Seguir o O MINHO

País

Humberto Pedrosa realça a não nacionalização da TAP

Presidente da Barraqueiro e acionista privado da empresa

em

Foto: DR / Arquivo

O presidente da Barraqueiro e acionista privado da TAP, Humberto Pedrosa, considera que a não nacionalização da companhia aérea portuguesa “é bom para a empresa e para o país” e sublinhou que sempre fará parte da solução.


Humberto Pedrosa, presidente do grupo Barraqueiro e dono de 50% da Atlantic Gateway, que detém 45% da TAP, reage em declarações hoje a O Jornal Económico ao anúncio na quinta-feira do acordo entre o Governo com os acionistas privados da TAP que vai traduzir-se na saída de David Neeleman e no reforço da posição acionista do Estado de 50% para 72,5%.

“Não nacionalizar a TAP é bom para o país e para a companhia. É bom para todos”, disse Humberto Pedrosa.

Em declarações ao económico, Humberto Pedrosa disse que fará “sempre parte da solução da TAP”.

Sobre a futura configuração acionista, Humberto Pedrosa disse ao jornal que “ainda é cedo, que não está definido”.

O responsável alertou também que “a TAP vai ter a responsabilidade muito grande de uma reestruturação importante para a viabilização da companhia que vai ter de ser aprovada por Bruxelas”.

O acionista revelou que “já está a ser preparada a reestruturação da TAP, que deverá estar concluída antes do prazo fixado por Bruxelas”, que deu seis meses para a apresentação deste plano depois de ter aprovado o auxílio.

“Espero que saia um bom plano e que seja aprovado pela Comissão Europeia”, disse Humberto Pedrosa, assegurando que os acionistas vão “lutar para que a TAP seja a maior possível e que os cortes sejam o mais reduzidos, que se consiga, pois, caso contrário, a TAP pode não ser viável”.

O Governo anunciou na quinta-feira que chegou a acordo com os acionistas privados da TAP, ficando com 72,5% do capital da companhia aérea, por 55 milhões de euros, com a aquisição da participação (de 22,5%) até agora detida por David Neeleman. O empresário Humberto Pedrosa detém 22,5% e os trabalhadores os restantes 5%.

“De forma a evitar o colapso da empresa, o Governo optou por chegar a acordo por 55 milhões de euros”, referiu o ministro das Finanças, João Leão, numa conferência de imprensa conjunta com o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, quinta-feira em Lisboa.

O governo esclareceu que a Atlantic Gateway passa a ser controlada por apenas um dos acionistas que compunha o consórcio, designadamente o português Humberto Pedrosa, dono do grupo Barraqueiro.

O dono da companhia aérea Azul, David Neeleman, sai assim da estrutura acionista da TAP.

A Comissão Europeia aprovou em 10 de junho um “auxílio de emergência português” à companhia aérea TAP, um apoio estatal de até 1.200 milhões de euros para responder às “necessidades imediatas de liquidez” com condições predeterminadas para o seu reembolso.

Uma vez que a TAP já estava numa débil situação financeira antes da pandemia de covid-19, a empresa “não é elegível” para receber uma ajuda estatal ao abrigo das regras mais flexíveis de Bruxelas devido ao surto, que são destinadas a “empresas que de outra forma seriam viáveis”.

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, anunciou que o presidente executivo da TAP Antonoaldo Neves vai ser substituído “de imediato”, sem revelar quem lhe sucede.

Pedro Nuno Santos anunciou também que o Governo vai contratar uma empresa para procurar no mercado internacional uma equipa de gestão qualificada para a TAP.

O ministro recusou assumir um cenário de despedimentos na TAP no âmbito do processo de reestruturação da companhia aérea.

“Inevitabilidades não as assumo. Não faz sentido estar a assumir cenários que decorrerão de um plano de reestruturação”, disse.

Anúncio

País

Incêndios: 300 militares das Forças Armadas no terreno pelo menos até domingo

Anunciou o Estado-Maior General das Forças Armadas

em

Foto: DR / Arquivo

Cerca de 300 militares vão estar no território continental até domingo em missões de vigilância e patrulhamento dissuasor de fogos florestais, anunciou hoje o Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA).

As ações agora programadas vão ocorrer em oito distritos de Portugal, “empenhando 18 patrulhas diárias (quatro da Marinha e 14 do Exército), num total de 162 militares nos três dias”, lê-se em comunicado do EMGFA.

“Resultante de um pedido da GNR ao EMGFA, foi igualmente ativada, desde ontem [quinta-feira] e até ao final o dia de hoje, uma aeronave P-3C CUP+ORION, com uma tripulação de 13 militares que está a sobrevoar 15 distritos”, refere.

Aqueles números de efetivos somam-se aos 119 que já se encontram nas mesmas funções: “108 militares no âmbito do Plano Faunos, em apoio ao Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, nove militares no âmbito de protocolos municipais, em missões de vigilância e sensibilização da população, e dois militares que constituem a tripulação do helicóptero “Koala”, que realiza operações de reconhecimento, avaliação e coordenação.

O Governo anunciou hoje o prolongamento “até ao final de domingo” da declaração de situação de alerta em todos os distritos, face ao risco de incêndio rural, apelando ao cumprimento da proibição do uso do fogo.

“As próximas 48 horas continuam a inspirar cuidado, inspiram atenção, vamos manter alguns distritos em alerta vermelho e também outros em alerta laranja. Fruto disso, a decisão foi de prolongar a declaração de situação de alerta a todo território nacional [continental] até ao final do dia de domingo”, afirmou a secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, após reunião do Centro de Coordenação Operacional Nacional (CCON), na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), em Carnaxide, Oeiras.

Continuar a ler

País

Metade das empresas de têxtil e vestuário admite despedir este ano

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Metade das empresas têxteis e de vestuário admite reduzir o emprego este ano, após a maioria ter registado quebras de faturação superiores a 30% entre abril e julho, segundo um inquérito divulgado hoje pela associação setorial.

De acordo com o inquérito realizado pela Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP) na última quinzena de julho, para avaliar junto das empresas o impacto da pandemia de covid-19, “entre abril e julho mais de metade das empresas do setor tiveram uma quebra no volume de negócios superior a 30%” e “as expectativas para o total do ano não são muito melhores”, já que 46% das empresas acredita vir a ter uma quebra superior a 30%.

Relativamente ao nível de emprego para 2020, “apesar das medidas definidas pelo Governo, metade das empresas inquiridas acreditam que terão de reduzir o número de empregados, com cerca de um quarto das empresas a estimar que essa redução seja superior a 10%”, avança.

Segundo a associação liderada por Mário Jorge Machado, “devido à grande volatilidade que caracteriza o atual momento, as expectativas face à retoma estão muito difusas e incertas” e cerca de 80% dos inquiridos estima ainda uma retoma inferior a 60% para o mês de setembro.

O inquérito realizado pela ATP revela ainda que cerca de metade das empresas recorreram ou estavam ainda a utilizar o ‘lay-off’ simplificado e as linhas de crédito lançadas pelo Governo, sendo o fim do regime do regime transitório de ‘lay-off’ “uma das principais preocupações, tendo em conta o atual cenário e as fracas perspetivas de retoma”.

Em termos de medidas de apoio, as empresas pedem “mais rapidez, simplificação e menos burocracia”.

Face ao fim do ‘lay-off’ simplificado, pedem, designadamente, um mecanismo de apoio para empresas com quebras de atividade ou faturação a partir de 20%, mais incentivos ao investimento na indústria em áreas como a modernização e a internacionalização e pagamentos mais rápidos por parte do Portugal 2020.

Ainda reclamado é o aumento da comparticipação ao investimento e do incentivo a fundo perdido, uma “aprovação mais célere” das candidaturas submetidas e a prorrogação dos prazos de implementação dos projetos de investimento.

Em termos fiscais, o setor têxtil e de vestuário solicita “a redução, entre outros, da TSU [Taxa Social Única] e do IRC [Imposto Sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas], sobretudo para empresas mais afetadas”, considerando também “fundamental o reforço das linhas de crédito, uma política de seguros de crédito à exportação adaptada à realidade e uma maior flexibilização no pagamento de dívida a médio prazo”.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 715 mil mortos e infetou mais de 19,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Continuar a ler

País

Covid-19: Mais três mortos, 290 infetados e 247 recuperados no país

Pandemia

em

Foto: DR (Arquivo)

Portugal regista hoje mais 3 mortes e 290 novos casos de infeção por covid-19, 208 dos quais na região de Lisboa e Vale do Tejo, em relação a quinta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim, desde o início da pandemia até hoje registam-se 52.351 casos de infeção confirmados e 1.746 mortes.

Há 38.087 casos recuperados, mais 247.

Continuar a ler

Populares