Seguir o O MINHO

Braga

Homem acusado de tentar matar pais em Braga nega ter incendiado o quarto

Julgamento.

em

Foto: CMTV (2017) / DR

Um homem acusado de tentar matar os pais em Braga, por alegadamente ter regado com álcool e incendiado o quarto em que eles dormiam, negou hoje a autoria do crime, no início do julgamento.

O arguido, de 36 anos, disse que, na noite dos factos, deitou-se na cama da mãe, com um aquecedor e uma “mantinha” por cima, tomou dois comprimidos para a depressão e adormeceu.

Disse ainda que, a partir daí, apenas se lembra de ter acordado já no seu quarto, com o pai “aos berros” e o quarto dos progenitores em chamas.

“Foi o aquecedor e a mantinha que provocaram o incêndio, não houve álcool nenhum, não fui eu que provoquei o incêndio, eu era incapaz”, referiu, num depoimento marcado por falhas de memórias e por contradições com as declarações que prestou em sede de primeiro interrogatório.

O arguido disse que ele mesmo tentou ajudar a apagar o fogo e que depois se pôs em fuga, porque na altura se encontrava em liberdade condicional e o pai estava a acusá-lo de ter sido ele a pegar fogo ao quarto.

Referiu que ligou à namorada e que só se lembra de acordar num hotel em Barcelos.

Fugiu para Itália, mas dez dias depois acabou por regressar a casa, sendo detido pela Polícia Judiciária.

Os pais do arguido escusaram-se a prestar declarações.

Os factos registaram-se na madrugada de 26 de setembro de 2017, na freguesia de Este S. Mamede, em Braga, quando, segundo a acusação, o arguido terá regado com álcool o quarto em que os pais dormiam e pegado fogo.

Enquanto isso, terá ficado do lado de fora, a segurar a porta, para que os pais não pudessem fugir.

O pai, no entanto, conseguiu controlar a situação a tempo, não evitando, mesmo assim, que a mulher sofresse queimaduras graves nos pés.

O arguido fugiu e foi ter com a namorada, confessando-lhe que tinha feito uma asneira e tirando-lhe 150 euros da carteira e fugindo-lhe com o carro.

No dia seguinte, ligou à mãe, exigindo que lhe depositasse 5.000 euros numa conta bancária e ameaçando matar o pai a tiro.

Estes factos foram negados pelo arguido, que garantiu que não confessou nada à namorada, que esta lhe deu o dinheiro para gasolina e que apenas ligou à mãe para saber se ela se encontrava bem.

Alegou que, quando prestou declarações em primeiro interrogatório judicial, “não sabia o que dizia” nem estava em si, porque estava a “ressacar da medicação”.

Está acusado de homicídio qualificado na forma tentada.

Segundo a acusação, o crime foi o corolário de constantes desavenças do arguido com os pais, por estes não lhe darem dinheiro para alimentar o vício da droga e não lhe emprestarem o carro.

O arguido já tem antecedentes criminais, tendo sido condenado a 14 anos e meio de prisão pela participação, em finais de 2004, num roubo em Póvoa de Lanhoso, que culminou na morte de um homem.

Após cumprir parte da pena de prisão, saiu em liberdade condicional em finais de maio de 2017.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Braga

Empresário de Braga entre os melhores gestores com menos de 40 anos em Portugal

Ricardo Costa é CEO do Grupo Bernardo da Costa, fundado há mais de 60 anos pelo seu avô e Embaixador Empresarial de Braga.

em

Foto: anteprojetos.com.pt

Ricardo Costa, CEO do grupo Bernardo da Costa, com sede em Braga, íntegra uma lista de 40 nomes, que distingue os principais gestores com menos de 40 anos, em Portugal.

A lista “Líderes Empresariais do Futuro” é uma iniciativa do semanário “Expresso” e do Fórum de Administradores e Gestores de Empresas, que se realiza, este ano, pela segunda vez.

Imagem: Expresso

“Selecionar os 40 líderes empresariais do futuro, pela sua contribuição ativa na economia, percurso de carreira e capacidade de fazer a diferença nos diversos sectores de atividade económica”, explicam os promotores.

A cerimónia de entrega de prémios decorreu na segunda-feira, no Mercado da Ribeira, em Lisboa.

Ricardo Costa, que está na Bernardo da Costa desde 2002, é licenciado em Engenharia e Gestão Industrial pela Universidade Lusíada, onde foi presidente da associação de estudantes, e tem um MBA internacional da Universidade Católica Portuguesa.

Paralelamente, enquanto pai da jovem bailarina Carolina Costa, de apenas 12 anos, ajudou a trazer o “Campeonato do Mundo de Dança” para Braga, evento que envolve um número de pessoas superior ao dos Jogos Olímpicos de Inverno, segundo disse o próprio a O MINHO, na altura em que foi conhecida a decisão, e que se realiza no Altice FORUM, em 2019.

O grupo integra as empresas BC Segurança – conhecida por, todos os anos, levar os seus funcionários de “férias ao paraíso” – , Inergia, A-Touch, Evxa, Diid Portugal, AVPRO e Academia Bernardo da Costa, e registou um aumento de 22% no volume de negócios, no primeiro semestre, tendo registado, só em Portugal, uma faturação superior a sete milhões de euros.

Empresa de Braga volta a pagar férias no paraíso aos funcionários

Presente no mercado desde 1957, este grupo empresarial iniciou a sua atividade com core business nas instalações elétricas de apoio à construção civil. Em 2004, criou a empresa “Bernardo da Costa – Comércio de Equipamentos de Segurança, Lda.” e, já em 2016, foi nomeado Embaixador Empresarial de Braga. 

Atualmente, opera nos cinco continentes, em diferentes áreas, desde a distribuição de equipamentos de segurança eletrónica, controlo de acessos, CCTV, domótica, anti-shoplifting, análise de vídeo, chamada de emergência, instalações elétricas, formação e construção civil.

O Grupo Bernardo da Costa emprega um total de 174 colaboradores, 81 dos quais em Portugal.

Continuar a ler

Atletismo

S. Silvestre de Braga corre-se domingo com atletas de 17 nacionalidades

Inscrições ainda estão abertas.

em

Foto: Divulgação / CM Braga (Arquivo)

A S. Silvestre de Braga é um marco desportivo para a cidade e um evento extremamente importante a nível económico e turístico. As palavras são de Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal de Braga, e foram proferidas durante a apresentação da 41.ª edição da prova, que sai para a estrada já no próximo domingo, dia 16 de dezembro, e onde são esperados milhares de participantes, segundo nota de imprensa enviada a O MINHO.

Foto: Divulgação

“Esta prova é a reafirmação de um momento que marca o calendário desportivo do concelho. A S. Silvestre de Braga é já um momento alto na vida da cidade e assume um papel relevante a nível económico e turístico, uma vez que atrai cada vez mais participantes de todos os pontos do país e até de outras nacionalidades”, referiu o Autarca, acrescentando que esta será “a melhor forma de finalizar um ano especial para Braga e para a programação da Cidade Europeia do Desporto”.

Até ao momento, estão inscritos atletas de 17 nacionalidades diferentes, e a organização espera atingir um novo recorde de participantes, uma vez que, é referido naquela nota, são cada vez mais os bracarenses a adoptarem a actividade desportiva como prática habitual no seu quotidiano.

“A marcha e corrida é algo que está completamente entranhado na generalidade da população bracarense. Actualmente vemos pessoas de todas as idades e que nunca tiveram uma prática desportiva regular, a praticarem desporto nas ruas da cidade e isso deixa-nos extremamente orgulhosos”, concluiu Ricardo Rio, apelando à compreensão dos bracarenses para os eventuais constrangimentos que uma prova desta natureza provoca.

Já Sameiro Araújo, vereadora do Desporto do Município de Braga, destacou a enorme adesão que esta prova tem merecido por parte do bracarenses, mas também de participantes provenientes de outras localidades.

“Desde 2013 que temos vindo a aumentar o número de participantes ao ponto desta prova se afirmar no calendário desportivo nacional. Neste ano tão especial para Braga, tenho a certeza que os bracarenses vão aderir em massa e fazer deste momento uma festa do Desporto”, referiu.

Organizada em parceria com a Runporto, a São Silvestre de Braga irá contar com uma prova cronometrada de 10 quilómetros e uma caminhada de 5,7 quilómetros, sem fins competitivos. Com partida e chegada na Avenida Central, a prova percorre as ruas do centro histórico de Braga, numa altura em que a cidade está ornamentada e iluminada pelas decorações de Natal.

Foto: Divulgação

A competição contará com um grupo de atletas de elite dos quais se destacam Mihail Lalev (SC Braga), Rui Pedro Silva (Sporting), Daniel Pinheiro (S. Salvador do Campo), Filomena Costa (ACD Jardim da Serra), Marta Martins (SC Braga), ou Carlos Costa (S. Salvador do Campo), José Moreira (Sporting) e Emília Pisoeiro (Recreio Desportivo de Águeda).

As inscrições ainda decorrem online, no site da Runporto, sendo possível efectuar inscrições de última hora até sábado, dia 15, nas instalações do Inatel de Braga O levantamento dos kits de participante poderá ser feito a partir de Sábado, entre as 14:00 e as 19:00 horas e no domingo, dia da prova, entre as 10:00 e as 18:00, também nas instalações do Inatel de Braga.

Continuar a ler

Braga

“Era uma vez uma Cidade” é a exposição mais visitada do ano em Braga

Já recebeu 25 mil visitantes.

em

Foto: Divulgação / CM Braga

A exposição “Era uma vez uma Cidade”, patente na Torre de Menagem, em Braga, recebeu num ano 25 mil visitantes, tornando o espaço cultural o mais visitado do universo municipal, divulgou hoje a autarquia.

Em comunicado, a Câmara Municipal de Braga refere que aquela contabilização não inclui os visitantes de dezembro e que o mês com mais visitantes foi agosto (4.339).

“Uma das nossas linhas de ação é a promoção da identidade. É isso que temos desenvolvido com o programa ‘À Descoberta de Braga’, com o Serviço Educativo Integrado, com a nossa iniciativa editorial ou com eventos como a Braga Romana ou a Braga Barroca. A Torre de Menagem e a exposição que aqui se encontra é um complemento a todo este trabalho que temos desenvolvido e que já está a dar frutuosa”, explica no texto a vereadora da cultura, Lídia Dias.

Segundo a responsável, os resultados conseguidos “não apenas confirmam a opção do município para um espaço que se encontrava arredado da vida dos bracarenses mas também criam a obrigação de potenciar uma oferta mais significativa nas áreas da História e do Património”.

O espaço, “batizado como Núcleo Interpretativo da História de Braga propõe uma versão ilustrada da história, protagonistas e evolução urbana de Braga, através do talento do ilustrador Bracarense César Figueiredo”, aponta o município.

Mais de oitenta ilustrações, distribuídas ao longo de quatro pisos, permitem um percurso pelos dois mil anos de história da cidade de Braga.

A elaboração dos conteúdos contou com a colaboração de uma dezena de investigadores, além do apoio logístico do Museu D. Diogo de Sousa e do Museu Pio XII.

Continuar a ler

Populares