Seguir o O MINHO

Braga

Homem investe carro contra agente ao tentar fugir à polícia em Braga

Homem de 30 anos foi detido

em

Foto: DR / Arquivo

A PSP deteve, na quarta-feira, pelas 15:40, um homem de 30 anos por desobediência e ofensas à integridade física de elemento policial. Mandado parar, o homem recusou apresentar documentos e na tentativa de fuga investiu o carro contra um agente.


Em comunicado, a PSP explica que os agentes “deram ordem de paragem a um cidadão que circulava no Largo de Santiago”, em Braga, e, quando lhe solicitaram os documentos da viatura e do respetivo condutor, “o mesmo teve uma reação intempestiva”.

“Mediante o comportamento do suspeito, o elemento policial informou-o que se não facultasse os documentos que incorreria em crime de desobediência. O suspeito, um cidadão com 30 anos de idade, continuou a afirmar que não facultava os documentos e que iria abandonar o local”, refere o comunicado.

“Face ao exposto, foi-lhe dada voz de detenção, tendo nesse momento o suspeito acelerado o carro em direção ao elemento policial, embatendo-lhe com a traseira e de seguida subiu o passeio para tentar fugir, não tendo conseguido devido à rápida intervenção desta Polícia”, acrescenta.

O suspeito foi notificado para comparecer no Tribunal Judicial da Comarca de Braga.

Anúncio

Braga

Póvoa de Lanhoso aprova orçamento de 19 milhões com voto contra da oposição

Preparação do documento foi “fortemente condicionada” pela pandemia

em

Foto: CM Póvoa de Lanhoso (Arquivo)

A maioria PSD na câmara da Póvoa de Lanhoso aprovou hoje um orçamento de 19 milhões de euros que contempla uma redução de Imposto Municipal sobre Imóveis e cuja preparação foi “fortemente condicionada” pela atual pandemia.

O documento, a par das Grandes Opções do Plano, mereceram o voto contra da oposição socialista que acusa a maioria no executivo de seguir uma “estratégia claramente errada” e de “falta de soluções” de ajuda para a população dentro do quadro da pandemia causada pelo novo coronavírus e aponta a o aumento “brutal e insustentável” das despesas correntes, como por exemplo despesas com pessoal e serviços.

Para 2021, em comunicado, a maioria destacou “a diminuição do IMI, o aumento das transferências para as freguesias, a conclusão dos protocolos de Delegação de Competências nas Juntas de Freguesia e a continuação da requalificação dos equipamentos municipais” como opções que “vão marcar” o próximo ano.

No que se refere à redução do IMI, está prevista uma redução de 0.01%, fixando a taxa em 0.32%, “assumindo-se ainda não aumentar as restantes taxas e tarifas municipais”.

Quanto ao aumento das transferências para as freguesias, os acordos de execução serão aumentados em 20% comparativamente com o mandato anterior, o que significa que, em 2021, haverá um aumento global de 50%, “representando um salto significativo na autonomia financeira” das Juntas de Freguesia.

Além de várias obras de requalificação dos equipamentos municipais, “com forte componente de valorização energética”, aponta o texto, 2021 “ficará ainda marcado pela manutenção do apoio à economia local, fixando as empresas e atraindo novos investimentos e pela manutenção das medidas de apoio social e de incentivo à natalidade”.

Em declarações à Lusa, o líder da oposição no executivo, o socialista Frederico Castro, explicou o voto contra apontando o “aumento sistemático” de despesa: “Em 2019 era de 56%, em 2020 67% e para 2021 está previsto 73%. Do ponto de vista da gestão é desastroso, cada vez mais despesa corrente”.

“Em dois anos é um aumento brutal e insustentável”, afirmou.

Francisco Castro referiu ainda que “se é verdade que cumpriram a promessa de reduzir o IMI, a redução podia ser maior”.

“Mas o nosso principal reparo vai para a falta de soluções e para a estratégia claramente errada no que toca à ação social, principalmente num ano fortemente marcado pelas consequências da pandemia”, ressalvou.

“Este orçamento vai viver de mais impostos, mesmo diminuindo o IMI a autarquia prevê arrecadar mais dinheiro em impostos. Dá com uma mão e tira com duas”, disse.

Continuar a ler

Braga

Braga aprova orçamento de 133 milhões com votos contra da oposição

Mais 13 milhões do em 2020

em

Foto: Município de Braga / Arquivo

A Câmara de Braga aprovou hoje o Orçamento para 2021, no valor de 133 milhões de euros, com os votos contra da oposição PS e CDU, que aludiu a um documento “absolutamente eleitoralista”.

O orçamento é superior em 13 milhões de euros ao de 2020, um crescimento justificado pelo presidente da Câmara, Ricardo Rio, eleito pela coligação PSD/CDS/PPM, com um empréstimo bancário de 12 milhões de euros que vai ser contraído.

“É um orçamento absolutamente eleitoralista, que se pendura num empréstimo de 12 milhões de euros”, criticou o PS, pela voz do vereador Artur Feio.

Por sua vez, o vereador da CDU, Carlos Almeida, referiu tratar-se de um orçamento “de continuidade, de final de mandato, com projetos e obras que se arrastaram no tempo e cuja concretização se prevê agora em ano eleitoral”.

“Esta é uma estratégia de que nos distanciamos”, sublinhou.

O presidente da Câmara contrapôs que a acusação de eleitoralismo acaba por ser “um grande elogio” ao orçamento.

“É sinal que corresponde às expectativas dos eleitores”, afirmou Ricardo Rio.

O PS manifestou ainda “muita preocupação” pelo “aumento considerável”, de 34%, da dívida a médio e longo prazo.

Rio respondeu que o aumento da dívida a médio e longo prazo não o preocupa.

“Esse aumento é consciente”, referiu Ricardo Rio, sublinhando que o importante é que o investimento seja “reprodutivo e premente”.

A CDU também apontou o aumento da dívida, em cerca de 10 milhões de euros, como “nota negativa” do documento.

Por contraponto, destacou que em 2021, pela primeira vez desde que Rio assumiu a liderança do município, está prevista uma redução da receita de impostos, nomeadamente por força da descida do imposto municipal sobre imóveis (IMI).

Para a CDU, este era um caminho “que já devia ter começado a ser seguido mais cedo”.

A descida da receita dos impostos decorre também do arrefecimento da atividade empresarial provocado pela pandemia de covid-19 e a consequente diminuição das verbas da derrama.

Ricardo Rio assumiu que este é, “naturalmente”, um orçamento de continuidade, que vem “rematar o trabalho desenvolvido ao longo do mandato”, cumprindo assim o compromisso assumido com o concelho.

Para a maioria, o orçamento para 2021 encontra-se “claramente sustentado e ou condicionado” por nove pressupostos, entre os quais a redução da previsão dos impostos diretos e indiretos em 1,4 milhões de euros, e a manutenção das dotações destinadas à concretização das competências e investimentos nas freguesias, no valor de 8,6 milhões de euros.

O incremento dos recursos destinados a financiar as despesas com o pessoal e a preservação do esforço orçamental de locação de três milhões de euros para o pagamento das sentenças no âmbito da construção do estádio para o Euro 2004 são outros dos pressupostos.

O documento assenta ainda na consolidação do plano de investimento municipal, que se traduza “efetivamente” na racionalização dos recursos e na resposta a necessidades consideradas prioritárias tendentes à dinamização da economia local.

Para 2021, o investimento preconizado ultrapassa os 35 milhões de euros.

A maioria aponta ainda o reforço da dotação destinada a financiar o apoio à habitação, RADA, passando a totalizar 800 mil euros, o aumento das dotações destinadas ao combate à pandemia de covid-19 (mais um milhão de euros), a assunção do compromisso intermunicipal de apoiar a Rede Especial de Transportes, no âmbito da CIM Cávado (400 mil euros).

O último pressuposto é a manutenção das dotações destinadas a financiar as aquisições de bens e serviços e transferências, tendentes à prossecução da atividade municipal, bem como, na concretização do plano de ação de combate à pandemia, consubstanciando-se, entre outras ações, na manutenção dos contratos-programa estabelecidos com as empresas municipais, coletividades e instituições desportivas e culturais.

O executivo da Câmara de Braga é constituído por sete elementos da coligação PSD/CDS/PPM, três do PS e um da CDU.

Continuar a ler

Braga

Mulher atingida a tiro de caçadeira pelo marido em Braga

Violência doméstica

em

Foto: Ilustrativa / DR

Uma mulher de 47 anos foi baleada pelo marido ao final da manhã desta segunda-feira, no Bairro de Santa Tecla, Braga. A vítima foi atingida numa perna e foi transportada para o Hospital de Braga em estado grave, apurou O MINHO junto de fonte dos bombeiros.

O alerta foi dado às 12:14.

O tiro de caçadeira terá sido efetuado de muito perto, daí a gravidade dos ferimentos. A vítima estava consciente.

O suspeito é um ex-recluso, com cerca de 50 anos, que teria saído há alguns meses da prisão. Encontra-se em fuga.

No local ficaram os invólucros e a caçadeira.

Os Bombeiros Voluntários de Braga mobilizaram para o local dois operacionais e uma viatura.

A VMER de Braga também esteve no local.

A PSP já esteve no local a fazer diligências, mas por se tratar de um crime com arma de fogo a investigação será agora entregue à Polícia Judiciária.

Continuar a ler

Populares