Seguir o O MINHO

Região

Imagens da trovoada: Relâmpagos e arco-íris em simultâneo? Aconteceu em Braga

FOTOGALERIA

em

Foram várias as imagens partilhadas nas redes sociais, este domingo à noite, depois dos espetáculos de trovoada que iluminaram o céu em toda a região do Minho.


Vista de Santa Luzia, Viana do Castelo. Foto: FOTO LIVRE / Paulo & Sérgio / Facebook

Braga. Foto: Facebook de Freguesia de S. Victor – Braga

Foto: Facebook de Maria Costa no Grupo das Taipas

Ponte de Lima. Foto: Facebook de Rafael Ferreira

Braga. Foto: Fábio Machado (enviada a O MINHO)

Falha de iluminação força paragem no jogo Gil Vicente-Braga

No jogo de futebol da I Liga portuguesa entre o Gil Vicente e o SC Braga, em Barcelos, essa trovoada terá sido a causa da interrupção de quase meia hora no encontro, depois de o estádio ter ficado sem iluminação.

Anúncio

Braga

“Momento raro”. Cria de lobo-ibérico fotografada no Gerês

Fotografia

em

Foto: Carlos Pontes / Todos os direitos reservados ao autor

Um momento raro. Uma cria de lobo-ibérico deixou-se fotografar numa “armadilha”, em pleno Parque Nacional Peneda-Gerês. A autoria é do fotógrafo e videógrafo de natureza Carlos Pontes, que já colaborou com a National Geographic.

O barquense conta que, nesta que é a “reta final de mais uma época de cria de lobo”, teve mais uma jornada de “aventuras diárias entre lobos”, decidindo apostar na “fotoarmadilhagem”.

Carlos conta que o lobo é “a espécie mais complicada de trabalhar na nossa fauna” por ser “esquivo e super desconfiado” e “um animal sem rotinas e essencialmente noturno ou crepuscular”. Mas essas características não esmoreceram o autor.

Um grande conhecimento da espécie e do terreno, uma montagem de set fotográfico muito cuidado, e acima de tudo sorte, muita sorte, foram condimentos para o resultado final, que deixou o autor em êxtase.

Carlos Pontes em trabalhos no PN Peneda-Gerês. Foto: Facebook de Carlos Pontes

Depois de montado o ‘estúdio’ improvisado, retirou-se com o amigo João Cosme, companheiro da ‘luta’ em busca dos melhores momentos.

Carlos explica que, de manhã, pouco depois das 05:30, percebeu que as crias tinham saído da “área de cria”, e movimentavam-se já sozinhas. “A sua localização é sempre uma incógnita, aparecem e desaparecem como fantasmas”, classifica.

“Ainda com muito pouca luz e a caminho do local numa zona menos provável, o Cosme alerta-me para uma cria de lobo que sem se aperceber de nós, fazia um trajeto sozinha”, diz.

Sem grande tempo para puxar do material adequado, Carlos tirou o telemóvel do bolso e filmou “aquele momento para recordação”. O lobo seguiu o seu caminho e os dois aventureiros, “sem perder tempo”, avançaram para o posto de observação.

“Caminhava em pulgas para chegar a fotoarmadilhagem e confirmar se tinha ou não lobos nas imagens, pois tinha passado a noite a imaginar como ficavam bem naquele cenário, enquadramento e luz”, explica.

“Quando chegamos ao local e verifico a máquina, nem queria acreditar: uma sensação indescritível ver aquelas imagens pela primeira vez”, diz, com o devido entusiasmo de quem encontrou, por exemplo, um filão de ouro no rio ou um oásis no deserto.

Cria de lobo ibérico captada por Carlos Pontes. Foto: Carlos Pontes / Todos os direitos reservados ao autor

Cerca de uma hora depois de ter confirmado os registos de lobo na fotoarmadilhagem, uma das crias voltou a surpreender, surgindo à vista de ambos, a poucos metros de distância: “levanta a cabeça e começa a uivar mesmo à nossa frente”.

Carlos Pontes sentiu “um arrepio na espinha”. Uma “sensação única que jamais algum de nós esquecerá”.

Está fotografia mostra também uma dura realidade para os lobos, uma doença que tem, ao longo dos últimos anos, afetado várias alcateias.

“Há cerca de 12 anos que sigo de perto estes animais míticos e a sarna sarcóptica (Sarcoptes Scabiei) é infelizmente uma constante”, confidenciou o autor a O MINHO.

“Neste caso, ao que tudo indica, afetou apenas alguns membros, mas por diversos fatores, o parasita pode tornar-se fatal para os animais mais débeis”, esclareceu.

Trabalhos com a National Geographic e documentários em Ponte da Barca

Em 2016, uma fotografia de Carlos Pontes mereceu destaque na edição portuguesa da National Geographic, depois do fotógrafo ter estado algum tempo a seguir os movimentos de uma alcateia no Parque Nacional da Peneda-Gerês.

Escreve a revista que Carlos “conseguiu decifrar os hábitos desta fêmea adulta”, referindo-se a uma fêmea alfa que estaria prenhe.

“Esta fotografia ganhou para mim muito mais valor quando me apercebi de que estava perante um animal que carrega a responsabilidade de seguir a linhagem de um grupo de espécies das mais sensíveis que temos”, comentou Carlos Pontes.

Lobo-ibérico no Gerês. Foto: Carlos Pontes / National Geographic

Outro raro momento que Carlos Pontes não esquece aconteceu na neve, quando conseguiu captar um macho que caminhava de ‘pantufas’ brancas em pleno Parque Nacional.

Lobo na neve do Gerês. Foto: Carlos Pontes / Todos os direitos reservados ao autor

Lobo na neve do Gerês. Foto: Carlos Pontes / Todos os direitos reservados ao autor

Há cerca de três meses, Carlos Pontes apresentou um vídeo promocional de verão sobre a vila de Ponte da Barca, “terra” que o “viu crescer”, “estimulou este gosto pelo mundo natural” e  “impulsionou para esta profissão”.

“Esta é apenas uma pequena mostra do imenso potencial deste território, com mais de metade da sua área dentro do PNPG e fazendo parte da reserva mundial da biosfera. Ponte da Barca tem inúmeras razões para ser visitada”, afirma Carlos Pontes.

Por entre as filmagens encontra-se o maior aglomerado de espigueiros da Península Ibérica, em Lindoso, os “magníficos socalcos” de Ermida e a “sua” Branda de Bilhares, os trilhos icónicos do PNPG, os fojos do lobo, a ecovia ao longo do rio Lima e os vários desportos integrados na natureza.

Estas imagens de Carlos Pontes deram um documentário sobre vida selvagem, ao bom estilo da BBC, produzido pela autarquia local.

Ponte da Barca já tem um documentário de vida selvagem. E é um encanto

Mal ‘estalou’ a pandemia de covid-19 em Portugal, o Município de Ponte da Barca divulgou em primeira mão, nas redes sociais, o documentário promocional sobre a biodiversidade do concelho.

Lobo-ibérico no PN Peneda-Gerês. Foto: Carlos Pontes / Todos os direitos reservados ao autor

Quem é Carlos Pontes?

Um apaixonado pela fotografia de fauna selvagem. Natural de Ponte da Barca, desde criança que tem contacto com o Parque Nacional Peneda-Gerês (PNPG), não só com a área inserida em Ponte da Barca mas também em Arcos de Valdevez e Melgaço, zonas com as quais mais se identifica.

Aos 35 anos, é hoje considerado um autor diferenciador dos animais e paisagens do PNPG. Esteve sempre em contacto com serras e animais, enquanto se formou em design e buscou conhecimentos em biologia. Com grande habilidade técnica no mundo da natureza e fotografia, estuda teoria e prática sobre as áreas e espécies que fotografa.

Carlos Pontes em trabalhos junto ao rio Vez. Foto: Luís Fernandes

Venceu alguns prémios em concursos nacionais de fotografia, colaborou com documentários de vida selvagem transmitidos pela televisão portuguesa e colaborou em publicações da National Geographic

Mais recentemente, colaborou como câmara no novo projeto “DEHESA – el bosque del lince” do aclamado produtor e realizador de filmes de natureza, Joaquin Gutierrez Acha.

Esta produção, sobre sobre Portugal e Espanha é da autoria de um dos melhores realizadores da Europa onde só entram dois portugueses: Carlos Pontes e João Cosme.

“Conhecer Carlos Pontes é perceber que o seu ADN é marcado pelas serras e os animais, particularmente o lobo-ibérico (canis lupus signatus)”, diz a biografia que o autor partilhou com O MINHO.

Desde os nove anos que vê lobos em estado selvagem, mas desde os vinte anos que começou a mostrar mais interesse. Os lobos são, hoje, a sua “principal fonte de inspiração”.

‘Set’ improvisado no monte por Carlos Pontes. Foto: Facebook de Carlos Pontes

Através de exposições, Carlos Pontes quer ajudar a valorizar o lobo como “um elemento crucial não só da biodiversidade regional, mas também da identidade cultural e tradição populares”.

“Desmistificar a falsa ideia do lobo mau pode permitir que as entidades governativas da região vejam na sua imagem e no rico património cultural a ele associado no contexto ibérico uma mais valia para o desenvolvimento económico e turístico”, refere o autor.

Continuar a ler

Alto Minho

Casal agredido na rua em Paredes de Coura por causa de um cão sem trela

Agressões

em

Foto: DR / Arquivo

Um homem de 55 anos e uma mulher de 44 sofreram ferimentos na sequência de agressões na via pública, esta noite de quarta-feira, em Paredes de Coura.

O casal terá sido agredido depois de tentar fotografar dois homens, irmãos, que seguiam com um cão sem trela, dá conta a Rádio Vale do Minho.

A contenda aconteceu na freguesia de Bico, cerca das 19:30, quando o casal foi buscar água a um monte. “Passaram dois indivíduos, que são irmãos, com um cão sem a respetiva trela”, disse a GNR à mesma fonte.

“A senhora, começou então a fotografar os indivíduos e o respetivo animal (…). Os dois indivíduos não gostaram de ser fotografados. Esperaram pelo casal na base do monte e foi então que tudo aconteceu”, disse a autoridade.

Pelo menos um dos agressores já estará identificado pela polícia.

O homem agredido foi transportado para os serviços de oftalmologia do Hospital de Braga com “bastantes lesões na face”, disse fonte dos bombeiros. A mulher recusou transporte hospitalar.

Continuar a ler

Ave

Fértil estreia peça de teatro “Talvez um Dia” em Famalicão

Cultura

em

foto: DR / Arquivo

A Fértil – Associação Cultural estreia na sexta-feira, na Casa das Artes, em Vila Nova de Famalicão, a peça de teatro “Talvez um Dia”, um espetáculo que remete para a ilusão de que tudo se resolverá por si.

O encenador Rui Alves Leitão, que também assina o texto, disse hoje à Lusa que a peça é também uma reflexão à volta do “hábito muito português” de desresponsabilização pelo que de mau acontece.

“Os portugueses, em particular, e os europeus, em geral, acham sempre que as coisas se resolvem por elas mesmas, é uma espécie de esperança infinita. Depois, quando as coisas correm mal, ninguém assume a culpa”, referiu.

Com a duração de 50 minutos, a peça é interpretada por Neusa Fangueiro e Tanya Ruivo.

A estreia chegou a estar marcada para 27 de março, mas seria, entretanto, adiada, devido à pandemia de covid-19.

Rui Alves Leitão disse que “não bebeu inspiração” na pandemia, porque o texto foi escrito antes, mas sublinhou que as reflexões da peça se podem perfeitamente aplicar ao momento que se vive.

“Talvez um dia alguma coisa aconteça. Talvez um dia acorde e tudo seja diferente”, lê-se na sinopse da peça.

O espetáculo volta a subir ao palco da Casa das Artes no sábado, estando também já marcadas apresentações no Teatro Gil Vicente, em Barcelos, no dia 02 de outubro, e no Teatro Diogo Bernardes, em Ponte de Lima, no dia 09 do mesmo mês.

Continuar a ler

Populares