Seguir o O MINHO

Desporto

Hoquista Alvarinho em adaptação gradual aos treinos à distância

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O hoquista do Óquei Barcelos Alvarinho admitiu, esta segunda-feira, sentir dificuldades em encontrar as condições ideais para fazer exercícios físicos caseiros, em resposta à paragem competitiva imposta pela pandemia de Covid-19.


“Vivo num apartamento e, como não posso sair de casa, fica complicado. Limito-me a uma sala e faço uns exercícios muito restritos de flexões e abdominais. De vez em quando, vou dar uma corrida à volta do quarteirão, mas já começo a sentir aquela saudade do dia-a-dia, do stick, da bola e dos patins”, referiu à agência Lusa o avançado.

Álvaro Morais, mais conhecido nos rinques por Alvarinho, reside em Valongo e costumava viajar 70 quilómetros até Barcelos, onde cumpria a terceira época pelos minhotos, quintos colocados do campeonato, com 37 pontos, antes de o novo coronavírus ter obrigado à suspensão total das provas tuteladas pela Federação Portuguesa de Patinagem (FPP).

“Ninguém queria nada disto, até porque caminhávamos para as decisões da temporada. Tivemos de parar e vamos exercitando em casa para não pararmos por completo. Claro que não tem nada a ver com a realidade que estávamos a viver, mas para o bem comum é melhor assim”, assumiu o atleta emprestado pelo Sporting.

Decretada na quarta-feira, um dia após ter limitado a lotação dos pavilhões a 50% da capacidade máxima, para um total de mil pessoas, entre espetadores e intervenientes, a medida federativa interrompeu uma “excelente época” do Óquei Barcelos, assente na chegada aos oitavos de final da Taça de Portugal e aos “quartos” da Taça da Europa.

“Tivemos o último jogo com o FC Porto [em 07 de março, derrota por 12-3] e o vírus ainda nem sequer tinha chegado em força a Portugal. Ao longo desta semana, desenrolaram-se casos e casos e foi tudo tão rápido, pelo que agiram na altura certa”, defendeu.

A par do restante plantel, Alvarinho, de 23 anos, tem data de regresso aos treinos prevista para 22 de março, salvo se as “condições de segurança piorarem”, enquanto prossegue um plano nutritivo anual negociado com o clube no início da temporada.

“A paragem vai deixar algumas marcas pela negativa, porque estávamos realmente num bom caminho. Não recebemos informações adicionais, mas sabemos perfeitamente o que é melhor e o que é pior e claro que iremos optar pelos alimentos mais indicados”, apontou.

Disposto a meditar sobre “coisas mais prioritárias”, o antigo hoquista do FC Porto, campeão pelo Valongo em 2013/14 e com 32 golos em 24 encontros em 2019/20, enaltece a “união” do povo português face à pandemia de Covid-19, que soma mais de 6.400 mortos e 164 mil infetados pelo mundo, 245 dos quais em solo nacional.

“O país percebeu que não pode brincar com este vírus. Já houve confraternizações noturnas entre as pessoas e estes dias serão importantes para conviver em família”, destacou o vencedor do Europeu sub-20 (2014), do Mundial sub-20 (2015) e da Taça Latina (2016) pela seleção das “quinas”, além da Taça CERS com o Barcelos em 2016/17.

Em caso de retoma competitiva, que trará as sete jornadas finais do campeonato, acompanhadas pelas deslocações ao Benfica e aos espanhóis do Igualada, relativas à prova “rainha” e às competições europeias, respetivamente, Alvarinho antevê uma “recuperação física nada fácil”, valorizada pelo regresso à normalidade.

“Nas pré-épocas, temos um mês para nos prepararmos ao pormenor, tendo em conta que a nossa Liga é muito dura e com equipas muito equivalentes. Agora, não sabemos se estaremos parados uma ou duas semanas, um ou dois meses, mas voltar a competir será bom sinal. Significa que isto já passou e que tempos melhores vêm aí”, afiançou.

Anúncio

Desporto

Cancelados Mundiais de ténis de mesa de juniores em Guimarães

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Os campeonatos mundiais de ténis de mesa de juniores, previstos para o final de novembro, em Guimarães, foram cancelados devido à pandemia de covid-19, anunciou hoje a federação internacional da modalidade.

Em comunicado, a Federação Internacional de Ténis de Mesa (ITTF) explica que na base do cancelamento da competição, que deveria disputar-se entre 29 de novembro e 06 de dezembro, esteve “a necessidade de proteger a saúde dos atletas”.

No mesmo documento, a ITTF recomenda à sua Assembleia-Geral que Portugal seja o primeiro país a acolher a competição de escalões jovens, prevista para 2021, mas ainda sujeita a aprovação.

Para tal, a ITTF pediu à Tunísia, que deveria acolher a competição em 2021, que o faça apenas em 2022.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e setenta e sete mil mortos e mais de 37,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Continuar a ler

Futebol

Cristiano Ronaldo infetado com covid-19

Capitão da Seleção Nacional em isolamento

em

Foto: DR / Arquivo

Cristiano Ronaldo está infetado com covid-19, confirmou a Federação Portuguesa de Futebol.

O jogador foi dispensado dos trabalhos da Seleção Nacional após teste positivo para covid-19, pelo que não defrontará a Suécia.

O internacional português está bem, sem sintomas, e em isolamento.

Na sequência do caso positivo os restantes jogadores realizaram novos testes esta terça-feira de manhã, todos com resultado negativo, e estão à disposição de Fernando Santos para o treino desta tarde, na Cidade do Futebol, adianta a Federação.

O jogo, a contar para a fase de apuramento da Liga das Nações, está agendado para quarta-feira, às 19:45, em Alvalade.

É o terceiro caso de covid-19 na seleção portuguesa, depois de José Fonte e Anthony Lopes também terem testado positivo.

Continuar a ler

Futebol

João Henriques promete Vitória SC com ambição. “A nossa exigência é alta”

I Liga

em

Foto: Vitória SC

O novo treinador do Vitória SC, João Henriques, afirmou hoje que a equipa da I Liga portuguesa de futebol quer vencer todos os jogos, tendo mesmo dito que qualquer desafio sem “três pontos” não é “bom”.

Na cerimónia de apresentação como ‘timoneiro’ dos vitorianos, decorrida no relvado do Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, o técnico disse assumir a nova etapa da carreira com a “confiança de um conquistador”, numa alusão à semelhança de apelido com o primeiro rei português, inscrito no símbolo do novo clube, e prometeu uma equipa pronta a “lutar em todos os jogos pela vitória, independentemente do local e do adversário”.

“O céu é o limite. Não olhamos para classificações, olhamos para jogos. Vamos fazer as contas no final. A nossa exigência é alta. Os nossos adeptos são exigentes. Nós, estrutura, também somos. Qualquer jogo que não dê três pontos não é bom, porque é isso que queremos para qualquer um deles”, afirmou.

Mesmo sem se comprometer a alcançar uma determinada posição na tabela, João Henriques prometeu que a turma minhota vai ser “competitiva”, capaz de “motivar os adeptos” e de “terminar o campeonato onde merece”, querendo exibir essa postura no próximo desafio do campeonato, relativo à quarta jornada, no terreno do Boavista, às 20:15 de segunda-feira, bem como na Taça de Portugal e na Taça da Liga.

“Batalhas vão ser muitas: não só as próximas duas, mas todas elas. Faltam 31 jornadas, faltam os jogos da Taça de Portugal. Queremos mais uma vez estar presentes na ‘final four’ da Taça da Liga [de 2019/20]. Todos os jogos valem três pontos, e este é o primeiro”, disse.

Após duas épocas em que atingiu as melhores pontuações e classificações do Santa Clara na I Liga – 10.º lugar, com 42 pontos, na temporada 2018/19, e o nono, com 43, em 2019/20 -, João Henriques adiantou que, em Portugal, só aceitava treinar equipas classificadas mais acima – os vimaranenses foram sétimos, na temporada anterior.

“Tinha a ambição pessoal de dar um passo em frente na carreira. Não olharia para nenhuma equipa que ficou atrás do Santa Clara, olhando para o momento da minha carreira. Reduzindo o leque de escolhas, a exigência é maior”, explicou.

O técnico natural de Tomar assumiu ter esperado “pacientemente” por uma oportunidade que lhe agradasse, o que aconteceu, embora graças à “surpresa inesperada” da saída de Tiago Mendes, que deixou o Vitória ao cabo de três primeiras jornadas na primeira experiência como treinador principal, com duração inferior a dois meses.

Antigo treinador de emblemas como Fátima, Leixões e Paços de Ferreira, João Henriques expressou ainda a convicção de que a “história imensa” do clube minhoto “vai ser dignificada dentro das quatro linhas”, face ao “talento” que identificou no plantel, nos dois primeiros treinos.

“Talento não tem idades. O plantel é jovem. Tem jogadores mais experimentados e outros menos. Essa mescla faz do Vitória forte. O futebol vai no caminho de aparecerem jovens talentos que devem crescer no meio de gente com experiência. Só todos juntos vamos potenciar os jovens talentos”, realçou.

Já o presidente vitoriano, Miguel Pinto Lisboa, elogiou a “vontade” e a “confiança” demonstradas pelo treinador, a seu ver “pronto para pegar no plantel e maximizar as suas potencialidades”.

“É um homem que vai corporizar o projeto que temos para o nosso Vitória. Não retiramos nenhuma vírgula ao nosso projeto. Não há nenhum recuo. Há a entrada de uma equipa técnica com vontade de transmitir a estabilidade emocional necessária para os atletas mostrarem a sua qualidade”, disse.

Continuar a ler

Populares