Seguir o O MINHO

Alto Minho

Homem infectado com coronavírus viajou com mais 50 pessoas, de autocarro, até Monção

Covid-19

em

Foto: DR

Um homem de Monção, com 64 anos, infetado com o coronavírus terá viajado de França para Portugal num autocarro com mais  50 pessoas, no ultimo domingo, adiantou o Jornal de Notícias.

Estes viajantes que partilharam o transporte com o homem infetado serão naturais de vários concelhos do Alto Minho como Melgaço e Monção e terão já sido sinalizados pelas autoridades de saúde.

A irmã deste homem, com 59 anos, apresenta sintomas de Covid-19 embora não esteja ainda confirmada a infeção.

Segundo o presidente da Câmara de Monção, António Barbosa a mulher “encontra-se em isolamento na sua residência a aguardar resultado de análises”.

O emigrante, neste momento internado no hospital de São João, no Porto, é o primeiro caso de Covid-19 confirmado no distrito de Viana e todas as pessoas que tiveram contacto mais próximo com ele estão de quarentena, incluindo cinco bombeiros.

A Câmara de Monção, após reunião com a Proteção Civil, pondera restringir a fronteira como medida para contenção da doença.

 

Anúncio

Alto Minho

Aprovados apoios ao emprego, às empresas e às instituições de Caminha

Covid-19

em

Foto: Divulgação / CM Caminha

A Câmara de Caminha aprovou por unanimidade, em reunião ordinária do executivo municipal, um pacote de medidas de apoio ao emprego, às empresas e às instituições do concelho, informou hoje à Lusa o presidente da autarquia.

A proposta da maioria socialista no executivo municipal “prevê isenções de pagamento de rendas habitacionais e de comércio em espaços municipais, isenção do terrado das feiras semanais e de esplanadas, pagamento de tarifas fixas no abastecimento de água, saneamento e resíduos urbanos para pequenas e microempresas e o apoio financeiro a Instituições Particulares do Solidariedade Social (IPSS) e corporações de bombeiros”.

As medidas hoje aprovadas, por unanimidade, têm como objetivos “a manutenção do emprego, o equilíbrio financeiro da atividade empresarial e de suporte ao trabalho das IPSS que trabalham com idosos no concelho, incluindo as corporações de bombeiros de Caminha e Vila Praia de Âncora”.

No final da sessão, em comunicado enviado às redações, os três vereadores do PSD no executivo municipal informaram ter apresentado “nove medidas adicionais” à proposta da maioria socialista que consideram ser “geradoras de apoios importantes em época pandémica”.

Entre essas medidas, apontaram a isenção do pagamento das tarifas fixas da água e saneamento, com calibre de adução até 25 milímetros, nos meses de abril, maio e junho, do pagamento de tarifas fixas de recolha de resíduos sólidos para todos até julho do presente ano, o apoio de forma excecional e temporária às famílias que tiveram perdas do rendimento familiar iguais ou superiores a 25%, comparticipando em 50% no pagamento das rendas habitacionais” e defenderam “maior rapidez no pagamento a fornecedores, assegurando maior liquidez às empresas para fazerem face aos seus compromissos com os trabalhadores”.

Os vereadores do PSD alertaram ainda para a necessidade de “acompanhamento das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), no sentido de garantir apoio na aquisição de Equipamentos de Proteção Individual (UEPI), sobretudo as IPSS que apenas têm creches e jardins-de-infância nas suas respostas sociais, uma vez que, pelo facto de estarem encerrados, não garantem receitas suficientes para o pagamento das despesas mensais, nomeadamente os salários dos trabalhadores”.

“O PSD estará sempre responsavelmente ao lado da população de Caminha, conforme continua a demonstrar reunião atrás de reunião, propondo novas alternativas e medidas para que todos possamos ultrapassar este estado pandémico o melhor possível”, sustenta a nota dos vereadores sociais-democratas.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 70 mil.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 311 mortes, mais 16 do que na véspera (+5,4%), e 11.730 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 452 em relação a domingo (+4%).

Continuar a ler

Viana do Castelo

Lar em Darque, Viana do Castelo, com 30 idosos infetados

Covid-19

em

Foto: RTP

A direção do centro social e paroquial de Darque, em Viana do Castelo, confirmou hoje à Lusa a infeção por covid-19 de 30 dos 41 utentes do lar da instituição e de três funcionários.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da direção, Xavier Moreira, adiantou que os resultados “começaram a chegar no final da semana passada e os últimos na tarde de domingo e vieram confirmar o pior dos receios”.

“Os 30 idosos, com idades entre os 70 e os 90 anos, estão todos estáveis. Estão todos no lar a ser acompanhados pelas autoridades de saúde, sendo que temos quatro utentes, cujos testes deram negativo e que estão isolados, num espaço da instituição”, explicou o padre Xavier Moreira.

O responsável acrescentou que “dos 40 funcionários já testados, apenas três estão infetados”.

O pároco criticou a “demora” na realização dos testes de despiste da doença, justificando “o número tão elevado de infetados por serem feitos a conta gotas”.

Além do lar, com 41 idosos, o Centro Paroquial de Promoção Social e Cultural de Darque, na margem esquerda do rio Lima, dispõe ainda de uma unidade de cuidados continuados de média e longa duração, com 32 utentes.

No total, trabalham naquela Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) 90 funcionários.

“Amanhã [terça-feira] vamos testar os 32 utentes da unidade de cuidados de média e longa duração e, entre amanhã e quarta-feira serão testados mais 52 funcionários. O problema disto é não existirem testes para toda a gente”, referiu.

Questionado sobre a possibilidade de o edifício ser alvo de uma operação de desinfeção, Xavier Moreira disse ser um objetivo da instituição, mas disse desconhecer quando ocorrerá face à situação atual.

“Temos o lar transformado num hospital com os utentes a serem acompanhados pelos funcionários, sob supervisão das autoridades de saúde”, apontou.

Viana do Castelo tem 68 casos registados, segundo os dados divulgados hoje pela Direção-Geral da Saúde.

Portugal, em estado de emergência até 17 de abril, regista ​​​​​​311 mortes, 11.730 infeções e 140 recuperados.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Comandante dos voluntários de Viana demite-se alegando ser “maltratado”

Afixou uma nota no quartel

em

Foto: DR / Arquivo

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Viana do Castelo disse à Lusa que apresentou hoje a demissão do cargo que ocupava há 25 anos por “nunca ter sido tão maltratado por uma direção” como pela atual.

“Estou nos bombeiros há 45 anos. Como comandante há 25 anos e nunca eu como os meus colegas do comando fomos tão maltratados por uma direção”, disse à Lusa Cândido Carvalho.

Em resposta escrita a um pedido de esclarecimento enviado pela Lusa, Cândido de Carvalho adiantou que “desde o primeiro dia após a tomada de posse” a atual direção “reuniu-se com funcionários, bombeiros e até com pessoas que não estavam no ativo, porque tinham sido postos fora da corporação por incumprimento, e fez suposições e acusações contra o comando, cujo trabalho mal conhecia “.

“A partir daí, logo nos apercebemos quais eram os seus propósitos, afastar o comando”, referiu.

Contactado perla Lusa, o presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Viana do Castelo, José Salgado, disse ter recebido o pedido de demissão do comandante, que será analisado na terça-feira, em reunião da direção.

Questionado sobre as razões que motivaram o pedido de demissão, José Salgado, que é também presidente da direção da corporação, escusou-se a adiantar pormenores, referindo apenas que o comandante terá alegado “algum desalento com a direção”.

“Tenho de conversar com ele. Não sei se foi só um disparo que ele deu, mas temos de conversar e a direção tem de reunir para tomar uma posição sobre o assunto”, disse José Salgado, que afirmou que “não estava à espera” da posição assumida pelo comandante.

“Reconheço que o momento é difícil porque há muita atividade e muita falta de dinheiro”, disse, rejeitando a existência de salários em atraso: “Para já não há. Já equacionámos o recurso aos meios que nos estão a ser facultados pela lei, mas só iremos fazer isso em último recurso”.

O presidente da associação humanitária e da direção dos bombeiros acrescentou que “a estrutura hierárquica está a funcionar e o segundo comandante, Paulo Rodrigues, assume o comando da corporação até a situação estar resolvida”.

Fundados em 1881, os Bombeiros Voluntários de Viana são das mais antigas corporações do país e contam com uma estrutura constituída por mais de 20 profissionais e cerca de 95 bombeiros.

José Salgado admitiu que, devido à pandemia de covid-19, a “situação financeira da instituição é difícil e há falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) para os bombeiros”, mas garantiu que “a direção tudo tem feito tudo para não deixar faltar nada ao corpo de bombeiros”.

“Quem arrancou com a estrutura de combate à covid-19 foi o INEM e a Cruz Vermelha. Só eles é que receberam formação, só eles é que receberam equipamentos de proteção e os bombeiros, pelo menos na nossa área não foram tidos nem achados. O que é certo é que os pedidos de ajuda caem é, sobretudo, nos quartéis de bombeiros. Nós é que arranjamos as condições para os nossos homens não serem contaminados. Não deixam de correr riscos, mas não estão tão expostos quando garantem o socorro às nossas populações”, reforçou.

O responsável apontou a “quebra de receitas do serviço de transporte de doentes” para justificar as dificuldades financeira com a instituição se debate.

“Nesta situação aflitiva de pandemia temos feito ver as nossas dificuldades junto da Liga de Bombeiros Portugueses e da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) para que entendam as dificuldades que os bombeiros estão a passar no país todo. Não é essa a razão das questões que possam estar eventualmente a ser invocadas para a demissão”, explicou.

Continuar a ler

Populares