Seguir o O MINHO

Guimarães

Homem morre esmagado por trator que conduzia em Guimarães

em

Foto: Joaquim Fernandes / Facebook

Um homem com cerca de 50 anos morreu esta terça-feira esmagado pelo trator que conduzia em Briteiros, Guimarães, informou fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro de Braga.

Segundo a fonte, o acidente registou-se perto das 15:00, na EN309 e traduziu-se no despiste do trator.

“O condutor ficou debaixo do veículo e o óbito foi declarado no local”, acrescentou.

Para o local, foram mobilizados dez operacionais dos Bombeiro Voluntários das Taipas, apoiados por três veículos, além de uma viatura médica de emergência e reanimação (VMER).

A GNR tomou conta da ocorrência.

Anúncio

Guimarães

Detido por agredir homem de 80 anos em Guimarães

Moreira de Cónegos

em

Foto: DR / Arquivo

Um homem, com cerca de 40 anos, foi detido, esta sexta-feira, no seguimento de uma alegada agressão a um homem de 80, em Moreira de Cónegos, apurou O MINHO.

Tudo aconteceu num terreno adjacente à Rua da Doca, a poucos metros do rio Vizela, que divide os distritos de Braga e do Porto.

Ao que apuramos, os dois homens estiveram envolvidos numa situação de agressão resultando no transporte do octogenário para o Hospital de Guimarães e na detenção do alegado agressor.

A circunstancias em que ocorreu a agressão estão ainda por apurar.

Fonte dos Bombeiros de Vizela, que deu primeira assistência à vítima e procedeu ao transporte hospitalar, disse a O MINHO que os ferimentos da vítima foram considerados “ligeiros”. O alerta foi dado cerca das 15:00 horas.

Militares do posto da GNR em Lordelo deslocaram-se ao local, após contacto telefónico, e deteve o alegado responsável pela agressão.

O MINHO sabe que o agressor terá de se apresentar ao Tribunal de Guimarães, na próxima segunda-feira.

Continuar a ler

Guimarães

Cutelaria de Guimarães abre nova loja na baixa de Lisboa

Cutipol

em

Foto: DR / Arquivo

A empresa Cutipol, com sede em Caldas das Taipas, concelho de Guimarães, abriu na passada quarta-feira uma loja na baixa de Lisboa, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a cutelaria fundada por José Ribeiro, em abril de 1963, dá conta do novo espaço, localizado no prédio 105 da Rua do Alecrim, ao lado de outra loja que a marca já possuía desde 1998.

O espaço, com uma área de exposição de 140 metros quadrados, está localizado num edifício original datado do século XVIII que alberga o recém inaugurado Bairro Alto Hotel, projeto do arquiteto Eduardo Souto de Moura.

“O expositor propositadamente desenhado, revela-se nas suas linhas dinâmicas e imprevisíveis pondo à disposição do olhar a beleza e singularidade dos modelos da marca, formando um cânone no espaço”, explica a Cutipol.

“Destaca-se ainda a especial seleção de artigos de casa com um essencial foco na qualidade, trabalho manual e design. São peças com variadas origens, algumas de renome outras ainda não tão conhecidas que a Cutipol tem vindo a introduzir no mercado”, destaca.

Para além da nova loja, foi ainda lançado um novo site da marca na Internet, “para corresponder às atuais necessidades do seu público com o propósito de oferecer a melhor experiência de navegação possível, dando ênfase à otimização para dispositivos móveis, objetos que fazem cada vez mais parte do quotidiano das pessoas”.

Continuar a ler

Guimarães

Penas suspensas para organizadores de rali que matou três pessoas em Guimarães

Em 2014

em

Foto: DR / Arquivo

O Tribunal de Guimarães condenou hoje a penas suspensas quatro organizadores de um rali realizado em setembro de 2014 naquele concelho que resultou na morte de três espetadores, atingidos por um carro que se despistou.

Os arguidos foram condenados por três crimes de homicídio por negligência.

A pena mais pesada, de 26 meses de prisão, foi para o diretor da prova, o presidente do Motor Clube de Guimarães, entidade que organizou o rali conjuntamente com a Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting.

Outros três organizadores foram condenados a 22 meses de prisão.

Todas as penas ficam suspensas na sua execução.

Um outro membro da direção do Motor Clube de Guimarães e o mecânico da viatura que se despistou eram também arguidos no processo, mas foram absolvidos.

O acidente registou-se em 07 de setembro de 2014, no Rali Sprint de Guimarães, quando um carro se despistou e matou uma mulher de 48 anos, o seu filho de 8 e ainda um adolescente de 13.

Na acusação, o Ministério Público (MP) diz que o rali foi levado a cabo “em flagrante violação das normas que regem a segurança” deste tipo de corridas.

Diz ainda que o acidente foi induzido pelas alterações efetuadas ao carro que se despistou, nomeadamente o alargamento da carroçaria.

Segundo o MP, foram montados espaçadores nas jantes traseiras, as rodas ficaram mais longe da suspensão, a pressão quadruplicou, quatro parafusos rebentaram e o despiste aconteceu.

Em tribunal, os diretores do Motor Clube de Guimarães recusaram qualquer responsabilidade na morte dos três espectadores, alegando que a segurança do público era uma competência das autoridades policiais.

“O rali estava aprovado e licenciado por todas as entidades, tendo ficado claro que a segurança dos espectadores ficava a cargo das autoridades policiais”, disse o presidente do Motor Clube de Guimarães (MCG).

Segundo Eduardo Crespo, que era também o diretor da prova, aquelas autoridades é que decidiram o número de agentes necessários e os locais em que cada um seria colocado.

Disse ainda que as vítimas terão passado por uma zona onde estaria um agente da GNR para aceder ao local onde foram colhidos mortalmente.

A versão foi corroborada pelo então vice-presidente do MCG, João Júlio, que assegurou que os diretores do clube “não tinham qualquer poder decisório” sobre a segurança do público, porque as autoridades policiais “nunca lhes deram qualquer possibilidade”.

“Disseram que ou faziam a prova como eles queriam ou não se fazia prova nenhuma”, referiu.

Por sua vez, o mecânico também refutou qualquer responsabilidade, afirmando que não teve qualquer intervenção nas alterações do carro e assegurando que se limitou a fazer uma espécie de revisão, antes da prova, por ser amigo do piloto dono da viatura.

Continuar a ler

Populares