Seguir o O MINHO

Braga

Homem acusado de tentar matar pais em Braga nega ter incendiado o quarto

Julgamento.

em

Foto: CMTV (2017) / DR

Um homem acusado de tentar matar os pais em Braga, por alegadamente ter regado com álcool e incendiado o quarto em que eles dormiam, negou hoje a autoria do crime, no início do julgamento.

O arguido, de 36 anos, disse que, na noite dos factos, deitou-se na cama da mãe, com um aquecedor e uma “mantinha” por cima, tomou dois comprimidos para a depressão e adormeceu.

Disse ainda que, a partir daí, apenas se lembra de ter acordado já no seu quarto, com o pai “aos berros” e o quarto dos progenitores em chamas.

“Foi o aquecedor e a mantinha que provocaram o incêndio, não houve álcool nenhum, não fui eu que provoquei o incêndio, eu era incapaz”, referiu, num depoimento marcado por falhas de memórias e por contradições com as declarações que prestou em sede de primeiro interrogatório.

O arguido disse que ele mesmo tentou ajudar a apagar o fogo e que depois se pôs em fuga, porque na altura se encontrava em liberdade condicional e o pai estava a acusá-lo de ter sido ele a pegar fogo ao quarto.

Referiu que ligou à namorada e que só se lembra de acordar num hotel em Barcelos.

Fugiu para Itália, mas dez dias depois acabou por regressar a casa, sendo detido pela Polícia Judiciária.

Os pais do arguido escusaram-se a prestar declarações.

Os factos registaram-se na madrugada de 26 de setembro de 2017, na freguesia de Este S. Mamede, em Braga, quando, segundo a acusação, o arguido terá regado com álcool o quarto em que os pais dormiam e pegado fogo.

Enquanto isso, terá ficado do lado de fora, a segurar a porta, para que os pais não pudessem fugir.

O pai, no entanto, conseguiu controlar a situação a tempo, não evitando, mesmo assim, que a mulher sofresse queimaduras graves nos pés.

O arguido fugiu e foi ter com a namorada, confessando-lhe que tinha feito uma asneira e tirando-lhe 150 euros da carteira e fugindo-lhe com o carro.

No dia seguinte, ligou à mãe, exigindo que lhe depositasse 5.000 euros numa conta bancária e ameaçando matar o pai a tiro.

Estes factos foram negados pelo arguido, que garantiu que não confessou nada à namorada, que esta lhe deu o dinheiro para gasolina e que apenas ligou à mãe para saber se ela se encontrava bem.

Alegou que, quando prestou declarações em primeiro interrogatório judicial, “não sabia o que dizia” nem estava em si, porque estava a “ressacar da medicação”.

Está acusado de homicídio qualificado na forma tentada.

Segundo a acusação, o crime foi o corolário de constantes desavenças do arguido com os pais, por estes não lhe darem dinheiro para alimentar o vício da droga e não lhe emprestarem o carro.

O arguido já tem antecedentes criminais, tendo sido condenado a 14 anos e meio de prisão pela participação, em finais de 2004, num roubo em Póvoa de Lanhoso, que culminou na morte de um homem.

Após cumprir parte da pena de prisão, saiu em liberdade condicional em finais de maio de 2017.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Braga

Braga Romana arranca com mais de 200 atuações

Programação conta com novidades

em

Foto: DR/Arquivo

Arranca esta quarta-feira a 16.ª edição da Braga Romana, que decorre até ao domingo. O evento terá este ano 200 atuações, cinco palcos, 80 actividades pedagógicas, 139 mercadores, 90 entidades e 39 agentes artísticos.

Este ano, a Braga Romana apresenta-se com diversas novidades, desde logo com a relocalização do Acampamento Militar no Largo Paulo Orósio (frente aos Bombeiros Voluntários), e da área pedagógica no Largo de Santiago. Nesta edição, os principais espectáculos – Concílio dos Deuses, Casamento Romano e Funeral Romano – terão lugar no palco instalado no átrio do Museu D. Diogo de Sousa.

Foto: Divulgação

Foto: CM Braga

Foto: CM Braga

Foto: CM Braga

Segundo a organização, as alterações foram feitas por causa da necessidade de levar o evento para o local onde Bracara Augusta tinha a sua área delimitada pela muralha romana. Esta será também uma oportunidade para atrair mais visitantes a espaços como as Termas da Cidade, ao Largo de S. Paulo, Largo de Santiago e até ao Museu D. Diogo de Sousa.

Atenção, Braga. Condicionamentos no trânsito e estacionamento devido à Braga Romana

Também o mercado será distribuído pela rua Francisco Sanches, Largo de S. João do Souto, rua de S. João, Rua do Forno, Rua de Nossa Senhora do Leite, Rua Gonçalo Pereira. Já a Praça da Alimentação continua instalada nas Carvalheiras e no Largo de S. Paulo.

A 16.ª edição coloca à disposição do grande público oportunidades para um contacto mais efectivo com a memória da civilização romana no território bracarense, com a recriação do quotidiano romano nas suas mais diversas áreas. A Braga Romana dá ainda a oportunidade ao público para visitar museus e espaços arqueológicos que, nestes dias, se enchem de vida e novas experiências.

Veja a programação completa aqui.

Continuar a ler

Braga

Jovem de Braga encontrado em pijama na linha de comboio com lesão num pé

Circunstâncias ainda desconhecidas

em

Foto: DR/Arquivo

Um universitário de 21 anos, natural de Braga, foi encontrado hoje em pijama caído junto à linha de comboios da CP, em Aveiro, com uma lesão “gravíssima” num pé, em circunstâncias que estão ainda por esclarecer, informou fonte dos Bombeiros.

Em declarações à Lusa, o comandante dos Bombeiros Velhos, Carlos Pires, disse que o alerta foi dado cerca das 07:00 pelo jovem, que ligou para os bombeiros a dizer que estava caído junto ao cais de carga e descarga do hipermercado Jumbo.

Após uma busca ao local, cerca de 20 minutos depois, os bombeiros vieram a encontrar o estudante encostado junto à linha da CP.

“Ele estava de pijama, visivelmente alcoolizado, e não deu qualquer explicação para se encontrar naquela situação. Ele diz que não se lembra como é que foi ali parar”, disse Carlos Pires.

Segundo o comandante, o jovem estava consciente, mas apresentava uma lesão “gravíssima” num pé que terá sido causada por um comboio.

Os bombeiros presumem que o acidente terá acontecido durante a noite e só de manhã é que o jovem teria dado conta da situação.

“Ele estaria ali meio a dormir e meio alcoolizado só agora de manhã é que se apercebeu da gravidade da situação e fez a chamada para o INEM”, disse Carlos Pires.

O jovem, que se encontra a estudar na Universidade de Aveiro, foi transferido para o Hospital local.

Contactadas pela Lusa, as autoridades desconhecem se se tratou de um acidente ou de outra situação.

De acordo com informação disponível na página da Internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil, o alerta para um “atropelamento ferroviário” foi dado às 06:49 e mobilizou 10 operacionais, apoiados por quatro viaturas.

Continuar a ler

Braga

Livros estão de regresso à Praça do Município de Vieira do Minho

Certame prolonga-se até 29 de maio

em

Foto: CM Vieira do Minho

A Praça do Município em Vieira do Minho foi o local escolhido para acolher a edição de 2019 da Feira do Livro que arranca hoje e se prolonga até de 29 de maio.

Para além das ‘tradicionais’ novidades bibliográficas, a organização elaborou um programa de atividades e animação com destaque para as oficinas literárias, encontros com contadores de histórias e escritores, ateliers livres, apresentação de livros, entrega de prémios aos melhores leitores de 2019 e a atuação da Tuna Masculina da CESPO – Famalicão.

Destaque ainda para conversas com autores, apresentações, lançamentos de livros e sessões de autógrafos, tudo com o objetivo de “contribuir para estimular e intensificar a curiosidade e o gosto pela leitura, quer no público infanto-juvenil, quer no público adulto”, refere nota municipal.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Patrocinado

Reportagens da Semana

Populares