Seguir o O MINHO

Braga

Ikea de Braga reabre em 01 de junho, mas o restaurante retoma já segunda-feira

Covid-19

em

Foto: DR

A Ikea, com presença em Braga, está a planear a reabertura de todas as suas lojas em Portugal em 01 de junho, mas a partir de segunda-feira os seus restaurantes vão abrir ao público com serviço ‘take-away’, foi hoje anunciado.


Em comunicado, a Ikea que prevê a reabertura “de todos os seus espaços em Portugal – lojas e estúdios de planificação – já a partir do início do próximo mês, no dia 01 de junho, após o encerramento temporário provocado pelo surto de coronavírus”.

Para preparar uma gradual reabertura em segurança das lojas físicas, acrescenta a cadeia de mobiliário e decoração, “já a partir da próxima segunda-feira, dia 18 de maio, todos os restaurantes, lojas suecas e bistros das lojas Ikea, irão reabrir ao público”.

As medidas de distância social, higiene e segurança serão “ainda mais robustas e alinhadas com recomendações das autoridades de saúde, trazendo novidades para a gama e para o fluxo do restaurante”, assevera a Ikea.

“Para oferecer uma experiência mais rápida e tranquila no restaurante, a Ikea Portugal terá, por exemplo, um novo serviço de ‘take-away’, para maior comodidade e acessibilidade dos clientes”, uma “solução ideal para quem se deslocar aos espaços Ikea para receber as suas encomendas realizadas pela loja ‘online’ através do serviço ‘Click & Collect'”.

“A saúde e o bem-estar dos nossos colaboradores, clientes e parceiros é a principal prioridade da Ikea Portugal. Através das ações e readaptações que estamos a implementar, vamos promover um comportamento responsável em todas as nossas lojas e voltar gradualmente à normalidade, sempre com a máxima segurança”, afirma Helen Duphorn, diretora-geral da Ikea Portugal, citada em comunicado.

Anúncio

Braga

Concelho de Braga com 1.415 casos ativos

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO / Arquivo

O concelho de Braga regista hoje 1.415 casos ativos de covid-19, mais 143 do que ontem, data do último balanço publicado por O MINHO.

Apesar da descida, o município contabiliza agora 6.935 casos desde o início da pandemia, mais 157 desde terça-feira.

Estes números foram apurados pelo nosso jornal junto de fonte local da saúde às 17:30 desta quarta-feira.

Há ainda mais 14 doentes curados desde ontem, totalizando 5.424 recuperações desde o início da pandemia.

Há 96 óbitos a lamentar, os mesmos desde ontem.

Por fim, estão 2.036 pessoas em vigilância ativa, mais 52 do que na terça-feira.

Continuar a ler

Braga

Ponto de situação sobre a covid-19 no concelho de Braga: 4.000 casos e 22 mortes num mês

O presidente da Câmara de Braga fez hoje novo ponto de situação sobre a evolução pandémica no concelho de Braga. Ricardo Rio destaca o agravamento ao longo do último mês, com o registo de mais 4.000 casos e 22 mortes. Deixou ainda o apelo à população para que respeite o próximo estando atento a sintomas e para que cumpra as normas decretadas neste novo estado de emergência. Vídeo: Município de Braga

em

Foto: DR

O presidente da Câmara de Braga fez hoje novo ponto de situação sobre a evolução pandémica no concelho de Braga. Ricardo Rio destaca o agravamento ao longo do último mês, com o registo de mais 4.000 casos e 22 mortes. Deixou ainda o apelo à população para que respeite o próximo estando atento a sintomas e para que cumpra as normas decretadas neste novo estado de emergência.

Continuar a ler

Braga

Não é só restauração e comércio. AGERE alarga apoio a todas as empresas de Braga

Covid-19

em

Rui Morais. Foto: Sérgio Freitas / CM Braga / Arquivo 2019

A AGERE, através dos seus acionistas, Município e privados, alargou as medidas de apoio a todas a empresas do concelho de Braga, relativamente ao pagamento das tarifas de disponibilidade de água e saneamento e da tarifa fixa de resíduos, pelo período de dois meses. O que lhe deve custar cerca de 800mil euros.

O seu administrador, Rui Morais disse O MINHO que, “até agora esta medida era apenas para o setor da restauração, mas, considerando o impacto económico resultante da pandemia em todas as áreas económicas, a AGERE entendeu estender a medida a todo o setor empresarial local”.

“Com estes apoios, a AGERE reforça as medidas de responsabilidade social que tem caraterizado a sua ação na comunidade”, assinala, acrescentando que, para além dos apoios já lançados, que, numa primeira fase, visaram sobretudo acautelar os impactos da primeira vaga quer aos clientes não domésticos, quer aos domésticos, “impõe-se agora desenvolver novos instrumentos destinados a apoiar as empresas a suportarem os seus custos de funcionamento, mitigando assim os impactos negativos sobre a faturação causados pela pandemia”.

Os critérios para acesso a estes apoios – sublinhou – serão os mesmos já anunciados para a área da restauração, ou seja, as empresas com quebra de faturação até 25% terão uma redução de 50% do valor das tarifas de disponibilidade de água e saneamento e uma redução de 50% da tarifa fixa de resíduos, e as que sofreram quebras de faturação superiores a 25% serão isentas do pagamento daquelas tarifas.

As quebra de faturação referidas dizem respeito ao período dos três primeiros trimestres de 2020, em comparação ao período homologo de 2019.

Redução imediata

De forma a não criar procedimentos burocráticos paralelos e facilitar as candidaturas às medidas acima descritas, todas as empresas terão automaticamente, sem necessidade de qualquer interação com a AGERE, da referida redução de 50% nas tarifas enunciadas.

Para obtenção da redução dos restantes 50%, em caso de quebras de faturação superiores a 25%, o processo decorrerá nos moldes o Regulamento do Programa APOIAR, lançado pelo Ministério da Economia através do Balcão 2020.

Assim, devem estas empresas – esclarece a AGERE – “declarar uma diminuição da faturação comunicada à AT (Autoridade Tributária) no sistema e-Fatura de, pelo menos, 25 % nos três primeiros trimestres de 2020, face ao período homólogo do ano anterior ou, no caso de empresas que iniciaram atividade no ano de 2019, face à média mensal do período de atividade decorrido até 29 de fevereiro de 2020, considerando apenas os meses civis completos. Terão, ainda, de apresentar declaração subscrita por contabilista certificado responsável pela contabilidade da empresa.

Continuar a ler

Populares