Seguir o O MINHO

Guimarães

ICNF classifica mata de recreio e cedros do Himalaia em Guimarães

Ambiente

em

Foto: Redes sociais

O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) classificou de interesse público uma mata de recreio na freguesia de Ponte e dois exemplares da espécie cedro do Himalaia em Creixomil, no concelho de Guimarães.


Os despachos de classificação foram hoje publicados em Diário da República e produzem efeitos a partir de sexta-feira.

A mata de recreio é contígua à Casa da Ribeira e tem uma área aproximada de 0,76 hectares, sendo constituída por arvoredo pertencente a mais de 30 espécies diferentes, predominantemente exóticas.

As espécies arbóreas, com uma altura aproximada de 30 metros, formam um copado contínuo.

“Esta zona é contígua à casa principal e identifica-se como uma pequena mata de recreio ao estilo e cultura de finais do século XIX, princípios do século XX, em que havia o gosto pelo colecionismo de plantas oriundas do oriente e do continente americano”, acrescenta o despacho do ICNF.

Das espécies presentes, destaca, pela “singularidade” dos seus exemplares, a Sequoia sempervirens, Pinus strobus, Cedrus deodara, Liriodendron tulipifera, Liquidambar styraciflua, Cupressus lusitanica, Fagus sylvatica e um exemplar antigo de Quercus robur.

O município de Guimarães tinha requerido a classificação de todo o arvoredo que constitui a mata da Casa da Ribeira, mas o ICNF concluiu que só aquela mata de recreio possui características de relevante interesse público, “uma vez que a restante parte da mata é constituída por exemplares da espécie Eucalyptus globulus Labill, sem atributos passíveis de justificar a sua classificação”.

Na freguesia de Creixomil, lugar de Atouguia, foram classificados dois exemplares isolados da espécie Cedrus deodara, também na sequência de requerimento feito pelo município.

Para a classificação, o ICNF considerou o porte das árvores, com 24 e 28 metros de altura, e o seu “particular significado paisagístico”.

“São árvores majestosas que marcam o sítio em que se encontram, impondo-se como elemento fundamental e indissociável do Cemitério Municipal da Atouguia e contribuindo para a qualidade visual daquele espaço, observável de vários pontos da cidade de Guimarães, cumprindo o parâmetro de apreciação valorização estética do espaço envolvente e dos seus elementos naturais e arquitetónicos”, lê-se no despacho.

Com a classificação, ficam proibidas quaisquer intervenções que possam destruir ou danificar os exemplares classificados, designadamente corte do tronco, ramos ou raízes e remoção de terras ou outro tipo de escavações, na zona geral de proteção.

A classificação implica ainda a proibição de depósito de materiais, seja qual for a sua natureza, e a queima de detritos ou produtos combustíveis, bem como a utilização de produtos fitotóxicos na zona geral de proteção.

Todas as operações de beneficiação nos exemplares classificados ou qualquer outro tipo de benfeitoria carecem de aprovação por parte do ICNF.

Anúncio

Guimarães

Guimarães mantém Plano Municipal de Emergência para acompanhar evolução da covid

Covid-19

em

Foto: DR

A Câmara de Guimarães mantém ativo o Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil e, consequentemente, o Centro de Coordenação Operacional Municipal para permitir a coordenação de todas as entidades relativamente à evolução concelhia da covid-19.

A decisão, que foi tomada na sexta-feira após reunião com a Comissão Municipal de Proteção Civil, tem em conta a necessidade de “acompanhamento permanente e estreita coordenação entre as instituições, bem como do devido planeamento, por forma a promover o regresso à normalidade”, refere um comunicado da autarquia.

O presidente da Câmara Municipal, Domingos Bragança, citado no comunicado, avançou a intenção de “estimular o comércio e a restauração, impulsionar a dimensão cultural e de espaços públicos, bem como de aumentar a resposta ao nível da oferta de transportes públicos”, tendo sempre como prioridade “a segurança dos cidadãos”, atendo à possibilidade de “uma nova vaga” de infeções.

Nesse sentido, sublinhou ser “importante a adequação dos Planos de Contingência das diversas instituições, públicas e privadas”, e o cumprimento das indicações das autoridades de saúde” para manter a segurança nesta fase.

Continuar a ler

Ave

Vespa construída com extintores usados inaugurada em Guimarães

‘European Vespa Days’

em

Foto: Vespa Clube de Guimarães / Facebook

É a recriação de uma mota Vespa, construída com extintores usados e está desde esta quinta-feira “numa das mais bonitas rotundas da cidade” de Guimarães.

A iniciativa é do Vespa Clube de Guimarães, cuja direção elaborou e concretizou a escultura, assinalando o que “seria um dia importante para o Vespismo nacional e mundial”.

Por estes dias, Guimarães acolheria o evento “European Vespa Days”, cancelado devido à pandemia de covid-19.

“A pandemia não nos deixou celebrar a diversidade, a amizade, a partilha com muitos que sentem uma paixão comum – a sua Vespa. Não podíamos por isso deixar passar esta data em claro”, refere o clube em comunicado, referindo que, este fim de semana, serão concluídas diversas iniciativas como forma de assinalar a data.

Entre outras iniciativas, o Vespa Clube de Guimarães vai inaugurar sua loja social.

Continuar a ler

Ave

Obras de José de Guimarães “à mostra” no arquivo municipal da cidade berço

‘Tímida Modernidade’

em

Foto: DR

O Arquivo Municipal Alfredo Pimenta, em Guimarães, acolhe, a partir de sexta-feira, a exposição “Tímida Modernidade”, composta por 14 obras do artista José de Guimarães, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a cooperativa A Oficina refere que em exposição estarão obras que normalmente podem ser vistas no Paço dos Duques de Bragança.

De acesso gratuito, a exposição poderá ser visitada até 14 de fevereiro.

Esta mostra percorre uma série de obras de José de Guimarães, como “A Ratoeira”, de 1984, ou “Devorador de automóveis”, “A Dança” e “Cosmos”, todas de 1990.

Obras que, sublinha a organização, permitem o acesso à prática do artista entre o final dos anos de 1980 e os primeiros momentos da última década do século XX.

“Poderemos olhar para esta exposição como uma exposição-arquivo, que recua no tempo para continuar a questionar o futuro”, refere.

O acesso à inauguração da exposição é gratuito, por ordem de chegada e limitado à lotação do espaço, sendo obrigatórios o uso de máscara, a desinfeção das mãos à entrada e o distanciamento social de dois metros.

Os visitantes também não poderão tocar nos objetos expostos.

“Tímida Modernidade” são as palavras que terminam a carta redigida por José de Guimarães aquando da doação, em 1992, de um vasto núcleo de obras da sua autoria à cidade de Guimarães.

Desde então, esta série de pinturas, desenhos, guaches e esculturas têm permanecido em exposição no Paço dos Duques de Bragança.

Continuar a ler

Populares