e Tomiño.

A serra d`Arga abrange uma área de 10 mil hectares, nos concelhos de Caminha, Vila Nova de Cerveira, Paredes de Coura, Viana do Castelo e Ponte de Lima, dos quais 4.280 se encontram classificados como Sítio de Importância Comunitária.

Aqueles cinco municípios têm em curso o projeto “Da Serra d`Arga à Foz do Âncora”, liderado pela Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho, que visa a classificação da Serra d`Arga como Área de Paisagem Protegida de Interesse Municipal.

Em julho de 2019, o Governo decidiu “excecionar” o sítio Rede Natura 2000 Serra d`Arga do conjunto de áreas a integrar no concurso para a prospeção de lítio, mas o porta-voz do movimento SOS Serra d`Arga, Carlos Seixas, assegurou em janeiro que se mantém a pretensão de exploração mineira naquela serra.

Segundo a proposta de Orçamento do Estado, o Governo quer criar em 2020 um `cluster` do lítio e da indústria das baterias e vai lançar um concurso público para atribuição de direitos de prospeção de lítio e minerais associados em nove zonas do país.

Devem ser abrangidas as áreas de Serra d`Arga, Barro/Alvão, Seixo/Vieira, Almendra, Barca Dalva/Canhão, Argemela, Guarda, Segura e Maçoeira.

Continuar a ler

Populares